organocatalisePROFESSORA : ADRIANNE MENDONÇA
INTRODUÇÃO• Atualmente, é crescente o emprego de organocatalisadores para induzirestereosseletividade. A organocatálise, o...
INTRODUÇÃO• Assim, pretendemos preparar novos organocatalisadores, que incorporem em suasestruturas derivados de carboidra...
INTRODUÇÃO• Estas novas classes de organocatalisadores, deverão ser testadas como mediadoresquirais, em reações de adição ...
AS PRINCIPAIS VANTAGENS DA ORGANOCATÁLISE PODEM SER RESUMIDAS EMQUATRO ELEMENTOS CENTRAIS:• 1. Desenvolvimento de novos mo...
AMINOCATALISADORES• Enquanto a utilização de pequenas moléculas comocatalisadores em• transformações orgânicas é conhecida...
AMINOCATALISADORES• Entretanto, devido ao grande número de funcionalizações bem sucedidas• de aldeídos e aldeídos• α,β• -i...
• Em geral, há quatro tipos distintos de ativação carbonílicas• aminocatalisadas (esquema 2), duas se aplicam a aldeídos a...
• Em relação à carbonila. Já a funcionalização de aldeídos• α,β• -insaturados pode ser• realizada com nucleófilos na posiç...
ADIÇÃO CONJUGADA NUCLEOFÍLICA• Adição conjugada nucleofílica é um tipo de reação orgânica. Adições nucleofílicasordinárias...
ANÉIS INDÓLICOS• Os anéis indólicos são estruturas privilegiadas em váriasáreas de• pesquisa como farmacêutica, fragrância...
PROLINA• A prolina é um dos aminoácidos codificados pelo código genético, sendoportanto um dos componentes das proteínas d...
ESTRUTURA DA PROLINA
OBRIGADA !!!
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Organocatalise

575 visualizações

Publicada em

orgânica

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
575
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Organocatalise

  1. 1. organocatalisePROFESSORA : ADRIANNE MENDONÇA
  2. 2. INTRODUÇÃO• Atualmente, é crescente o emprego de organocatalisadores para induzirestereosseletividade. A organocatálise, ou seja, o uso de moléculas orgânicas de baixopeso molecular para catalisar transformações orgânicas na ausência de metais, é umaramificação da catálise assimétrica que tem se desenvolvido muito rapidamente nosúltimos oito anos. As reações organocatalisadas são classificadas de acordo com osseus dois diferentes métodos de ativação: não-convalente e covalente. Neste contexto,a utilização de sais de amônio quirais para indução de assimetria, em condiçõescatalíticas (CTF assimétrica), começou a receber atenção especial a partir da décadade 70. Atualmente os catalisadores mais utilizados têm sido os derivados do BINOL ede alcalóides da cinchona.
  3. 3. INTRODUÇÃO• Assim, pretendemos preparar novos organocatalisadores, que incorporem em suasestruturas derivados de carboidratos e esteróides, em combinação com o alcalóidecinchona e alguns dos seus derivados. De posse dos catalisadores quirais detransferência de fase, pretendemos avaliar o desempenho dos mesmos em diversasreações visando a síntese de moléculas biologicamente ativas. Dentre elas, podemosdestacar à síntese de a-aminoácidos, g-lactamas e alcalóides quirais. De maneira similar,prepararemos, tiouréias, selenouréias e derivados squaramídicos que incorporem emsuas estruturas um núcleo quiral derivado de esteróides, os quais devem atuar comoagentes responsáveis pela transferência da quiralidade ao substrato.
  4. 4. INTRODUÇÃO• Estas novas classes de organocatalisadores, deverão ser testadas como mediadoresquirais, em reações de adição conjugada de nucleófilos de carbono a acilfosfonatos a,b-insaturados visando a síntese de lactonas e lactamas quirais. Adicionalmente, pretendemosempregar esta metodologia, na síntese de substâncias a síntese dos fármacos Baclofen ePregabalina. Atualmente, é de grande interesse na área da catálise assimética odesenvolvimento de reações que possam ser realizadas em meio aquoso. A substituição desolventes orgânicos por água minimiza o impacto ambiental, além de ter baixo custo eapresentar menor periculosidade operacional. No entanto, o uso de água como solventereacional nem sempre é eficiente, pois a água muitas vezes inibe a atividade do catalisadorou altera a enantiosseletividade. Por isso, o design apropriado da estrutura do catalisadordeve ser encontrado, para que altos níveis de enantiosseletividade sejam atingidos. Comeste objetivo, pretende-se preparar novos
  5. 5. AS PRINCIPAIS VANTAGENS DA ORGANOCATÁLISE PODEM SER RESUMIDAS EMQUATRO ELEMENTOS CENTRAIS:• 1. Desenvolvimento de novos modos de ativação do substrato, ampliando, assim, apossibilidade de novas transformações;• 2. Processos organocatalíticos são capazes de catalisar transformações conhecidas• com químio, régio, diástereo, ou enantiosseletividade;• 3. Catalisadores orgânicos são geralmente insensíveis ao oxigênio e umidade, não• requerem a utilização de ambiente rea• cional inerte ou solventes secos;• 4.Os organocatalisadores são de baixo custo• de preparação, fácil de manusear e• prontamente acessível em grande escala.
  6. 6. AMINOCATALISADORES• Enquanto a utilização de pequenas moléculas comocatalisadores em• transformações orgânicas é conhecida e descrita há mais deum século, o campo das• transformações enantiosseletivas de aldeídos, utilizandoaminas secundárias quirais, foi• descrito somente na década passada.
  7. 7. AMINOCATALISADORES• Entretanto, devido ao grande número de funcionalizações bem sucedidas• de aldeídos e aldeídos• α,β• -insaturados em reações am• inocatalisadas, além de• aplicações dessas reações na síntese de importantes moléculas biológicas, os• aminocatalisadores são considerados atualmente um dos principais métodos• empregados nas funcionalizações assimétricas de compostos carbonílicos.• As principais rotas aminocatalíticas• para transformações assimétricas
  8. 8. • Em geral, há quatro tipos distintos de ativação carbonílicas• aminocatalisadas (esquema 2), duas se aplicam a aldeídos alifáticos, e outras duas• utilizam aldeídos• α,β• -insaturados, respectivamente. Empreg• ando-se aldeídos alifáticos,• podem ser obtidas funcionalizações nucleofílicas ou eletrolíticas na posição (alfa)
  9. 9. • Em relação à carbonila. Já a funcionalização de aldeídos• α,β• -insaturados pode ser• realizada com nucleófilos na posição• -• -funcionalização, tal funcionalização de aldeídos• α,β insaturados é dirigida pela reatividade do íon imínio• , com sua formação há um diminuição da energia do LUMO no eletró• filo, tornando-se, assim, uma espécie mais• reativa, ou seja, mais eletrofílica pa• ra a entrada do nucleófilo
  10. 10. ADIÇÃO CONJUGADA NUCLEOFÍLICA• Adição conjugada nucleofílica é um tipo de reação orgânica. Adições nucleofílicasordinárias ou adições 1,2-nucleofílicas lidam principalmente com adições a compostosde carbonila. Compostos alquenos simples não mostram reatividade 1,2 devido à falta depolaridade, salvo se o alqueno é ativado com substituintes especiais. Com compostos decarbonila α,β-insaturados tais como cicloexenona, pode ser deduzida das estruturas deressonância que a posição β é um sítio eletrofílico, o qual pode reagir com um nucleófilo.A carga negativa nestas estruturas é armazenada em um ânion alcóxido. Uma adiçãonucleofílica é chamada de adição conjugada nucleofílica ou adição 1,4-nucleofílica. Osalquenos ativados mais importantes são as acima mencionadas carbonilas e acrilonitrilasconjugadas.
  11. 11. ANÉIS INDÓLICOS• Os anéis indólicos são estruturas privilegiadas em váriasáreas de• pesquisa como farmacêutica, fragrâncias,• agroquímicos, pigmentos e ciências dos materiais
  12. 12. PROLINA• A prolina é um dos aminoácidos codificados pelo código genético, sendoportanto um dos componentes das proteínas dos seres vivos. Diferencia-sedos demais aminoácidos devido ao facto de possuir uma estruturaquimicamente coesa e rígida, sendo mesmo o aminoácido mais rígido dosvinte que são codificados geneticamente. A sua estrutura anelar confere-lheainda a classificação de iminoácido, já que a sua estrutura resulta daligação do terminal alfa-amina (NH2) à cadeia variável alifática.
  13. 13. ESTRUTURA DA PROLINA
  14. 14. OBRIGADA !!!

×