“ Argumentos e contra-argumentos de Jó” <ul><li>Exegese:  Lá e então...
Hermenêutica:  Aqui e agora. .. </li><ul><li>Coelho Fº, Isaltino G. “Os livros poéticos (II)”, Rio de Janeiro: JUERP, 2011...
“ ...Pelo Deus vivo, que me negou justiça, pelo Todo-poderoso, que deu amargura à minha alma...”  Jó 27:2,3 <ul>Objetivos:...
Tomar a atitude de aprender a conviver com situações difíceis ( resiliência ). </li></ul>“ A resiliência é um conceito psi...
Argumentos dos amigos de Jó Elifaz  - “Deus é ouro fino”, natural de Temã (Edomita = descendente de Esaú) (Jr 49.7) - “Nob...
O homem traz sobre si seus problemas (Jó 4.7-8.17;5.6-9) </li></ul>Conclui que, se Jó estava sofrendo, foi porque fez algo...
Argumentos dos amigos de Jó Bildade  - “filho de contendas”, nativo de Suah (rio Eufrates) = Babilônia  (Jó 8.8-10)  - “Tr...
O ímpio é punido
Exalta a onisciência de Deus e salienta a pequenez do homem  (Jó 25) </li></ul>Conclui que, se Jó estava sofrendo, era por...
Argumentos dos amigos de Jó Zofar  - “peludo” ou “áspero”, natural de Naama (norte da Arábia)  (Jó 11.2-6)  - “Dogmático, ...
Ama a justiça </li></ul>Conclui que, se Jó estava sofrendo e até dizia que Deus o odiava, era porque cometera iniquidade. ...
Argumentos dos amigos de Jó Eliú , natural de Buz (Arábia ou Síria), era o mais jovem, postura de aprendiz <ul><ul><li>Deu...
Deus vê tudo
Deus é grande e incompreensível </li></ul></ul>Eliú tira o foco de Jó e exalta a Deus. Para ele  o sofrimento não serve só...
Atitudes dos amigos de Jó <ul><li>“ Como se vê, os amigos de Jó mostraram mais amor por discussões que pelo amigo que sofr...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ebd 22012012

826 visualizações

Publicada em

Dialetics in Job

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
826
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ebd 22012012

  1. 1. “ Argumentos e contra-argumentos de Jó” <ul><li>Exegese: Lá e então...
  2. 2. Hermenêutica: Aqui e agora. .. </li><ul><li>Coelho Fº, Isaltino G. “Os livros poéticos (II)”, Rio de Janeiro: JUERP, 2011. </li></ul><li>Aplicação: O quê tudo isso significa para mim hoje? </li><ul><li>Propósito : Conhecer a Deus “face a face” e não só de “ouvir falar” . </li></ul></ul>
  3. 3. “ ...Pelo Deus vivo, que me negou justiça, pelo Todo-poderoso, que deu amargura à minha alma...” Jó 27:2,3 <ul>Objetivos: <li>Compreender que, por desconhecer os caminhos de Deus, nem conhecer os planos que Deus tem para nossa vida, devemos, ao passar por situações difíceis, perguntar a ele: “para quê, Senhor?”;
  4. 4. Tomar a atitude de aprender a conviver com situações difíceis ( resiliência ). </li></ul>“ A resiliência é um conceito psicológico emprestado da física, definido como a capacidade de o indivíduo lidar com problemas, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas - choque, estresse etc. - sem entrar em surto psicológico. No entanto, Job (2003), que estudou a resiliência em organizações, argumenta que a resiliência se trata de uma tomada de decisão quando alguém depara com um contexto entre a tensão do ambiente e a vontade de vencer. Essas decisões propiciam forças na pessoa para enfrentar a adversidade. Assim entendido, pode-se considerar que a resiliência é uma combinação de fatores que propiciam ao ser humano condições para enfrentar e superar problemas e adversidades. ” Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Resili%C3%AAncia_%28psicologia%29 * Bíblia Sagrada, NVI, disponível em http://www.bibliaonline.com.br/nvi/j%C3%B3/1
  5. 5. Argumentos dos amigos de Jó Elifaz - “Deus é ouro fino”, natural de Temã (Edomita = descendente de Esaú) (Jr 49.7) - “Nobre, sincero, sábio e cortês” <ul><li>Deus é puro e justo;
  6. 6. O homem traz sobre si seus problemas (Jó 4.7-8.17;5.6-9) </li></ul>Conclui que, se Jó estava sofrendo, foi porque fez algo errado. Fonte: Coelho Fº, Isaltino G. “Os livros poéticos (II)”, pag.34
  7. 7. Argumentos dos amigos de Jó Bildade - “filho de contendas”, nativo de Suah (rio Eufrates) = Babilônia (Jó 8.8-10) - “Tradicionalista” <ul><li>Deus é justo
  8. 8. O ímpio é punido
  9. 9. Exalta a onisciência de Deus e salienta a pequenez do homem (Jó 25) </li></ul>Conclui que, se Jó estava sofrendo, era porque cometera alguma impiedade. “Esfrega sal e pimenta nas feridas” Fonte: Coelho Fº, Isaltino G. “Os livros poéticos (II)”, pag.34
  10. 10. Argumentos dos amigos de Jó Zofar - “peludo” ou “áspero”, natural de Naama (norte da Arábia) (Jó 11.2-6) - “Dogmático, moralista, brusco, farisaico e acusador” <ul><li>Deus odeia a iniquidade, mas...
  11. 11. Ama a justiça </li></ul>Conclui que, se Jó estava sofrendo e até dizia que Deus o odiava, era porque cometera iniquidade. Fonte: Coelho Fº, Isaltino G. “Os livros poéticos (II)”, pag.34
  12. 12. Argumentos dos amigos de Jó Eliú , natural de Buz (Arábia ou Síria), era o mais jovem, postura de aprendiz <ul><ul><li>Deus é justo
  13. 13. Deus vê tudo
  14. 14. Deus é grande e incompreensível </li></ul></ul>Eliú tira o foco de Jó e exalta a Deus. Para ele o sofrimento não serve só para punir, mas também para prevenir e amadurecer (Heb 12.5-11; Pv 3.11; Dt 8.1-5) Fonte: Coelho Fº, Isaltino G. “Os livros poéticos (II)”, pag.35
  15. 15. Atitudes dos amigos de Jó <ul><li>“ Como se vê, os amigos de Jó mostraram mais amor por discussões que pelo amigo que sofria. Este é um problema bem sério em nosso meio. Os crentes parecem amar mais suas palavras e suas posições doutrinárias que pessoas.”
  16. 16. Em Marcos 3.1-3, Jesus demonstra mais amor pela pessoa do homem que tinha a mão atrofiada, chamando-o para o meio e curando-o, enquanto os Fariseus punham o “sábado” no meio. Eram legalistas . </li></ul>Fonte: Coelho Fº, Isaltino G. “Os livros poéticos (II)”, pag.35
  17. 17. Os contra-argumentos de Jó <ul><li>A Elifaz, Jó responde com: </li><ul><li>Confiança em Deus, na sua justiça e na sua misericórdia (Jó 23 e 24)
  18. 18. Submissão sem conformismo </li></ul><li>A Bildade, Jó responde: </li><ul><li>Recriminando a acusação
  19. 19. Exaltando o poder de Deus
  20. 20. Defendendo sua integridade e sinceridade
  21. 21. Reconhecendo sua limitação, como homem </li></ul></ul>Fonte: JUERP. Revista Compromisso 1T12, pags.18,19
  22. 22. Os contra-argumentos de Jó <ul><li>A Zofar, Jó responde com um longo sermão (Jó 31) </li><ul><li>Sua integridade
  23. 23. Sua fidelidade
  24. 24. Questiona a Deus o “porquê” de seu sofrimento
  25. 25. Apresenta-se diante do Tribunal de Deus e apresenta a sua defesa. </li></ul></ul>“ Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo.” 1 João 2:1 Fonte: http://www.bibliaonline.com.br/acf/s/*/1/temos%20um%20advogado
  26. 26. Dialética <ul>Dialética (AO 1945: dialéctica) (do grego διαλεκτική (τέχνη), pelo latim dialectĭca ou dialectĭce) é um método de diálogo cujo foco é a contraposição e contradição de ideias que leva a outras ideias e que tem sido um tema central na filosofia ocidental e oriental desde os tempos antigos. A tradução literal de dialética significa &quot;caminho entre as idéias&quot;. &quot;Aos poucos, passou a ser a arte de, no diálogo, demonstrar uma tese por meio de uma argumentação capaz de definir e distinguir claramente os conceitos envolvidos na discussão.&quot; &quot;Aristóteles considerava Zenão de Eleia (aprox. 490-430 a.C.) o fundador da dialética. Outros consideraram Sócrates (469-399 AEC)&quot;. (Konder, 1987, p. 7) </ul>Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Dial%C3%A9tica
  27. 27. Argumentação dialética “ Os elementos do esquema básico do método dialético são a tese, a antítese e a síntese. <ul><li>A tese é uma afirmação ou situação inicialmente dada.
  28. 28. A antítese é uma oposição à tese.
  29. 29. Do conflito entre tese e antítese surge a síntese , que é uma situação nova que carrega dentro de si elementos resultantes desse embate.
  30. 30. A síntese, então, torna-se uma nova tese, que contrasta com uma nova antítese gerando uma nova síntese, em um processo em cadeia infinito.” (*) </li></ul>(*) Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Dial%C3%A9tica
  31. 31. Conclusão <ul><li>Capítulos 22 a 31 demonstram que Deus admite: </li><ul><li>o diálogo - (do grego diálogos [διά = através e λογόι = palavra, conhecimento] , pelo latim dialogus) – 1. Entendimento através da palavra, conversação, colóquio, comunicação. 2. Discussão ou troca de idéias, conceitos, opiniões, objetivando a solução de problemas e a harmonia.;
  32. 32. a controvérsia - Uma controvérsia (do latim controversia) ou disputa é uma questão de opinião sobre a qual as partes discordam ativamente, argumentam ou debatem[1]. Controvérsias podem variar em tamanho, indo desde disputas privadas entre dois indivíduos até desentendimentos em larga escala entre sociedades.
  33. 33. a contradição - O princípio da contradição informa que duas proposições contraditórias não podem ser ambas falsas ou ambas verdadeiras ao mesmo tempo. </li></ul></ul>
  34. 34. Jesus Cristo “Considerai, pois, aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si mesmo, para que não enfraqueçais, desfalecendo em vossos ânimos. Ainda não resististes até ao sangue, combatendo contra o pecado.” Hebreus 12:3-4
  35. 35. <ul>Aplicação: O quê tudo isso significa para mim hoje? </ul><ul><li>Proposição de questões abertas sobre: </li><ul><li>Quem é o meu próximo? (Lucas 10:29-37)
  36. 36. Será que sofre?
  37. 37. Como posso ajudá-lo?
  38. 38. Qual postura e quais as atitudes que devo ter?
  39. 39. O que posso realmente fazer por ele(a)?
  40. 40. O que Deus tem feito comigo e em torno de mim? Que ajustes preciso fazer? (*)
  41. 41. Como é a minha reação diante das circunstâncias que me cercam? </li></ul></ul>(*) Fonte: “ Conhecendo Deus e aprendendo a fazer a sua vontade” http://pt.scribd.com/collections/2283718/Conhecendo-a-Deus
  42. 42. Para meditar... http://www.yespop.com.br/2011/04/que-do-crianca-chora-pela-morte-da.html No vídeo do link abaixo, duas crianças gêmeas disputam o destino de uma formiguinha. Enquanto uma delas se exaspera pelo fato de a outra ter matado friamente a formiguinha, a outra, questionada pela mãe, responde simplesmente: “mati” . Algumas pessoas têm uma visão parecida de Deus. Um ser dual e implacável. Há religiões que veneram um deus assim e conquistam muitos adeptos. Por outro lado, tais pessoas têm uma visão minimalista de si mesmos. Baixa estima e depressão são uma constante nos dias de hoje. E você? Como vê Deus em meio à dor, ao sofrimento e tudo o mais que acontece ao seu redor neste mundo? Como responde aos que questionam sua fé e sua confiança em Deus? Já pensou sobre isso?

×