25 FORMAS DE
CONSTRUIR
E MANTER A
MOTIVAÇÃO DOS
ALUNOS
A Palavra motivação, quando decomposta,
revela a combinação motivo ...
Si mesmos encontraram o impulso e
subiram nos seus próprios ombros”.
Mas nós, aqui do lado de fora, podemos
construir “mot...
Conta a história de Lorenzo, uma criança que, aos
seis anos, descobre – se portadora de uma doença
cerebral degenerativa i...
• Carruagens de Fogo (1981) – Inglaterra, 123
minutos.
Conta a história de dois atletas ingleses que
competem entre si nas...
12: Quando expuser verbalmente um conteúdo
extenso, não use um tom monocórdio. Isso é
sonífero em seu estado mais puro! Va...
dos alunos acesso é como uma corrida: a largada e
a chegada são o que definem o sucesso!
19: Não se coloque como o “astro ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

25 Formas de Manter Motivação dos Alunos

155 visualizações

Publicada em

25 Formas de Manter Motivação dos Alunos

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
155
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

25 Formas de Manter Motivação dos Alunos

  1. 1. 25 FORMAS DE CONSTRUIR E MANTER A MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS A Palavra motivação, quando decomposta, revela a combinação motivo + ação. Ou seja, já traz em si a ideia de que é preciso um motivo para que uma ação ocorra. E o motivo, do latim movere, é aquilo Que move alguma coisa. Portanto, motivação é a força que gera uma ação, Uma atitude! Em tudo que nos propomos a fazer carecemos de um certo impulso, de uma certa energia que nos movimente na direção do alvo que elegemos. Sentimos a necessidade de que habite em nós um interesse genuíno, um desejo vigoroso de que realizemos a tarefa proposta. Podemos denominar tal fenômeno de motivação. Todavia, ninguém motiva ninguém. Esse desejo imenso de se lançar a frente é pessoal e intrasferível, é de uma dimensão endógena, isto é, seu movimento se dá de dentro para fora. Como muito lindamente já o dissera o poeta romano Sêneca: “Merecem louvor os homens que em ...
  2. 2. Si mesmos encontraram o impulso e subiram nos seus próprios ombros”. Mas nós, aqui do lado de fora, podemos construir “motivos” para que o outro sinta interesse em motivar-se, em envolver-se com alegria e ímpeto nas ações que são propostas. E, na sala de aula, essa questão é aguda e é uma das situações pilares que contribuem para o prazer de ser educador! Siga minhas reflexões, mas lembre: como tudo na vida, a motivação não é um combustível perene, é um recurso renovável, por isso mesmo precisa ser reposta corriqueiramente. 1: Regra de ouro: a sala de aula tem que ser prazerosa, divertida, saborosa, mágica e isso tudo nada custa! 2: Entre na dança! A festa só fica divertida quando a gente entra na dança; assistir de fora não está com nada! 3: Faça o que for possível para que o tempo que os alunos estiverem com você seja o mais apetitoso da vida deles! Acabará sendo para você também! Aliás, o apetite de aprender está intimamente ligado ao apetite de viver! 4: Leve à turma um ex-aluno bem-sucedido para a moçada conversar com ele. A história de vida que ouvirão do convidado impactará muito mais do que você contando! E mais, eles pensarão: “Se ele saiu daqui e chegou aonde chegou, eu também posso chegar lá”. 5: Conte metáforas enriquecedoras. 6: Exiba filmes que falem de superação e discuta- os com seus alunos. Tente esgotar ao máximo as relações que as ficções podem fazer com as realidades vividas por eles. Quer dez sugestões bem legais? Vamos lá: • Coach Carter: Treino para a vida (2005) – Estados Unidos/ Alemanha, 136minutos. O filme conta a história de Ken Carter, interpretado por Samuel l. Jackson é um empresário que se torna dono do time de basquete da escola onde estudou, na periferia da cidade. Disciplinador, o técnico estabelece um rígido código de conduta que leva em conta até o desempenho escolar. Ele percebe que, quando as notas dos alunos decaem, o desempenho da equipe também fraqueja e vice-versa, Mas ele tem uma solução. • Meu Pé Esquerdo (1989) – Irlanda, 103 minutos. O filme conta a história de Cristy Brown, interpretado por Daniel Day-Lewis. Brown é uma criança que nasce portadora de uma paralisia cerebral que apenas lhe poupa o pé esquerdo. Dominado tão somente esse recurso, ele supera todas as adversidades e desenvolve seu talento para a pintura e para as letras. • O Óleo de Lorenzo (1992) – Estados Unidos, 135 minutos.
  3. 3. Conta a história de Lorenzo, uma criança que, aos seis anos, descobre – se portadora de uma doença cerebral degenerativa incurável que delimita em somente mais dois anos. São seus pais que tomam a frente na busca para amenizar seu sofrimento e prolongar sua expectativa de vida. • Uma Mente Brilhante (2002) – Estados Unidos, 134 minutos. Conta a história do americano John Forbes Nash Junior, interpretado por Russel Crowe. Forbes, Prêmio Nobel de matemática de 1994, embora dono de uma inteligência genial, é portador de esquizofrenia, contra a qual luta a vida toda. Mas ainda há tempo para a superação. • Meu Nome É Radio (2003) – Estados Unidos, 109 minutos. Conta a história de James Robert Kennedy, interpretado por Cuba Gooding Jr. James é um jovem que perambula pelas ruas e sempre passa perto do campo de treino do time de futebol americano. Os jogadores faziam muitas chacotas acerca do garoto, até que um dia exageraram. O treinador quer lhe recompensar de alguma forma, protegendo-o e dando-lhe o que fazer. O porquê dessa opção do treinador é o que faz dessa história um exemplo de determinação e superação. • Desafiando Gigantes (2006) – Estados Unidos, 116 minutos. Conta a história de Grant Taylor, um técnico de futebol americano que jamais pôde se considerar bem-sucedido. Mas foi no pior momento da sua vida que ele deu a volta por cima! “Nunca desista, nunca volte atrás, nunca perca a fé! , são as chamadas desse filme. • O Milagre de Anne Sullivan (1962) – Estados Unidos, 111 minutos. Conta a história da persistente educadora Anne Sullivan, interpretada por Anne Bancroft, que se empenha em promover a inclusão social de Helen Keller, uma moça que nascera cega, surda e muda. • Desafiando os Limites (2005) – Estados Unidos / Japão / Nova Zelândia, 127 minutos. Conta a história real do neozelandês Burt Munro, interpretado por Anthony Hopkins. Em 1960 Munro, cheio de problemas de saúde e já bem velho, faz uma viagem da Nova Zelândia aos Estados Unidos com uma antiga moto, no intuito de bater o recorde de velocidade. Sua história fala de determinação e gana em atingir os objetivos. • O Poder da Esperança (2007) – Estados Unidos, 94 minutos. Conta a história de Richard Pimentel, interpretado por Ron Livingston. Pimentel viveu uma infância difícil e traumática e, quando chega o tempo escola na adolescência, passa a compartilhar seus problemas com seus colegas e então reconhece que tem o dom da oratória. Procura um educador para orienta-lo e é rejeitado. Com sua autoestima ferida, ele abandona seus sonhos e vai para a guerra, quando sofre um acidente. O resto é só superação
  4. 4. • Carruagens de Fogo (1981) – Inglaterra, 123 minutos. Conta a história de dois atletas ingleses que competem entre si nas olimpíadas de verão. Um é religioso e corre como testemunho de fé, o outro é judeu e corre para que, ao ganhar, a condição de celebridade o proteja dos preconceitos. O filme é um dos verdadeiramente clássicos que tratam do tema superação. 7: Não perca as oportunidades de elogiar sinceramente os seus alunos. Esse gesto tem um efeito impossível de se dimensionar! O elogio constrói elos, além de ser um instrumento revelador de nossos Eus! Não foi à toa que o filósofo romano Sêneca (4 a. C. – 45 d. C.) disse: “Podes conhecer o espirito de qualquer pessoa se observares como ela se comporta ao elogiar e receber elogios”. 8: A cada semana escolha uma frase otimista e afixe-a em um lugar bem visível, e de vez em quando, leia-a em voz alta para refletirmos juntos. 9: Veja na web os dias dedicados as profissões mais conhecidas. Selecione algumas e, no dia indicado, fale delas para os alunos. Essa ação abre várias janelas por onde eles podem sonhar o futuro. 10: Em um mundo onde não há mais distâncias, aproxime-se mais deles num espaço fora da escola. Faça uma lista de e-mails e mantenha um canal constante de comunicação com eles, seja por correio eletrônico, seja por comunicadores instantâneos. Há como fugir das banalidades e privilegiar informações que enriqueçam. 11: Surpreenda-os! De vez em quando, faça algo que seja positivamente inusitado, extraordinário, inesquecível! Randy Pausch, docente de ciência da computação da universidade Carnegie Mellon, em Pittsburgh, Estados Unidos, falecido recentemente, conta no seu livro A lição final, uma história à qual recorro com frequência: no primeiro dia de aula, ele levava um aparelho eletrônico, colocava em uma mesa, apanhava uma marreta, destruía-o e dizia. - Quando se constrói algo difícil de usar, as pessoas se aborrecem. Ficam tão irritadas que querem destruí-lo. Nós não queremos criar objetos que as pessoas queiram destruir! Os alunos, chocados, diziam um para o outro: - Não sei quem é esse sujeito, mas com certeza virei à aula dele amanhã para ver qual será sua próxima façanha!
  5. 5. 12: Quando expuser verbalmente um conteúdo extenso, não use um tom monocórdio. Isso é sonífero em seu estado mais puro! Varie as entonações, até dê algum tom teatral, caso saiba! 13: Nessa mesma situação, permanecer sentado atrás da mesa ou ficar encostado na parede é quase que um apelo aos céus para que seus alunos caiam no sono eterno! Explore o espaço disponível enquanto fala, isso faz, consequentemente, com que os alunos movimentem a cabeça e o olhar, produzindo, ao menos, o mínimo do despertar. 14: Vez ou outra, chame-os pelo nome enquanto expõe sua aula, pedindo opiniões! Mesmo que você ainda não os tenha memorizado, você pode perguntar e inclui-los na sala fala. Sabendo que você recorre a essa técnica, é certo que grande maioria da turma se esforçara para ficar atenta ao que você diz, para o caso de serem os próximos a serem convidados a participar da sua exposição. Por exemplo: - [...] Ricardo (ou, Qual é o seu nome mesmo? Ah, sim... Ricardo!) dê sua opinião livre sobre o que acabei de falar! 15: Quando possível, use apresentações em Power Point, mas não abuse dos efeitos e das cores. Aliás, não abuse delas, não faça desse recurso sua única forma de fazer suas aulas. Em algum momento, vai se tornar igualmente monótono. O segredo, repito, é a variação! 16: Faça do humor a marca registrada das suas aulas! Só lhe peço atenção a dose! Lembre-se do sábio proverbio: “De remédio a veneno, tudo é uma questão de dose! ”. 17: Levem objetivos para serem mostrados a turma, seja colocado na mesa à frente caso seja grande, como, por exemplo, uma escultura, um troféu; seja circulando de mão em mão, como um álbum de fotografias ou uma moeda estrangeira. 18: Uma aula que desperte e mantenha o interesse
  6. 6. dos alunos acesso é como uma corrida: a largada e a chegada são o que definem o sucesso! 19: Não se coloque como o “astro do espetáculo”; Essa atitude pode significar o início da derrocada! Ao contrário, reconheça e incentive o protagonismo dos alunos! 20: Inclua dinâmicas de grupo ou jogos divertidos No seu planejamento e tire-os da manga quando perceber que o interesse que o interesse dos seus alunos está indo para o brejo. 21: Não é prepotência ou devaneio: nós temos o poder de criar qualquer atmosfera! Calma, eu explico: falo de clima convivencial! Quanto melhor for, mais ricas, divertidas e significativas serão as vivências experimentadas naquele ambiente! 22: Coloque-se no papel de provocador de motivações. E, tão importante quando, inclua-se como sujeito delas! 23: Deixe sempre claro aos alunos onde estão os elos entre os conteúdos que você expõe. Fica muito mais interessante quando eles percebem o continuum da “matéria”, quando que os ensinos e as aprendizagens se processam em um fluxo encadeado e não são largados em fragmentos no chão da sala de aula. 24: Busque mostrar a eles qual o valor de determinadas aprendizagens para a vida, em que poderão aplicar os conhecimentos construídos, seja em curto, seja em médio, seja em longo prazo. 25: Fundamentalmente, insista em fazer com que eles vejam o quanto a escola pode representar no sentido de prover uma vida melhor para eles e suas famílias quando o amanhã chegar! Fonte: MIRANDA, Simão de. Como se tornar um Educador de sucesso. Dicas, conselhos, propostas e Ideias para potencializar a aprendizagem. Petrópolis, Vozes, 2011. Simão de Miranda é o Doutor em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pelo Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília. Também é Mestre em Educação na área de Formação e trabalho Pedagógico pela Faculdade de Educação da mesma universidade

×