Igarapés que já desapareceram na área urbana de Bom
Jardim By: Adilson Moatta
Igarapé Abetel (curso cortado)
Finado Igarap...
* Reciclagem.
Lembrando que na zona urbana, que corresponde a 1,7% da área
territorial do município é onde se concentra 35...
MAPA AMBIENTAL DE BOM JARDIM
O Mapa Ambiental do município de Bom Jardim visto anteriormente
compreende a circunferência h...
se verifica sua integração “arterial” - especialmente no período do inverno.
Um fato verificado, quando na elaboração do p...
Tudo se deu diante de uma ação administrativa que não conscientizava nem informava seus
atos, como se o povo não existisse...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Morte dos Igarapés em Bom Jardim - MA

261 visualizações

Publicada em

Morte dos Igarapés em Bom Jardim - MA

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
261
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Morte dos Igarapés em Bom Jardim - MA

  1. 1. Igarapés que já desapareceram na área urbana de Bom Jardim By: Adilson Moatta Igarapé Abetel (curso cortado) Finado Igarapé do Abetel. Por longos anos, era água corrente e servia de banho nos finais de semana para muitas pessoas no município como lazer. Mataram suas nascentes e seus cursos construindo estradas e ruas – a chegada nociva do progresso sem conciliar meio ambiente nem natureza – ou melhor, sem planejamento nem desenvolvimento sustentável. Éste é apenas um dos defuntos hídricos de nosso ecossistema local. Medidas Corretivas ao Problema Ambiental do Município de Bom Jardim * Reflorestamento nas imediações dos igarapés. * Fazer aterro sanitário no lixão e procurar lugares estratégicos e distante dos igarapés e lagos para depositar os futuros lixos. * Conscientizar e proibir a população de jogar lixos nas imediações ou braços dos igarapés e rios. * Dragagem (drenagem) e recanalização do leito do rio Pindaré e Carú para que eles não venham a desaparecer. Crescimento desordenado e não acompanhamento dos órgãos oficiais como Secretaria de Meio Ambiente, infraestrutura e saneamento básico na política pública local.
  2. 2. * Reciclagem. Lembrando que na zona urbana, que corresponde a 1,7% da área territorial do município é onde se concentra 35,2 % da população total que corresponde a 12.126 habitantes (IBGE /2000). A densidade demográfica de todo município é de 5,2 habitantes/km². Em 2010, segundo o IBGE, o número de habitantes é de 39.049 habitantes. Se focalizarmos a densidade demográfica só na zona urbana, vamos encontrar um número totalmente diferente: 107 Hab. / KM². Essas informações são de alta importância, pois nos permitem perceber que existe um alto aglomerado de pessoa por km² na área urbana merecendo por isso uma atenção especial à questão ambiental (da referida área, sem excluir a zona rural). Todos e cada um de nós estamos diretamente ligados ao meio ambiente, e dependemos desse meio para sobreviver; é nesse meio onde moram os seres vivos dos quais também fazemos parte e dependemos; E está situada à escola e aqueles que a frequentam. Só a escola poderá não resolver os problemas detectados no meio ambiente bonjardinense, mas é o caminho viável para acelerar as ações do poder público com políticas ambientais voltadas para a preservação. É possível conciliar desenvolvimento e meio ambiente. A questão da preservação não é só uma iniciativa do poder público. E, não se deve, porém, excluir a participação de comunidade do processo de preservar. A comunidade deve ser transformada em parceira essencial do poder público na promoção da ação educativa e na formação de consciência da sociedade em favor da preservação ambiental para as presentes e futuras gerações. “É necessário dentro desse grande país, com uma grande biodiversidade que temos, construir uma nação com grande consciência ecológica. Já que somos considerados por todos como o “pulmão do mundo”. E darmos exemplo e lição, e não sermos vistos como “bárbaros devastadores daquilo que é de todos inclusive das futuras gerações”. Por Adão Alves, 2007 Pela ausência de infraestrutura em urbanismo, veja uma das inundações em uma das ruas de Bom Jardim em junho de 2006. Saneamento básico é o conjunto de medidas, visando preservar ou modificar as condições do ambiente com a finalidade de prevenir doenças e promover saúde. Investir em saneamento, principalmente no tratamento de esgotos, diminui a incidência de doenças e internações hospitalares e evita o comprometimento dos recursos hídricos do município.
  3. 3. MAPA AMBIENTAL DE BOM JARDIM O Mapa Ambiental do município de Bom Jardim visto anteriormente compreende a circunferência hidrográfica do município onde, no inverno, Autores: Adilson Motta e Sancler (pintor), 2004
  4. 4. se verifica sua integração “arterial” - especialmente no período do inverno. Um fato verificado, quando na elaboração do presente mapa é que, o mesmo expressa as “artérias” os igarapés e lagos do município, os quais afluem ao rio Pindaré. Outro fato verificado é a existência de grande quantidade de lixos e lixões nas imediações ou adjacência desses igarapés – que, com seu chorume e poluentes contaminam os ecossistemas desses mananciais. Contaminando também, os lençóis freáticos que são reservatórios naturais de água potável que servem e servirão de consumo à população atual, e as gerações futuras. Igarapé do Abetel, antes e atualmente (2013). Igarapé do Betel – Recebe alta carga de contaminações e dejetos do lixão mostrado abaixo - que fica em terreno declive, propício para as águas das chuvas durante o inverno. Além do mais, no referido lixão (onde até mesmo lixo hospitalar é jogado sem o mínimo de critério ou incineração) – muitas crianças, jovens e adultos caminham por dentre os resíduos encontrados. Foto tirada por: Natana, 2009. Não é só o Meio Ambiente que é injustiçado, por muitos anos, os moradores desta casa e outros que se localizam a menos de 100 metros sofreram (-em) os riscos do impacto das doenças que podem ser causadas pelo lixo. Apesar da palavra de ORDEM do atual século ser: “Meio Ambiente & Preservação Ambiental”, em junho de 2009, a “matança” injustificada de muitas árvores no município, ao longo da BR 316, em pleno centro da cidade gerou muita polêmica, discussão e insatisfação. Nas rádios locais foram o objeto de uma semana de especulação e debate e pelos recantos informais da cidade. Frente a situação, o nome de Bom Jardim até chegou a mudar! Muitos chamaram de “A Cidade do Pau Pelado” outros: “A Cidade da Cara pelada”. Sem respostas para o ato, muitos se perguntavam: “Será que a AVENIDA agora vai sair?
  5. 5. Tudo se deu diante de uma ação administrativa que não conscientizava nem informava seus atos, como se o povo não existisse, nem houvesse satisfação social a dar. Depois de tanta polêmica e juntando o “caldo derramado”, a administração resolveu plantar mudas de palmeiras ao longo de toda BR 316, na extensão do perímetro urbano. Logo nos três meses de governo, a administração Beto/Lidiane Rocha cumpriram o que prometiam em palanque: Retirar o lixão do inadequado local onde se encontrava, como mostra as fotos ao lado.

×