Hafiz

648 visualizações

Publicada em

Biografia de Hafiz

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
648
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Esta é uma linda flor!
  • Hafiz

    1. 1. Shams-ud-din Mohamed 1317/20 d.C – 1389 d.C
    2. 2. Gazal em louvor de HAFIZ © Manuel Bandeira Escuta o gazal que fiz, darling, em louvor de HAFIZ: - Poeta de Chiraz, teu verso tuas mágoas e as minhas diz. Pois no mistério do mundo também me sinto infeliz. Falaste: "Amarei constante aquela que não me quis". E as filhas de Samarcanda, cameleiros e sufis Ainda repetem os cantos em que choras e sorris. As bem-amadas ingratas são pó; tu vives, HAFIZ!
    3. 3. CENÁRIO Império Mongol 1123 d.C - Morre OMAR KAYAMI, aos 85 anos. 1204 d.C - Constantinopla foi saqueada pelos Cristãos da Quarta Cruzada (Venezianos) levando para Itália textos Bizantinos sobre a Grécia antiga, mais tarde copiados durante o renascimento. 1218 d.C - Temudjin, conhecido como Gengis khan ou soberano universal, no idioma mongol, liderava 2 milhões de pessoas, cerca de 25% da população mundial e com a mais eficiente máquina de guerra montada até aquela data, composta de 300.000 guerreiros. Seu domínio na fronteira com o Sultanato Turco de Kharesm, ao norte da Pérsia, é local de choques de interesses entre mongóis e turcos, culminando com o massacre de comerciantes mongóis.Gengis khan envia um embaixador acompanhado por dois soldados a Samarkanda, capital do sultanato turco de Kharezm, mas o embaixador é executado a mando do Xá Aladim Mohamed II que envia os dois soldados de volta com as barbas raspadas numa expressão máxima de humilhação naquela cultura. Em resposta, o imperador mongol inicia os preparativos para uma longa marcha pelos desfiladeiros do Himalaia, abrindo estradas para conduzir suas máquinas de guerra e ataca a região Trans oxiana (região do rio Oxo, o atual Amu-Daria, que desemboca no Mar de Aral).
    4. 4. 1256 d.C - A dinastia dos Ilkhanidas (1256-1336) descendente de Gengis Khan reinam na Pérsia e Iraque. A Pérsia era uma província denominada Ilkhanado, ou seja, Kanado submisso, neste caso ao Grande Khan. Nesta época havia uma disputa entre os Kans da Pérsia, Mongólia e China pelo poder central, que foi vencida por Kublai em 1260. Obcecado pela civilização Chinesa, tão logo se tornou Kahn dos Kahns, mudou a capital do Império de Caracórum (na Mongólia) para Pequim, onde estudara. Caracórum era uma espécie de grande quartel general quando Pequim já era a capital cultural do Império, mas com sua transformação de Pequin em capital política, o Império Mongol assumia uma postura totalmente voltada para os assuntos da China e as regiões mais distantes, como a Pérsia e a Rússia tornavam-se Kanados independentes. Dinastias efêmeras na Pérsia se prolongaram até a invasão turca dos Seljucidas ( eram um tribo de nômades conduzidos por Seljuque, que se instalaram perto de Bucara (agora no Uzbequistão) no final dos anos 900. 1274 d.C - Morre Djelal-ud-Din-Mohamed-RUMI. 1280 d.C - Morreu Farid-ud-din-ATHAR (*+-1226, Khorassan-+1280) durante invasão de Mongóis. Barreiras Naturais
    5. 5. 1283 d.C - Marco, Niccolo e Matteo Polo tomaram o rumo de Veneza, após 24 anos de ausência, via Pérsia, Armênia (Cilícia) e Constantinopla, chegando em Veneza em 1295. A Iniciativa ocorre depois do retorno da Cochinchina (Indochina / Vietnã) vendo que o império de Kublai Khan declinava, aproveitaram a condução oferecida por uma expedição que seguia para a Pérsia. A viagem de volta inicia com 14 barcos e 2600 pessoas, das quais 600 morrem antes de chegar a Pérsia, uma princesa Tártara com destino à Pérsia, é escoltada à pedido de Kublai Khan. 1291 d.C - Morre o poeta persa SAADI, aos 107 anos. 1295 d.C - Os Khans (Emires) da Pérsia inclinaram-se ao cristianismo Nestoriano e mais tarde adotam o islamismo. 1300 d.C - Ghazan Khan (1294-1304) imperador mongol da Pérsia, toma Sultanato de Iconiun (Koniah) e submete Cáucaso. 1304 d.C - Nasce Francisco PETRARCA. 1317/20 d.C - Nasce SHANS-UD-DIN MOHAMED (HAFIZ) maior poeta lírico da Pérsia. Mongóis
    6. 6. 1336 d.C - Timur-i-Lenk, ou "Timur, o Coxo" (Tamerlão), caudilho mongol, conquistou o Turquestão, Pérsia e Ásia Menor. Seu império abarcou desde a muralha da China até Moscou e a Índia. Nascido no Kanado Chagatai, um dos 4 reinos derivados do império formado pelo conquistador Gengis Kanh, morto em 1227 que em vida dividiu seu império como herança a seus 4 filhos. Ogodei ficou com o norte da China, Chagatai com a Ásia Central, Tolui com a Mongólia e o primogênito Jochi (Djoudji)|) com o Cazaquistão e a Sibéria Ocidental. Porém poucos meses antes de seu pai Jochi também faleceu. Seus domínios foram divididos entre seus filhos Orda e Batu (fundador do Kanado da Horda Dourada, também conhecido como Horda de Ouro ou Zolotaya Orda, em russo. . O reino de Chagatai abrangia a Trans oxiana e parte do Turquestão, e tinha como principais cidades Samarkanda e Bucara. O reino de Chagatai viu seu apogeu sob a liderança de Tamerlão, quando expandiu seu território das fronteiras da Anatólia (Turquia) e da Síria a leste e Déli a oeste, do Turquestão e do sul da Rússia ao norte e a Pérsia ao sul.
    7. 7. 1340/44 d.C - Nasce GEOFFREY CHAUCER 1387 d.C - Timur-i-Lenk (Tamerlão) conquista reino dos Mozafferides com Ispahan e Shiraz. 1405 d.C - Morre Tamerlão e seu império foi dividido entre 4 filhos e netos, que fundaram dinastias na Pérsia, Trans oxiana (em torno das cidades de Samarkanda e Bukara) e Afeganistão ocorrendo a dissolução do império mongol Pérsa. Shiraz e Yazd ShirazShiraz YazdYazd
    8. 8. HAFIZ HAFIZ nasceu na região centro sul da Pérsia (Iran), na cidade de Isfahan, próximo a Yazd, entre 1317 e 1320 (ou 712-727 a.h), de família simples, quando criança foi conhecido como Shams-ud-din Mohamed. Em 1326 seu pai Baha-ud-Din, que era comerciante de carvão, mudou-se com a família para a cidade de Shiraz, capital da província de Fars, mas quando HAFIZ era ainda uma criança quando seu pai faleceu deixando esposa e três filhos, o mais novo era HAFIZ. HAFIZ viveu em um momento político conturbado, embora a cidade de Shiraz tenha escapado dos piores resultados das invasões Mongóis e Tártaras. Com a morte do pai, um comerciante de carvão, a família herdou muitas dívidas, HAFIZ, sua mãe os irmãos foram viver com seu tio, chamado também Saadi, dono de uma padaria. HAFIZ saía da escola para trabalhar em uma loja e depois na padaria do tio. Shiraz e Yazd ShirazShiraz YazdYazd
    9. 9. HAFIZ teve uma boa educação, sendo fluente em árabe e persa, memorizou o Corão escutando recitações do seu pai, ainda pequeno, que o levou a receber o título de “HAFIZ” (preservador, Guardião, ou ainda, quem memorizou o Corão na totalidade). Recebeu o título de Khajeh (Mestre) Shams-ud-din Mohamed HAFIZ Shirazi, outras variações da soletração são: Al-Din Muhammad Hafez Shirazi dos Shams de Khwajeh, ou Ud-Din Mohamed HAFIZ Shirazi dos Shams de Khwaje. HAFIZ provou ter um talento prodigioso para a literatura e foi introduzido também aos outros grandes poetas Sufis tais como Rumi , Farid - o Ud-Din Attar e Saadi, esse ultimo considerado um herói de que memorizou também muitos dos trabalhos . Os Sufis cantaram seus temas em refinadas poesias; adoravam a Deus e invocavam Suas bênçãos e Sua ajuda com a mais comovedora prosa rimada. Entre os poetas, o primeiro lugar pertence a Ibn al Farid (632/1235). Depois vêm Saadi, HAFIZ e Jalal Al Din Al Rumi, cujo Masnawi é também uma enciclopédia de conhecimentos religiosos e éticos. HAFIZ foi contemporâneo de personagens notáveis do século XIV, tal como CHAUCER e PETRARCA. Ralph Waldo Emerson (1803-1882) observou que "HAFIZ é um poeta para poetas. Tabriz
    10. 10. Os grandes poetas-místicos como RUMI, KABIR, GOETHE, RILKE e WHITMAN “aceitam” ou “afirmam” o mundo, em sua beleza sobrenatural, apesar do lastro de horror e estranheza que traz eventualmente consigo a condição humana, assim como HAFIZ. Seus poemas celebram os prazeres do vinho, a casa e o amor na corte de Shiraz. Em um plano mais profundo, segundo alguns especialistas, reflete também sua absoluta devoção, como sufi, a união com a divindade. Assim mesmo satiriza a hipocrisia dos líderes religiosos muçulmanos. Com uma mente brilhante, contudo teve que trabalhar primeiramente como copista sendo alguns de seus trabalhos ainda preservados, e foi aprendiz de padeiro antes de ser protegido pela corte. Mais tarde foi professor e escritor de teologia islâmica na faculdade de Shiraz. Seu primeiro poema foi a finalização de um poema começado por seu o tio e o primeiro testemunho da obra literária de HAFIZ é o prefácio da primeira coleção de seus poemas. Escrita por um amigo chamado Muhammad Gulandam, foi o primeiro à coletar todo o trabalho de HAFIZ. Gulandam elogia o gênio de HAFIZ, a sua importância, lista suas preocupações, seu estudo diligente do Corão e o comparecimento constante diante do rei vivenciando várias situações que permitiram coletar e editar sua poesia. Príncipe ouvindo música Miniatura do Divan de HAFIZ. Guache e ouro sobre papel Pérsia, Tabriz, c. 1625
    11. 11. Mohamed Gulandam escreveu um prefácio em 813 ªh, ou seja, 1410 d.C, cerca de 21-22 anos após a morte de HAFIZ e explica que, apesar dos pedidos repetidos de HAFIZ para não escrever, alegando a falta da apreciação da parte de seus contemporâneos e as perseguições que sofreria, coleta todos seus poemas em um volume. Como todos os poetas persas da idade média, HAFIZ era um poeta da corte e dependente da boa vontade de seu patrão, Abu Ishak. A dinastia Abássida, fundada por Abbas, tio de Maomé foi a terceira dinastia muçulmana do Oriente, a mais famosa e a mais duradoura do Islam, era Sunita e perseguia todos aqueles que não seguissem exatamente a Sunna do Profeta, ou seja, todos os não Sunitas, seriam perseguidos implacavelmente, tanto por meio de armas, quanto através da propaganda do Estado, mas foi sob esta dinastia que foram produzidos os principais legados do mundo Árabe: obras literárias, como "As mil e uma noites"; Mesquitas gigantescas, túmulos igualmente majestosos; a tradução das antigas obras Gregas (Platão, Aristóteles, Sófocles, Aristófanes, Tales, Arquimedes, Pitágoras, Homero...) que estavam perdidas na memória Européia, resgatadas pelos Árabes através da memória Persa, mantida devido à helenização da Ásia proporcionada por Alexandre, o Grande; Como Xiita, HAFIZ precisou ter cuidado com o que escrevia e esta foi a fase "de Romantismo espiritual" em sua poesia. HAFIZ
    12. 12. Aos 30 anos HAFIZ teve reconhecido seus talentos poéticos, e foi convidado para a corte “Sunita” de Indju, Vizier de Shiraz sob a dinastia Muzaffarid, hostil aos Xiitas, mas isso não impediu que terminasse suas composições mais maduras. Embora durante estes anos sua fama se espalhasse através do mundo islâmico, declinou de todos os convites de outras cortes. Nomeado poeta da corte, teve durante certo período a proteção de vários governantes de Shiraz, que criaram uma cátedra de exegese islâmica na faculdade de Shiraz. Aos 33 anos, Mubariz Muzaffar capturou a cidade de Shiraz, e entre suas várias ações, retirou HAFIZ de sua posição do professor de estudos do Corão na faculdade. Neste tempo escreveu poemas do protesto. Quando Shah Shudja depôs seu pai e governou Shiraz (1358-1384), HAFIZ beneficiou-se com o “favor esporádico” ao ser empossado como professor na faculdade e começa sua fase do espiritualidade sutil na poesia. Aos 40 anos caiu em desgraça diante da corte (1368) e ficou praticamente o resto da sua vida fora dos círculos do poder. Miniatura do Divan de HAFIZ. Guache e ouro sobre papel, Tabriz, c. 1625
    13. 13. Aos 48 anos fugiu de Shiraz para sua segurança, e entrou em exílio auto-imposto em Isfahan onde escreve poemas para Shakh-e Nabat, e para seu mestre espiritual chamado Attar. Seu mestre era pouco conhecido em Shiraz, não confundir com Farid-Ud-din Attar de Neishabour - que o precedeu por dois séculos. Aos 52 anos é convidado por Shah Shuja para retornar à corte de Shiraz e termina seu auto-exílio, sendo restabelecido seu cargo de professor na faculdade de Shiraz. Havia outra força religiosa subjacente a poesia de HAFIZ, o Sufismo. Um movimento místico que cresceu no Islam enquanto a civilização estava entrando em decadência. No século X torna-se um sistema elaborado e simbólico, com a permissão poética para aqueles tempos conturbados. O simbolismo dos Sufis teve os momentos mais brilhantes na história do Islam e na literatura mesmo permanecendo espiritualizada e refinada atraia as pessoas. Divan de HAFIZ, edição inglesa.
    14. 14. A tendência do Sufismo é panteísta. Cada alma humana é uma partícula do absoluto divino, e o místico visa uma união completa com o divino. Esta união é alcançada no conhecimento que o ser humano é, ele mesmo, a realidade final, objetivo mais elevado alcançável somente se abandonado as restrições e normas da religião. As fontes do Sufismo no islam eram exteriores incluindo o Zoroastrismo, Magia, Cristianismo Nestoriano, Neoplatonismo grego, e Budismo indiano. Quando os árabes conquistaram Pérsia no século VII, encontraram uma civilização muito mais velha e mais complexa do que a sua. Muitos de seus elementos sobreviveram nas seitas do islam e outros movimentos mais esotéricos como o Sufismo, a maioria exerceu alguma influência em HAFIZ. Como outros poetas Sufis , HAFIZ tece temas da ambigüidade em seus poemas. Sua obra ficou caracterizada pelo amor à natureza e as imagens seculares como os prazeres do vinho e do amor, as imagens incomuns e as exatas descrições da vida cotidiana da época. A obra intitulada Diwan, abrange mais de 500 poemas líricos curtos, chamados gazéis na tradição poética islâmica. Revitalizou o Gazél e aperfeiçoado-o como uma forma de poesia. Manuscrito de HAFIZ
    15. 15. A tradição, baseada provavelmente nas referências dos gazéis sugerem que HAFIZ casou e teve filho. A possibilidade de seu casamento é baseada também nas sugestões encontradas em gazéis individuais. Um gazél parece referir-se à morte da esposa, outra à morte de um filho. HAFIZ, “intérprete dos mistérios” ou “a língua do oculto”, não deixou muitos registros históricos, mas existem muitas lendas sobre HAFIZ, a mais famosa é como segue. Quando tinha vinte um anos, e trabalhava como um padeiro, HAFIZ entregava o pão em um bairro próspero de Shiraz. Em 1341, ao fazer suas entregas, viu uma mulher bonita e, naturalmente, teve um amor impossível. Tornou-se assim, aos 21 anos, encantado com esta mulher chamada Shakh-e Nabat e não podia pensar em nada mais. Não era fisicamente atrativo, nem como os jovens dos bairros ricos, tinha pouca possibilidade de sucesso na corte à amada. Então HAFIZ começou a escrever poemas sobre a amada, e os poemas circularam tornando-se populares em Shiraz. Ainda assim o amor não correspondido continuava tão impossível como antes, mesmo ela sabendo de sua poesia. HAFIZ
    16. 16. Incapaz de viver sem seu amor, HAFIZ resolveu empreender um vigília de 40 noites no túmulo do baba Kuhi ' . Babu Kuhi era um poeta famoso que prometera cumprir 3 desejos de qualquer um que permanecesse acordado por 40 noites em seu túmulo. Na primeira noite HAFIZ teve uma visão do anjo Gabriel. Encantou-se com sua beleza e resolveu procurar o Deus, que pela natureza, seria infinitamente mais bonito do que todas as formas humanas. Gabriel revelou-lhe então onde poderia encontrar um mestre espiritual que pudesse lhe conduzir para este Deus. Este mestre era Mohamed Attar, que vivia em Shiraz, então procurou Attar e transformou-se seu discípulo. Desta ocasião em diante HAFIZ produziu centenas de poemas que expressaram a procura da união com o divino. Sua poesia tornou-o famoso e ganhou o respeito e o amor de muitos habitantes de Shiraz. Entretanto, sua poesia não agradou os governantes muçulmanos ortodoxos. Por causa disto HAFIZ teve que sair duas vezes às pressas de Shiraz, e em algumas ocasiões, permaneceu vivo somente por causa de sua sagacidade afiada. Caligrafia de Massoud Karimaei
    17. 17. HAFIZ escreveu aproximadamente 5.000 poemas, embora haja alguma disputa sobre a autenticidade de alguns poemas entretanto, cerca de 600 poemas são atribuídos a HAFIZ, a maioria deles místicos e líricos. Escreveu cerca de 500 gazais, 42 Rubaiyees, escritos num período de 50 anos. HAFIZ compunha somente quando inspirado pela divindade e calcula-se ter escrito uma média de 10 Gazais/ano. Seu foco era escrever uma poesia digna do amor. O Gazél tem origem oriental, tendo sido consagrado, no século XV, por HAFIZ. Consta que Goethe o tenha introduzido na Europa. Seus temas são, normalmente eróticos ou místicos. Basicamente, é composto de 14 ou 15 versos, ligados por rimas. Os dois primeiros versos rimam, e essa rima dita as demais rimas dos versos pares seguintes Em 1819, quando Goethe namora Mariana Von Willemer, jovem de 18 anos, mulher de seu amigo Von Willemer, escreveu West-östlicher Divan ("Divã do Leste e Oeste"-1819) obra impregnada de formas e imagens orientais, inspirada na versão dos poemas persas de HAFIZ, traduzidos pelo Barão Joseph von Hammer-Purgstall (1774-1856), um renomado orientalista e diplomata austríaco. Passargada ou "os acampamentos de Persepolis" situado à 134 quilômetros de Shiraz.
    18. 18. Gertrude L. Bell traduziu poemas do Divan de HAFIZ (1897, reeditado em 1928), A. J. Arberry traduziu cinqüenta poemas de HAFIZ (1953), A língua do Oculto (1928); Odes de HAFIZ (1965). Nenhum outro poeta até seu tempo, no mundo islâmico, atingiu a sua excelência como Poeta e Escritor. Estudou a poesia de sua época além do trabalho de seus predecessores. Seu trabalho tem um significado a ser compreendido em vários níveis, típico da poesia de seu tempo. Sua obra prima, o Divan (Poesia), é uma coleção de odes curtas com métrica como gazéis. Aproximadamente aos 60 anos, seu mestre Attar, concedeu-lhe finalmente o desejo de sua vida - a união com Deus- após quarenta dias de vigília sentando em meio a um círculo. No quadragésimo dia de sua vigília coincidindo com o quadragésimo aniversário do discipulado, após beber um copo do vinho que Attar lhe serviu, alcançou a consciência ou a auto realização ao atingir a consciência cósmica.
    19. 19. Deste momento em diante os poemas refletiram um consciência nova, não estaria por muito separado de Deus e até a idade de 69 quando morreu, compôs mais da metade de seus gazais e continuou a ensinar em seu círculo pequeno de discípulos. Sua poesia neste tempo, expressa a autoridade de um mestre unido com o Deus. Em 1387, depois que Tamerlão tinha conquistado toda Pérsia, veio à Shiraz visitar HAFIZ por 2 meses. Este foi o período mais produtivo da vida de HAFIZ que morreu cerca de 3 anos mais tarde em Shiraz, aos 69 anos. Neste ano (1338/1389 ou 791 a.h) sua fama foi reconhecida publicamente, conforme os fatos que se sucederam. Seu corpo foi enterrado nos jardins de Musalla, às margens do rio de Ruknabad em Shiraz. O local é chamado Tumba de HAFIZ ou Hafezieh. Os clérigos contrários à HAFIZ, recusaram permissão para um enterro muçulmano entretanto criou-se uma uma atmosfera do conflito na cidade. Para resolver a controvérsia, decidiram usar a obra de HAFIZ, dividindo seus gazais em versículos escolheram o verso 7 de Gazél #79 , que era uma resposta mordaz de HAFIZ ao clérigo ortodoxo, conseguindo assim a permissão desejada. Tumba de de Saadi em Shiraz
    20. 20. Gazél #79 Verso 7 ‫حافـظ‬ ‫جـنازه‬ ‫از‬ ‫مدار‬ ‫دریغ‬ ‫قدم‬ ‫بهشت‬ ‫به‬ ‫یرود‬‌‫ر‬ ‫م‬ ‫است‬ ‫گناه‬ ‫غرق‬ ‫چه‬ ‫گر‬ ‫که‬ Neither HAFIZ’s corps, nor his life negate, With all his misdeeds, heavens for him wait Nem o corpo de HAFIZ, nem sua vida anulam, com todos seus delitos, o céu que por ele espera. Tumba de HAFIZ em Shiraz
    21. 21. “Deus fez uma estátua de barro. Modelou o barro à sua semelhança. Queria insuflar alma a esta estátua. Mas a alma não se deixa conduzir, pois reside na sua natureza o desejo de ser volátil e livre. Não quer estar limitada nem presa. O corpo é uma prisão, e a alma não quer entrar nesta prisão. Então, Deus pediu a seus anjos que tocassem música e ao tocarem a alma se sentiu extasiada. Queria experimentar a música de um modo mais direto e claro, e por isso entrou no corpo.” HAFIZ diz assim: “As pessoas dizem que a alma, ao escutar esta canção, entrou no corpo. Mas na realidade a alma é a canção". Tumba de Attar em Mashhad
    22. 22. Aprendi tanto HAFIZ Aprendi tanto com Deus Que nem mais posso me chamar de Cristão, Hindu, Muçulmano, Budista ou Judeu. A verdade tem-se repartido tanto dela comigo que eu não posso mais me chamar de mulher, homem, anjo Ou mesmo pura Alma. O Amor, o amor amigou-se tão completamente de HAFIZ, que se tornou cinza e libertou-me de todo conceito e imagem que minha mente para sempre conheceu.
    23. 23. È o Tempo Agora HAFIZ Agora é o tempo de saber Que tudo que se faz é sagrado Porque não considerar agora Uma paz duradoura consigo e com Deus? Agora é o tempo de compreender Que todas as idéias, verdadeiras ou falsas Foram apenas as rodinhas que Vocês treinaram, como crianças. Que estão para serem postas de lado Quando puderem viver finalmente com veracidade e amor HAFIZ é um enviado divino Em quem o Bem Amado Escreveu uma mensagem sagrada. Meus queridos, por favor, digam-me Porque vocês ainda apedrejam Seus corações e Deus? Que voz é essa dentro de seus corações que lhes metem medo? È o tempo agora de o mundo saber Que cada pensamento e ação é sagrado. Esse é o tempo Para que registrem a impossibilidade De existir alguma coisa que não seja a Graça Agora é o momento de compreender Que tudo que se faz È sagrado
    24. 24. O Grande Segredo HAFIZ Deus bebeu tanto Vinho ontem à noite Tanto Vinho Que Ele deixou um grande segredo escapar Ele disse: Não existe ser algum nesta terra Que precisa de um perdão Meu – Pois na realidade não existe esta coisa Não existe esta coisa De pecado! O Bem Amado ficou totalmente Selvagem E derramou-se, Ele próprio, para dentro de mim Estou extasiado, embriagado e transbordante Mundo querido. Retira Vida de meu Doce Corpo. Caminhantes queridos, Venham beber sua porção de líquidos rubis Pois Deus fez meu coração Uma eterna fonte!
    25. 25. Devemos Conversar Sobre Isso HAFIZ Há uma linda Criatura Morando na toca que você abriu. Assim, de noite Eu deixei grãos e frutas E pequenos potes de leite e vinho Ao lado dos montes de terra solta. E eu sempre canto. Mas, minha querida, Você não sai de sua toca. Eu me enamorei com Alguém Que se esconde dentro de você. Devemos conversar sobre isso De outro modo. Eu nunca a deixarei só.
    26. 26. UMA ÚNICA REGRA HAFIZ O céu È um oceâno azul suspenso. As estrela são peixes que nadam. Os planetas são as baleias brancas Nas quais, às vezes Eu costumo Montar. O sol e toda a luz Para sempre se fundiram em meu coração E sobre minha Pele. Existe uma única regra neste Parque Nacional de Diversões. E em todas as placas que HAFIZ já viu Lêem-se a mesma coisa. Elas dizem. “Divirtan-se meus queridos; Minhas queridas, divirtan-se Na brincadeira divina Do Amado. Oh, na maravilhosa brincadeira do Amado.”
    27. 27. QUAL É A RAIZ? HAFIZ Qual È a Raiz de todas estas Palavras? Uma única coisa: amor. Mas um amor tão profundo e doce Que necessita se expressar Com aromas, cores e sons Que nunca antes Existiram
    28. 28. httphttp://www.gurdjieff-ouspensky-://www.gurdjieff-ouspensky-centerscenters..orgorg Centro de Porto Alegre - 2005Centro de Porto Alegre - 2005 Bibliografia: www.HAFIZonlove.com http://www.bardic-press.com/HAFIZ/excerpts.htm http://www.geocities.com/Broadway/3367/persia.html http://www.webislam.com/numeros/2003/211/temas/ibnarabi_iran.htm http://www.islaternura.com/APLAYA/NoEresElUnico/H/HAFIZ %20Junio2005/HAFIZ%20%20Biografia.htm http://www.webislam.com/numeros/2002/162/Temas/Lengua_Invisible.htm http://www.caroun.com/Calligraphy/aCalligraphyGeneral/Masters- Iranian/HAFIZ.html Fundo musical iraniana atual de Shahram Nazeri. Poseias: CD RUMI – HAFIZ- CORA

    ×