Homem Galo - Ilustracao

488 visualizações

Publicada em

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
488
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Homem Galo - Ilustracao

  1. 1. chi Wilsonir A. Maio le Tiago M. do Val mann D ébora F. R.Hör
  2. 2. de 2008 Surgiu no final do ano quadrinho Continua ção do primeiro obo Mau”. “O Ho mem Galo e o L l Quadrinho atua : a Caixa” “O Homem Galo em
  3. 3. agem das O objetivo é m arcar o person ando m em Galo, adapt histórias do Ho ano e de um característ icas do ser hum rista. galo, como a c s formas t udar as diversa Pesquisar e es em dos de desenvol ver o personag sibilidades nalisar as pos quadrinhos e a logias as diversas tecno de utilização d finalização disponíveis p ara aplicar na . do personagem
  4. 4. ado no fo i criado e inspir O Homem Galo blicidade ote do curso de Pu principal masc Galo. e P ropaganda,f o e orda bem cedo O galo é o s ímbolo pois ac s os outros antes que todo dá o seu grito larde desde o e m canta e faz a animais. Ele qu e representa an unciar o dia. El amanhecer para écadas por ser o o comunica dor há várias d . A mesma andista do raiar do dia grande propag ve-se anunciar coisa é com a publicidade. De s eficiente que o antes e de forma mais o anuncia a As sim como o gal concorrentes. nunciam marcas , aurora, os publicitários a e, e em publicidad produtos e s erviços. Porqu a trás. O galo quem dorme n o ponto fica pr S, 2010) madruga. (LANE
  5. 5. encontrar Estudos e es boços a fim de ção do uma melh or representa personagem dução” Os esb oços “pré-pro ramação Desenho s de base/ Diag Arte final ração/Falas Digit alização/Colo
  6. 6. atenção para obter mais Cores intensas empre mem Gal o utilizou-se s Na roupa do Ho iforme, e da mesma cor , já que é um un morizar objetiv o do leitor me também com o cipal. se ndo ele o prin o personagem, em inhos não foss “[...] em bora os quadr vo sumiram um no expressio nistas, eles as uniformes com o as cores dos poder icônico: as, quadro apó s quadro, mesm permaneciam as rsonagens na a simbolizar pe eles passaram loud, 2005) mente d o leitor.” (McC
  7. 7. o principal A ilust ração tem com ar a caracterís tica, demonstr o inserida funcionalida de da ilustraçã eqüencial. d entro da arte s egibilidade As questões básicas como l resentes n traste estão p da imagem e co nos desenhos. de forma a A sombra foi trabalhada desenho em conceder ma ior volume ao usadas. complem ento as cores
  8. 8. Processo l Resultado fina
  9. 9. uadrinhos. a história em q onia M. O que é BIBE-LUYTEN, S siliense, 1987. São Paulo: Bra . ulo: Ática, 1975 io L. Os qua drinhos.São Pa CAGNIN, Antôn qüencial. uadrin hos e a arte se EISNER, Will. Q ntes, 2001. São Pa ulo: Martins Fo da publicidade? r que o ga lo é o símbolo LANES,Fábio. Po .com/2010/ Disponível em: fabiolanes abr. de 2010. Aces sado em: 07 de quadrinhos. R einventando os McLOUD, Scott. rasil, 2006. São Paulo : M. Books do B s. o os quadrinho McLOUD, Sco tt. Desvendand . do Brail, 2005 São Pa ulo: M. Books
  10. 10. ÖRMANN Débora F ernanda Rahn H VALLE Tiago Maria do s MAIOCHI W ilsonir Antune Orientadores: echio Roberta Del-V na Rafael Jose Bo B Blumenau - FUR Universida de Regional de

×