Palestra apae 2011

3.589 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.589
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Palestra apae 2011

  1. 1. <ul><li>Família na Construção do Movimento APAEano </li></ul><ul><li>Profº Marco Aurélio C. de Lima </li></ul><ul><li>São Luís/MA </li></ul><ul><li>2011 </li></ul>
  2. 2. <ul><li>Latim FAMULUS: conjunto de servos e dependentes de um chefe ou senhor. </li></ul><ul><li>A família vem-se transformando através dos tempos, acompanhando as mudanças religiosas, econômicas e sócio-culturais do contexto em que se encontram inseridas. Esta é um espaço sócio-cultural que deve ser continuamente renovado e reconstruído; </li></ul>
  3. 3. <ul><li>A família representa um grupo social primário que influencia e é influenciado por outras pessoas e instituições. É um grupo de pessoas, ou um número de grupos domésticos ligados por descendência a partir de um ancestral comum, matrimônio ou adoção. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>O interesse pelo estudo da FAMÍLIA tem crescido em todos os setores do conhecimento. Cada ramo científico irá abordá-la por determinado ângulo: </li></ul><ul><li>Economistas -> Consumo doméstico; </li></ul><ul><li>Etnólogos -> Estruturas de parentesco; </li></ul><ul><li>Juristas -> Leis relativas à família; </li></ul><ul><li>Sociólogos -> Funcionamento contemporâneo; </li></ul><ul><li>Psicólogos -> Efeitos inter e intrafamiliares; </li></ul><ul><li>Demógrafos -> Crescimento/queda da natalidade; </li></ul><ul><li>Antropólogos -> Sistemas familiares em diversas culturas. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>O conceito de família, ao ser abordado, evoca obrigatoriamente, os conceitos de papéis e funções. Em todas as famílias, independentemente da sociedade, cada membro ocupa determinada posição ou tem determinado estatuto, como por exemplo, marido, mulher, filho ou irmão, sendo orientados por papéis. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>As famílias como agregações sociais, ao longo dos tempos, assumem ou renunciam funções de proteção e socialização dos seus membros, como resposta às necessidades da sociedade pertencente. </li></ul><ul><li>Nesta perspectiva, as funções da família regem-se por dois objetivos, sendo um de nível interno, como a proteção psicossocial dos membros, e o outro de nível externo, como a acomodação a uma cultura e sua transmissão. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Para o sociólogo francês Frédéric Le Play (1806-1882) a família ocupa o centro das preocupações e, consequentemente, é o vértice do seu &quot;método social&quot;. </li></ul><ul><li>Para Le Play, todas elas possuem uma característica primordial, inseparável da natureza humana: </li></ul><ul><li>“ os indivíduos agrupam-se por &quot;unidades sociais&quot;, ou seja, famílias - compostas ao menos de um pai, uma mãe e seus filhos. As formas de família podem apresentar-se bastante diversificadas, com graus diferentes de simplicidade e de complexidade. Todavia, alguns elementos constitutivos são indispensáveis para a garantia da estabilidade e da paz social”. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>O padrão fundamental para o desenvolvimento infantil é a sua própria família. Os pais transformam-se nas figuras imprescindíveis para a sua evolução e proporcionam o modelo mais importante para a sua educação. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Os primeiros anos de vida de uma criança decorrem no seio da família, onde as relações possuem uma grande intensidade emocional. </li></ul><ul><li>O circuito familiar formado atualmente por poucas pessoas, implica a manutenção de vínculos muitos íntimos. Desta relação nasce a possibilidade dos pais servirem de modelo desde os primeiros meses de vida e esse contato é crucial, uma vez que é nele que se estabelecem o futuro desenvolvimento afetivo e social e por último, a construção da personalidade. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>A família tem fundamental importância para a formação do indivíduo, tanto no aspecto emocional quanto comportamental porque constitui o alicerce principal para o desenvolvimento humano, o primeiro contato com o mundo se dá no âmbito familiar, onde recebemos os primeiros valores, estabelecemos as primeiras relações afetivas, compartilhamos dúvidas, angústias e temores (SCHRANK; OLSCHOWSKY, 2008). </li></ul>
  11. 11. <ul><li>A família é o suporte principal para a vida de qualquer pessoa, mas para as pessoas com necessidades especiais, ela possui especial importância por necessitarem de cuidados e acompanhamento dos membros desse grupo familiar. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Para Yacubian et al. (2001), a família proporciona à criança, o apoio e o suprimento de suas necessidades físicas, suporte financeiro, os mantém a salvo do ambiente que os marginaliza e o discrimina, ensina novas habilidades, auxilia no aperfeiçoamento de outras... </li></ul>
  13. 13. <ul><li>...organiza atividades sociais, monitora a medicação, consultas e as socorre repetidas vezes, principalmente em situações de pouca autonomia. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>A família nesse caso tem um papel de apoio e auxílio aos profissionais de saúde e educação, onde repassam a compreensão de forma mais clara e objetiva às necessidades afetadas destas crianças, passando a ser dessa forma a interface entre a criança e o sistema de saúde e/ou educação. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Melman (2002) ressalta que a presença de uma pessoa com situação mental causa um impacto nos demais membros da família, tendo em vista que os familiares ficam sobrecarregados por ações que envolvem a função de acompanhar seus membros e o cuidado com os mesmos. Essa sobrecarga familiar é sentida não somente nos aspectos emocional e físico, mas também no aspecto econômico. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>O diagnóstico de uma situação mental gera um sentimento inexplicável, um vazio que contribui para uma baixa da qualidade de vida. A partir desse acontecimento, sentimentos derivados passam a fazer parte desse cotidiano, como o medo, a tristeza, a vergonha e a piedade, ou seja, um amontoado de ações ou efeitos do sentir (NAVARINI; HIRDES, 2008). </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Para Gravitz (2001), a convivência em ambiente de constante estresse, traumas, perdas, tristeza e cansaço, podem levar pessoas da família a apresentarem “desordens paralelas” que podem acarretar em sobrecargas nos diversos contextos da vida desses indivíduos, denominados de traumas secundários, como a negação, minimização, forte tolerância a comportamentos inapropriados, confusão, culpa, dúvida, depressão, problemas físicos e até mesmo emocionais. </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Por isso, ampliar estratégias de cuidados mais apropriados às necessidades das famílias sugere conhecê-las em suas variadas dimensões existenciais, através de uma maior aproximação do seu cotidiano e da captação dos sentidos que emergem de suas histórias de vida. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>Para Schneider (2001) permitir às famílias um espaço para expressar sentimentos, medos, impressões, angústias, verdades e dúvidas, acerca da criança com necessidades especiais e de seus próprios sofrimentos, torna-se o momento adequado para a equipe multiprofissional aproximar-se da vida cotidiana dessas pessoas. Isso possibilita uma melhor abrangência e compreensão dos sentidos atribuídos por eles na assistência de seu familiar. </li></ul>
  20. 20. <ul><li>O acolhimento institui-se uma estratégia para atender as necessidades dos usuários e familiares, capaz de formar uma nova relação. Esse encontro acontece intercedido por uma queixa; porém, existe uma escuta ofertada pelo serviço, através de um espaço que possibilita o encontro, intercessão e negociação, entre trabalhadores, usuários e familiares, sendo uma etapa do processo de trabalho enquanto possibilidade de estabelecer uma rede de conversação (TAKEMOTO, 2007). </li></ul>
  21. 21. <ul><li>A possibilidade de ouvir as dificuldades advindas da convivência com a pessoa com necessidades especiais proporciona a identificação e permite que a sensação de isolamento muito presente nas famílias diminua com a construção de um grupo como espaço de referência, experimentação e trocas solidárias (MELMAN, 2001). </li></ul>
  22. 23. <ul><li>Foi criado em 18/08/2006 com o objetivo de apoiar as famílias dos alunos com deficiência intelectual matriculados na Escola Eney Santana, oportunizando aos familiares uma maior participação no processo educativo do aluno e na formação enquanto cidadão. </li></ul><ul><li>É coordenado por um Assistente Social e conta com apoio de Psicólogo e Pedagogo da Escola. </li></ul>
  23. 25. <ul><li>Dentro do trabalho dos familiares formam-se grupos para desenvolver atividades nas áreas de ação social, sócio-cultural, estudo e pesquisa educacional, serviço de voluntariado e capacitação profissional. </li></ul>
  24. 29. <ul><li>Ações do NAF: </li></ul><ul><li>Reuniões com familiares; </li></ul><ul><li>Comemorações de datas do calendário escolar; </li></ul><ul><li>Planejamento de ações em conjunto com a proposta do Projeto Pedagógico da Escola; </li></ul><ul><li>Eleições para seus representantes; </li></ul>
  25. 32. <ul><li>Representatividade e participação em seminários; </li></ul><ul><li>Programações de conselhos, conferências, visitas e trocas de experiências entre familiares; </li></ul><ul><li>Participação em atividades culturais, de informática e de esporte; </li></ul><ul><li>Capacitação para o trabalho e orientação na área de Assistência Social e Direitos da Pessoa com Deficiência Intelectual. </li></ul>
  26. 34. <ul><li>As ações desenvolvidas pelo NAF tem por objetivo apoiar e orientar os pais nas situações individuais, nas questões relativas às necessidades do seu filho, nas atividades escolares e na dinâmica familiar e social, para que assumam uma atitude ativa, responsável e comprometida nas escolhas e decisões que influenciem na sua qualidade de vida e de sua família. </li></ul>
  27. 36. <ul><li>Objetivo das ações desenvolvidas pelo NAF: </li></ul><ul><li>Envolver as famílias dos alunos da Escola Eney Santana para uma atuação mais participativa nas atividades, tornando-se parceiras na educação e na formação do seu filho; </li></ul><ul><li>Desenvolver trabalho psicossocial para reestruturação da dinâmica familiar e equilíbrio emocional e social, além de orientações diversas; </li></ul>
  28. 38. <ul><li>Oportunizar momentos de interação e planejamento entre familiares e de outros setores da mantenedora da APAE; </li></ul><ul><li>Realizar estudos, dinâmicas, oficinas, cursos para geração de renda, entre outros. </li></ul>
  29. 41. <ul><li>Resultados obtidos: </li></ul><ul><li>Resgate e melhoria na qualidade da dinâmica familiar; </li></ul><ul><li>Apoio e orientações sobre a promoção de melhorias nas relações consigo e com o outro; </li></ul><ul><li>Acolhimento das demandas dos familiares, orientando para acesso ao conhecimento e compreensão da realidade; </li></ul>
  30. 43. <ul><li>Melhoria nos resultados de sensibilização dos familiares sobre o potencial das pessoas com necessidades especiais, desmitificando e diminuindo o preconceito; </li></ul><ul><li>Melhor participação dos pais nas reuniões realizadas no decorrer do ano letivo com a Coordenação, equipe técnica e professores; </li></ul><ul><li>Promoção e incentivo de atividades de cunho informativo, educativo, de lazer e de geração de renda. </li></ul>
  31. 46. <ul><li>A família também se revela como um lugar de continência, afeto e cuidado, ainda que muitas vezes apareçam sentimentos contraditórios, inerentes à frustração dos encargos objetivos e subjetivos da pessoa com necessidades especiais. Dessa maneira, a mesma faz uma reflexão sobre suas motivações, seu estilo de vida, seus valores preestabelecidos, anteriores à situação (NAVARINI; HIRDES, 2008). </li></ul>
  32. 47. <ul><li>“ A partir desse novo olhar a vida é vista sob outro enfoque, onde muitos valores adquirem novo significado.” </li></ul>
  33. 48. <ul><li>A partir da compreensão das representações sociais construídas a respeito do fenômeno “indivíduo-família”, podemos adequar as práticas assistenciais, e daí então enfrentarmos as transformações paradigmáticas que estão a orientar este campo... </li></ul>
  34. 49. <ul><li>...Por isso, transversalizar o tema “Família e crianças com necessidades especiais” é importante para compreendermos como é a vida cotidiana dos atores inseridos neste contexto. </li></ul>
  35. 50. OBRIGADO!!! E-mail: [email_address] (98) 8111-8682 / 8838-6023

×