Apresentação do Palestrante
André Fonseca Jr
• Relações Governamentais da Divisão Comercial do Consulado Geral da Repúblic...
Relações Governamentais
Gerente de Vendas Internacionais
 Gerente de Projetos de Investimento
 Gerente de Novos Negócios...
Introdução
“A venda é processo essencial em qualquer negócio, pois é através dela que o capital é
inserido na empresa, e s...
Kotra
Anexo 1
Kotra
www.kotra.com.br
 Pesquisa de Mercado
 Organização de Seminários e
Consultorias
 Programas de Treinamento
 Visit...
Kotra
Anexo 2
Kotra
Anexo 2
Kotra
Coréia do Sul
Coréia do Sul
Coréia do Sul
Coréia do Sul
Representado na bandeira vê-se um círculo dividido em partes iguais e delineado em perfeito
equilíbrio, representando o Ab...
Pergunte a qualquer coreano por que o país decidiu investir em inovação e você ouvirá a
mesma resposta: “a Coreia não tinh...
Com o fraco poder de compra interno, o mercado externo foi o caminho para crescer. Uma das
estratégias para competir com a...
O segundo fator diz respeito à execução de políticas industriais. Na
Coreia, grandes empresas receberam, de fato, proteção...
Geografia
www.ifitweremyhome.com/compare/BR/KR
Geografia
www.ifitweremyhome.com/compare/BR/KR
Geografia
Anexo 3 - Brazil and South Korea Compared- NationMaster.com
História Econômica
O desenvolvimento veio nos anos 60 e tem um pai: o ditador Park Chung-hee. Ele governou entre
1961 e 19...
História Econômica
Anexo 4
Cultura Econômica
In an interview with The Korea Times' Business Focus, BMW Korea President Kim Hyo-
joon said, "Trends ch...
Cultura Econômica
In particular, the price gap reached close to 10 times for some infant goods and up to
four times for im...
Principais Parceiros Econômicos
Principais Parceiros Econômicos
Anexo 7
Principais Parceiros Econômicos
Anexo 7
Principais Parceiros Econômicos
Anexo 8
Principais Parceiros Econômicos
Anexo 9
Oportunidades de Comércio
Contatos:
www.abracomex.org | atendimento@abracomex.org
http://twitter.com/abracomex | Skype: abracomex
Portal de ensin...
"Como Fazer Negócios com a Coréia do Sul - exportação, importação e investimentos"
"Como Fazer Negócios com a Coréia do Sul - exportação, importação e investimentos"
"Como Fazer Negócios com a Coréia do Sul - exportação, importação e investimentos"
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

"Como Fazer Negócios com a Coréia do Sul - exportação, importação e investimentos"

546 visualizações

Publicada em

"Como Fazer Negócios com a Coréia do Sul - exportação, importação e investimentos"

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
546
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

"Como Fazer Negócios com a Coréia do Sul - exportação, importação e investimentos"

  1. 1. Apresentação do Palestrante André Fonseca Jr • Relações Governamentais da Divisão Comercial do Consulado Geral da República da Coréia, Kotra durante 10 anos; • Palestrante e Consultor de empresas nas áreas de Negociação Internacional e Internacionalização de Empresas; • Pós Graduado em Consultoria Empresarial FIA-USP; • Pós Graduado em Negócios Internacionais FIA-USP; • Graduado em Direito UNIMESP.
  2. 2. Relações Governamentais Gerente de Vendas Internacionais  Gerente de Projetos de Investimento  Gerente de Novos Negócios  Pesquisador de Mercado  Organizador de Missões Comerciais  Organizador de Seminários e Consultorias
  3. 3. Introdução “A venda é processo essencial em qualquer negócio, pois é através dela que o capital é inserido na empresa, e sem ele, a empresa não existiria. Igualmente importante é o cliente, afinal sem sua presença a empresa perde seu motivo de existência.”
  4. 4. Kotra
  5. 5. Anexo 1
  6. 6. Kotra www.kotra.com.br  Pesquisa de Mercado  Organização de Seminários e Consultorias  Programas de Treinamento  Visita Comercial  Missão Comercial  Organização de Feiras e Eventos  Representação Comercial  Missão Comercial  Promoção de Feiras e Eventos  Talento Global  Contribuição Social  Construção de Acordos Bilaterais (MOU- Memorando de Entendimento) Anexo 2
  7. 7. Kotra
  8. 8. Anexo 2 Kotra
  9. 9. Anexo 2 Kotra
  10. 10. Coréia do Sul
  11. 11. Coréia do Sul
  12. 12. Coréia do Sul
  13. 13. Coréia do Sul
  14. 14. Representado na bandeira vê-se um círculo dividido em partes iguais e delineado em perfeito equilíbrio, representando o Absoluto, ou a unidade essencial de todo um ser. As divisões representam na parte superior (vermelho) o "Yang" e a inferior (azul) o "Ying" antigo símbolo do universo originário da China. Esses dois opostos expressam o dualismo do cosmo, a eterna dualidade: fogo e gua; dia e noite; escuridão e luz; construção e destruição; macho e fêmea; ativo e passivo; calor e frio; mais e menos; o ser e o não-ser; a vida e a morte; etc. A presença da dualidade dentro do Absoluto indica o paradoxo da vida e a impossibilidade de aprendê-la integralmente. As combinações de barras representam os quatro pontos cardeais e os quatro mares que limitam o globo. •As três linhas inteiras representam o céu; •As três linhas quebradas do lado oposto representam a terra; •Na extremidade inferior esquerda da bandeira, há duas linhas inteiras com uma partida no meio. Isso simboliza o fogo; •Do lado contrário o símbolo da água.
  15. 15. Pergunte a qualquer coreano por que o país decidiu investir em inovação e você ouvirá a mesma resposta: “a Coreia não tinha recursos naturais. Nosso recurso eram as pessoas”. O discurso uniforme do povo coreano impressiona, assim como a habilidade para citar estatísticas de cabeça – sempre iguais, sempre exatas. O jeito de ser do coreano reflete as mais de 3 mil invasões sofridas, em 5 mil anos de história. No início, os chineses eram os mais frequentes. Depois, vieram os japoneses, culminando num período de 35 anos como colônia, até 1945. Formou-se um espírito de cooperação coletiva e orientação a grupos. O esforço para preservar a identidade e a cultura deu resultado: até o hashi de metal resistiu aos invasores, adeptos do de madeira. Coréia do Sul
  16. 16. Com o fraco poder de compra interno, o mercado externo foi o caminho para crescer. Uma das estratégias para competir com as indústrias já estabelecidas era diminuir prazos e preços. Os coreanos topavam contratos que nenhum outro país aceitava – e ainda conseguiam entregar antes. Começava a se desenhar uma das mais extenuantes jornadas de trabalho do mundo. Para um coreano, é imprescindível terminar o que começou: no trabalho, no estudo, na hora de beber. E de jogar videogames também. Copiar a Coreia, porém, é muito mais difícil do que se imagina. Há pelo menos três fatores cruciais ao desenvolvimento sul-coreano que são, em realidade, fraquezas crônicas do Brasil. O primeiro fator é educação. Em 1965, 100% dos alunos na Coreia já estavam matriculados no ensino fundamental. Atualmente, o percentual da população adulta com nível secundário é de 80% na Coreia, o dobro do observado no Brasil. Os estudantes sul-coreanos estão sempre no topo dos rankings do exame internacional PISA, com um desempenho 41% superior aos estudantes brasileiros no exame de matemática de 2009. Coréia do Sul
  17. 17. O segundo fator diz respeito à execução de políticas industriais. Na Coreia, grandes empresas receberam, de fato, proteção tarifária e maciços subsídios. Contudo, o governo estabelecia metas claras a essas empresas. Muitas, por exemplo, tinham que exportar e crescer no mercado internacional. Não atingir as metas poderia significar término nos incentivos e colocar a empresa em apuros. É a famosa política da “cenoura e chicote”. Coréia do Sul O terceiro fator é que o modelo de desenvolvimento coreano foi fundamentalmente calçado em inserção internacional. Ao disputar mercados externos, a empresa tem mais estímulo para se aprimorar continuamente pois qualquer deslize pode ser fatal.
  18. 18. Geografia www.ifitweremyhome.com/compare/BR/KR
  19. 19. Geografia www.ifitweremyhome.com/compare/BR/KR
  20. 20. Geografia Anexo 3 - Brazil and South Korea Compared- NationMaster.com
  21. 21. História Econômica O desenvolvimento veio nos anos 60 e tem um pai: o ditador Park Chung-hee. Ele governou entre 1961 e 1979 e iniciou o movimento Saemaul Undong – o “yes, we can” (sim, nós podemos) dos coreanos. Seu slogan era “vamos viver uma vida melhor”. Para isso, ele desenvolveu planos econômicos, com ciclos de cinco anos. O segundo, em 1967, já falava em inovação. Os Estados Unidos tiveram um papel fundamental na recuperação coreana, não apenas com aporte financeiro. “Não havia bons economistas no país. Os americanos ajudaram a desenhar os planos”, diz Joonghae Suh, do KDI (Instituto de Desenvolvimento da Coreia). Até 1992, houve sete planos consecutivos. No meio do último, em 1995, o país alcançou US$ 10 mil de renda per capita.
  22. 22. História Econômica Anexo 4
  23. 23. Cultura Econômica In an interview with The Korea Times' Business Focus, BMW Korea President Kim Hyo- joon said, "Trends change fast in Korea's industries and consumers respond to new products immediately. It's a market where companies can quickly learn if a new product or service will thrive or fail." Anexo 5
  24. 24. Cultura Econômica In particular, the price gap reached close to 10 times for some infant goods and up to four times for imported food, pharmaceuticals, and beauty care products. The difference was around 100 percent for home electronics and padded jackets. Anexo 6
  25. 25. Principais Parceiros Econômicos
  26. 26. Principais Parceiros Econômicos Anexo 7
  27. 27. Principais Parceiros Econômicos Anexo 7
  28. 28. Principais Parceiros Econômicos Anexo 8
  29. 29. Principais Parceiros Econômicos Anexo 9
  30. 30. Oportunidades de Comércio
  31. 31. Contatos: www.abracomex.org | atendimento@abracomex.org http://twitter.com/abracomex | Skype: abracomex Portal de ensino: http://www.abracomexonline.org/ Telefones: 4062-0660 Ramal:0405 / (11) 2171-1528 / (27) 3026-7785.

×