• População Mais Rica (10%)

• População Mais Pobre (10%)
ALGUNS DADOS SOBRE A DESIGUALDADE ETNICO-RACIAL NO
BRASIL:

O BRASIL foi último país a abolir a Escravidão.
04 milhões de ...
História para ninar Cassul-Buanga
Nei Lopes
Um dia, Cassul-Buanga, alguns chegaram:

Nossas mãos eram sua mão-de-obra
Mas ...
Obrigada !
Obrigada !
Dados da segregação racial no Brasil
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Dados da segregação racial no Brasil

408 visualizações

Publicada em

Dados da segregação racial no Brasil

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
408
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dados da segregação racial no Brasil

  1. 1. • População Mais Rica (10%) • População Mais Pobre (10%)
  2. 2. ALGUNS DADOS SOBRE A DESIGUALDADE ETNICO-RACIAL NO BRASIL: O BRASIL foi último país a abolir a Escravidão. 04 milhões de africanos foram escravizados durante a colonização. O Brasil é o maior país do mundo em população afrodescendente, fora do continente africano ... (Nigéria) A porcentagem de homens negros com curso superior em 2000 era menor que a de homens brancos em 1960 Em 2000 a porcentagem de negros analfabetos era maior que a dos brancos em 1980
  3. 3. História para ninar Cassul-Buanga Nei Lopes Um dia, Cassul-Buanga, alguns chegaram: Nossas mãos eram sua mão-de-obra Mas vivemos, Cassul. E cantamos um blue! E na roda um samba De roda A pólvora no peito, uma bússola nos olhos E as caras inóspitas vestidas de papel. Vieram numa nau de velas caras, Bordadas de Cifrões. Dançamos. Nossos corpos tensos Nossos corpos densos Suas mãos eram de ferro Venceram quase todas as competições. E falavam um dialeto Nossos poemas formaram um grande rio. De medo e ignorância. E amamos e nos demos. E fomos. E nos demos e amamos. Amontoados, confundidos, fundidos, estupefatos Nossas dignidades eram dadas mar atrás Aos peixes. Chegamos: Nosso suor foi o doce sumo de suas canas E de nós fêz-se um mundo. Hoje, Cassul, nossas mulheres – os negros ventres de veludoManufaturam, de paina, de faina – nós bagaços Os travesseiros Nosso sangue eram as gotas de seu café Onde nossos filhos, – nós borras pretas. Nossas carapinhas eram nuvens de algodão, Brancas, Meninos como você, Cassul-Buanga, Hão de sonhar um sonho tão bonito... Porque Zâmbi mandou. E está escrito.
  4. 4. Obrigada !
  5. 5. Obrigada !

×