Eclesiástico 25,5 <ul><li>“ Como acharás na velhice aquilo que não tiveres acumulado na juventude?” </li></ul>
Doença de Alzheimer Dra. Jussimar Mendes de Aquino Geriatra [email_address]
Etiologia DA <ul><li>-Fatores Genéticos </li></ul><ul><li>-Idade  </li></ul><ul><li>-32,9 % tem familiar  </li></ul><ul><l...
 
Descrita pelo alemão Alois Alzheimer  (1864-1915 )   Publicou em 1907 O Artigo Characterirtic serios disease of the cerebr...
Avaliação das Atividades de Vida Diária - AVD <ul><li>Comer </li></ul><ul><li>Usar o sanitário </li></ul><ul><li>Realizar ...
Multidisciplinar Interprofissional <ul><li>Psiquiatras </li></ul><ul><li>Neurologistas </li></ul><ul><li>Geriatras </li></...
Avaliação das Atividades Instrumentais da Vida Diária - AIVD <ul><li>Domiciliar </li></ul><ul><li>Cozinhar </li></ul><ul><...
Dia Mundial da  Doença de Alzheimer 21 de setembro
O que é doença de Alzheimer ? <ul><li>É uma condição que provoca deficiência no ato de adquirir um conhecimento, sentir, p...
MEMÓRIA é a capacidade de reter novas informações
<ul><li>Demência </li></ul><ul><li>é perda de contato com a realidade. </li></ul><ul><li>A demora para o diagnóstico é uma...
Fatores de risco D.A. <ul><li>Aumento da idade ; </li></ul><ul><li>Menor instrução ; </li></ul><ul><li>História familiar d...
Sintomas de comportamento <ul><li>Humor , depressão, apatia, choro e baixa auto-estima; </li></ul><ul><li>Agressão verbal ...
Como melhorar a comunicação com DA <ul><li>Falar em tom de voz calmo; </li></ul><ul><li>Usar frases curtas e concisa; </li...
Causas de alterações de comportamento abruptas <ul><li>Mudança de ambiente;  </li></ul><ul><li>Novas doenças; </li></ul><u...
Quem pode ser o cuidador? <ul><li>Formais: profissionais de saúde (médico, enfermeiros, fisioterapeutas, terapeutas ocupac...
Tarefas do cuidador   <ul><li>Dar e proporcionar supervisão adequada; </li></ul><ul><li>Garantir o bem-estar médico do pac...
A marcada diferença entre relato do paciente de  Boa Saúde  e o que contam seus filhos deveria sugerir fortemente a possib...
Fases da doença: <ul><li>Fase leve: </li></ul><ul><li>Um contato superficial e rápido pode não demonstrar alterações. </li...
Sintomas freqüentes na fase moderada <ul><li>Dificuldade na condução da vida diária (controle das finanças, compras,etc;  ...
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Finalidades do  Tratamento <ul><li>Tem indicação na fase lese e moderada;  </li></ul><ul><li>Tem resposta inicial de estab...
Tratamento Medicamentoso  <ul><li>1.-Os 3 (tres) inibidores da colinesterase  </li></ul><ul><li>- Donepesila, Galantamina,...
Tratamento não Medicamentoso  <ul><li>-Diminuir sonecas diurnas. </li></ul><ul><li>-Orientação para não dirigir. </li></ul...
<ul><li>Obrigada  !!! </li></ul>
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento

28.157 visualizações

Publicada em

Distúrbios de memória: diagnóstico diferencial e o tratamento na Doença de Alzheimer, pela geriatra, Dra. Jussimar Mendes de Aquino. Apresentação no Simpósio de Neurociência e Reabilitação 2008, em Campo Grande - MS, realizado pela Adone e Unepe.

Publicada em: Saúde e medicina
5 comentários
16 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
28.157
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
134
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.061
Comentários
5
Gostaram
16
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento

    1. 2. Eclesiástico 25,5 <ul><li>“ Como acharás na velhice aquilo que não tiveres acumulado na juventude?” </li></ul>
    2. 3. Doença de Alzheimer Dra. Jussimar Mendes de Aquino Geriatra [email_address]
    3. 4. Etiologia DA <ul><li>-Fatores Genéticos </li></ul><ul><li>-Idade </li></ul><ul><li>-32,9 % tem familiar </li></ul><ul><li>-Transmitida de forma autossonica dominante </li></ul><ul><li>em 25% </li></ul><ul><li>-Risco relativo geral 3,5% com parentes de </li></ul><ul><li>1° Grau </li></ul><ul><li>-Cromossoma 14 e 21 inicio precoce </li></ul>
    4. 6. Descrita pelo alemão Alois Alzheimer (1864-1915 ) Publicou em 1907 O Artigo Characterirtic serios disease of the cerebral córtex
    5. 7. Avaliação das Atividades de Vida Diária - AVD <ul><li>Comer </li></ul><ul><li>Usar o sanitário </li></ul><ul><li>Realizar os cuidados pessoais de higiene </li></ul><ul><li>Sair da cama para cadeira e o piso </li></ul><ul><li>Andar(inclusive com uso de próteses) </li></ul><ul><li>Continência urinária </li></ul><ul><li>Vestir-se </li></ul><ul><li>Capacidade de comunicação </li></ul>Dra. Jussimar Mendes de Aquino
    6. 8. Multidisciplinar Interprofissional <ul><li>Psiquiatras </li></ul><ul><li>Neurologistas </li></ul><ul><li>Geriatras </li></ul><ul><li>Enfermeiras </li></ul><ul><li>Psicólogas </li></ul><ul><li>Assistentes Sociais </li></ul><ul><li>Terapeutas Ocupacionais </li></ul><ul><li>Fonoaudiólogas </li></ul><ul><li>Nutricionistas </li></ul><ul><li>Educadores Físicos </li></ul><ul><li>Fisioterapeutas </li></ul><ul><li>Outros Profissionais </li></ul>
    7. 9. Avaliação das Atividades Instrumentais da Vida Diária - AIVD <ul><li>Domiciliar </li></ul><ul><li>Cozinhar </li></ul><ul><li>Limpar a casa </li></ul><ul><li>Lavar a roupa </li></ul><ul><li>Ler </li></ul><ul><li>Escrever </li></ul><ul><li>Utilizar o telefone </li></ul><ul><li>Utilizar seus remédios </li></ul><ul><li>Subir degraus </li></ul><ul><li>Extradomiciliar </li></ul><ul><li>Caminhar fora de casa </li></ul><ul><li>Utilizar dinheiro </li></ul><ul><li>Fazer compras (comida, roupas e remédios) </li></ul><ul><li>Usar transporte coletivos </li></ul>
    8. 10. Dia Mundial da Doença de Alzheimer 21 de setembro
    9. 11. O que é doença de Alzheimer ? <ul><li>É uma condição que provoca deficiência no ato de adquirir um conhecimento, sentir, pensar, perceber, lembrar, raciocinar,e dar respostas. </li></ul>
    10. 12. MEMÓRIA é a capacidade de reter novas informações
    11. 13. <ul><li>Demência </li></ul><ul><li>é perda de contato com a realidade. </li></ul><ul><li>A demora para o diagnóstico é uma característica freqüente nas demências. </li></ul>
    12. 14. Fatores de risco D.A. <ul><li>Aumento da idade ; </li></ul><ul><li>Menor instrução ; </li></ul><ul><li>História familiar de demência ; </li></ul><ul><li>Hereditariedade de certos genes; </li></ul><ul><li>IAM; </li></ul><ul><li>TCE; </li></ul><ul><li>Depressão; </li></ul>
    13. 15. Sintomas de comportamento <ul><li>Humor , depressão, apatia, choro e baixa auto-estima; </li></ul><ul><li>Agressão verbal e física deambulação e inquietação; </li></ul><ul><li>Percepção paranóia delírios e alucinações; </li></ul><ul><li>Sono e peso; </li></ul><ul><li>Apetite aumentado para doces. </li></ul>
    14. 16. Como melhorar a comunicação com DA <ul><li>Falar em tom de voz calmo; </li></ul><ul><li>Usar frases curtas e concisa; </li></ul><ul><li>Criar rotina diária constante; </li></ul><ul><li>Ser tolerante com perguntas e comportamentos repetitivos; </li></ul><ul><li>Redirecionar a conversa e não se confrontar com o paciente; </li></ul><ul><li>Participar de atividades prazerosas para o paciente. </li></ul>
    15. 17. Causas de alterações de comportamento abruptas <ul><li>Mudança de ambiente; </li></ul><ul><li>Novas doenças; </li></ul><ul><li>Trocas de cuidador; </li></ul><ul><li>Novos medicamentos. </li></ul>
    16. 18. Quem pode ser o cuidador? <ul><li>Formais: profissionais de saúde (médico, enfermeiros, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, etc. ) </li></ul><ul><li>Informais: amigos e familiares </li></ul>
    17. 19. Tarefas do cuidador <ul><li>Dar e proporcionar supervisão adequada; </li></ul><ul><li>Garantir o bem-estar médico do paciente; </li></ul><ul><li>Proporcionar segurança financeira para o paciente; </li></ul><ul><li>Ajudar o paciente nas atividades domésticas; </li></ul><ul><li>Ajudar paciente na higiene e nos cuidados pessoais; </li></ul><ul><li>Dar apoio e fazer companhia. </li></ul>
    18. 20. A marcada diferença entre relato do paciente de Boa Saúde e o que contam seus filhos deveria sugerir fortemente a possibilidade de demência
    19. 21. Fases da doença: <ul><li>Fase leve: </li></ul><ul><li>Um contato superficial e rápido pode não demonstrar alterações. </li></ul><ul><li>Fase moderada: </li></ul><ul><li>As alterações são evidentes mesmo para o observador menos atento. </li></ul><ul><li>Fase avançada: </li></ul><ul><li>Depende de auxilio e/ou supervisão para atividades básicas. </li></ul>
    20. 22. Sintomas freqüentes na fase moderada <ul><li>Dificuldade na condução da vida diária (controle das finanças, compras,etc; </li></ul><ul><li>Descuido com higiene pessoal; </li></ul><ul><li>Escolha inadequada de roupas; </li></ul><ul><li>Distúrbio do sono; </li></ul><ul><li>Dificuldade de linguagem; </li></ul><ul><li>Delírios, alucinações e paranóia. </li></ul>
    21. 33. Finalidades do Tratamento <ul><li>Tem indicação na fase lese e moderada; </li></ul><ul><li>Tem resposta inicial de estabilização; </li></ul><ul><li>Melhora agressividade; </li></ul><ul><li>Melhora dependência funcional; </li></ul><ul><li>Eventualmente a doença pode reiniciar seu curso. </li></ul>
    22. 34. Tratamento Medicamentoso <ul><li>1.-Os 3 (tres) inibidores da colinesterase </li></ul><ul><li>- Donepesila, Galantamina, Rivastigmina </li></ul><ul><li>2. Memantina </li></ul><ul><li>3.Associações iAChE </li></ul><ul><li>4.Vitamina E, B1, B6, B12, Acido Folico, Estrogenio, </li></ul><ul><li>Texto.sterona e Antiinflamatório ( não recomendado ) </li></ul><ul><li>5. Ginko Biloba – Evidencias insuficientes </li></ul><ul><li>6. Os ISRS na depressão. </li></ul><ul><li>7. Tratamento da Dor. </li></ul><ul><li>8. Antipsicóticos, Antidepressivo ou Anticonvulsivante </li></ul><ul><li>(Doses Baixas) </li></ul>
    23. 35. Tratamento não Medicamentoso <ul><li>-Diminuir sonecas diurnas. </li></ul><ul><li>-Orientação para não dirigir. </li></ul><ul><li>-Promover segurança </li></ul><ul><li>-Manutenção das funções básicas </li></ul><ul><li>-Melhorar Auto-estima, Auto-realização </li></ul><ul><li>-Estética. </li></ul>
    24. 36. <ul><li>Obrigada !!! </li></ul>

    ×