A Carta Pero Vaz De Caminha

17.418 visualizações

Publicada em

Margarida lopes

Publicada em: Turismo, Tecnologia
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Coloquei aqui o Slide ;)

    sobre A carta de pero vaz de caminha

    Alunos: Marlos, Cíntia,Bruno,Diogo,Kárem e Raiane

    Escola: Margarida Lopes

    Professora: Gecy Dors
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
17.418
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
195
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
274
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Carta Pero Vaz De Caminha

  1. 1. A Carta- Pero Vaz de Caminha
  2. 3. A carta que Pero Vaz de Caminha escreveu para D. Manuel,o rei de Portugal na época do descobrimento do Brasil, relata com detalhes a chegada dos portugueses.
  3. 4. A partir desta carta, podemos perceber as intenções portuguesas quanto à nova terra e, o que seria dela depois de então.
  4. 6. Como foram os primeiros contatos destes com os indígenas como foram os primeiros contatos destes com os indígenas
  5. 7. A partida frota portuguesa de Belém-Portugal ocorreu no dia 9 de março; a chegada às canárias no dia 14 do mesmo mês e no dia 22 chegaram à ilha de São Nicolau. No dia 21 de abril, toparam com sinais de terra, o que eles chamam de Botelho, espécie de ervas compridas. No dia seguinte, houveram vista de terra, que foi chamada de Terra De Vera Cruz, a qual tinha um monte alto, que recebeu o nome de o Monte Pascoal. Avistaram os primeiros habitantes da terra, os quais eram, de acordo com a descrição de Caminha, pardos, um tanto avermelhados, de bons rostos e narizes, nus, traziam arcos e setas, o beiço de baixo furado com um osso metido nele, cabelos corredios e corpos pintados.
  6. 9. Com eles tentaram estabelecer um primeiro contato, o que foi uma surpresa, pois um deles começou a apontar para o colar de ouro do capitão da frota e, em seguida, para a terra, como se quisesse dizer que naquela terra havia ouro. A mesma coisa ocorreu com o castiçal de prata e o papagaio. Ao verem coisas que não conheciam, faziam sinais, dando-se a entender que queriam propor uma troca. Conclui-se então, que desta forma começou a troca de ouro, prata e madeira, por quinquilharias vindas da Europa. Os portugueses traziam os indígenas para as embarcações, a fim de estabelecer um melhor contato com os indígenas. No início, eles mostraram-se muito esquivos, mas com o passar dos dias, passaram a conviver mais com os portugueses e, até mesmo, a ajudá-los no que precisavam e levá-los às suas aldeias .
  7. 10. Os portugueses realizaram uma missa, construíram uma enorme cruz. Tudo para mostrar aos nativos a acatamento que tinham pela cruz, ou melhor, pela religião. Desde já, possuíam a vontade de convertê-los à igreja, tendo em vista, sua inocência, já que faziam tudo o que os portugueses faziam ou mandavam... A intenção de dominá-los é facilmente observada na seguinte passagem : "Contudo, o melhor fruto que dela se pode tirar parece-me que será salvar esta gente."
  8. 12. Pero Vaz de Caminha Pero Vaz de Caminha
  9. 13. Pouco se sabe sobre a vida de Pero Vaz de Caminha. Sabe-se ao certo que ele era filho de Vasco Fernandes de Caminha, cavaleiro do duque de Bragança e que provavelmente ele nasceu na cidade do Porto. Casou-se com dona Catarina e dessa união nasceu a filha Isabel. Em 1476 substitui o pai na função de mestre da balança da Casa da Moeda. Logo depois dedicou-se ao comércio e, em seguida, é designado escrivão da feitoria de Calicute, na Índia, de onde segue com Cabral, em 1500, a caminho do Brasil. Nessa viagem escreve a carta de nascimento do Brasil ao rei Dom Manuel, datada de 1° de maio de 1500. Essa carta,considerada o mais importante documento relativo ao descobrimento do Brasil, ficou guardada nos arquivos da Torre do Tombo por mais de três séculos, sendo divulgada pela primeira vez em 1817, no livro Corografia Brasileira, escrito pelo padre Aires do Casal. Ainda em 1500, Caminha segue com Cabral para a Índia e morre, no dia 15 de dezembro de 1500, durante um assalto dos mouros à feitoria de Calicute.

×