Adriana Arezes nº1
Olívia Carvalho
Introdução
 A obra Memorial do Convento foi escrita pelo escritor romancista
Português José Saramago, foi –lhe atribuído ...
Contextualização histórica do
Romance
 Memorial do Convento evoca o período da história portuguesa
correspondente ao rein...
Estrutura da obra
1ª linha de ação
“Era uma vez um rei que fez a promessa de levantar um convento
em Mafra”…
 Esta linha ...
2ª linha de ação
“Era uma vez a gente que construiu esse convento”…
 Esta é a linha da ação principal da história. Esta l...
3ª linha de ação
“Era uma vez um soldado maneta e uma mulher que tinha
poderes”…
 Nesta linha relata-se uma história de a...
4ª linha de ação
“Era uma vez um padre que queria voar e morreu doido”…
 Relaciona-se com o sonho e o desejo de construir...
Tempo
 Tempo histórico- a acção passa-se no início do século XVIII (1711
– 1739).
 Ao longo da obra, as referências temp...
Espaço
A acção desenrola-se em dois espaços principais:
Mafra e Lisboa.
o Mafra: passa da vila velha e do antigo castelo n...
Espaço: Lisboa
Terreiro do Paço: local onde trabalhava Baltasar na sua chegada a Lisboa. É
um espaço fulgurante de vida, c...
D.João V e D.Maria Ana Josefa
 Maria Ana Josefa
De origem austríaca, a rainha, surge
com a única missão de dar herdeiros
...
Baltasar e Blimunda
 São o casal, Blimunda é conhecida como Sete-Luas e Baltasar
como o Sete-Sois, conhecem-se durante um...
Padre Bartolomeu de Gusmão
o Tem a alcunha de Voador, gosta de viagens, estrangeirado. A população
troça dele, Baltasar e ...
Povo
o Todos os anónimos que construíram a História.
o O povo, massa anónima tantas vezes subestimada e esquecida
pela His...
Bibliografia
http://mentesbrilhantes20102011.blogspot.pt/2010/05
/memorial-do-convento-de-jose-saramago.htm
http://farolda...
Memorial do convento   adriana arezes 12ºagd
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Memorial do convento adriana arezes 12ºagd

420 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
420
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Memorial do convento adriana arezes 12ºagd

  1. 1. Adriana Arezes nº1 Olívia Carvalho
  2. 2. Introdução  A obra Memorial do Convento foi escrita pelo escritor romancista Português José Saramago, foi –lhe atribuído o premio Nobel de Literatura (1998), foi o prémio de máxima consagração alguma vez oferecida aos escritores de língua portuguesa, até aos dias de hoje.
  3. 3. Contextualização histórica do Romance  Memorial do Convento evoca o período da história portuguesa correspondente ao reinado de D. João V, no século XVIII, procurando uma ligação com as situações políticas de meados do século XX. Reescreve essa época de luxo e de grandeza da Corte de Portugal, que procura imitar o esplendor da Corte francesa do Rei Luís XIV, o poder absoluto e o iluminismo configuram este século.  A referência à guerra da Sucessão, em que Baltasar se vê amputado da mão esquerda, a imponência bárbara dos autos-de-fé, a construção do convento, os esponsais da princesa Maria Bárbara, a construção da passarola voadora pelo Padre Bartolomeu e tantos outros acontecimentos confirmam a correspondência aproximada ao que nessa época ocorre e conferem à obra a designação de “romance histórico”.
  4. 4. Estrutura da obra 1ª linha de ação “Era uma vez um rei que fez a promessa de levantar um convento em Mafra”…  Esta linha de ação abrange todas as personagens da família real e relaciona-se com a segunda linha de ação, uma vez que a promessa do rei é que vai possibilitar a construção do convento.  Esta linha tem como espaço principal a corte e, depois, o convento, na altura da sua inauguração, no dia do aniversário do rei.
  5. 5. 2ª linha de ação “Era uma vez a gente que construiu esse convento”…  Esta é a linha da ação principal da história. Esta linha de ação fala sobre a gente que construiu esse convento.  Esta linha de ação une a primeira à terceira: se a construção do convento é ideia e promessa do rei, é pelo sacrifício dos homens que a obra se realiza. Aqui são representados por Baltasar e Blimunda.  Glorificam-se aqui os homens que se sacrificaram, passaram por dificuldades, mas que também as vencem.
  6. 6. 3ª linha de ação “Era uma vez um soldado maneta e uma mulher que tinha poderes”…  Nesta linha relata-se uma história de amor entre Baltasar e Blimunda, e o modo de vida dos portugueses.  Baltasar e Blimunda são os construtores da passarola, Baltasar é também, construtor do convento, constituindo-se como um exemplo de força que faz mover Portugal, força do povo.
  7. 7. 4ª linha de ação “Era uma vez um padre que queria voar e morreu doido”…  Relaciona-se com o sonho e o desejo de construir uma máquina voadora.  A construção da passarola resulta da força das vontades que Blimunda tem de recolher para que a passarola voe.
  8. 8. Tempo  Tempo histórico- a acção passa-se no início do século XVIII (1711 – 1739).  Ao longo da obra, as referências temporais são escassas e, muitas vezes, deduzidas. O crescimento e o envelhecimento das personagens também nos dá conta da passagem do tempo.
  9. 9. Espaço A acção desenrola-se em dois espaços principais: Mafra e Lisboa. o Mafra: passa da vila velha e do antigo castelo nas proximidades da Igreja de Santo André para a vila nova onde se ira construir o convento. o Lisboa: descrevem-se vários espaços dos quais se destacam o Terreiro do Paço, o Rossio e S. Sebastião da Pedreira.
  10. 10. Espaço: Lisboa Terreiro do Paço: local onde trabalhava Baltasar na sua chegada a Lisboa. É um espaço fulgurante de vida, com grande importância no contexto da sociedade lisboeta da época. Rossio: surge no início da obra, relacionado com o auto-de-fé que aí se realiza. A reconstituição do auto-de-fé é fidedigna, a cerimónia tinha por base as sentenças proferidas pelo Tribunal do Santo Ofício. S. Sebastião da Pedreira: local mágico ao qual só acedem o padre, Bartolomeu Lourenço, o Voador, Baltasar e Blimunda. É lá que se encontra a máquina voadora, a Passarola, que está a ser construída. S. Sebastião da Pedreira era, um espaço rural, onde não faltavam fontes, terras de olival, e onde se situava a quinta abandonada.
  11. 11. D.João V e D.Maria Ana Josefa  Maria Ana Josefa De origem austríaca, a rainha, surge com a única missão de dar herdeiros ao rei para glória do reino e alegria de todos. É símbolo do papel da mulher da época: submissa, simples procriadora, objecto da vontade masculina. D.João V Proclamado rei a 1 de Janeiro de 1707, casou, no ano seguinte, com a princesa Maria Ana Josefa de Áustria. Surge na obra só pela sua promessa de erguer um convento se tivesse um filho varão do seu casamento. É um monarca absolutista, vaidoso, megalómano, egocêntrico.
  12. 12. Baltasar e Blimunda  São o casal, Blimunda é conhecida como Sete-Luas e Baltasar como o Sete-Sois, conhecem-se durante um auto-de-fé, levado a cabo pela Inquisição, no de 26 de Julho de 1711.  Vivem um amor sem regras, natural e instintivo, entregando- se um ao outro. A plenitude do amor é sentida no momento em que se amam e a procriação não é sonho que os atormente como sucede com os reis.
  13. 13. Padre Bartolomeu de Gusmão o Tem a alcunha de Voador, gosta de viagens, estrangeirado. A população troça dele, Baltasar e Blimunda serão ouvintes atentos das suas histórias e sermões. o Baltasar, Blimunda e o padre Bartolomeu formam um trio que vai pôr em prática o sonho de voar. Assim, o trabalho físico e artesanal, de Baltasar, liga-se à capacidade mágica de Blimunda e aos conhecimentos científicos do padre. o Todos partilham do entusiasmo na construção da passarola, aos quais se junta um quarto elemento, o músico Domenico Scarlatti, que passa a tocar enquanto os outros trabalham. O saber artístico junta-se aos outros saberes e todos corporizam o sonho de voar.
  14. 14. Povo o Todos os anónimos que construíram a História. o O povo, massa anónima tantas vezes subestimada e esquecida pela História, é apresentado como o verdadeiro herói, na medida em que foi à custa do seu sacrifício, e muitas vezes da própria morte, que se tornou possível a construção do convento.
  15. 15. Bibliografia http://mentesbrilhantes20102011.blogspot.pt/2010/05 /memorial-do-convento-de-jose-saramago.htm http://faroldasletras.no.sapo.pt/memorial_do_convent o.html http://ciberjornal.files.wordpress.com/2009/01/memor ial-do-convento-contextualizacao.pdf

×