Formacao continuada

317 visualizações

Publicada em

material para estudo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
317
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Formacao continuada

  1. 1. Encontro Educação Colégio Gonçalves Dias 1 o de 1º Encontro de Educação do Colégio Gonçalves Dias 7 e 8 de junho de 2008 - www.gd.g12.br/eegd Formação continuada: Um desafio para o professor do Ensino Básico 1 Hervaldira Barreto de Oliveira Góes 2 Resumo: O presente artigo busca propor uma reflexão acerca da formação continuada do professor. A princípio, é preciso conceituar o termo “formação continuada”, e abordar como esta formação se dá no país, inclusive resgatando o histórico da mesma, verificando como a legislação educacional favorece este processo. É preciso também, abordar a importância desse da formação continuada para o profissional na atualidade, apontando assim, os desafios enfrentados pelos docentes como, o domínio de novas tecnologias, as exigências da sociedade pós-moderna, bem como a necessidade cada vez mais crescente de se formar para a cidadania. É preciso sensibilizar o professor para que invista nessa em sua constante formação, pois, é de suma importância manter-se atualizado, e assim sentir-se mais preparado para enfrentar os desafios que se apresentam em sala de aula, a cada dia de trabalho. Palavras-chave: formação docente, legislação educacional, novas tecnologias. Introdução O presente artigo é fruto de pesquisa bibliográfica acerca do assunto formação continuada, bem como, representa tópicos de algumas discussões com estudantes de vários cursos de graduação, no que tange a formação para a licenciatura. Segundo Libâneo (2004, p.227), “O termo formação continuada vem acompanhado de outro, a formação inicial. A formação inicial refere-se ao ensino de conhecimentos teóricos e práticos destinados à formação profissional, completados por estágios. A formação continuada é o prolongamento da formação inicial, visando o perfeiçoamento profissional teórico e prático no próprio contexto de trabalho e o desenvolvimento de uma cultura geral mais ampla, para além do exercício profissional.” O que o autor deseja expressar no parágrafo acima, que não basta concluir um curso de 1 Trabalho apresentado no 1º Encontro de Educação do Colégio Gonçalves Dias (Nova Iguaçu - RJ). 2 Pedagoga, Especialista em Tecnologia Educacional pela Universidade Cândido Mendes. Atualmente, docente em cursos de Graduação na Faculdade Souza Marques. Coordenadora do Centro de Capacitação de Professores na Empresa Escola 24 horas.
  2. 2. Encontro Educação Colégio Gonçalves Dias 1 o de 1º Encontro de Educação do Colégio Gonçalves Dias 7 e 8 de junho de 2008 - www.gd.g12.br/eegd licenciatura e partir para a prática pedagógica, sem mais se preocupar com a formação acadêmica. Ao contrário, é preciso ter a consciência de que esta formação não acaba com a formatura e sim, fará parte de toda a sua trajetória profissional. A escola é uma instituição social, que forma, além do cidadão, o profissional do futuro. É inegável que o fato se viver atualmente na sociedade da informação e do conhecimento, vem provocando mudanças rápidas nos valores e padrões sociais. O professor, é responsável pela formação para a cidadania, portanto, precisa acompanhar essas mudanças, pois as mesmas, com certeza terão impacto sobre a sua prática. O professor precisa tomar consciência de que esse processo se tornará presente ao longo de toda vida profissional, o que o torna capaz de enriquecer a sua prática, e propiciar mudanças a nível curricular e até organizacional da escola . Muitas vezes os estudantes de cursos de licenciatura, e até colegas de profissão apontam grande dificuldade em investir na formação continuada. Porém é preciso entender que, essa resistência é provocada, no caso dos docentes mais antigos na profissão, por um movimento sócio- histórico, onde o professor não era visto como produtor de conhecimento, e sim como mero reprodutor de atividades ligadas a um currículo que não favorecia ao desenvolvimento do pensamento crítico, ou sobre os conteúdos trabalhados. Não havia prática reflexiva, ou a busca por saberes e conhecimentos como se tem a liberdade de fazer nos dias atuais. Perrenoud (1999), afirma que: “A reflexão possibilita transformar o mau-estar , a revolta, o desânimo, em problemas, os quais podem ser diagnosticados e até resolvidos com mais consciência, com mais método. Ou seja, uma prática reflexiva nas reuniões pedagógicas, nas entrevistas com a coordenação pedagógica, nos cursos de aperfeiçoamento, nos conselhos de classe, etc...- leva a uma relação ativa e não queixosa com os problemas e dificuldades.” Portanto é preciso conhecer um pouco mais sobre como essa formação docente se deu no país, verificar a influência das legislações educacionais, no incentivo ou não a essas práticas, e o que fazer para vencer a inércia e investir efetivamente na formação continuada, visando dentre outros fatores a melhoria da qualidade da educação ministrada. Essas idéias serão abordadas no decorrer deste trabalho.
  3. 3. Encontro Educação Colégio Gonçalves Dias 1 o de 1º Encontro de Educação do Colégio Gonçalves Dias 7 e 8 de junho de 2008 - www.gd.g12.br/eegd Visão histórica da formação continuada do professor no Brasil Para iniciar essa reflexão, será abordado o panorama da formação educacional do educador, a partir da década de 80. Essa foi a época da abertura política do país, o que provocou profundas transformações sociais. A escola, começou então a mudar seu pensamento, pois rompeu com o pensamento tecnicista que comandou a prática pedagógica durante os vinte anos da ditadura. Com isso, evidencia-se a discussão acerca da formação do educador, levando em consideração o seu caráter sócio-histórico, pois percebeu-se que este profissional precisava estar a par de sua realidade, para começar então, o processo de transformação da escola, que se faria presente posteriormente em toda a sociedade. Começa aí o processo de democratização escola, que inicia seu processo de transformação em espaço de construção coletiva . Inicia-se também, a luta pela formação do educador, que até então, era negligenciada pela escola tecnicista, fruto de uma sociedade marcada pelas influências capitalistas, e que favorecia a desigualdade e exclusão social, colocando a educação de qualidade como uma realidade para uma poucos favorecidos sociais, o que mantinha o status quo da classe dominante, em detrimento das classes populares; maioria da população que enfrentavam o desemprego e a exploração, sem chaces de melhorar suas condições de vida, pois não se formava para a cidadania. Embora a década de oitenta represente um marco nas mudanças de pensamento educacional, percebe-se também que a prática pedagógica da época é conteudista o que provocou um certo abandono dos debates acerca da prática reflexiva do trabalho docente, bem como do processo de democratização da escola, pois um trabalho centrado no conteúdo não favorece o desenvolvimento da formação do educando como um todo. Chegou-se então a década de noventa, denominada “Década da Educação” a formação de professores ganha uma importância em função das reformas educativas, através da promulgação da no Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB 9394/96, que alicerçavam as reformas políticas do país. O Governo Federal provém incentivo financeiro as escolas públicas, bem como determina a criação do sistema Nacional de Educação a Distância com a intenção de facilitar ao professor o acesso a formação continuada, além da distribuição de aparelhos de televisão para as escolas; iniciar a reforma curricular e fazer distribuição de livros didáticos, tudo isso visando a melhoria da qualidade da educação no país. A formação continuada é um fator de extrema importância para que isso ocorra no país, pois ela favorece não somente esse fator, como também articula formação inicial, melhoria nas condições de trabalho, salário e carreira.
  4. 4. Encontro Educação Colégio Gonçalves Dias 1 o de 1º Encontro de Educação do Colégio Gonçalves Dias 7 e 8 de junho de 2008 - www.gd.g12.br/eegd Demo (1994) propõe: “a) Capacidade de pesquisa para corresponder desde logo ao desafio construtivo do conhecimento, o que transmite em sala de aula tem que fazer parte do processo de construção do conhecimento assumir textura própria em termos de mensagem, configurar componente de projeto autônomo criativo e crítico. b) Elaboração própria para codificar pessoalmente o conhecimento que consegue criar e variar favorecendo a emergência do projeto pedagógico próprio. c) Teorização das práticas... d) Formação permanente. e) Manejo da instrumentalização eletrônica...” (pág. 54 e 55) De acordo com o que foi abordado acima, Demo acredita que o professor atual precisa ser autônomo, criativo, crítico e transformador, um profissional que se preocupe em buscar novos fazeres e novas praticas para o futuro. Para ele: “O que se espera do professor já não se resume ao formato expositivo das aulas, a fluência vernácula, à aparência externa. Precisa centralizar-se na competência estimuladora da pesquisa, incentivando com engenho e arte a gestão de sujeitos críticos e autocráticos, participantes e construtivos” Demo (1993 p. 13) A formação continuada: O que diz a legislação? Será abordado neste item a formação continuada do professor no que se refere às duas últimas LDBs, a Lei 5692/71 e a LDB atual 9394/96. A LDB 5692/71, foi promulgada em meio ao Golpe Militar. Esta Lei, e contribuiu para o tecnicismo na educação do país. Em seu Capítulo V, a lei aponta o que se deseja dos professores e especialista da educação. No texto, fica estabelecido a formação mínima exigida para o exercício do magistério nos ensinos 1º e 2º graus, nomenclatura adotada para referência a esses níveis de ensino na época. O Art. 38 da referida lei, determina que: “Os sistemas de ensino estimularão, mediante planejamento apropriado, o aperfeiçoamento e atualização constantes dos seus professores e especialistas de Educação”
  5. 5. Encontro Educação Colégio Gonçalves Dias 1 o de 1º Encontro de Educação do Colégio Gonçalves Dias 7 e 8 de junho de 2008 - www.gd.g12.br/eegd Embora o artigo estivesse presente na lei, poucas ações efetivas ocorreram acerca do investimento nesta formação, até porque, a lei não aponta formas de se efetivar essa formação na prática. Posteriormente essa Lei foi substituída pela que está em vigor atualmente – LDB 9394/96. A referida lei, fala sobre a formação continuada: “Art. 63, § III “- programas de educação continuada para os profissionais de educação dos diversos níveis. Art. 67 - Os sistemas de ensino promoverão a valorização dos profissionais da educação, assegurando-lhes, inclusive nos termos dos estatutos e dos planos de carreira do magistério público. § II - aperfeiçoamento profissional continuado, inclusive com licenciamento periódico remunerado para esse fim; § V - período reservado a estudos, planejamento e avaliação, incluído na carga de trabalho” Ou seja, a Lei 9394/96, além de incentivar os docentes a investir em sua formação continuada, assegura aos mesmos melhoria das condições de trabalho, bem como nas condições de vida desse profissional. Embora exista respaldo legal para que desenvolva a formação continuada de professores no Brasil, é preciso comparar essa prerrogativa legal, com a realidade diária dos professores de Educação Básica do país. O professor brasileiro precisa ser horista para sobreviver, o que diminui sensivelmente suas possibilidades de tempo e recurso financeiro para tal investimento. Existem também aqueles profissionais que, por uma questão de formação sócio-histórica, não vêem necessidade em se atualizar, pois acreditam que sua prática docente é eficaz, porém este mesmo profissional coloca dificuldades na relação professor - aluno, alegando que os mesmo são indisciplinados e desinteressados. Os estudantes hoje convivem com computadores, vídeo-games, internet, utilizam a linguagem virtual, que se distingue da linguagem culta, pois foi criada para ser utilizada no ciberespaço, e além do fato de, a todo instante, estarem sendo bombardeados por informações visuais, sonoras e escritas. Portanto cabe ao profissional de educação, buscar atualização constante para acompanhar e orientar seus alunos no consumo das tecnologia, e principalmente, para cumprir a importante tarefa de transformar informação em conhecimento. Como enfrentar o desafio de se investir em formação continuada no país?
  6. 6. Encontro Educação Colégio Gonçalves Dias 1 o de 1º Encontro de Educação do Colégio Gonçalves Dias 7 e 8 de junho de 2008 - www.gd.g12.br/eegd Os desafios de manter-se atualizado Vários são os desafios para que os profissionais de educação invistam efetivamente em sua formação continuada. Em primeiro lugar, é preciso falar em mudança de paradigma dos profissionais de educação. Como já se sabe, existem uma predisposição sócio- histórica que levou o professor a não investir em sua formação por quê: • O professor se via como detentor absoluto do saber. Não se desafiava esse profissional, até porque a concepção tradicional colocava o alunos com “folha em branco” a ser preenchida pelo professor, que por sua vez, acreditava ter aprendido todo o conteúdo necessário a sua prática na formação inicial, o que se devia a uma concepção diferente de sociedade; • Desvalorização do professor perante a sociedade, levando esses profissionais a trabalharem sem incentivo, o que ocasiona desânimos em crescer na profissão, além de desestimular novos profissionais a abraçarem a profissão; • Baixa remuneração do profissional de educação – essas baixas foram se acentuando ao longo do tempo e provocando até desistência de profissionais na carreira do magistério. • A pouca valorização, de algumas instituições particulares, pelo esforço que os professores fazem para custearem seus estudos e, no caso das instituições públicas, falta de acompanhamento dos cursos, com a não verificação acerca da qualidade dos mesmo, e/ou não desenvolvendo um controle efetivo de quem investe ou não em sua formação. • Em contra-partida a essas dificuldades estão os seguintes itens: • É preciso formar para a cidadania, não apenas em função das exigências legais, mas por uma exigência social. Urge que se forme cidadãos críticos e conscientes de seu papel na sociedade, para que se possa promover as transformações que a mesma clama. Esse é o papel social da escola formar para a sociedade; • Crianças e adolescentes chegam a escola impregnados do mundo externo a ela. É preciso estabelecer uma comunicação eficaz com eles e principalmente mostrar-lhes que escola é espaço vivo, e que acompanha seu mundo, sua linguagem, levando-o a entendê-lo melhor. • A escola tem a primordial função de transformar informação em conhecimento. Por isso o professor precisa apropriar-se de linguagens e códigos sócio-culturais, trazê-los para o ambiente escolar e nesse espaço discutir e construir conhecimento com os alunos. E as novas tecnologias?
  7. 7. Encontro Educação Colégio Gonçalves Dias 1 o de 1º Encontro de Educação do Colégio Gonçalves Dias 7 e 8 de junho de 2008 - www.gd.g12.br/eegd Sebe-se que os meios sociais estão impregnados por recursos tecnológico, que de certa forma beneficiam a vida na sociedade atual. Porém, é preciso também ter um olhar crítico acerca dessa tecnologia, pois hoje a grande exclusão social, também é fruto da grande exclusão digital existente no país. O mundo vive a era da globalização e esta, embora traga avanços do ponto de vista econômico e político, ao se olhar pelo ponto de vista social, esta tem reforçado as diferenças e conseqüentemente a exclusão. Com lidar com essas questões? Que papel tem a escola e os educadores frente a esse panorama sócio-político? Por que investir em formação continuada? Os professores em sua função, precisam preparar seus alunos para a cidadania e principalmente para utilizarem estas recursos tecnológicos em prol do seu bem estar social, pessoal e profissional. Para isso, os mesmo precisam investir em um processo de atualização constante, pois cabe a este profissional orientação para o uso consciente de recurso tecnológicos, bem como, educar para sustentabilidade o que envolve conscientizar a todos, para para que se faça o uso racional dos recursos naturais do planeta, entre outros assuntos urgentes na sociedade. Sabe-se que é difícil para alguns profissionais investirem em sua formação por conta de todos os fatores acima abordados. Porém se faz necessária a tomada de consciência desse profissional, acerca da sua importância na orientação das gerações mais novas no que se refere a formação para a cidadania. Professor, seu papel é de suma importância para a construção da sociedade que se deseja, uma sociedade mas justa, mais humana, mais solidária e menos excludente. Demo (1996, p. 273), afirma que: “Para encarar as competências modernas, inovadoras e humanizadoras, [o educador] deve impreterivelmente saber reconstruir conhecimentos e colocá-lo a serviço da cidadania. Assim, professor será quem, sabendo reconstruir conhecimento com qualidade formal e política, orienta o aluno no mesmo caminho. A diferença entre professor e aluno, em termos didáticos, é apenas fase de desenvolvimento, já que ambos fazem estritamente a mesma coisa. (...) Neste sentido, o professor não será mais profissional de ensino, mas da educação, pois o primeiro tende a ser instrução, treinamento, domesticação, enquanto a segunda busca a ambiência emancipatória” Portanto, é preciso ver oportunidades, em vez de dificuldades. Em termos políticos e de legislação, alguns avanços foram conquistados pelos educadores, que além dos já citados
  8. 8. Encontro Educação Colégio Gonçalves Dias 1 o de 1º Encontro de Educação do Colégio Gonçalves Dias 7 e 8 de junho de 2008 - www.gd.g12.br/eegd anteriormente, hoje se conta também com o Plano Decenal, Parâmetros Curriculares Nacionais, diretrizes curriculares nacionais para a educação básica, para a educação superior, para educação infantil, educação de jovens e adultos, educação profissional e tecnológica, avaliação do SAEB - Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica, Exame Nacional de Cursos (Provão), ENEM - Exame Nacional do Ensino Médio, descentralização, FUNDEF - Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério, Lei da Autonomia Universitária, novos parâmetros para as Instituições de Ensino Superior, são medidas que muito favorecem a uma reforma educativa, bem como, servem de incentivo para que o professorado invista em sua formação, abrindo assim caminho para novas políticas de formação, financiamento e gestão mais justa de recursos, para que os mesmo atendam as reais necessidades da educação nacional. Essas medidas buscam a melhoria da qualidade de educação, porém para que isso se efetive é preciso que os profissionais vençam a inércia, e invistam em sua formação, pois isso os tornará alem de profissionais mais qualificados, pessoas prontas para o pleno exercício de sua cidadania. Conclusões Muitos são os desafios acerca da formação continuada dos profissionais de educação no país. Como foi abordado ao longo do artigo, vários são os aspectos que contribuem para a que esse processo, não ocorra de forma satisfatória Apontam-se aqui, as dificuldades sócio-econômicas da classe de professores, a falta de tempo em função da exaustiva carga horária de trabalho desses profissionais, além da dificuldade em mudar-se de paradigma e admitir que a sociedade atual exige um outro perfil dos professores. Embora essas dificuldades sejam inegáveis, é preciso apurar o olhar e enxergar possibilidades no lugar de dificuldades. Existe um provérbio chinês que diz, “se você tirar a letra S da palavra CRISE, esta se transforma em CRIE” É preciso redescobrir o magistério, redescobrir o aluno, e a escola. Essa é uma das mais belas profissões que existem e das mais importantes, pois se contribui para a formação do médico, engenheiro, químico, biólogo... Todos esses profissionais passam pela escola básica. Esse trabalho é parte do alicerce da formação acadêmica de todos, independente da carreira que tenha escolhido seguir. Portanto, é preciso buscar caminhos e para a auto-formação, pois hoje existem vários
  9. 9. Encontro Educação Colégio Gonçalves Dias 1 o de 1º Encontro de Educação do Colégio Gonçalves Dias 7 e 8 de junho de 2008 - www.gd.g12.br/eegd recursos, principalmente a Educação à Distância, que dá a possibilidade de se estudar em qualquer lugar que se tenha um computador o televisão, além de baratear sensivelmente o custo desta formação. Além disso, é preciso lutar para que a profissão seja mais valorizada, para que se garantam condições adequadas de trabalho; melhor remuneração para a categoria, o que irá contribuir para que novos profissionais se sintam atraídos pela profissão; promoverá a integração entre formação inicial e formação continuada do professor; se criarão programas de formação continuada que atendam as reais necessidades do profissional, além de oferecer qualidade a mesma; Não esqueçam também dos recursos mais acessíveis, como jornais, revistas, livros... estes também propiciam atualização. Essas ações podem propiciar uma mudança da escola mostrada aqui, por Demo (1994, p.100): “As escolas são lugares de “decoreba” onde o aluno tangido para a domesticação, por vezes, internaliza coisas, junta na cabeça um monte de informações, aprende pedaços do conhecimento, mas não os junta, sistematiza, questiona, reconstrói, porque o próprio professor não “sabe fazer isso”.” O perfil mostrado acima, ainda se faz presente nos tempos atuais, porém não se encaixa nas exigências sociais vigentes, que necessitam de uma escola viva e de um educador produtor e organizador do conhecimento. Professor bem preparado e atualizado, planeja aulas agradáveis aos seus alunos, o que com certeza contribui para a que se ofereça a educação de qualidade que a sociedade brasileira almeja a tanto tempo. Para finalizar, fica para reflexão, uma citação de Libâneo (s/d, p. 227), afirmando que: “... a formação continuada pode possibilitar a reflexividade e a mudança nas práticas docentes, ajudando os professores a tomarem consciência das suas dificuldades, compreendendo-as e elaborando formas de enfrentá-las. De fato, não basta saber sobre as dificuldades da profissão, é preciso refletir sobre elas e buscar soluções, de preferência, mediante ações coletivas”
  10. 10. Encontro Educação Colégio Gonçalves Dias 1 o de 1º Encontro de Educação do Colégio Gonçalves Dias 7 e 8 de junho de 2008 - www.gd.g12.br/eegd Referências bibliográficas LIBÂNEO, José Carlos. Organização e Gestão da Escola – Teoria e Prática. Goiânia: Alternativa, 2004. PERRENOUD, Philippe. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médica, 1999. BRASIL, Referenciais para formação de professores, Brasília, MEC / SEF, 1999. BRASIL, Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, MEC / SEF, 1998 BRASIL, Lei de Diretrizes e Base de Educação Nacional N° 9394. Brasília, 20 de dezembro de 1996. DEMO, Pedro. Formação Permanente de Professores: educar pela pesquisa. In MENEZES, L.C. (org) Professores: Formação e Profissão. Campinas, S.P: Autores Associados, 1996. ___. Educação e Qualidade.Campinas: Papirus, 1994. ___. Desafios Modernos na Educação. Petrópolis/RJ: Vozes, 1993. DEMO, Pedro. Pesquisa: Princípios Científicos e Educativos. São Paulo. Cortez Editora, 1991. FREITAS, Helena Costa Lopes de. Formação de Professores no Brasil: 10 anos de embate entre projetos de formação. In: http://www.scielo.br/ CUNHA, José Edmilson da . Formação Continuada de Professores: Tendências e Perspectivas da Formação Docente no Brasil. In: http://www.scielo.br/

×