Os cinéfilos de plantão sabem que a década de 70
marcou o sucesso dos filmes de humor - graças aos
filmes dos Trapalhões -...
Dona Flor e seus dois maridos (1976)
Recorde de público ao levar mais de 10,7 milhões de pessoas aos cinemas, o filme
cont...
Xica da Silva (1976)
Dirigido por Carlos Diegues, a história se massa na metade do século XVIII e tem
como protagonista Ze...
Lúcio Flávio, o passageiro da agonia (1977)
Dirigido por Hector Babenco, o filme levou mais de 5 milhões de espectadores a...
Dama da Lotação (1978)
O filme conta a história de Solange (Sônia Braga) e Carlos (Nuno Leal Maia), que se
casam casam, ma...
Relembrando o cinema brasileiro dos anos 70
Relembrando o cinema brasileiro dos anos 70
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relembrando o cinema brasileiro dos anos 70

228 visualizações

Publicada em

Os cinéfilos de plantão sabem que a década de 70 marcou o sucesso dos filmes de humor - graças aos filmes dos Trapalhões - e das pornochanchadas. No entanto, a década reservou exemplares memoráveis com produções de Cacá Diegues, Hector Babenco, Bruno Barreto e outros grandes diretores, além de eternizar na memória grandes atores como Sônia Braga, Reginaldo Faria, Zezé Motta, José Wilker, Nuno Leal Maia e outros grandes nomes da dramaturgia.


Dona Flor e seus dois maridos (1976)

Recorde de público ao levar mais de 10,7 milhões de pessoas aos cinemas, o filme conta a história de Dona Flor (Sônia Braga), viúva do mulherengo e viciado em jogos Vadinho (José Wilker), mas responsável por satisfazer seus desejos sexuais. Meses após a perda do marido, Flor se casa novamente, desta vez com o pacato farmacêutico Teodoro Madureira (Mauro Mendonça). No entanto, entediada, Dona Flor passa a chamar pelo marido finado até que um dia ele aparece nu em sua cama.

Xica da Silva (1976)

Dirigido por Carlos Diegues, a história se massa na metade do século XVIII e tem como protagonista Zezé Motta, na pele da escrava Xica da Silva. No enredo, Xica seduz o milionário Walmor Chagas que a transforma em uma dama da High Society de Diamantina. Assim, a ex-escrava passa a promover luxuosas festas e banquetes, inclusive, com a exibição de grupos de teatro europeus. A ostentação fez com que a fama da nova milionária chegasse até a corte portuguesa.

Lúcio Flávio, o passageiro da agonia (1977)

Dirigido por Hector Babenco, o filme levou mais de 5 milhões de espectadores aos cinemas brasileiros. A história, que se passa nos anos 60, retrata o surgimento do Esquadrão da morte, criado para combater o crime, principalmente com a prissão de Lúcio flávio (Reginaldo Farias), um dos maiores bandidos do Rio de Janeiro.

Dama da Lotação (1978)

O filme conta a história de Solange (Sônia Braga) e Carlos (Nuno Leal Maia), que se casam casam, mas, na noite de núpcias, a mulher recusa fazer sexo. Transtornado, o marido estupra Solange, deixando uma marca na alma da mulher que segue os próximos meses sem aprofundar a intimidade entre os dois. Para provar a si mesma de que não é frígida, Solange passa a seduzir, diariamente, homens em viagens de ônibus pela cidade. Mesmo sem sentir-se culpada, a mulher passa a buscar auxílio psicológico.

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
228
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relembrando o cinema brasileiro dos anos 70

  1. 1. Os cinéfilos de plantão sabem que a década de 70 marcou o sucesso dos filmes de humor - graças aos filmes dos Trapalhões - e das pornochanchadas. No entanto, a década reservou exemplares memoráveis com produções de Cacá Diegues, Hector Babenco, Bruno Barreto e outros grandes diretores, além de eternizar na memória grandes atores como Sônia Braga, Reginaldo Faria, Zezé Motta, José Wilker, Nuno Leal Maia e outros grandes nomes da dramaturgia.
  2. 2. Dona Flor e seus dois maridos (1976) Recorde de público ao levar mais de 10,7 milhões de pessoas aos cinemas, o filme conta a história de Dona Flor (Sônia Braga), viúva do mulherengo e viciado em jogos Vadinho (José Wilker), mas responsável por satisfazer seus desejos sexuais. Meses após a perda do marido, Flor se casa novamente, desta vez com o pacato farmacêutico Teodoro Madureira (Mauro Mendonça). No entanto, entediada, Dona Flor passa a chamar pelo marido finado até que um dia ele aparece nu em sua cama.
  3. 3. Xica da Silva (1976) Dirigido por Carlos Diegues, a história se massa na metade do século XVIII e tem como protagonista Zezé Motta, na pele da escrava Xica da Silva. No enredo, Xica seduz o milionário Walmor Chagas que a transforma em uma dama da High Society de Diamantina. Assim, a ex-escrava passa a promover luxuosas festas e banquetes, inclusive, com a exibição de grupos de teatro europeus. A ostentação fez com que a fama da nova milionária chegasse até a corte portuguesa.
  4. 4. Lúcio Flávio, o passageiro da agonia (1977) Dirigido por Hector Babenco, o filme levou mais de 5 milhões de espectadores aos cinemas brasileiros. A história, que se passa nos anos 60, retrata o surgimento do Esquadrão da morte, criado para combater o crime, principalmente com a prissão de Lúcio flávio (Reginaldo Farias), um dos maiores bandidos do Rio de Janeiro.
  5. 5. Dama da Lotação (1978) O filme conta a história de Solange (Sônia Braga) e Carlos (Nuno Leal Maia), que se casam casam, mas, na noite de núpcias, a mulher recusa fazer sexo. Transtornado, o marido estupra Solange, deixando uma marca na alma da mulher que segue os próximos meses sem aprofundar a intimidade entre os dois. Para provar a si mesma de que não é frígida, Solange passa a seduzir, diariamente, homens em viagens de ônibus pela cidade. Mesmo sem sentir-se culpada, a mulher passa a buscar auxílio psicológico.

×