Gestão das Águas da Pampulha

794 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
794
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
365
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gestão das Águas da Pampulha

  1. 1. Gestão das águas de Belo Horizonte. João Gabriel Prata Salomão Gabriel Henrique Silva Brum Pedro Marcio Oliveira Silveira 6º ano A
  2. 2. Medidas públicas para retirada do lixo e sua destinação. Aspirador gigante será montado na Lagoa da Pampulha Está sendo montado um aspirador gingante que vai ajudar na retirada de sedimentos e lixo acumulados no fundo da Lagoa da Pampulha. Este equipamento já entrou em funcionamento para retirado dos sedimentos do fundo da Lagoa da Pampulha, sendo um dos principais objetivos da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) será despoluir até a copa do mundo de 2014 o reservatório, sendo este um dos grandes cartões postais da capital mineira. Segundo técnicos do Grupo Ambitec o aspirador (dragas flutuantes) tem o objetivo de retirar do fundo da lagoa cerca de 800 mil cúbicos de sedimentos até o mês de abril de 2014. Será gasto aproximado de R$ 108 milhões de reais. Mesmo com este gasto não será suficientes para resolver todo o problema do acúmulo de sedimentos e aspecto da água, sendo necessário o tratamento dos afluentes que deságuam na Lagoa da Pampulha e a intercepção dos esgoto que são lançados nos afluentes sem tratamentos. Montagem do aspirador gigante.
  3. 3. Sistema de funcionamento do aspirador Operários trabalham na montagem dos equipamentos e encanamentos vindos da Alemanha. O aspirador gigante tem aproximadamente o tamanho de um prédio de três andares sendo capaz de sugar do fundo da lagoa cerca de 1700 m³ de sedimentos a cada hora de trabalho sem parar. Podendo assim melhorar um pouco o aspecto turvo e o mau cheiro da água.
  4. 4. Retirada de sedimentos nas ilhas A muito a fazer na opinião de especialistas, muito ainda deve ser feito. O presidente da ONG Terra Viva e vice-presidente da Associação dos Amigos da Pampulha (APAM), Carlos Augusto Moreira, defende que uma maior quantidade de sedimentos deva ser retirada da lagoa e que os 700 mil metros cúbicos coletados pela PBH não serão suficientes. "O assoreamento é uma questão muito grave. Reiteramos que é necessário retirar no mínimo 1 milhão e meio de metros cúbicos de sedimentos e lixo. Mantendo as condições atuais de falta de fiscalização, ocupação desordenada, botaforas clandestinos, o desassoreamento a ser feito será problema novamente em cinco anos".
  5. 5. Abastecimento de água da Lagoa da Pampulha As água que fluem para a Lagoa nascem e percorrem um bacia hidrográfica de aproximadamente de 96 km² dos municípios de Belo Horizonte e Contagem. A Pampulha é composta de 8 principais afluentes. São os córregos: Mergulhão, Tijuco, Ressaca, Sarandi, Água Funda, Braúna, Olhos D água e AABB. Os córregos Sarandi, Ressaca e Água Funda são os de maior importância, responsáveis pelo aporte de 75% do abastecimento da Lagoa. Em 1936, na administração do prefeito Otacílio Negrão de Lima, iniciou – se o represamento do ribeirão da Pampulha, objetivando a construção de uma lagoa, cuja finalidade seria amortecer enchentes, contribuir para o abastecimento da capital e para o lazer de todos os moradores da capital.
  6. 6. Possibilidade de rompimento da Barragem da Lagoa da Pampulha A barragem da Pampulha, hoje com mais de 40 anos de vida e já tendo sua represa perdido bem mais da metade de sua capacidade de armarzenamento de água, aléem da perda gradativa da capacidade de contenção de enchentes, está incondicionalmente sujeita a acidentes de séerias proporções, como resultado de comportamentos anômalos, carreando mais do que nunca de um Sistema de Maior Controle Operacional para monitorar e programar as medidas preventivas adequadas, pois as “Descobertas ao Acaso” a exemplo dos recentes problemas do canal de fuga, poderão surgir sem dar tempo hábil, até mesmo para as obras emergenciais de correção.
  7. 7. Passaram-se 68 anos da inauguração da lagoa e o cenário já não é o mesmo. Dos 18 milhões de litros de água que a lagoa tinha, hoje estima-se que este número chegue a apenas 7 milhões. A área do espelho d água que está com apenas 40% da sua capacidade original, além de apresentar uma grande quantidade de matéria orgânica, contem baixas concentrações de oxigênio. Comentários: “Devido as grandes obras ocorridas na região da barragem e o aumento do fluxo de trâansito, podemos considerar também o aumento do risco de rompimento. Apesar de manutenções recentes no vertedouro e na barragem, podemos ainda no mês de julho de 2013 observar trabalhos de sondagem junto a mesma.”
  8. 8. Esgotamento sanitário dos bairros ao redor da Lagoa da Pampulha A Lagoa da Pampulha foi projetada para manter a qualidade da água dos mananciais que abastecem os municípios atendidos pela Copasa, a empresa (companhia) desenvolve diversos projetos estratégicos no estado. Um deles é o Programa de Despoluição da Bacia da Lagoa da Pampulha, cujo objetivo é contribuir para reduzir, em mais de 95%, a carga orgânica (esgoto) que é despejada na Lagoa da Pampulha. São 37 obras executadas entre as cidades de Contagem e Belo Horizonte, que apoiaram direta ou indiretamente cerca de 450 mil pessoas. Dentre elas,destacam – se a implantação de mais de 78 quilômetros de redes coletoras e interceptores ao longo da bacia. Até hoje, já foram implantados mais de 21 mil metros de redes e cerca de sete mil metros de interceptores. As obras para despoluição da Lagoa da Pampulha envolvem recursos da ordem de R$ 102 milhões de reais, provenientes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Governo Federal, cuja previsão para conclusão é até dezembro de 2013. A convivência dos bairros do entorno da Lagoa da Pampulha é difícil, apesar dela ser um cartão postal, devido o mal cheiro que propicia a presença de animais (ratos) e insetos (baratas, moscas, mosquitos entre outros).
  9. 9. Fonte da pesquisa: http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/comunidade.do?evento=portlet&pIdPlc=ecpTax onomiaMenuPortal&app=politicasurbanas&tax=16906&lang=pt_BR&pg=5562&taxp=0 & http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/comunidade.do?evento=portlet&pIdPlc=ecpTaxonomia MenuPortal&app=balanco&tax=17741&lang=pt_BR&pg=7101&taxp=0& http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/comunidade.do?evento=portlet&pIdPlc=ecpTax onomiaMenuPortal&app=politicasurbanas&tax=7434&lang=pt_BR&pg=5562&taxp=0& Projeto Sóécio-ambiental lagoa da Pampulha

×