Violência e Escola

5.799 visualizações

Publicada em

Violência e Bullying trabalho realizado pelos alunos:
Washington L.R.Silva, Hércia das Mercês bezerra da Silva, Letícia Peçanha e Bianca Mara Cruz.

1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.799
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
124
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Violência e Escola

  1. 1. VIOLÊNCIA E ESCOLA<br />
  2. 2. GRUPO:<br />Bianca Mara Cruz Pacheco<br />Hércia da Mercês Bezerra da Silva<br />Letícia Peçanha Medeiros da Cunha<br />Washington L.R.Silva<br />4º Período<br />
  3. 3. Resolução de problemas<br />A METODOLOGIA<br />
  4. 4. ENSINAR PARA RESOLVER<br />Nos últimos anos muito se tem falado de violência, até porque esta passou a fazer parte do nosso cotidiano.<br />. A violência, entre outros, foi destacada por pessoas de diferentes camadas sociais, como um dos principais problemas, principalmente aquela que atinge a vida e a integridade física dos indivíduos.<br />Para que possamos entender melhor os determinantes da violência e o papel da educação, algumas questões nos parecem pertinentes para ajudar a nossa reflexão<br />
  5. 5. De que forma a violência é engendrada na nossa sociedade? <br />Quais os valores que têm norteado as diferentes práticas sociais e entre estas, a educacional? <br />Qual o papel da educação e da escola diante de uma sociedade com características violentas? <br />Estas são perguntas fundamentais.<br />
  6. 6. Individualismo<br />
  7. 7. VIOLÊNCIA FÍSICA<br />Necessidade de se levar vantagem em tudo, e daí a brutalidade e a intolerância.<br />
  8. 8. A violência perpassa as diferentes relações sociais e aparece de forma explícita nos meios de comunicação de massa, principalmente na mídia televisiva. <br />A mídia televisiva comumente apresenta programas com "brincadeiras" desrespeitosas em que os indivíduos são usados como objeto sarcástico. Até os programas infantis não fogem a essa conotação violenta.<br />
  9. 9. A ESCOLA E A VIOLÊNCIA<br />A escola também reflete o modelo violento de convivência social.<br />Muitos educadores não se apercebem como violadores dos direitos dos alunos. É o que podemos chamar de violência simbólica, que segundo Dulce Whitaker (1994), "ajuda não só a obscurecer a violência que está no dia-a-dia, no cotidiano, como também a esconder suas verdadeiras causas".<br />A violência sutil, em geral, não aparece de forma tão explícita e serve para escamotear e dissimular os conflitos.<br />
  10. 10. ESCOLA, CONTRUTORA DA CIDADANIA<br />
  11. 11. Objetivo de uma escola que busca a cidadania<br />Tratar todos os indivíduos com dignidade, com respeito à divergência.<br />Valorizar o que cada um tem de bom;<br />Fazer com que a escola se torne mais atualizada para que os alunos gostem dela;<br />Trabalhar a problemática da violência e dos direitos humanos, a partir do processo de conscientização permanente, relacionando esses conteúdos ao currículo escolar;<br />Incentivar comportamentos de trocas, de solidariedade e de diálogos, como bem coloca Renata Aguirre - aluna da 8ª série da Escola Municipal de São Paulo -, "a violência é a força bruta contra alguém. Quem prática a violência é burro, covarde, porque somos seres humanos e a única coisa que nos diferencia dos animais é a capacidade de pensar e de falar. Se nós temos a capacidade de usar palavras, para que usar a força bruta? É isso que as pessoas precisam entender".<br />
  12. 12. Dulce Withakerchama a atenção porque muitas vezes "os professores não se dão conta de que o que torna as crianças apáticas, não são propriamente os conteúdos ministrados, mas sim o ponto de partida da ação pedagógica que se apresenta carregado de autoritarismo e, portanto, de violência simbólica".<br />
  13. 13. ESCOLA E CIDADANIA<br />A violência urbana e escolar, esta visão da escola enquanto espaço de violência é destacada pelos alunos, e estes exemplificam como esta se manifesta: <br />"quando o professor fala: este aluno está ferrado comigo" (isto porque o aluno era indisciplinado), ou então, "este aluno não quer nada com a escola e por mim está reprovado".<br />O interessante é que os professores não vêm estas formas de relacionamento com os alunos como desrespeitosas ou violentas..<br />Para estes, a violência na escola aparece, basicamente, na relação entre os alunos e destes para com o professor. <br />
  14. 14. Escola, formando cidadãos<br />
  15. 15. BULLYING<br />O bullying , ou violência moral trata-se de um problema que sempre esteve presente nas escolas, e hoje tem sido fonte de preocupação de pais e professores.<br />Bullyingutilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo (bully - «tiranete» ou «valentão») ou grupo de indivíduos com o objetivo de intimidar ou agredir outro indivíduo (ou grupo de indivíduos) incapaz(es) de se defender. Também existem as vítimas/agressoras, ou autores/alvos, que em determinados momentos cometem agressões, porém também são vítimas de bullying pela turma.<br />Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Bullying<br />
  16. 16.
  17. 17. Relato de experiência<br />João Guilherme<br />Lembro-me bem de um caso de 'bullying' que ocorreu comigo na infância. <br />Estudava numa escola pública. Tinha 13 anos e sempre apanhava de alguns colegas de turma que se mostravam valentões, bravos. E eu tinha muito medo deles, que percebiam isso. Acontece que sempre fui um excelente aluno e o melhor amigo um garoto grandão, valentão, mas não se envolvia nas confusões que aprontavam para mim. Ele, apesar de valentão, era meio desligado dos estudos e sempre tirava notas baixas nas provas, então aproveitei esta deficiência dele e propus um acordo: ele me livrava dos valentões nas brigas corriqueiras e eu o ajudava nas provas, a partir daí consegui me livrar das agressões. <br />Até hoje me lembro desses episódios na infância, o grupo de valentões vindo em minha direção... São lembranças que me fazem muito mal, sinto calafrios, tremores, inquietações... <br />
  18. 18. COMO EVITAR O BULLYING? <br />Para evitar o bullying os pais têm um papel muito importante, devendo estar atentos a sinais que possam denunciar esta prática, sendo o seu educando o vitima ou o agressor. Por isso deverá estar atento aos seguintes sinais:-se o seu filho tem alguma característica na sua personalidade ou na sua fisionomia que o coloca na situação de ser “alvo fácil”, procure um psicólogo.-esteja atento, observe o seu filho a brincar com os outros colegas, solicite aos professores o parecer deles.-não se torne hiper-protector, mas vigie com atenção-não se esqueça que o seu filho pode precisar de ajuda-se o seu filho é muito agressivo, esteja atento, ele pode ser autor de Bullying a não ter consciência do sofrimento que provoca nos outras crianças. <br />
  19. 19. EVITAR O BULLYING NA ESCOLA<br />O primeiro passo é admitir que a escola é um local passível de bullying. <br />- Conversar com os alunos e escutar atentamente reclamações ou sugestões. - Estimular os estudantes a informar os casos. - Reconhecer e valorizar as atitudes da garotada no combate ao problema. - Criar com os estudantes regras de disciplina para a classe em coerência com o regimento escolar. - Estimular lideranças positivas entre os alunos, prevenindo futuros casos. - Interferir diretamente nos grupos, o quanto antes, para quebrar a dinâmica do bullying.<br />

×