Simbololismo

880 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
880
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Simbololismo

  1. 1. simbololismo S I M B O L I S M O
  2. 2. Momento histórico do Simbolismo • A virada do século XIX para o século XX
  3. 3. • Crise do racionalismo burguês
  4. 4. • Declínio das doutrinas positivistas e deterministas
  5. 5. • Novas descobertas científicas e filosóficas: a física de Einstein, a psicanálise de Freud (revelação da importância dos sonhos, do imaginário e do inconsciente)
  6. 6. • teorias filosóficas de Schopenhauer e Nietzsche.
  7. 7. • Desgaste das disputas colonialistas da burguesia industrial.
  8. 8. • Emergência da Primeira Guerra Mundial.
  9. 9. • Anúncios da Revolução Russa de 1917
  10. 10. “Singulares criaturas devem nascer por este fim de século, em que a metafísica de novo predomina e a asa do sonho os espíritos, deixando-os alheados e absortos. A necessidade do desconhecido de novo se estabelece. A ciência, que por vezes arrastara a humanidade, que a supunha capaz de ir ao fim – bateu num grande muro e parou. Que importam o princípio e o fim?” Raul Brandão
  11. 11. Principais características do Simbolismo
  12. 12. • Sugere em vez de descrever; simboliza em vez de nomear; • Redescobre a subjetividade, o sentimento, a imaginação, a sensualidade e a espiritualidade.
  13. 13. • Explora o subconsciente e o inconsciente; • Usa predominante imagens sensoriais e metafísicas
  14. 14. • Prioriza a musicalidade, com aliterações, assonâncias, paralelismos, repetições. • Prefere sinestesias, metáforas, prosopopeias e analogias como figuras de linguagem.
  15. 15. • Utiliza letras maiúsculas em substantivos comuns, para torná-los absolutos.
  16. 16. • Expressa uma religiosidade não convencional; pelo desregramento dos sentidos, da sexualidade, das emoções, de delírios e alucinações.
  17. 17. • Busca o misterioso, o oculto, o vago, o caótico, o alógico, o anárquico, o indefinível e o inexprimível.
  18. 18. • Considera o poeta como vidente de realidades transcendentais e a poesia como expressão de vidência mediúnica.
  19. 19. • Misticismo. • Exploração das camadas mais profundas do “eu”. • Espiritualidade. • “Torre de Marfim”. • Hermetismo. • Imagens noturnas.
  20. 20. O Simbolismo em Portugal
  21. 21. Cronologia do Simbolismo em Portugal • Período: século XIX a XX • Início: 1890 – Publicação de Oaristos, de Eugênio de Castro. • Fim: 1915 – Surgimento da Revista Orpheu, inaugurando o Modernismo
  22. 22. • Conhecidos como adeptos do Nefelibatismo (espécie de adaptação portuguesa do Decadentismo e do Simbolismo Francês), e portanto como nefelibatas (pessoas que andam com a cabeça nas nuvens), os poetas simbolistas portugueses vivenciavam um momento múltiplo e variado, de intensa agitação social, política, cultural e artística, que a grave situação financeira do país fomenta.
  23. 23. ULTIMATUM
  24. 24. Principais autores e obras
  25. 25. • Exerceu grande influência, particularmente na geração Orpheu, que iniciou o Modernismo em Portugal.
  26. 26. • Os poemas de Camilo Pessanha caracteriza-se por um forte poder de sugestão e ritmo, apresentando imagens estranhas, insólitas, não lineares, isto é, repletas de rupturas e cortes – elementos tipicamente simbolistas.
  27. 27. Ao Longe os Barcos de Flores Só, incessante, um som de flauta chora, Viúva, grácil, na escuridão tranquila, - Perdida voz que de entre as mais se exila, - Festões de som dissimulando a hora Na orgia, ao longe, que em clarões cintila E os lábios, branca, do carmim desflora... Só, incessante, um som de flauta chora, Viúva, grácil, na escuridão tranquila.
  28. 28. E a orquestra? E os beijos? Tudo a noite, fora, Cauta, detém. Só modulada trila A flauta flébil... Quem há-de remi-la? Quem sabe a dor que sem razão deplora? Só, incessante, um som de flauta chora...
  29. 29. Simbolismo no Brasil
  30. 30. Cronologia do Simbolismo no Brasil • Período: século XIX a XX • Início: 1893 – Publicação de Missal e Broquéis, de Cruz e Sousa. • Fim: por volta de 1902 – publicação de Os sertões de Euclides da Cunha, que inicia o PréModernismo.
  31. 31. Estudo dos principais autores e obras
  32. 32. João da Cruz e Sousa (1861-18998) • Conhecido como o “Cisne Negro” de nosso Simbolismo, seu “arcanjo rebelde”, seu “esteta sofredor”, seu “divino mestre”. • Procurou na arte a transfiguração da dor de viver e de enfrentar os duros problemas decorrentes da discriminação racial e social.
  33. 33. VIOLÕES QUE CHORAM... Ah! plangentes violões dormentes, mornos, Soluços ao luar, choros ao vento... Tristes perfis, os mais vagos contornos, Bocas murmurejantes de lamento. Noites de além, remotas, que eu recordo, Noites da solidão, noites remotas Que nos azuis da Fantasia bordo, Vou constelando de visões ignotas.
  34. 34. Sutis palpitações a luz da lua, Anseio dos momentos mais saudosos, Quando lá choram na deserta rua As cordas vivas dos violões chorosos.   Quando os sons dos violões vão soluçando, Quando os sons dos violões nas cordas gemem, E vão dilacerando e deliciando, Rasgando as almas que nas sombras tremem.
  35. 35. Alphonsus de Guimaraens • Pseudônimo literário de Afonso Henriques da Costa Guimarães; • Nascido de uma família de intelectuais de Ouro Preto; • Sua produção foi marcada, em grande parte, pela morte prematura da amada – Constância -, musa inspiradora de um lirismo com fortes traços religiosos e caracterizado por uma musicalidade erudita.
  36. 36. Ismália Quando Ismália enlouqueceu, Pôs-se na torre a sonhar... Viu uma lua no céu, Viu outra lua no mar. No sonho em que se perdeu, Banhou-se toda em luar... Queria subir ao céu, Queria descer ao mar...
  37. 37. E, no desvario seu, Na torre pôs-se a cantar... Estava perto do céu, Estava longe do mar... E como um anjo pendeu As asas para voar... Queria a lua do céu, Queria a lua do mar... As asas que Deus lhe deu Ruflaram de par em par... Sua alma subiu ao céu, Seu corpo desceu ao mar...

×