O chamado ministerial

2.842 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.842
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
89
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O chamado ministerial

  1. 1. CURSO TEOLÓGICOINFORMATIVOO CHAMADO MINISTERIALIgreja Pentecostal ShekinahMinistério Moreno-Pe
  2. 2. Pr. PresidenteEmanuel Valença
  3. 3. Pr. Fernando Fábio
  4. 4. Pr. Kleber
  5. 5. Pr. Janderson
  6. 6. Pb. Edson Amaral
  7. 7. Pb. Josias
  8. 8. Pb. Jonatas
  9. 9. Missionária - Neri
  10. 10. Missionária - Mauricéia
  11. 11. Missionária - Aninha
  12. 12. Missionária - Marinilza
  13. 13. Missionária - Elza
  14. 14. Sumário1) Características do chamado2) Métodos do chamado3) Finalidade do ministério pastoral4) Qualificações para o ministério pastoral5) O sustento pastoral6) O pastor e a vida familiar
  15. 15.  O chamado é de Deus para asua obra. Não é a pessoa que decide Deus escolhe e convencePrimeiraSegundaTerceira1. Características do Chamado
  16. 16.  Quem é chamado não podeimpor condições, mas agradece ochamado, porque Deus já definiu. Deus tem um ministério certo,para a pessoa certa, na hora certa. A igreja reconhece, o ministérioordena, mas a chamada é divina.DivinaPessoalDefinitivaCharles Spurgeon disse: “Nem todos são chamados”O Novo Testamento apresenta as seguintescaracterísticas:
  17. 17. 2. Métodos do ChamadoA Bíblia registra vários servos de Deus sendochamado; Deus tem chamado homens de um modo direto eindireto.
  18. 18. Homens chamados por Deus de um modo direto
  19. 19. Noé viveu em época terrível e foi chamado para construiruma arca (Gn cap.6).
  20. 20. Abraão vivia em Urdos Caldeus. Foichamado para umaterra que nãoconhecia (Gn cap.12).
  21. 21. Profeta Isaias - Umachamada através devisão.(Is cap. 6)
  22. 22. uma chamada teofônica.(Jr. Cap 1)Profeta Jeremias teve
  23. 23. Os doze Apóstolos teve umachamada cara-a-cara.
  24. 24. O Apóstolo Paulo teve uma chamada teofônica emDamasco.
  25. 25. Homens chamados por Deus de um modo indireto
  26. 26. Deus usou as circunstânciasdesfavoráveis e o fezgovernador do Egito.
  27. 27. JosuéBatalha de Jericófruto do discipuladode Moisés.
  28. 28. Timóteo foi um discípulocontínuo de Paulo.2 Tm 4.2 “... prega a palavra, insta a tempo e fora detempo, admoesta, repreende, exorta, com toda longanimidadee ensino...”
  29. 29. Muitos pastores dirigem/pregam em suas igrejassem ter uma noção clara da finalidade ministerial. OsApóstolos sabiam suas finalidades, conforme estáescrito nas Escrituras:“...Mas nós perseveraremos na oração e no ministérioda palavra...”. (At 6.4)3. Finalidade do Ministério Pastoral
  30. 30. 3.1 Principais Finalidades do Ministério Pastoral1) Aperfeiçoamento dos CrentesEsmerar-se em apresentar ao Senhor pessoasmaduras e adultas na fé.2) Capacitar os CristãosConcientizar os cristãos a serem mutuamenteservidores uns aos outros .
  31. 31. 3.1 Principais Finalidades do Ministério Pastoral3) Preservar a Unidade da IgrejaEssa tarefa do pastor focaliza-se nos inter-relacionamentos (pessoas/grupos) que funcioneapropriadamente. Esta função complexa de umaigreja, como um “corpo” apóia o ensino de Paulosobre os quatro ministérios de liderança da igreja:“E ele deu uns como apóstolos, e outros comoprofetas, e outros como evangelistas, e outroscomo pastores e mestres”.
  32. 32. 4. Qualificações para o ministério pastoralO êxito do ministério pastoral estáfundamentalmente ligado ao caráter santificado doministro. O ministro lidera, logo, é exigido que a vidado pastor seja autêntica, isto é, transparente aosolhos dos liderados. A fim de estudarmos melhor oreferido tema, selecionamos alguns tópicos docaráter de um ministro, os quais apresentaremos apartir de agora.
  33. 33. a) Pureza de coraçãoUm ministro precisa ser puro, consagrado e preparado.Quando Deus vocaciona, Ele exige santidade e pureza decoração.
  34. 34. b) Não violentoTambém traduzido como espancador e briguento. Aqui tambémincluída a violência verbal. Quantos escândalos já aconteceram emvários ministérios.Pastores não briguem,vocês são ministros deDeus !Deus, perdoa estepéssimo testemunho!
  35. 35. c) Não avarentoNão ter amor ao dinheiro. O evangélho vem sofrendo por causa dosmercenários. Paulo disse: “Tu porém, ó homem de Deus foge dessascoisas”. 1 Tm 6.6-14
  36. 36. d) Conhecimento da Palavra de Deus e vida de oraçãoO Pastor/Ministro negligente na leitura da Bíblia e na oraçãotambém será na vida cristã e ministerial. A oração e o estudo daPalavra não é uma sugestão de Deus ao homem, e sim ummandamento – “Buscai ao Senhor e a sua força; buscai a sua facecontinuamente” (1 Cr 16.11); “... Não se aparte da tua boca o livrodesta lei...”(Js 1.8). Disse Martinho Lutero: “ ...A comunhão com oSenhor é a coisa mais importante em minha vida...”. John Wesleyafirmou: “Tenho sempre tantas coisas para fazer, mas só possome desabrigar dessas árduas terefas após prolongado período deoração.
  37. 37. d) Bom testemunhoO Ministro deve ter boa reputação, ser bem conceituado erespeitado. O ministro de má reputação deve ser descartado comoPastor. Uma boa reputação é essencial para a proclamação doevangelho. Um Ministro sem reputação é um inútil junto aos seuslíderes.2 Rs 4.8-9...Sucedeu também certo dia queEliseu foi a Suném, onde haviauma mulher rica que o retevepara comer; e todas as vezes queele passava por ali, lá se dirigiapara comer. E ela disse a seumarido: Tenho observado queeste que passa sempre por nós éum santo homem de Deus...
  38. 38. f) Preparo para o ministérioO ministério é coisa muito séria, por isso a primeira condição paraexercê-lo é que o candidato não seja inexperiente. Paulo disse: “Ministro/Pastor não deve ser neófito (1 Tm 3.6). Só se deve assumiro ministério pastoral, alguém que já tenha demonstrado provasconvincentes de estar preparado.Com apenas 11 anos de idadefoi ordenado como ministro emWashington, nos EstadosUnidos. O menino agora é pastorna igreja de sua família setornando um dos mais jovenspastores americanos.
  39. 39. Alguns exemplos de desastresministeriais
  40. 40. 1. Há Pastores não convertidos no ministérioPrega, prega, mas ainda não se converteu a Cristo.
  41. 41. 2. Há Pastores não vocacionadosNunca foram chamados por Deus. São voluntários, mas não vocacionados. Entraram pelas portas dainfluência em busca de status.
  42. 42. 3. Há Pastores preguiçososSão preguiçosos e relaxados. Não trabalham nada equerem muito. Querem laureis, jamais a fadiga. Queremos bónus e não o ónus. Dormem muito, trabalhampouco.
  43. 43. 4. Há Pastores gananciososEstão mais interessados no dinheiro das ovelhas do quea salvação delas.
  44. 44. 5. Há Pastores instáveis emocionalmente no ministérioHá Pastores doentes emocionalmente. Em vez depastorear deveriam ser pastoreados. São muito assim!
  45. 45. 6. Há Pastores com medo de fracassar no ministérioO medo é mais que um sentimento, é um espírito. Paulodisse a Timóteo: “ Deus não nos deu espírito decovardia, mas poder... (2 Tm 1.7).
  46. 46. 7. Há Pastores confusos teologicamenteEm razão de viverem num babel de novidades, háPastores que não têm firmeza no aspecto doutrinário,isto é, hoje diz uma coisa, amanhã outra (PastoresMarqueteiros).
  47. 47. 8. Há Pastores despóticos no ministérioSão Pastores que agem com truculência e autoritarismo.Tripudiam aqueles que questionam o seu modelo.
  48. 48. 9. Há Pastores sendo vítimas dedespotismo no ministérioHá Pastores reféns de líderes e manipuladores. Essespseudolíderes tratam o Pastor meramente como umempregado deles.
  49. 49. 10. Há Pastores iludidos no ministérioO ministério não é um mar de rosas, mas um campo delutas renhidas. Há oposição de fora e pressão pordentro; há batalhas externas e internas.
  50. 50. 11. Há Pastores descontrolados financeiramente no ministérioO pastor não pode ser homem envolvido com dívidas,enrolado financeiramente e sem crédito na praça.Pegam emprestado e não pagam. Esses são os maisinfiéis nas contribuições.
  51. 51. 12. Há Pastores que pecam no ministérioUm ministro infiel é pior do que um incrédulo. CharlesSpurgeon dizia que um ministro infiel é o maior agentedo diabo em uma igreja. Combate o pecado no púlpito, epratica em secreto.
  52. 52. 5. O Sustento Pastoral
  53. 53. a) O Pastor: Ministro de CristoO pastor é um ministro de Cristo para cumprircom recursos humanos, logísticos e financeiros agrande missão de edificação espiritual da igreja.Neste sentido, Paulo pôde dizer: “ Importa que oshomens nos considerem como ministros deCristo...” (1 Co 4.1)
  54. 54. O Pastor de tempo integralO pastor de tempo integral é aquele que dedica atotalidade do seu tempo em prol de uma igrejabem como no exercício de outras atividadesrelacionadas com o Reino de Deus. Sendoassim, a igreja é responsável pelo sustentointegral do seu pastor, de modo que tanto oministro do Senhor como sua família possa viverdignamente.
  55. 55. Outras atividades do Pastor detempo integral1. Participações em juntas ou na diretoria deassociações e convenções;2. Cátedra em instituições de ensino teológico;3. Coordenação duma campanha deevangelização;4. Visitação nos lares.
  56. 56. Pensamento errôneo de algunscrentesMuitos crentes não entendem o pastorado detempo integral, principalmente aqueles que sóvão aos cultos de oração e aos domingos. Elesacham que o pastor só trabalha quando tem dedirigir uma reunião, ficando à toa o resto dotempo.
  57. 57. As atividades do pastor de tempointregal vai muito além de apenasdirigir uma reunião na igreja, pois,ele também se preocupa com:1. Todos os preparativos para a reunião;2. O cuidade da vida administrativa e espiritual daigreja;3. As visitações aos crentes e suas famílias;4. A evangelização dos perdidos;5. A representação da igreja perante a comunidade
  58. 58. Em toda igreja do Senhor, nãoimportando o tamanho, há muitotrabalho para ser executado.Uma igreja, não importando o tamanho, tem serviçopara um homem dinâmico trabalhar o dia todo,todos os dias da semana, inclusive o sábado eespecialmente o domingo.
  59. 59. b) O pastor e seu preparoUm pastor compromissado com sua igrejaagradece a Deus pelo tempo integral que lhe foifranqueado e procura com muito empenhodesenvolver o lado intelectual e espiritual em prolde sua igreja.
  60. 60. 1) O preparo intelectualJá foi comprovado, através de cálculos, que opreparo de um sermão consome oito horas. Nossermões de domingo dezesseis horas. O pastorprecisa estudar, ler livros, jornais e revistas parapoder ficar atualizado com o presente século. Nãose tira água de uma fonte seca. Se o pastor nãoestiver abastecendo suas fontes intelectuais, logose tornará repetitivo e enfadonho. O próprioapóstolo Paulo sentiu falta dos seus livros já velhona prisão (2 Tm 4.13).Aqueles que acham que o pastor não precisa detempo integral são os primeiros a reclamar que sóestão recebendo “palha” em lugar de alimentofresco.
  61. 61. 2) O preparo espiritualE aqui está um ponto delicadíssimo desta questão:muito mais importante que o preparo intelectual dopastor é o seu preparo espiritual. O exercício dopastorado exige longas horas de oração, de leiturae meditação da Bíblia, e que o pastor gaste muitotempo a sós com Deus.O pastor que não gasta longas horas com Deusnunca terá impacto e unção nos seus ensinamentose mensagens.
  62. 62. c) O direito ao sustentoA Bíblia nos ensina no Antigo Testameno (Dt 25:4;Lv 6:16,26; 7:6) e no Novo Testamento (Mt 10:10; Lc10:7), que aqueles que se dedicam ao ensinamentoe proclamação da Palavra de Deus devem sersustentados por aqueles que desse trabalhorecebem bênçãos espirituais.
  63. 63. O apóstolo Paulo em 1 Co 9.7-13, usa cinco exemplos depessoas que são sustentadas no que fazem.1. Soldado (vs.7)Paulo está usando uma linguagem da época, pois asguerras eram financiadas pela sociedade através dosimpostos. Nenhum soldado vão a guerra se não tiver apoiofinanceiro.2. Agricultor (vs.7)Paulo se refere ao trabalhador rural. Ele prepara a terra, faza semeadura, irriga e tem direito de comer o que seplantou.3. O pecuarista (vs.7)A pessoa que lida todos os dias cuidando de seus animais.O pecuarista tem o direito de usufruir do que produzem osanimais.
  64. 64. 4. O boi de canga (vs.9-10)Paulo chega a comparar o obreiro do Senhor a um boi quetrabalha, e esse boi, diz Paulo, precisa ser alimentado, docontrário como conseguirá trabalhar.5. O sacerdote (vs.13)Paulo ilustra a necessidade do sustento do obreiro com afigura do sacerdote que comia dos sacrifícios trazidos aoaltar.
  65. 65. Vejamos os benefícios de uma igreja que tem um pastor detempo integral:1) Terão um pastor que apascenta o rebanho;2) Visita e cultos nos lares;3) Mais presença e força física nas necessidades do seupovo;4) Esta igreja crescerá para com Deus, pois conhecerá Elemelhor;5) Crescerá em amor para com o próximo e pelos de fora,através do ensinamento eficaz da Palavra;6) Esta igreja crescerá em fé, qualitativa equantitativa.
  66. 66. Vejamos os resultados de um pastor bem suprido:1) Terá mais tempo na Palavra (Rm 10.17)2) Mais tempo na oração (1 Ts 5.17);3) Mais dependência do Senhor (Pv 3.5);4) Ensinará melhor (2 Pe 3.18);5) Crescerá na fé (2Co 10.15);
  67. 67. 6. O Pastor e a Vida Familiar
  68. 68. a) O pastor como pessoa1) Para sermos filho de Deus;2) Para sermos maridos;3) Para sermos pai;4) Para sermos discípulosÉ bom ressaltar que existem muitas pessoas que achamque o pastor é uma figura inabalável, um super homem eque não tem dificuldades.Antes de sermos chamados para o pastorado, fomoschamados :Note que, em último lugar há o chamado ao pastorado,porque se não estivermos aprovados como: filho de Deus,maridos, pais e discípulos, como seremos bons pastores ?
  69. 69. b) O pastor como esposo1) O pastor também precisa pensar no seurelacionamento conjugal;2) Ele precisa ser um homem cristão que lidere o seu lar eame a sua esposa;3) Nunca esquecer que ele é um homem que tem suafunção de pai;4) Sabemos pela Bíblia que nem todos homens de Deustiveram sérios problemas familiares. Contudo, outroshomens de Deus passaram por problemas familiares,como: Samuel, Isaque, Abraão, Arão e Eli.Dentro das prioridades pastoral, abaixo do relacionamentocom DEUS, está o relacionamento como esposo. Nestesentido, deve-se considerá os seguintes pontos:
  70. 70. c) O relacionamento com os filhosCriar filhos exige toda criatividade e energia possível porparte dos pais, cuja função é ensinar os filhos nospreceitos do Senhor e prepará-los para que sejam jovenscristãos responsáveis com capacidades de tomar suaspróprias decisões. Portanto, o alvo a ser atingido é fazercom que seus filhos, quando atingirem a adolescência,posssam assumir o compromisso de amar a Deus de todoo seu coração, toda sua alma e todo o seu entendimento.
  71. 71. Questões comuns relacionadas aos filhos.a) Como instruir nossos filhos nos preceitos de Deus ?b) Como podemos ensinar valores morais aos nossosfilhos?c) Como podemos ensinar a criança a dividir seusdoces com seus coleguinhas ?d) Como podemos ensinar o adolescente a cuidar deseu quarto ?e) Como podemos incutir na criança virtudes comohigiene, pontualidade, honestidade, lealdade, respeitoaos direitos dos outros e obediência às autoridades.
  72. 72. Deus instituiu a família e estabeleceu as regras parase construir um lar feliz.A Palavra de Deus é nossa fonte de conhecimento esabedoria para superarmos qualquer desafio naeducação dos filhos. Contudo, faz-se importantelembrarmos que a responsabilidade principal naeducação e disciplina dos filhos é dos pais; não daigreja, nem da escola e muito menos da televisão.
  73. 73. Texto base da Bíblia para a educação dos filhos:“ E vós, pais, não provoqueis à ira vossos filhos, mascriai-os na disciplina e admoestação do Senhor ”. Ef 6.4No texto acima, Paulo primeiro dá aos pais uma ordemnegativa, quando diz: “ E vós, pais, não provoqueis à iravossos filhos. Assim, os pais não devem provocar seusfilhos à raiva, com exigências sem sentido e excessivaseveridade. Em seguida, temos duas ordens positivas: “Criai-os na disciplina e admoestação do Senhor”. Quantoa disciplina, esta não deve ser entendida simplismentecom castigo, pois, ela tem como alvo criar nos filhos asqualidades do Espírito Santo. Portanto, disciplinar osfilhos é um ato de fé, onde devemos esperar compaciência os frutos de justiva na vida dos filhos (Hb12.11)
  74. 74. Poderações Finais O objetivo deste curso foi nos colocar diantedas necessidades que ora enfrentamos no meioevangélico. Acreditamos que, cada participante ouprofessor sentiu algumas razões demelhoramentos nos conceitos: cultural eespiritual. Concluindo, esperamos em Deus que semprevenha nos habilitarnos para suprirmos mais aobra Shekinah.
  75. 75. Obrigado pela atenção e até apróxima oportunidade!www.shekinahmoreno.blogspot.com

×