Mesoamérica
Maias
Apogeu de 300 dC - 900 dC
As origens dos Maias remontam à 1.200 ªC. Esta cultura
desenvolveu em três períodos distin...
A civilização Maia estava em declínio, quando os europeus chegaram,
devido à causas ainda não totalmente esclarecidas, tal...
No Egito antigo as pirâmides eram destinadas a servir de túmulo ao
soberano, mas entre os Maias eram também destinada a se...
No Templo dos Guerreiros Águias e Jaguar, em Chichén Itzá, na
plataforma dedicada a Vênus encontra-se uma estátua em grani...
Mesoamerica VI de IX  - Maias
Mesoamerica VI de IX  - Maias
Mesoamerica VI de IX  - Maias
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Mesoamerica VI de IX - Maias

878 visualizações

Publicada em

Mesoamerica VI de IX - Maias

Publicada em: Educação, Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
878
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mesoamerica VI de IX - Maias

  1. 1. Mesoamérica
  2. 2. Maias Apogeu de 300 dC - 900 dC As origens dos Maias remontam à 1.200 ªC. Esta cultura desenvolveu em três períodos distintos: o pré-clássico, o clássico e o pós-clássico, cada um correspondente a diferentes lugares do México e da América Central. A partir do ano 300 dC inicia um período de progresso que vai até o ano 900 dC, conhecido como período clássico. No período clássico temos o Antigo Império, que abrange de 500 a.C até 600 dC e o Novo Império, que abrange de 600 dC até a invasão espanhola (1519). Os Maias foram grandes artistas e intelectuais que dominaram um complexo sistema matemático, capazes de realizar difíceis cálculos astronômicos. A sua estrutura social era muito rígida e articulava-se em “Estados Membros”, governados por sacerdotes. Mantiveram estreitas relações com Teotihuacan e Monte Alban, negociando produtos como o sal de Yucatan, seu maior produto. Em torno de 1.400 dC a cultura Maia tinha se alastrado edificando muitos de centros cerimoniais e povoados.
  3. 3. A civilização Maia estava em declínio, quando os europeus chegaram, devido à causas ainda não totalmente esclarecidas, talvez devido a sucessivas guerras entre as cidades-estado decorrente da necessidade de novas terras para a rotação de cultura já que a agricultura baseada em queimadas teria empobrecido o solo e a economia. Os Maias tinham o melhor calendário de todos os povos antigos e a pirâmide de Chichén Itzá construída como um gigantesco calendário. Há uma escadaria de 91 degraus de cada lado, somando 364 degraus, um para cada dia do ano solar e um patamar superior. Apesar de não conhecerem o telescópio, tinham grande conhecimento dos astros. A língua Maia, falada na península do Yucatan, sofreu inúmeras transformações com a invasão Tolteca e a influência da língua Náuatle falada pelos Mixtecas. Em seus monumentos deixaram uma série de inscrições ainda não decifradas e muitos de seus documentos foram destruídos chegando até nós apenas três livros. São eles o Códice de Dresdém, o Códice de Madri e o Códice de Paris.
  4. 4. No Egito antigo as pirâmides eram destinadas a servir de túmulo ao soberano, mas entre os Maias eram também destinada a servir de observatório astronômico e apenas os sacerdotes, depois de um ritual de purificação, podiam subir nesses templos observatório. Em 1952 Ruz Lhuillier descobriu na "Pirâmide das Inscrições", uma escada em forma de caracol que estava completamente obstruída por terra e pedras, depois de três anos de escavações para desobstruir o caminho, chegou a uma câmara mortuária com um sarcófago coletivo com seis corpos com detalhes de rituais semelhantes aos do Egito. Nesta pirâmide foi encontrada a Tumba do Rei Pakal, que governou dos 12 aos 68 anos. A tampa do seu sarcófago é conhecida impropriamente de Estela de Pakal. Máscara Mortuária do Rei Pakal
  5. 5. No Templo dos Guerreiros Águias e Jaguar, em Chichén Itzá, na plataforma dedicada a Vênus encontra-se uma estátua em granito conhecido como Chacmool, traduzido como “pata rápida como trovão” pelo arqueólogo Augustus Le Plongeon durante suas escavações. Era considerado o mensageiros dos deuses e segura uma tigela que serve para queimar incenso e receber oferendas. Encontrou-se 12 Chacmool em Tula do período Tolteca, 14 em Chichén Itzá e em 1980 um Chacmool Azteca multicolorido, no Grande Templo, na cidade do México além de outros em outras regiões do da mesoamérica.

×