Exercício resistido e hipertensão arterial sistêmica

9.627 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.627
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
372
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Exercício resistido e hipertensão arterial sistêmica

  1. 1. Prescrição do Exercício Físico e Hipertensão Arterial Sistêmica Prof. Ms.Guilherme Gularte De Agostini [email_address] [email_address] [email_address]
  2. 6. Riscos e Contra-indicações e Suposições <ul><li>Hipertensão Arterial é um importante fator de risco para infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca e morte súbita. </li></ul><ul><li>Fator de Risco Primário para desenvolvimento da DAC. </li></ul><ul><li>Estudo Framingham (n=263)  pacientes com (PS= 130–139 e PD= 85–89 mmHg) possuem altas taxas de eventos cardiovasculares quando comparados com (PS= 120 e PD= 80 mmHg). </li></ul>
  3. 7. <ul><li>Indivíduos com PA (>180/105) deveriam realizar tratamento farmacológico antes de iniciar a atividade física regular (contra indicação relativa) (ACSM, 1993; Pescatello et al., 2004). </li></ul><ul><li>Realização do treinamento de força cautela (Intenso), pq a o ventrículo esquerdo pode exercer pressões superiores a (>300mmHg), qual pode ser potencialmente lesiva. </li></ul>
  4. 8. <ul><li>Tradicionalmente pacientes hipertensos são contra-indicados ao treinamento resistido  chance de eventos cerebro-vasculares (AVC); </li></ul><ul><li>Elevada PS   MVO 2  Disfunção V.E. (hipertensão) </li></ul>Riscos e Contra-indicações e Suposições
  5. 9. <ul><li>Realização com cautela dos exercícios para membros superiores devido maior resposta pressórica !!!!!!!!!!!!!!!!! </li></ul><ul><li>Efeito crônico da hipertrofia muscular   da PAM em repouso (agravamento do quadro hipertensivo) ????????????? </li></ul>Riscos e Contra-indicações e Suposições
  6. 10. <ul><li>Evitar realização da manobra de valsalva (bloqueio respiratório), qual eleva a pressão arterial, acarretando em maior risco de acidente vascular </li></ul><ul><li>Eliminar o componente estático (isométrico) do movimento  oclusão dos capilares em  % 1RM   PAM. </li></ul>Riscos e Contra-indicações e Suposições
  7. 11. Benefícios do Exercício
  8. 12. <ul><li>1) Predição de HTN futura; </li></ul><ul><li>2) Diminuição da incidência de HTN com o treinamento físico; </li></ul><ul><li>3) Diminuição da PA em repouso; </li></ul><ul><li>4) Diminuição de Riscos associados; </li></ul><ul><li>5) Hipotensão Após o Exercício. </li></ul>
  9. 13. PREDIÇÃO DE FUTURA HIPERTENSÃO <ul><li>PA repouso, histórico familiar, IMC e nível de atividade física e aptidão são geralmente aceitos como preditores de futura hipertensão. </li></ul><ul><li>Futura HTN tem sido associada com exagerada resposta pressórica durante e/ou após o exercício. </li></ul>
  10. 14. <ul><li>Indivíduos com exagerada PA em resposta ao exercício possuem 1,7 x mais chance de desenvolver HTN que pessoas com resposta pressórica normal </li></ul><ul><li>Estudo longitudinal (8 anos, n= 241), após teste de esforço, exagerado  na PD, teve significante correlação e também, preditor independente da HTN tanto em homens (4,2) como em mulheres (2,2). </li></ul>
  11. 15. Evidências da posição padrão: Anormal ou exagerada PA durante e/ou após o exercício contribui como fator de predição de futura HTN em pessoas com normal PA em repouso.
  12. 16. <ul><li>Exercício vigoroso em adultos jovens protege contra futura HTN. Duração e a itensidade foram inversamente associados com o risco de HTN (n=101). Paffenbarger et al. (200,201). </li></ul><ul><li> VO 2 máximo  1,5 x > risco de HTN quando comparados com indivíduos com  VO 2 máximo. Isso quando controlados os fatores: Idade, gênero, IMC (Blair et al.,18) </li></ul>HTN x Condicionamento Físico
  13. 17. Evidências da posição padrão Elevados níveis de condicionamento físico são associados com reduzida incidência de HTN em homens.
  14. 18. Treinamento Físico e diminuição da PA em repouso <ul><li>Em recentes meta analises, quais incluíram 29 (108), 44 (69,71), e 54 (272) trabalhos randomizados e controlados, a PA de repouso dos voluntários diminuiu numa média de: PS/ PD  4.7/3.1 mmHg (108); 3.4/2.4 mmHg (69,71), e 3.8/2.8 mmHg (272), respectivamente. </li></ul><ul><li>Diminuição da PA em repouso é maior em hipertensos que em normotensos (Kelley et al., 149). PS/PD (6/5 mm Hg) versus (2/1 mmHg) respectivamente; </li></ul>
  15. 19. <ul><li>A quantidade de exercício tem significante efeito na PA, enquanto que a intensidade do mesmo não exerce influência significativa. </li></ul><ul><li>Nem a massa corporal inicial ou a  MC associada com o treinamento possuem efeito isolado na PA (Pedersen et al., 2006). </li></ul><ul><li>A diferente resposta hemodinâmica entre exercício de endurance x resistido ilustra a melhor eficiência do primeiro em reduzir a PA de repouso. </li></ul>
  16. 21. <ul><li>O exercício de endurance possui carga de volume no miocárdio, enquanto que o resistido acarreta em estresse pressórico. </li></ul><ul><li>Em resumo: </li></ul><ul><li>O exercício de endurance é preferido para tratamento da HTN, enquanto que o exercício resistido não é recomendado como intervenção primária, mas pode ser prescrito na forma de endurance muscular. </li></ul>
  17. 22. <ul><li>Pequena diminuição de 3mmHg na PS tem sido estimada para reduzir a DAC por 5–9%, AVC em 8–14%, e todos os casos de mortalidade por 4% (247,271). </li></ul>Treinamento Físico e diminuição de Riscos Associados
  18. 23. Treinamento Físico e Resposta Hipotensora <ul><li>Recentes estudos em humanos tem demonstrado imediatamente após o exercício, significativas mudanças nos mecanismos que regulam a PAM; </li></ul><ul><li>Essas trocas resultam em hipotensão pós-exercício ( HPE) com duração de 2 horas (indivíduos saudáveis) e até 12 horas em hipertensos (9). </li></ul>
  19. 24. <ul><li>Em indivíduos normotensos, o exercício dinâmico moderado (30-60’) irá produzir queda de 5 – 10mmHg na pressão arterial após o exercício, com duração média de 2 horas. </li></ul><ul><li>Em indivíduos hipertensos, esta queda da pressão pode atingir 20 mmHg e durar até 12 horas (4,9). </li></ul>
  20. 25. <ul><li>A implicação clínica desta HPE pode estar relacionada com diminuições agudas da PAM </li></ul><ul><li>HPE (4 – 10h)   PS = 15mmHg e PD 4mmHg (Pescatello et al., 2004). </li></ul><ul><li>Hipertensos   PA p/ valores de normotensos  grande significância clínica (Pescatello et al., 2004). </li></ul>
  21. 26. <ul><li>Drogas antihipertensivas  PA na mesma quantidade (Collins et al., 1990; Collins e MacMahon, 1994; Gueyffier et al., 1997). </li></ul><ul><li>Longo prazo   30% no risco de morte cardiovascular. </li></ul><ul><li>Causas da HPE  Fatores neurais quanto mecanismos locais (5,6). </li></ul>
  22. 27. Variáveis relacionadas à Prescrição do Exercício Freqüência, Duração e Intensidade
  23. 28. <ul><li>Since 1986,[37] the recommended exercise prescription for hypertension has developed into the following:[5] </li></ul><ul><li>• mode: dynamic cardiorespiratory exercise; </li></ul><ul><li>• frequency: 3–5 sessions per week; </li></ul><ul><li>• duration: 20–60 minutes; </li></ul><ul><li>• intensity: 40–70% of maximal physical work capacity. </li></ul><ul><li>How do these variables interact </li></ul><ul><li>to lower blood pressure? </li></ul>
  24. 29. Freqüência e duração do exercício na hipertensão
  25. 31. <ul><li>Mesmo sendo encontrado  PA em repouso quando foram realizados 1 [44] e 2[45] dias por semana, 3 vezes por semana tem sido considerado como freqüência mínima para obtenção de melhores resultados.[5] </li></ul><ul><li>Altas freqüências tendem a produzir grandes reduções (não significativas), mas ajudam a combater o excesso de peso quando existente.[39] </li></ul><ul><li>Exercícios de longa duração (>30min) podem ser mais efetivos que os de duração menor. </li></ul>
  26. 33. Intensidade do Exercício na Hipertensão
  27. 35. <ul><li>Exercícios de alta intensidade podem aumentar a PA de repouso. (Hagberg et al.[46] and Tipton et al.[51]); </li></ul><ul><li>Intensidade menor que 70% VO 2 máximo exibiu grande redução na PA em 36 estudos bem controlados (Fagard e Tipton, 1994) (↓6.8/4.4 mmHg). </li></ul><ul><li>Acima de 75% VO 2 máximo não houve alteração em ambas pressões (↑3/ ↓1mmHg). </li></ul>
  28. 36. <ul><li>Em outros trabalhos recentes [19,46,51], esses dados foram confirmados: exercícios realizados (<70% VO 2 máximo) foram mais efetivos em diminuir a PA que exercícios na intensidade (>70% VO 2 máximo).[19] </li></ul><ul><li>Além disso, em intensidades acima de 75–80%, podem não serem efetivas e ainda exacerbar a HTN. [19,46,51]. </li></ul>
  29. 38. Interação entre exercícios e a medicação anti-hipertensiva
  30. 39. <ul><li>Exercício e drogas anti-hipertensivas efetivamente diminuem a PA !!! entretanto: </li></ul><ul><li>Quando combinadas o resultado será potencializado ? </li></ul><ul><li>As drogas podem diminuir a performance física? </li></ul>
  31. 40. <ul><li>3 grupos realizaram 10 semanas de treinamento aeróbio + resistido (1) Placebo; (2) Propanolol (3) Diltiazen; </li></ul><ul><li>Todos obtiveram redução da PA, sem diferença significativa entre eles, indicando nenhum efeito aditivo.(Keleman et al.,[80]; Stewart et el., [81]); </li></ul><ul><li>Grupo propranolol teve comprometimento da performance aeróbia. </li></ul>
  32. 41. <ul><li>B -Bloqueador   performance em indivíduos normais, mas  em pacientes limitados por isquemia. </li></ul><ul><li>Outro trabalho (Gordon e Duncan [82]) Propranolol (Não seletivo) e o Atenolol ( B 1 -seletivo) diminuíram a performance. </li></ul><ul><li>B-Bloqueador pode compromoter a termo-regulação durante o exercício. [82] </li></ul>
  33. 42. <ul><li>B -Bloqueador  Não indicado p/ Exercício. Entretanto caso seja prescrito (indicar seletivos). </li></ul><ul><li>Inibidores ECA, Bloqueadores dos canais de Ca 2+ , exibem menores efeitos colaterais. </li></ul><ul><li>Diuréticos deprimem pouco a performance, mas podem exacerbar arritmia fatal na presença de hipokalemia [39]. </li></ul>
  34. 43. Recomendações da Associação Americana de Reabilitação Cardiovascular e Pulmonar: Treinamento Resistido
  35. 44. <ul><li>Exercício Resistido contra-indicado (passado)  Excessiva carga pressórica no miocárdio. </li></ul><ul><li>Entretanto, segundo diversas revisões Kelley e Kelley [18] e outras [15,16,30] o Treinamento Resistido não foi associado com eventos cardiovasculares </li></ul><ul><li>Além disso  TR é essencial para melhorar as atividades do dia a dia  Indispensável na terapia da HTN. </li></ul>
  36. 45. <ul><li>No máximo, o TR deveria ser modificado para tornar-se mais seguro e efetivo na HTN. </li></ul><ul><li>A segurança do TR pode estar relacionada com programas de endurance muscular antes que de força. </li></ul><ul><li>Entretanto a PD deve ser monitorada durante o exercício ou imediatamente após. </li></ul><ul><li>Algumas vezes o término do exercício será estabelecido por resposta elevada da PD. </li></ul>
  37. 46. <ul><li>Essas limitações ocorrem quando a PD alcança valores ≥120 mmHg.[39] </li></ul><ul><li>Entretanto, mesmo atingindo estes valores, o mesmo não deverá ser interrompido, mas sim modificado. </li></ul><ul><li>O ACSM recomenda TR na forma de Circuito   cargas e  repetições, enquanto o treinamento de força  cargas e  reps. </li></ul><ul><li>Kelley and Kelley .[18], reprotaram grandes reduções na PA quando comparados TC x TF </li></ul>

×