Saulo

1.651 visualizações

Publicada em

Biografia de Paulo de Tarso - Apóstolo

Publicada em: Educação, Tecnologia, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.651
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Saulo

    1. 1. Comemora-se 2000 anos de seus nascimento Ano Paulino de de 2009
    2. 2.  - antes de 10 a.C - 64 d.C  Saulo "Apóstolo dos Gentios“
    3. 3. Saulo nasceu na cidade de Tarso em data desconhecida mas sem dúvida antes do ano 10 da nossa era. Membro de uma rica e importante família judia do grupo judeu que viviam espalhados pelo mundo, sobretudo na Pérsia, mas também em torno do mediterrâneo, em Alexandria, norte da África, Turquia, Grécia, Espanha e outras partes do Império Romano, conhecidos como Judeus da Diáspora. A cidade de Tarso fica na província Romana da Cilícia, na parte oriental da Ásia Menor, hoje Turquia, que não deve ser confundida com Tarsis, no sul da Espanha. No primeiro século, Tarso era a capital da província da Cilícia, embora localizada cerca de 16 km ao interior, a cidade era um importante porto que dava acesso ao mar pelo rio Cnido. Ao norte de Tarso erguem-se imponentes, cobertas de neve, as montanhas de Tauro, que na época forneciam a madeira que constituía um dos principais artigos de comércio dos mercadores tarsenses. Uma importante estrada romana corria ao norte, fora da cidade e através de um estreito desfiladeiro nas montanhas, conhecido como “Portões Cilicianos”.
    4. 4. Nos tempos Romanos a cidade era o lugar de encontro de Antônio e Cleópatra. O general romano Marco Antônio concedeu-lhe o privilégio de cidade livre (“libera civitas”) em 42 a.C. Portanto, embora fizesse parte de uma província romana, era autônoma, e não estava sujeita ao pagamento de tributo à Roma. As tradições democráticas da cidade-estado de Tarso de longa data estavam estabelecidas quando Saulo nasceu e a cidade também era importante centro de filosofia. Não é de admirar que Saulo se referisse a Tarso como “cidade não insignificante” em Atos 21:39. Os filósofos de Tarso eram quase todos estóicos. As idéias estóicas, embora essencialmente pagãs, produziram alguns dos mais nobres pensadores do mundo antigo. Atenodoro de Tarso é um esplêndido exemplo. Embora Atenodoro tenha morrido no ano 7 d.C., quando Saulo não passava de um menino, por muito tempo o seu nome permaneceu como herói em Tarso sendo impossível que o jovem Saulo não tivesse ouvido algo a respeito dele.
    5. 5. A língua materna de Saulo era o grego mas também foi educado na cultura judaica. Começou a receber aos 14 anos a formação rabínica, sendo criado de uma forma rígida no cumprimento das rigorosas normas dos fariseus, classe religiosa dominante daquela época e ensinado a ter o orgulho racial peculiar aos judeus da antiguidade. Destacou-se dos outros apóstolos, na maioria pescadores sem cultura e analfabetos, mas Saulo não conheceu a Cristo durante a Sua pregação. Quando se mudou para Jerusalém, Saulo foi instruído “segundo a exatidão da lei. . .“ (At 22:3) pelo rabino Gamaliel, onde passou uma parte importante da juventude até se tornar um dos principais sacerdotes do Templo de Salomão. Gamaliel era neto de Hillel, um dos maiores rabinos judeus. A escola de Hillel era a mais liberal das duas principais escolas de pensamento entre os fariseus. Em Atos 5:33-39 temos um vislumbre de Gamaliel, descrito como “acatado por todo o povo.” Na época exigia-se dos estudantes rabínicos que aprendessem um ofício para que pudessem, mais tarde, ensinar sem tornar-se um ônus para o povo. Saulo escolheu uma indústria típica de Tarso, fabricar tendas de tecido de pêlo de cabra. Sua perícia nessa profissão proporcionou-lhe mais tarde uma grande vantagem em sua obra missionária.
    6. 6. Numa ocasião Paulo chamou a si de “israelita da descendência de Abraão, da tribo de Benjamim” (Rm 11:1) mas também era cidadão Romano por direito de nascença, pois seu pai o era. A cidadania romana era preciosa, pois acarretava direitos e privilégios especiais como, por exemplo, a isenção de certas formas de castigo, um cidadão romano não podia ser açoitado nem crucificado. O Fato é que o relacionamento dos judeus com Roma não era harmonioso, raramente os judeus se tornavam cidadãos romanos. Quase todos os judeus que alcançaram a cidadania moravam fora da Palestina. Não temos qualquer relato confiável do aspecto físico de Saulo. Os únicos relatos que possuímos são um escrito apócrifo do segundo século e não são mais do que a projeção dos ideais estéticos a uma figura lendária mas, há vários indícios de que Saulo tinha problemas de saúde, padecendo de uma doença crônica e dolorosa, que lhe foi um obstáculo na atividade normal. “Ele era um homem de pequena estatura”, afirmam os Atos de Paulo. No escrito apócrifo do segundo século afirma que era “parcial-mente calvo, pernas arqueadas, de compleição robusta, olhos próximos um do outro, e nariz um tanto curvo.”
    7. 7. Quando era sacerdote do Templo deparou-se com uma seita iniciante que tinha nascido dentro do judaísmo, mas que era contrária aos principais ensinos farisaicos. Dentro da extrema honestidade para com a sua fé e sentindo-se profundamente ofendido com esta seita cristã, começou a persegui-la, culminando com a morte de Estêvão, diácono grego e pregador cristão, primeiro mártir do cristianismo morto com a participação de Saulo em um apedrejamento. Estêvão era um líder do grupo mais radical dos seguidores de Jesus, formado por Gregos, chamado grupo dos helenistas, núcleo de cristãos de cultura grega que procuravam difundir a nova fé entre os judeus de cultura grega em Jerusalém. O argumento de Saulo na sua perseguição aos helenistas era a defesa da "tradição dos pais" e da lei mosaica, que ele via como ameaçada, talvez pela visão que tinha como membro do grupo Zelote, ala radical dos fariseus "zelosa" pela tradição e que fazia oposição à dominação romana.
    8. 8. No ano de 32 D.C., dois anos após a crucificação de Jesus, Saulo viajou para Damasco para perseguir os seguidores do cristianismo, principalmente de um, que se chamava Barnabé, devido a agitação deste helenista, que contestava o Templo e anunciava a sua destruição. Na entrada desta cidade, teve uma visão de Jesus, que em espírito lhe perguntava: "Saulo, Saulo, por que me persegues?” e ficou cego imediatamente. Foi então levado para a cidade e depois de alguns dias, um discípulo de Jesus, chamado Ananias, foi incumbido de curá-lo. Após voltar a enxergar, converteu-se ao cristianismo, mudando o seu nome para Paulo. Paulo, a partir de então, se tornaria o "Apóstolo dos Gentios", ou seja, aquele enviado para disseminar o Evangelho para o povo não judeu. Em 34 D.C., foi a Jerusalém, levado por Barnabé, para se encontrar com Pedro e Tiago, líderes da principal comunidade cristã até então. Durante 16 anos , após sua conversão, ele pregou no vale do Jordão, na Síria e na Cilícia. Foi especialmente perseguido pelos judeus, que o consideravam um grande traidor.
    9. 9. Fez quatro grandes viagens missionárias: 1ª Viagem (46-48 D.C.) 2ª Viagem (49-52 D.C.) 3ª Viagem (53-57 D.C.) 4ª Viagem (59-62 D.C.) Paulo de Tarso saiu do mundo judaico e em Atenas, na sua estadia na Acrópolis, consegue converter apenas Dionisio Ariopaseta, desistindo então e indo para Corinto. Na última viagem, foi à Roma como prisioneiro, para ser julgado, quando ocorreu um naufrágio que os levou à ilha de Malta, seguindo à Roma nunca mais retornou para à Judéia. A sua fé soma-se um fator fundamental: o seu temperamento, que era passional, enérgico, ativo, corajoso e também capaz de idéias elevadas e poéticas. Escreveu inúmeras cartas conhecidas em conjunto como Corpus Paulinum, quatorze chegaram até nós, conhecidas como Epístolas Paulinas. Através de suas cartas, Paulo transmitiu às comunidades cristãs e aos seus discípulos uma fé fervorosa em Jesus Cristo, na sua morte e ressurreição.
    10. 10. As suas Epístolas formam uma seção fundamental do Novo Testamento. Epístola aos Romanos; 1ª e a 2ª aos Coríntios; aos Gálatas; aos Efésios, aos Filipenses; aos Colossenses; 1ª e a 2ª aos Tessalonicenses; 1ª e 2ª a Timóteo; a Tito; a Filemon aos Hebreus (anônima, mas atribuída a Paulo)
    11. 11. Afirma-se que ele foi quem verdadeiramente transformou o cristianismo de uma seita do judaísmo numa nova religião. Foi a mais destacada figura cristã a favorecer a abolição da necessidade da circuncisão e dos restritos hábitos alimentares tradicionais judaicos. Esta opção teve a princípio a oposição de outros líderes cristãos, mas, em conseqüência desta revolução, a adoção do cristianismo pelos povos gentios tornou-se viável. Os Judeus mais conservadores, muitos deles vivendo na Europa, permaneceram fiéis à sua tradição, que também não tem um movimento missionário. Por volta dos anos 58-60 ele descrevia-se a si próprio como um velho na missão que Deus preparou. No ano de 64 D.C., foi morto pelas Legiões Romanas, nas perseguições aos Cristãos instauradas por Nero, depois do grande incêndio de Roma, na praça chamada Aquae Salviae (hoje Piazza Tre Fontane), um pouco ao oeste da Via Ostia, cerca de três quilômetros da basílica de São Paulo Extra Muros, lugar onde foi enterrado. Basílica de São Paulo Detalhe da Basílica de São Paulo
    12. 12. BIBLIOGRAFIA: http://www.acidigital.com/fiestas/pedropaulo/ultimoasanos.htm http://www.istoria.gr/jun01/paul1.htm http://www.ajornada.hpg.ig.com.br/doutrina/evangelho/cap015.htm Aquae Salviae, atual Piazza Tre Fontane
    13. 13.  - antes de 10 a.C - 64 d.C  Saulo "Apóstolo dos Gentios"
    14. 14. 1ª Epístola aos Coríntios, cap. XIII, v. de 1 a 7 e 13 Ainda quando eu falasse todas as línguas dos homens, e mesmo a língua dos anjos, se não tivesse caridade não seria senão como um bronze sonante, e um címbalo retumbante; e quando eu tivesse o dom de profecia, penetrasse todos os mistérios, e tivesse uma perfeita ciência de todas as coisas; quando tivesse ainda toda a fé possível, até transportar as montanhas, se não tivesse a caridade eu nada seria. E quando tivesse distribuído meus bens para alimentar os pobres, e tivesse entregue meu corpo para ser queimado, se não tivesse caridade, tudo isso não me serviria de nada. A caridade é paciente; é doce e benfazeja; a caridade não é invejosa; não é temerária e precipitada; não se enche de orgulho; não é desdenhosa; não procura seus próprios interesses; não se melindra e não se irrita com nada; não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo suporta, tudo crê, tudo espera, tudo sofre. Agora, estas três virtudes: a fé, a esperança e a caridade, permanecem; mas, entre elas, a mais excelente é a caridade.

    ×