Entrevista técnica libras

1.161 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Turismo
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.161
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Entrevista técnica libras

  1. 1. <ul><li>DISCIPLINA: Libras </li></ul><ul><li>VISITA TÉCNICA – ENTREVISTA </li></ul><ul><li>CURSO: Pedagogia </li></ul><ul><li>ALUNOS: </li></ul><ul><li>Adriana Lourenço Barreira. </li></ul><ul><li>Ana Cláudia Medeiros Ferreira. </li></ul><ul><li>Aurea Aparecida Fintelman Rodrigues. </li></ul><ul><li>Magali Odília Silva de Oliveira. </li></ul><ul><li>Regina Coeli Fogli C. de Oliveira Cavalcante. </li></ul><ul><li>Washington Luiz Ribeiro da Silva </li></ul>
  2. 2. <ul><li>  Pontos do Projeto Político Pedagógico relevantes para a inclusão: </li></ul><ul><li>Observamos que no Projeto Político Pedagógico do CIEP Dr. João Ramos de Souza, cujo o tema é O CIEP na Educação com “vivências diferente”, existem Objetivos Específicos que abordam a questão da inclusão. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>São eles: Envolver os alunos em atividades de contação de histórias que viabilizem reformulação de conceitos e valores; Reconhecer na turma e/ou escola alunos portadores de necessidades especiais, como pessoas capazes de desenvolver suas habilidades, respeitando-se seus limites; Trabalhar a diferença no corpo, atitudes e sentimentos de cada um;Buscar um olhar diferente que desfaz preconceitos e supera os limites, levando a união do grupo. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Justificativa do Projeto: Quando observamos ao nosso redor, vemos seres da mesma espécie, porém diferentes entre si. Para lidarmos com esta diversidade precisamos reconhecer e respeitar ad diferenças e semelhanças, descobrindo que não há o melhor ou o pior, mas sim o jeito de ser de cada um, portanto somando nossas diferenças é que podemos construir um mundo mais rico, mais bonito e mais feliz. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>  </li></ul><ul><li>Nome:Mônica da Cunha Sad </li></ul><ul><li>Tempo de atuação profissional: 22 anos </li></ul><ul><li>Escola em que atua: CIEP DR. João Ramos de Souza </li></ul><ul><li>Formação Profissional: Pedagoga e Fonoaudióloga </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  6. 6. <ul><li>- Há quanto tempo atua com alunos portadores de deficiência auditiva? Segundo ano com eles integrados. </li></ul><ul><li>   - Qual a sua formação para atuar com esse público? Pedagogicamente, nenhum, mas tenho formação em Fonoaudiologia </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  7. 7. <ul><li>- De quem recebe orientação quanto ao trabalho com o aluno surdo? Da professora de Sala de Recurso, da instrutora de Libras e do Interprete que me ajuda bastante. </li></ul><ul><li>  - Conta com apoio de um tradutor e interprete em sala de aula? Sim bastante apoio principalmente na hora em que estou explicando (oralmente) alguma matéria. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>- Observa evolução igualitária no desenvolvimento do aluno surdo em sala de aula? Não, estão com desenvolvimento mais lento na parte de leitura e escrita. </li></ul><ul><li>  - Como PE a relação/comunicação deste aluno com os demais ouvintes? Aos poucos eles vão se entendendo, pois os ouvintes se interessam na linguagem em LIBRAS </li></ul><ul><li>  - Na sua opinião, o que poderia ser realizado para facilitar a aprendizagem do aluno surdo? Estabelecerem em contato com outros alunos iguais e adaptações para eles em livros, cadernos de atividades e inclusive nas provas </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Nome: Elisângela </li></ul><ul><li>Parentesco: Mãe </li></ul><ul><li>Nível de Escolaridade: Nível Médio </li></ul><ul><li>Profissão:Auxiliar Administrativo </li></ul>
  10. 10. <ul><li>- Como e quando descobriu que seu filho(a) era surdo? Aos Três anos de idade em uma consulta médica. </li></ul><ul><li>  - Qual foi a reação da família e amigos? Muita surpresa e no início preconceito </li></ul><ul><li>- Seu filho(a) recebe atendimento. especializado e faz uso de prótese auditiva? Sim, faz tratamento no HU (Fundão) de fonoaudiologia e possui prótese. </li></ul><ul><li>   - Como se comunicam com seu filho(a)? Fala normal e ela lê lábios. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>- Encontrou dificuldades para efetuar a matrÍcula escolar? Quais? Sim, preconceito dos professores </li></ul><ul><li>  - Percebe evolução no desempenho escolar do seu filho? Qual? Esse ano, depois de estar com o Roberto e a Rosana, intérprete e a instrutora. A questão da alfabetização </li></ul><ul><li>    - Percebe motivação em seu filho para as atividades escolares? Este ano sim. </li></ul>
  12. 12. AGUARDE O VÍDEO
  13. 13. AGUARDE O VÍDEO
  14. 14. <ul><li>Após a observação da atividade feita pela professora e as entrevistas com a professora da turma, o intérprete, a instrutora e a mãe da aluna, concluímos que estas pessoas são contra a inclusão dos alunos surdos em classes regulares. O principal motivo citado foi a questão do tempo que é diferenciado para estas crianças, mas que não é levado em consideração, pois eles são promovidos mesmo sem terem alcançados os objetivos, até porque existe a questão da idade. Outro motivo citado foi a questão da adequação , montar uma turma com o mesmo nível de aprendizagem . </li></ul>
  15. 15. <ul><li>A presença do intérprete e da instrutora é uma excelente estratégia facilitadora para o trabalho da professora de turma, mas mesmo assim os avanços são poucos, pois segundo o intérprete, a língua maioritaria (LP) sobrepuja a língua de sinais levando os alunos surdos a uma perda considerável no desenvolvimento das dinâmicas em sala de aula. </li></ul><ul><li>O que mais nos deixou impressionados foi saber que os pais destas crianças não querem aprender libras (o intérprete nos disse e a mãe confirmou), a maioria por não aceitarem a deficiência de seus filhos. </li></ul>

×