Sistemas de Produção

1.260 visualizações

Publicada em

Sistema de Produção, material de apresentação de aula, Curso Técnico em Logística - Senac ES

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.260
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
172
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistemas de Produção

  1. 1. Joselita Pancine Vigna SISTEMAS DE PRODUÇÃO TÉCNICO EM LOGÍSTICA
  2. 2. LOGÍSTICA INTEGRADA A Logística integrada compreende: a compra e entrada de materiais o planejamento de produção o armazenamento o transporte e a distribuição dos produtos
  3. 3. SISTEMAS DE PRODUÇÃO  O sistema de produção recebe insumos na forma de materiais, pessoal, capital, serviços públicos e informação.  Esses insumos são modificados num subsistema de transformação para os produtos e serviços desejados, denominados produtos.  Uma parcela do produto é monitorada no subsistema de controle para determinar se ele é aceitável em termos de quantidade, custo e qualidade.
  4. 4. SISTEMAS DE PRODUÇÃO Entradas Subsistema de Transformação Saídas Externas Legais / Políticas Sociais Econômicas Tecnológicas Mercado Concorrência Informação sobre o produto Desejos do cliente Recursos primários Materiais e suprimentos Pessoal Capital e bens de capital Serviços públicos Físico Manufatura Mineração Serviços de locação Transportes Serviços de troca Venda a varejo Venda por atacado Serviços de armazenagem Armazéns Estoques Outros serviços privados Seguros Finanças Imobiliário Pessoal Serviços governamentais Municipal, Estadual e Federal Saídas Diretas Produtos Serviços Saídas Indiretas Impostos Remuneração e Salários Desenvolvimentos Tecnológicos Impacto Ambiental Impactos sobre o empregado Impacto sobre a sociedade Subsistema de Controle
  5. 5. SISTEMAS DE PRODUÇÃO E LOGÍSTICA: Questões logísticas básicas: Que produzir e comprar? Quanto produzir e comprar? Quando produzir e comprar? Com que recursos produzir?
  6. 6. QUESTÕES DO SISTEMA DE PRODUÇÃO E DA LOGÍSTICA: a) Planejar os materiais comprados; a) Planejar os níveis adequados de estoques de matérias-primas, produtos semiacabados e produtos finais nos pontos cer tos; b) Programar atividades de produção para garantir que os recursos produtivos envolvidos estejam sendo utilizados, em cada momento, nas atividades cer tas e prioritárias.
  7. 7. PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO  Finalidade: antecipar e planejar a l inha produtiva perante o mercado, afim de atender as necessidades da empresa de forma estabelecida e calculada. DETERMINA O QUE SE DEVE FAZER, QUANDO FAZER, QUEM DEVE FAZÊ-LO E DE QUE MODO.  Planeja e controla a produção dos bens, abrangendo inclusive as matérias-primas necessárias, a quantidade de mão-de-obra, as máquinas e equipamentos, o estoque de produtos acabados disponíveis no tempo exato para ser efetuada as entregas aos cl ientes.
  8. 8. TIPOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO a) Sistema de Produção Contínua: seqüência l inear; produtos padronizados e fluem de um posto de trabalho a outro numa seqüência prevista. Principais características:  o produto é mantido em produção durante longo período de tempo;  Faci lita o planejamento detalhado;  é exigido máquinas e ferramentas altamente especializadas;  permiti dividir operações de montagem.
  9. 9. TIPOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO b) Sistema de Produção Intermitente ( lotes): a produção é feita em lotes. Ao término da fabricação do lote de um produto, outros produtos tomam o seu lugar nas máquinas.  Principais características: -a fábrica é capaz de produzir produtos com diferentes características, - as máquinas são agrupadas em baterias do mesmo tipo, - a produção em lotes, não gera grandes picos de produção, - exige grandes áreas de estocagem para produtos acabados. Exemplo: cerâmicas e motores elétricos.
  10. 10. TIPOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO c) Sistema de Produção para Grandes Projetos (Encomenda) : Cada projeto é um produto único, não havendo um fluxo de produto dentro da organização.  Principais características: - cada produto é único e de grande tamanho e complexidade, - cada produto exige uma variedade de máquinas universais, - cada produto exige grande variedade de operários especial izados, - cada produto tem uma data definida para a entrega, - o trabalho é complexo e demorado, - a produção sob encomenda requer um grupo de administradores e especial istas al tamente competentes. Exemplos: navios, aviões, construção civi l .
  11. 11. PLANO MESTRE  Plano Mestre de Produção (PMP) é o documento que diz quais itens serão produzidos e quanto de cada um, para um determinado período.  Contém uma declaração da quantidade e do momento em que os produtos finais devem ser produzidos.  É a base do planejamento de utilização de mão-de-obra e equipamentos e determina o aprovisionamento de materiais e capital.
  12. 12. PLANO MESTRE DE PRODUÇÃO
  13. 13. PROGRAMA DE QUALIDADE TOTAL Qualidade Total é a implantação de uma filosofia de gestão que procura alcançar o pleno atendimento das necessidades e a máxima satisfação das expectativas dos clientes em todos os processos da organização.
  14. 14. OS PRINCÍPIOS DA QUALIDADE TOTAL  Princípio no 1: Qualidade centrada no cl iente;  Princípio no 2: Liderança;  Princípio no 3: Melhoria contínua;  Princípio no 4: Envolvimento das pessoas;  Princípio no 5: Enfoque pró-ativo e resposta rápida;  Princípio no 6: Visão de futuro;  Princípio no 7: Gestão baseada em fatos (gestão da informação) ;  Princípio no 8: Responsabilidade social ;  Princípio no 9: Foco nos resultados;  Princípio no 10: Abordagem sistêmica da empresa e gestão dos processos.
  15. 15. SISTEMAS DE QUALIDADE 1) Sistema 5S (ou programa 5S) : visa um ambiente mais agradável, a melhoria de qual idade de vida, a simplificação dos serviços com ganhos de tempo e energia, as opor tunidades possíveis de propiciar o sucesso empresarial e pessoal. ETAPAS: a) SEIRI (senso de uti lização) : descar tar o que não tem uti l idade; b) SEITON (senso de ordenação): cada coisa no seu lugar; c) SEISO (senso de l impeza) : manter l impo o ambiente de trabalho. d) SEIKETSU (senso de saúde ou higiene) e) SHITSUKE (senso de autodisciplina) : O comprometimento e a iniciativa devem estar sempre à frente de tudo
  16. 16. Quais são os benefícios do Programa 5S para uma organização?
  17. 17. TPM – MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL TPM significa Manutenção Produtiva Total ou Total Productive Maitenance. Foi desenvolvida no Japão. Vê a manutenção como um assunto de toda a empresa, para o qual todas as pessoas podem contribuir de alguma forma.
  18. 18. METAS DA TPM:  1ª meta: Melhorar a eficácia dos equipamentos (Anal isa as perdas por tempos parados, perdas de velocidade ou perdas por defei tos)  2a meta: Real izar manutenção autônoma (o próprio pessoal que opera ou usa equipamentos, assume a responsabi l idade de algumas tarefas de manutenção- nível de conser tos, nível de prevenção e nível de melhoria)  3a meta: Planejar a manutenção  4a meta: Treinar todo o pessoal em habi l idades de manutenção relevantes  5a meta: Conseguir gerir os equipamentos logo no início ( identi ficar ) todos os problemas potenciais de manutenção)
  19. 19. FERRAMENTAS PARA A QUALIDADE  Brainstorming Exemplo 1 : falta de argila para a produção de cerâmica (os órgãos ambientais estão impedindo o l icenciamento de novas áreas para extração de argila no Espírito Santo) . Como resolver o problema? 1º) Levantamento de ideias; 2º) Discussões e anál ises; 3º) Solução.
  20. 20. FERRAMENTAS PARA A QUALIDADE Ciclo PDCA 1ª etapa: P (planejar) : definição dos objetivos e das metas. Definição das estratégias. 2ª etapa: D (desenvolver) : realização das diversas tarefas ou atividades (estratégias) para se alcançar os objetivos e metas. 3ª etapa: C (controlar) : os resultados obtidos são comparados com os objetivos e metas desejadas. 4ª etapa: A (agir) : são tratados os reais ou potenciais problemas detectados na etapa anterior.
  21. 21. APLICAÇÃO DO CICLO PDCA:  Elabore um PDCA para sua carreira profissional.  A par tir do seu PDCA, defina um plano de ação, contendo os campos abaixo: O que? Por que? Quem? Quando? Onde? Como? Custo?
  22. 22. CCQ – CÍRCULOS DE CONTROLE DE São grupos que tem o objetivo principal de treinar (desenvolver) as pessoas, para efetivamente obterem o controle da qualidade. QUALIDADE
  23. 23. 4Q1POC  Esta é uma fer ramenta de plano de ação. Serve para planejar a implementação de uma solução QUE (O QUE) : Qual é a ação planejada? Que medidas serão tomadas? QUEM: Quem é a pessoa que se responsabi l izará por sua execução? QUANDO: Em que momento esta ação será executada? (é necessário def ini r a data de início e o tempo necessário para real izá - la) QUANTO: Qual valor será necessár io? POR QUE: Por qual mot ivo esta ação é necessária? Qual é o resul tado esperado? ONDE: Onde a ação será real izada? Qual o local , qual o espaço necessár io? COMO: Como implementar a ação? Quais os passos a serem seguidos? Quais as est ratégias e métodos a serem ut i l izados?
  24. 24. 4Q1POC - 5W1H  No idioma inglês, esta técnica (4Q1POC) é conhecida como 5W1H, constando abaixo as perguntas: O que? (What) Quem? (Who) Quando? (When) Onde? (Where) Por que? (Why) Como? (How)
  25. 25. DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO  O Diagrama de Causa e Efeito ou Espinha de Peixe, ou ainda, Diagrama de Ishikawa, é uma técnica muito uti l izada para identificar a relação entre causa e efeito em processos organizacionais.
  26. 26. DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO  At ividade prát ica: - Elabore um Diagrama de Causa e Efeito para uma indústria de produção de vestuário de praia que tem como principal problema a devolução, pelos lojistas da Grande Vitória, de peças com defeitos.
  27. 27. É uma fer ramenta para representar uma seqüência de at ividades em um processo. Most ra o que é real izado em cada etapa, permi t indo assim, um cont role da execução. Visual iza-se faci lmente as ent radas e seus fornecedores, as saídas e seus cl ientes, bem como pontos cr í t icos do processo. FLUXOGRAMA
  28. 28. NBR ISO 9001 A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações.
  29. 29. Hechos = fatos Proveedor = fornecedor
  30. 30. PRODUÇÃO ENXUTA  O Sistema Toyota de Produção (Produção Enxuta) teve seu início na Toyota Motor Company logo após a Segunda Guerra Mundial .  Criado com o objetivo de produzir carros com melhor qual idade, o menor custo, el iminando desperdícios e constante busca de melhorias.  PRINCÍPIOS: - Just -in-time (JIT); - Jidoka (autonomação); - menor lead time, menor custo, e qual idade mais alta. - Hei junka (Nivelamento da Produção): - Operações Padronizadas; - Kaizen (Melhoria Contínua) e - Estabi lidade.
  31. 31. PRODUÇÃO ENXUTA
  32. 32. OS DESPERDÍCIOS PARA A PRODUÇÃO ENXUTA  Superprodução: produzi r mui to ou mais cedo do que a necessidade do cl iente.  Estoques: representam custos para as empresas (aumento do lead- t ime de produção, de área necessár ia de armazenagem, de recursos para gerenciamento dos estoques) .  Espera: a espera de pessoas, equipamentos, mater iais e informações geram custos para a empresa e não agregam valor. Exemplos: operadores olhando as máquinas t rabalharem esperando peças ou componentes; máquinas paradas devido às fal tas de peças e por peças esperando para serem processadas;  Transpor te: o t ranspor te de peças em processo, matér ia-pr ima ou produto acabado de um lugar a out ro da fábr ica, ou ent re fábr icas, na maior ia das ocasiões, não agrega valor ao cl iente f inal , devendo, por tanto ser combat ido.  Movimentação: está l igado à movimentação de pessoas. Toda movimentação de operadores(procura de peças ou fer ramentas, armazenamento ou caminhadas) que não resul te em t ransformação do produto são desnecessár ios.
  33. 33. OS DESPERDÍCIOS PARA A PRODUÇÃO ENXUTA  Defeitos: é o desperdício gerado por peças defeituosas, sendo refugos (peças perdidas) ou retrabalhos (peças que necessitam ser processadas novamente para serem aproveitadas).  Processamento inadequado: processos desnecessários ou ineficientes para produzir as peças, devido ao projeto ou uti l ização de ferramentas inadequadas .  Criatividade dos funcionários ( talento): esse desperdício é caracterizado pela perda de tempo, ideias e opor tunidades de melhorias devido ao não envolvimento dos funcionários nos processos de melhoria. Como eliminar esses desperdícios?
  34. 34. TÉCNICAS E FERRAMENTAS DA PRODUÇÃO ENXUTA a) Mapa de Fluxo de Valor: é toda ação necessária para trazer um produto por todos os fluxos necessários a cada produto
  35. 35. TÉCNICAS E FERRAMENTAS DA PRODUÇÃO ENXUTA b) Fluxo Contínuo: processar e movimentar um item por vez ao longo de uma série de etapas de processamento, continuamente, sendo que em cada etapa se real iza apenas o que é exigido pela etapa seguinte
  36. 36. TÉCNICAS E FERRAMENTAS DA PRODUÇÃO ENXUTA c) Produção Puxada: cada etapa do processo deve produzi r um bem ou serviço quando um processo poster ior ou o cl iente f inal o sol ici te; d) O 5S; e) Trabalho Padronizado; f ) Redução de Setup ( intervalos de t roca) ; g) Manutenção Produt iva Total : real izar manutenções sistemat icamente nos equipamentos para mantê- los sempre operantes, minimizando assim as interrupções no processo; h) Sistema a Prova de Er ros: O Poka-Yoke ou sistema a prova de defei tos é um conjunto de métodos para o que fazem com que uma operação só possa ser desempenhada da manei ra cer ta, o que ajuda os operadores a evi tarem er ros em seu t rabalho, tais como a montagem de uma peça incorreta.
  37. 37. QUAIS AS PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE O PLANO DE PRODUÇÃO E O PLANO MESTRE DE PRODUÇÃO? Resposta: O PMP diferencia-se do plano de produção sob dois aspectos: o nível de agregação dos produtos e a unidade de tempo analisada. Onde o plano de produção estratégico tratava de famílias de produtos, o PMP, já voltado para a operacionalização da produção, tratará de produtos individuais. Da mesma forma, onde o plano de produção empregava meses, trimestres e anos, o PMP empregará uma unidade de planejamento mais cur ta, normalmente semanas, ou no máximo meses para produtos com ciclos produtivos longos.
  38. 38. PORQUE É IMPORTANTE AO PCP OUVIR AS DIVERSAS ÁREAS DA EMPRESA NA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO? Resposta: A fim de fornecer subsídios para a tomada de decisões. Sendo um processo interativo, ao final de sua elaboração o PMP representará os anseios das diversas áreas da empresa quanto ao planejamento de médio prazo. Finanças terá seu planejamento de necessidades de capital , Marketing terá seu plano de vendas com datas prováveis de entregas, Compras poderá negociar seus contratos com os fornecedores, Recursos Humanos terá seu plano de contratação e treinamento de pessoal , e a Produção terá seu PMP para programar suas atividades.

×