B. auditoria geral junho 09

1.294 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.294
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

B. auditoria geral junho 09

  1. 1. AUDITORIA José Hernandez Perez JuniorPerez Junior Professor José Hernandez Perez Junior 1
  2. 2. O que é Auditoria?O que é Auditoria? É o estudo e a avaliação sistemática das transações, procedimentos, rotinas e demonstrações financeiras de uma entidade com ode uma entidade, com o objetivo de fornecer a seus usuários uma opiniãousuários uma opinião imparcial e fundamentada em normas e princípios sobre sua adequação. Professor José Hernandez Perez Junior 2
  3. 3. Tipos de AuditoriaTipos de Auditoria Auditoria de Demonstrações FinanceirasAuditoria de Demonstrações Financeiras Auditoria de controles internos Auditoria Operacional Auditoria de cumprimento normativo ou Compliance audit Auditoria de gestãoAuditoria de gestão Auditoria de sistemas Auditoria fiscal e tributária Auditoria ambiental Auditoria nos processos de compras e vendas de empresas e reestruturações societárias incorporaçõesempresas e reestruturações societárias - incorporações, fusões, cisões e formação de joint ventures Professor José Hernandez Perez Junior 3
  4. 4. Objetivo da Auditoria deObjetivo da Auditoria de Demonstrações Financeiras Emissão de um parecer sobre a adequação das demonstrações contábeis dademonstrações contábeis da empresa, em determinada data, à áem relação às práticas contábeis aplicáveis nascontábeis aplicáveis nas circunstâncias Professor José Hernandez Perez Junior 4
  5. 5. Objetivo da Auditoria de Controles InternosControles Internos Revisão sistemática das transaçõesRevisão sistemática das transações operacionais e do sistema de controles internos visando:controles internos, visando: proteção dos bens e direitos dap ç empresa contra fraudes, desvios e desfalques;desfalques; constatação de possíveis irregularidades e usos indevidos dos bens e direitos da empresa Professor José Hernandez Perez Junior 5 bens e direitos da empresa.
  6. 6. Objetivo da AuditoriaObjetivo da Auditoria Operacional Avaliação sistemática da eficácia e eficiência das atividades operacionais e dos processosoperacionais e dos processos administrativos, visando o aprimoramento contínuo da eficiência e eficácia operacionaleficiência e eficácia operacional, contribuindo com soluções. Professor José Hernandez Perez Junior 6
  7. 7. Objetivo da Auditoria de Cumprimento Normativo ou Compliance Audit Auditoria para verificação doAuditoria para verificação do cumprimento / observância das normas e procedimentos implantados pelaprocedimentos implantados pela empresa ou pelos órgãos reguladores de d t i d ti id ddeterminadas atividades. Por exemplo, normas implantadas pelop , p p Banco Central do Brasil a serem observadas pelas instituições financeirasobservadas pelas instituições financeiras para o combate do crime de “lavagem de dinheiro” Professor José Hernandez Perez Junior 7 dinheiro”
  8. 8. Objetivo da Auditoria deObjetivo da Auditoria de Gestão Trabalhos dirigidos à análise dos planos e diretrizes da empresa, objetivando mensurar a eficiênciaobjetivando mensurar a eficiência da gestão das operações e sua i ê i lconsistência com os planos e metas aprovados.metas aprovados. Professor José Hernandez Perez Junior 8
  9. 9. Objetivo da Auditoria deObjetivo da Auditoria de Sistemas Exame e avaliação da qualidade do sistema d t ã d d d d t lde computação de dados e dos controles existentes no ambiente de tecnologia de i f õ i dinformações, visando: otimizar a utilização dos recursos de t ã d d dcomputação de dados, minimizar os riscos envolvidos nos processos e garantir a geração de informações e dados confiáveis, em tempo, ao menor custo possível. Professor José Hernandez Perez Junior 9
  10. 10. Objetivo da Auditoria Fiscal eObjetivo da Auditoria Fiscal e Tributária Analise da eficiência e eficácia dos procedimentos adotados para aprocedimentos adotados para a apuração, controle e pagamentos dos tributos que incidem nas atividades comerciais eatividades comerciais e operacionais da empresa. Avaliação do planejamento tributário Professor José Hernandez Perez Junior 10 tributário
  11. 11. Objetivo da Auditoria Ambiental A li ã dAvaliação dos processos operacionais e produtivos dasp p empresas visando a identificação de danos ao meio ambiente edanos ao meio ambiente e quantificação de contingências e a preparação da empresa para receber o Certificado ISO 14000 -receber o Certificado ISO 14000 - meio ambiente. Professor José Hernandez Perez Junior 11
  12. 12. Objetivo da Auditoria nos processos de compras e vendas de empresas e reestruturações societáriasvendas de empresas e reestruturações societárias - incorporações, fusões, cisões e formação de joint venturesventures Auditoria das demonstrações contábeis das l idempresas envolvidas; Assessoria na avaliação das empresas objetos de negociação societária; Avaliação dos ativos objetos de negociação; eç j g ç ; Identificação de contingências fiscais, trabalhistas, ambientais, cíveis, etc. nastrabalhistas, ambientais, cíveis, etc. nas empresas envolvidas. Professor José Hernandez Perez Junior 12
  13. 13. F d A dit iFormas de Auditoria Auditoria InternaAuditoria Interna Auditoria Externa ouAuditoria Externa ou Independentep Professor José Hernandez Perez Junior 13
  14. 14. Auditoria Externa X InternaAuditoria Externa X Interna Auditoria Independente ou Externa Auditoria Interna ou Externa Sujeito Profissional independente Funcionário da empresa Vínculo com a dit d Contrato de prestação de i Contrato de trabalho empresa auditada serviço Ação e objetivo Exame das demonstrações contábeis de alguma área específica ou procedimento Exame dos controles internos e avaliação da eficiência e eficácia da gestãop p pré-definido como objeto de trabalho especial g Finalidade Principalmente emitir parecer sobre a adequação das Promover melhoria nos controles operacionais e na gestão desobre a adequação das Demonstrações Contábeis operacionais e na gestão de recursos Relatório principal Parecer do auditor independente Recomendações para melhoria dos controles internos e eficiência administrativa Usuários do trabalho A empresa e o público em geral A empresa Responsabilidade Profissional, civil e criminal Trabalhista Professor José Hernandez Perez Junior 14
  15. 15. Auditoria IndependenteAuditoria Independente Obrigatoriedade LEI Nº 11 638 DE 28 DEZEMBRO DE 2007LEI N 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007 Altera e revoga dispositivos da Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei no 6.385 (CVM), de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. Professor José Hernandez Perez Junior 15
  16. 16. Demonstrações Financeiras deDemonstrações Financeiras de Sociedades de Grande Porte Art. 3o Aplicam-se às sociedades de grandep g porte, ainda que não constituídas sob a forma de sociedades por ações, as disposições da Leip ç , p ç nº 6.404/76 sobre escrituração e elaboração de demonstrações financeiras, e a obrigatoriedadeç , g de auditoria independente, por auditor registrado na Comissão de Valores Mobiliários,g , bem como os §§ 2º e 3º do art. 289 daquela Lei. Professor José Hernandez Perez Junior 16
  17. 17. Demonstrações Financeiras deç Sociedades de Grande Porte Parágrafo único Considera-se de grandeParágrafo único. Considera-se de grande porte, para os fins exclusivos desta Lei, a i d d j t d i d d bsociedade ou conjunto de sociedades sob controle comum que tiverem, no exercício social anterior, ativo total superior a R$240 milhões ou receita bruta anual$ superior a R$300 milhões. Professor José Hernandez Perez Junior 17
  18. 18. Auditoria Independente Obrigatoriedadep g Lei 6.404/76 - Sociedades anônimas de capital aberto Lei 11.638/07 - Sociedades fechadas (Ltda. ou S.A.) de grande porte;grande porte; Instituições Financeiras (Bancos, Financeiras, Distribuidoras, Corretoras, entre outras); Companhias de Seguros; Fundos de Previdência Complementar; Fundações Públicas ou Privadas consideradas deFundações Públicas ou Privadas consideradas de interesse público; e Empresas subordinadas a agências reguladoras (ANEEL A ê i N i l d E i Elét i(ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica, ANATEL – Agência Nacional de Telecomunicações, etc). Professor José Hernandez Perez Junior 18
  19. 19. Normas de AuditoriaNormas de Auditoria Conceito Orientações que o auditor deve observar quanto aos procedimentos de auditoria queprocedimentos de auditoria que serão aplicados relativamente: ao planejamento, à ãà execução e à elaboração do relatório Professor José Hernandez Perez Junior 19 à elaboração do relatório.
  20. 20. Normas de AuditoriaNormas de Auditoria Órgãos responsáveis CFC - Conselho Federal de Contabilidade Órgãos reguladores Normas internas Professor José Hernandez Perez Junior 20
  21. 21. Normas de AuditoriaNormas de Auditoria Independente NBC – Normas Brasileiras de Contabilidade itid l CFC C lh F d l demitidas pelo CFC – Conselho Federal de Contabilidade NBC-P-1 – Normas Profissionais de Auditor Independente NBC-T-11- Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeisdas Demonstrações Contábeis Normas complementares Professor José Hernandez Perez Junior 21
  22. 22. NBC-P-1 – Normas ProfissionaisNBC-P-1 – Normas Profissionais de Auditor Independente Características do auditor independente Competência técnico - profissional TreinamentoTreinamento Independência mentalIndependência mental Zelo profissional Professor José Hernandez Perez Junior 22
  23. 23. CompetênciaCompetência técnico - profissionalp O contador, na função de auditor independente, deve manter seu nível de competência profissional pelomanter seu nível de competência profissional pelo conhecimento atualizado dos Princípios Fundamentais de Contabilidade e das Normas Brasileiras de Contabilidade, das técnicas contábeis, especialmente na área de auditoriaauditoria, da legislação inerente à profissão, dos conceitos e técnicas administrativas edos conceitos e técnicas administrativas e da legislação específica aplicável à entidade contábil. Professor José Hernandez Perez Junior 23
  24. 24. CompetênciaCompetência técnico - profissionalp ASSISTENTE SÊNIOR GERENTE SÓCIO ASSISTENTE SÊNIOR Professor José Hernandez Perez Junior 24
  25. 25. Exame de competênciaExame de competência profissional O auditor independente, para poder exercer sua atividade, deverá submeter-se a exame dedeverá submeter-se a exame de competência profissional, na forma regulamentada pelo Conselho Federal deConselho Federal de Contabilidade. Professor José Hernandez Perez Junior 25
  26. 26. Treinamento O auditor independente, no exercício da sua atividade, deverá comprovar a participação emcomprovar a participação em programa de educação continuada, na forma a ser regulamentada pelo Conselhoregulamentada pelo Conselho Federal de Contabilidade. Professor José Hernandez Perez Junior 26
  27. 27. Independência Mental Estado no qual as obrigações ou os interesses da entidade de auditoria são suficientemente isentos dossão, suficientemente, isentos dos interesses das entidades auditadas para permitir que os serviços sejam prestados com objetividadeprestados com objetividade. Professor José Hernandez Perez Junior 27
  28. 28. Independência MentalIndependência Mental Exemplos de fatores que podem comprometer a independência:independência: vínculo conjugal ou parentesco com administradores, acionistas, sócios ou íempregados em nível gerencial; relação de trabalho nos últimos dois anos; ti i ã di t i di t i i tparticipação direta ou indireta como acionista ou sócio; interesse financeiro;interesse financeiro; fixação honorários condicionais ou incompatíveis; qualquer outra situação de conflito de interessesqualquer outra situação de conflito de interesses no exercício da auditoria independente, na forma que vier a ser definida pelos órgãos reguladores fi li d Professor José Hernandez Perez Junior 28 ou fiscalizadores.
  29. 29. Z l fi i lZelo profissional O auditor deve aplicar oO aud to de e ap ca o máximo de cuidado e zelo profissional na execução do trabalho de a ditoria edo trabalho de auditoria e preparação do relatóriopreparação do relatório. Professor José Hernandez Perez Junior 29
  30. 30. Zelo profissional definição do risco de auditoria; estimativa adequada das horas de auditoria; definição de honorários compatíveis às horas de trabalho;definição de honorários compatíveis às horas de trabalho; cronograma de visitas com as “pessoas-chave” da entidade; planejamento do trabalho; definição dos procedimentos e extensão dos testes de auditoria;definição dos procedimentos e extensão dos testes de auditoria; seleção e escolha da equipe com a quantidade e a competência necessárias; avaliação do ambiente de controle interno;avaliação do ambiente de controle interno; supervisão do trabalho em todas as suas etapas; elaboração e revisão dos papéis de trabalho; i ã d l tó i b li ã d bi t demissão dos relatórios sobre a avaliação do ambiente de controle interno da entidade e contendo a opinião final sobre as demonstrações contábeis tomadas em conjunto da entidade auditada (parecer);auditada (parecer); manutenção do sigilo profissional; e guarda da documentação suporte (papéis de trabalho). Professor José Hernandez Perez Junior 30
  31. 31. NBC-T-11- Normas de Auditoria Independente das Demonstrações ContábeisCo tábe s Planejamento do trabalhoj Supervisão da equipe Avaliação do controle interno Elementos comprobatórios Relatórios de auditoria Professor José Hernandez Perez Junior 31
  32. 32. Planejamento do trabalho Conteúdo do Planejamento Cronograma de visitas e entrega de relatóriosCronograma de visitas e entrega de relatórios Procedimentos de auditoria Análise de relevânciaAnálise de relevância Análise de riscos de auditoria Equipe designadaEquipe designada Épocas oportunas de realização da auditoria Estimativa de horasEstimativa de horas Revisão dos programas de auditoria Supervisão e revisãoSupervisão e revisão Elaboração de relatórios Professor José Hernandez Perez Junior 32
  33. 33. Supervisão da equipep q p A equipe deve ser adequadamente supervisionada Sócio (responsável)Sócio (responsável) Gerente planeja e gerencia Senior lidera e administra o trabalho da equipeda equipe Assistentes executam os procedimentos de auditoria Professor José Hernandez Perez Junior 33
  34. 34. ACCOUNTABILITYACCOUNTABILITY OBRIGAÇÃO DE PRESTAROBRIGAÇÃO DE PRESTAR CONTAS DOS RESULTADOS ÃOBTIDOS, EM FUNÇÃO DA RESPONSABILIDADE QUERESPONSABILIDADE QUE DECORRE DE UMA DELEGAÇÃO DE PODER Professor José Hernandez Perez Junior 34
  35. 35. AGENTE ASSUME A RESPONSABILIDADE DELEGA AUTORIDADE: 1. RESPONSABILIDADE E AUTORIDADE: RESPONSABILIDADE: Comitê de De contratar firma de para que ela possa executar os trabalhos que julgue necessários Auditoria auditoria independente trabalhos que julgue necessários para emissão do parecer Sócio da A dit i pela execução do trabalho i ã d para o gerente planejar e d i i t ã dAuditoria e emissão do parecer administrar a execução do trabalho Gerente pelo planejamento, ao sênior para executar oGerente p p j , administração e supervisão do trabalho ao sênior para executar o trabalho planejado Sênior pela execução do trabalho planejado, distribuição de tarefas aos assistentes e sua orientação e controle. aos assistentes para aplicação dos procedimentos de auditoria descritos nos programas de auditoria Assistentes pela aplicação dos procedimentos previstos nos programas de auditoria e elaboração dos papéis de trabalho. Professor José Hernandez Perez Junior 35
  36. 36. AGENTE EXECUTA PRESTA CONTAS, 2. PRESTAÇÃO DE CONTAS REPORTA: Sócio Supervisiona equipe, revisa os éi d t b lh di t O Parecer aos i i tpapéis de trabalho, discute os principais pontos com o gerente e com a direção da empresa auditada e elabora o relatório final acionistas que contrataram a auditoria Gerente Supervisiona equipe, revisa os papéis de trabalho dos assistentes e ao sócio os principais pontos observados e elabora o relatório final Sênior Supervisiona assistentes revisa os Ao gerente os papéis de trabalho dos assistentes e sênior e elabora projeto de relatório. pontos observados e relatório Sênior Supervisiona assistentes, revisa os papéis de trabalho dos assistentes. Ao gerente os principais pontos observados Assistentes Procedimentos de auditoria e elaboram Papéis de Trabalho Ao Sênior os papéis de trabalho Professor José Hernandez Perez Junior 36
  37. 37. Avaliação do controle internoç O auditor deve efetuar o levantamentoO aud to de e e etua o e a ta e to dos sistemas contábeis e dos controles internos da empresa avaliarcontroles internos da empresa, avaliar o grau de segurança por eles i d bproporcionados e, com base nesses elementos, estabelecer a natureza, a extensão e a profundidade dos procedimentos de auditoria, assimp , como o momento apropriado de uma aplicação Professor José Hernandez Perez Junior 37 aplicação
  38. 38. Avaliação do controleç interno O controle interno é fundamental para garantir a d ã d õadequação das operações realizadas pela empresa e arealizadas pela empresa e a fidedignidade dos documentos registrados pela contabilidade Professor José Hernandez Perez Junior 38
  39. 39. Avaliação do controle internoAvaliação do controle interno ADMINISTRAÇÃO Controle internoCOMPRAS Controle interno PATRIMÔNIO Controle interno CONTABILIDADE ESTOQUES Controle interno FINANÇAS Controle interno VENDASPRODUÇÃO Controle interno PRODUÇÃO Controle interno DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Professor José Hernandez Perez Junior 39
  40. 40. Elementos comprobatóriosElementos comprobatórios Devem ser obtidos elementos comprobatóriosDevem ser obtidos elementos comprobatórios suficientes e adequados para fundamentar a opinião do auditor Planejamento do trabalho Programas de auditoria Questionários de avaliação do controle interno Circularizações Papéis de trabalho elaborados pela equipe com idê i d di t li d t devidência dos procedimentos aplicados em todas as áreas Evidências de revisão (senior gerente e sócio) Professor José Hernandez Perez Junior 40 Evidências de revisão (senior, gerente e sócio)
  41. 41. Relatórios de Auditoria CCarta de recomendação de melhoria do controlemelhoria do controle interno Parecer dos auditores independentes Professor José Hernandez Perez Junior 41
  42. 42. Carta de recomendação deCarta de recomendação de melhoria do controle interno Evidencia a avaliação doç controle interno Contribui para o aprimoramento dos controlesaprimoramento dos controles internos da empresa sobinternos da empresa sob auditoria Professor José Hernandez Perez Junior 42
  43. 43. Parecer dos auditoresParecer dos auditores independentes O parecer é o principal relatório do auditor i d d t bj ti fi l d t b lhindependente e objetivo final de seu trabalho. Representa a conclusão do trabalho realizado que está documentado nos papéis de trabalho. Apesar de realizado pela equipe de auditores,p p q p , perante a sociedade, o parecer é de responsabilidade da firma de auditoria e seráp assinado pelo sócio responsável pelo trabalho. Professor José Hernandez Perez Junior 43
  44. 44. Tipos de Parecer Parecer sem ressalva; Parecer com ressalva: por discordância (erro) em relação às Práticas Contábeis por limitação na execução dos trabalhos; Parecer adverso; e Parecer com abstenção de opiniãoParecer com abstenção de opinião Parecer com parágrafo de ênfase. Professor José Hernandez Perez Junior 44

×