Terceira geração romântica

552 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
552
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Terceira geração romântica

  1. 1. 3ª GERAÇÃO Poesia Romântica – Condoreira ou Social Prof.ª: Viviane de Moraes Gomes
  2. 2. Terceira Geração – o despertar da consciência crítica  O terceiro momento da poesia romântica é caracterizado pela literatura social e engajada com as causas revolucionárias do Brasil da segunda metade do século XIX. Essa vertente é influenciada diretamente pela arte política do francês Vitor Hugo, que atinge toda a Europa.
  3. 3.  O Romantismo dá uma guinada em suas propostas e, ainda que permaneça com seu tom grandiloquente e subjetivo, passou a lançar um olhar mais crítico sobre o real, deixando um pouco de lado a idealização que, até este momento, era sua marca registrada. Assim, acompanhando a onda de críticas ao novo sistema, que em nada mudou de fato a vida da maior parte dos brasileiros, os românticos dessa geração lançaram um olhar crítico sobre o real, abordando uma questão que já começava a incomodar os mais intelectualizados: a escravidão.
  4. 4. O condoreirismo
  5. 5. O condoreirismo  Os condoreiros praticaram um nacionalismo de ordem diversa, pois não exaltavam as maravilhas da pátria, mas reivindicavam liberdade, igualdade das condições sociais e independência política; defendiam, enfim, a formação de uma consciência nacional. O tom lírico não se limitava a cantar amores impossíveis ou desgraças amorosas, porque se expandia para versejar sobre o erotismo do amor ou se coletivizava para expressar as paixões pelas causas sociopolíticas.
  6. 6. CASTRO ALVES (1847-1871)  Espumas Flutuantes (1870);  A cachoeira de Paulo Afonso (1876);  Os escravos (1883);  Gonzaga ou A Revolução de Minas (drama - 1875).  Sua obra se abre em duas direções:  Poesia social - causas liberais e humanitárias.  Poesia lírica - natureza e amor sensual.
  7. 7. SOUSÂNDRADE (1832-1902)  Obras:  Obras poéticas;  O Guesa.
  8. 8. Todo camburão tem um pouco de navio negreiro – O Rappa Tudo começou quando a gente conversava Naquela esquina alí De frente àquela praça Veio os homens E nos pararam Documento por favor Então a gente apresentou Mas eles não paravam Qual é negão? qual é negão? O que que tá pegando? Qual é negão? qual é negão? É mole de ver Que em qualquer dura O tempo passa mais lento pro negão Quem segurava com força a chibata Agora usa farda Engatilha a macaca Escolhe sempre o primeiro Negro pra passar na revista Pra passar na revista Todo camburão tem um pouco de navio negreiro Todo camburão tem um pouco de navio Negreiro (...)
  9. 9. Navio Negreiro de Castro Alves por Paulo Autran

×