Aula 01 Propriedades Periódicas.ppt

2.130 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.130
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
84
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 01 Propriedades Periódicas.ppt

  1. 1. Química Inorgânica
  2. 2. Periodicidade Química
  3. 3. Diagrama de Linus Pauling Níveis K 1 L 2 M 3 N 4 O 5 P 6 Q 7 1s 2s 3s 4s 5s 6s 7s 2 2p 3p 4p 5p 6p 7p 3d 4d 5d 6d 4f 5f 6 10 14 Max. de e- e2 8 18 32 32 18 8
  4. 4. Distribuição Eletrônica - Linus Pauling  Regras e princípios gerais para distribuição dos elétrons no átomo: 1. Cada orbital poderá conter no máximo 2 elétrons 2. O elétron, como qualquer sistema da natureza, tende a ocupar as posições de menor energia. 3. Princípios de Exclusão de Pauling – nenhum átomo pode conter elétrons com números quânticos iguais. 4. Regra de Hund – os orbitais são preenchidos parcialmente com elétrons do mesmo spin depois completados com elétrons de spins contrários.
  5. 5. Orbitais e números quânticos • Os orbitais podem ser classificados em termos de energia para produzir um diagrama de Aufbau.
  6. 6. Orbitais p Orbital p
  7. 7. Orbitais d
  8. 8. Carga nuclear efetiva • A carga nuclear efetiva é a carga sofrida por um elétron em um átomo polieletrônico. É menor que a carga nuclear Z, porque cada elétron externo está parcialmente protegido do núcleo pelos elétrons internos (Blindagem) Constante de Blindagem • Depende do tipo de orbital: Ζ ef = Ζ − S Elétrons no mesmo nível energético são muito pouco protegidos pelos outros elétrons do mesmo nível, porém são bastante protegidos pelos elétrons que se encontrem em níveis energéticos inferiores.
  9. 9. Raio Atômico: o tamanho do átomo
  10. 10. Raio Atômico: o tamanho do átomo
  11. 11. Raio Atômico: o tamanho do átomo O efeito protetor ou a capacidade de blindagem dos elétrons seguem a seguinte ordem crescente de acordo com os orbitais ocupados: S p d f Devido a este fato os elementos de transição não possuem decréscimo tão acentuado no raio, pois os elétrons ocupam os subníveis d e f e blindam muito mais. Nível/Sub (n-1)d Nível/Sub (n-2)f Contração discreta do raio Contração muito discreta do raio. Apenas 0,001nm de um átomo para outro. Contração lantanóidica.
  12. 12. Raio Iônico • Cátions • Ânions Diminuição do raio Aumento do raio
  13. 13. Raio Iônico Hidratado Quanto menor for o íon, maior será o seu raio iônico hidratado. É formado quando o íon atrai moléculas de água em torno de si. δ+ δ+ Representação de uma molécula de água (polar) Molécula de água (polar) Ra Na > Ra Li Ri Na > Ri Li Rih Na < Rih Li
  14. 14. Raio Iônico Hidratado Íons metálicos ligados a molécula de água são ditos hidratados. A energia para esse processo é chamada de calor ou entalpia de hidratação. Para um caso de um solvente genérico, temos a entalpia de solvatação.
  15. 15. Energia de Ionização É a mínima energia necessária para remover um elétron de um átomo isolado no seu estado fundamental (gasoso). O processo é um reação de ionização: Fatores que influenciam:  O tamanho do átomo  A carga do núcleo  Efeito de blindagem  O tipo de elétron envolvido (s, p, d ou f)
  16. 16. Energia de Ionização
  17. 17. Energia de Ionização Variações nas energias de ionização sucessivas Há um acentuado aumento na energia de ionização quando um elétron mais interno é removido.
  18. 18. Afinidade Eletrônica ou Eletroafinidade Energia liberada quando um átomo isolado, no estado gasoso, “captura” um elétron. Fatores que influenciam:  O tamanho do átomo  A carga nuclear efetiva
  19. 19. Ciclo de Born-Haber
  20. 20. Importância da Energia Reticular  Determinar a afinidade eletrônica através do ciclo de BornHaber Uma indicação da solubilidade do cristal Fornecer informações sobre a natureza da ligação química
  21. 21. Células Galvânicas Células galvânicas (voltaica) Espontânea ddp: tendência dos ddp: tendência dos elétrons fluirem do elétrons fluirem do ânodo para o cátodo ânodo para o cátodo 1,10 V 1,10 V ddp >>00 ddp ponte salina Ânodo Cátodo Superfície porosa oxidação oxidação redução redução Equação da reação: Notação simplificada: Zn(s) Zn2+(aq) Oxidação Oxidação Cu2+(aq) Cu(s) Redução Redução
  22. 22. Eletrólise
  23. 23. Eletrólise Ígnea A substância pura está no estado líquido (fundida) e não existe água no sistema
  24. 24. Eletrólise em Meio Aquoso Deve-se considerar os íons provenientes do soluto e os íons provenientes da ionização da água
  25. 25. Eletrólise em Meio Aquoso
  26. 26. Eletrólise em Meio Aquoso

×