Rococó

3.291 visualizações

Publicada em

Aula de História da Arte sobre Rococó elaborada pela arquiteta e professora Viviane Marques

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.291
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
108
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rococó

  1. 1. RococóHistória da Arte e da Arquitetura III Viviane Marques
  2. 2. Introdução• Locais; principalmente no sul da Alemanha, Áustria e França,• Data: entre 1730 e 1780.• O nome - francês rocaille (rocha) e coquille (concha).• Para os teóricos - o rococó nada mais é do que a coroação do barroco.• Arte de refinamento primoroso e linear.• Alegria na decoração carregada, na teatralidade, na refinada artificialidade dos detalhes.• Sem a dramaticidade pesada nem a religiosidade do barroco.• A arte chinesa (chinoiserie) é usada como inspiração.• Tenta-se, pelo exagero, se comemorar a alegria de viver.• As obras sacras, em que o amor de Deus pelo homem assume agora a forma de uma infinidade de anjinhos rechonchudos.• Tudo é mais leve, como a despreocupada vida nas grandes cortes de Paris ou Viena.• Traduz uma estética ornamental que se afastou de toda ordem, regularidade e simetria e se aplicou a decoração de interiores, mobiliário, ourivesaria e objetos de uso cotidiano.• Refinado desenho de móveis, baixelas, cristais, e tudo o mais que se relacionasse com o conforto doméstico, começa a ser um tanto comum para a burguesia e nobreza.• Deram lugar ao conceito moderno do que hoje em dia conhecemos como desenho industrial.
  3. 3. Características• assimetria;• linhas suaves e graciosas;• arte voltada para o belo e comprometida com o ideal aristocrático;• elementos sensuais e eróticos;• figuras mitológicas (Classicismo);• tons pastéis na pintura;• uso abundante de formas curvas e profusão de elementos decorativos (tais como conchas, laços e flores);• leveza;• caráter intimista;• elegância.
  4. 4. Pintura• È o estilo do erotismo brincalhão das cores leves e das formas elegantes.• Aproveita os recursos do barroco, liberando-os de sua pesada dramaticidade por meio da leveza do traço e da suavidade da cor.• O homem do rococó é um cortesão, amante da boa vida e da natureza. Vive na pompa do palácio, passa o dia em seus jardins e se faz retratar tanto luxuosamente trajado nos salões de espelhos e mármores quanto em meio a primorosas paisagens bucólicas, vestido de pastorzinho.• A elegância se sobrepõe ao realismo.• As texturas se aperfeiçoam, bem como os brilhos.• Existe uma obsessão muito particular pelas sedas e rendas que envolvem as figuras.• O material preferido para obter o efeito aveludado das sedas e dos brocados, a transparência das gazes e o esfumado das perucas brancas são os tons pastéis.• As cores preferidas são as claras.• Desaparecem os intensos vermelhos e turquesa do barroco, e a tela se enche de azuis, amarelos pálidos, verdes e rosa.• As pinceladas são rápidas e suaves, movediças.• As cenas galantes de Fragonard e Boucher são as obras mais representativas desse estilo.
  5. 5. FRANÇOIS BOUCHER, A Toalete de Vênus, XVIII Museu nacional, Estocolmo, Suécia
  6. 6. FRANÇOIS BOUCHER, Cena Pastoril, XVIIIMuseu Hermitage, São Petersburgo, Rússia
  7. 7. JEAN-HONORÉ FRAGONARD, The Swing, 1767 Wallace Collection, London, England
  8. 8. JEAN-HONORÉ FRAGONARD, O beijo roubado, XVIII Museu Hermitage, São Petersburgo, Rússia
  9. 9. JEAN-HONORÉ FRAGONARD, O beijo roubado, XVIII Museu Hermitage, São Petersburgo, Rússia
  10. 10. Escultura• As colunas se retorcem e afinam, lembrando uma grinalda.• Os mármores já não se diferenciam dos trabalhos de madeira, que também são pintados como se fossem pedras calcárias.• Dourados e prateados se fundem nos ornatos de folhas e conchas.• É o exagero da assimetria no afã da ocupação total do espaço.• Deve-se destacar também que é nessa época que surge com um vigor inusitado a indústria da escultura de porcelana na Europa, material trazido do Extremo Oriente, na esteira do exotismo tão em voga nessa época.• Esse delicado material era ideal para a época, e imediatamente surgiram oficinas magistrais nessa técnica, em cidades da Itália, França, Dinamarca e Alemanha.
  11. 11. ÉTIENNE-MAURICE FALCONET, Winter, 1771 Marble; h 135 cm, Hermitage Museum, St. Petersburg, Russia
  12. 12. ÉTIENNE-MAURICE FALCONET, Flora, 1750 -1775 Mármore Branco Museu do Louvre, Paris, França
  13. 13. Arquitetura• A arquitetura rococó adquiriu importância principalmente no sul da Alemanha e na França.• Suas principais características: – Exagerada tendência para a decoração carregada, tanto nas fachadas quanto nos interiores. – As cúpulas das igrejas, menores que as das barrocas, multiplicam-se. – As paredes ficam mais claras, com tons pastel e o branco. – Guarnições douradas de ramos e flores, povoadas de anjinhos, contornam janelas ovais, servindo para quebrar a rigidez das paredes.• O mesmo acontecia com a arquitetura palaciana.• A expressão máxima - os pequenos pavilhões e abrigos de caça dos jardins: – Edificações, decoradas com molduras em forma de argolas e folhas transmitiam uma atmosfera de mundo ideal; – Surgiam no teto, imitando o céu, cenas bucólicas em tons pastel.• O Rococó é também conhecido como o "estilo da luz" devido aos seus edifícios com amplas aberturas
  14. 14. Balthasar Neumann - Kaisersaal, Palácio Episcopal – Würzburg, , Alemanha
  15. 15. Balthasar Neumann - Kaisersaal, Palácio Episcopal – Würzburg, Alemanha

×