4206240-385445<br />                   Vidas paralelas - Antropologia Urbana<br />Instituto de Ciências Sociais<br />Depar...
Socio antropologia
Socio antropologia
Socio antropologia
Socio antropologia
Socio antropologia
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Socio antropologia

4.210 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.210
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Socio antropologia

  1. 1. 4206240-385445<br /> Vidas paralelas - Antropologia Urbana<br />Instituto de Ciências Sociais<br />Departamento de Sociologia<br />Sócio – Antropologia Urbana e Rural<br />20102011<br /> Docentes: Manuel Carlos Silva<br />Discente: Vera Moreira, nº 58260<br />Antes de mais sociologia urbana segundo Durkheim é “o espaço constitui a primeira experiencia da vida e as representações do espaço estão estreitamente ligadas ao quadro social do habitat dos actores sociais. (…) a sociologia urbana deveria incidir sobre a organização social, os aspectos residenciais, a mobilidade geográfica e social, os usos do espaço urbano, as “maneiras de pensar e agir, as sociabilidades e demais praticas sócio – espaciais” (Silva, s. d: 114). O que importa realmente para este mini trabalho é perceber como diferentes modos de vida se podem desenrolar no mesmo espaço físico e geográfico, ou seja, na mesma cidade e de uma forma um pouco mais abrangente um pouco por todas as sociedades modernas. <br />Os valores, regras morais, normas de conduta, sentimentos e inclusive os próprios indivíduos alteraram - se com o passar do tempo ao longo das décadas. A par desta mudança, também o próprio espaço físico e social se readaptou às necessidades emergentes das sociedades cada vez mais globalizadas, modernizadas e ainda, com um crescente número de habitantes o que resulta em alguns casos, num crescimento desordenado do espaço físico. Segundo Giddens (2007: 598) “60 a 90 por cento da população vive em áreas urbanas. A urbanização esta a desenvolver - se rapidamente nas sociedades em desenvolvimento”. As cidades, por exemplo já não são o que eram, cresceram e alteraram – se com a passagem do tempo, para por exemplo darem uma resposta mais eficaz às necessidades emergentes dos indivíduos. <br />As sociedades modernas são assim cada vez mais heterogéneas e diversificadas e apresentam cada vez mais uma extrema divisão do trabalho. São assim, sociedades onde existem inter - relações que envolve os indivíduos colectivamente (com um mesmo objectivo, num mesmo espaço…), contudo e apesar dos indivíduos estarem envolvidos cada vez mais em relações sociais, o anonimato, o individualismo, a impessoalidade, as relações de momento, estão cada vez mais presentes no quotidiano dos indivíduos, sendo considerados como as grandes características da vida quotidiana de hoje em dia. A par destas características surgem ainda nas próprias sociedades, problemas próprios das sociedades modernas tais como a poluição, a sobrelotação do espaço físico, a pobreza e a delinquência, características estas cada vez mais disseminadas entre as sociedades modernas e ainda a prostituição, a mendicidade, os arrumadores de carros e os vendedores ambulantes. Segundo …. “Cidade é estrutura e relações sociais, economia e mercado; é política, estética e poesia (…) a vida citadina é, portanto, agitada, vertiginosa mesmo, ou monótona e repetitiva, dependendo da adesão ou não dos seus habitantes aos tempos e espaços vividos, ritmados pelos movimentos incessantes das imagens de cidade que habitam seus pensamentos em constante mutação.” <br />Este rápido crescimento das sociedades é algo ao qual se começou a dar maior destaque e importância, maioritariamente a partir dos anos 10 do século XX com a Escola de Chicago, EUA. A cidade de Chicago registou um crescimento rápido num curto período de tempo, contudo a cidade não estava preparada para receber todas as pessoas que lá chegavam, uma vez que não tinha infra-estruturas suficientemente preparadas. Isso causou problemas na cidade tais como a delinquência, os roubos, a prostituição, a sobrelotação do espaço, problemas esses que mereceram um especial interesse por parte dos sociólogos que começaram a gerar e a elaborar novas teorias relacionados com os fenómenos sociais que ocorriam na parte urbana das cidades e ainda a tentar encontrar soluções para os problemas correntes da cidade. A partir da Escola de Chicago os fenómenos ocorrentes nas sociedades modernas são compreendidos e interpretados de uma outra forma. Há fenómenos que existiram na cidade de Chicago há umas décadas que ainda hoje, e com a normal evolução das sociedades, continuam presentes nos nossos dias, como é o caso da prostituição, pobreza ou da mendicidade. <br /> <br />Diferentes modos de vida <br />Cada vez mais os habitantes das sociedades modernas são “comandados” pelo relógio, e a rotina e o stress próprios do dia-a-dia já fazem parte da sua forma de viver, esta de tal maneira enraizado que já não vivem sem tais coisas. A par desta forma exaustiva, rotineira e ocupada forma de viver nas sociedades modernas, surgem outras formas diferentes de viver onde estas características próprias da vida urbana não existem, uma vez que a forma de viver é muito diferente. São vidas que se desenrolam em paralelo da vida dita normal. São assim, modos de vida despreocupados, sem rotinas, sem preocupações, e nem as responsabilidades próprias do dia-a-dia. Refiro - me aos mendigos, aos tocadores ambulantes e as prostitutas, que apesar da evolução das sociedades ao longo do tempo, ainda fazem parte das sociedades dos dias de hoje. Porque se à umas décadas atrás – Escola de Chicago – a mendicidade, a prostituição e a pobreza estavam presentes nas sociedades daquela época, ainda hoje esses fenómenos continuam presentes um pouco por todas as sociedades. A Sociedade Portuguesa não é excepção, e ainda hoje em algumas cidades esses fenómenos continuam presentes. <br />Numa das minhas viagens a Lisboa, Lisboa cidade que, segundo Gilberto Velho (1999: 58) “possui um conjunto de traços característicos (…) que a identificam, alimentando algumas imagens bem conhecidas: banhada pelo rio Tejo, alcandorada sobre sete colinas, cantada pelo fado, festejada pelos santos populares”, não pode deixar de prestar atenção às “vidas paralelas” que se desenrolavam naquela cidade tão grande, tão heterogénea, tão modernizada, com tantas raças diversificadas, com um ritmo de vida tão agitado e por vezes tão complicado, com a poluição própria das cidades modernas e ainda com memórias e tradições tão características e próprias da cidade. A par do modo de vida aparentemente normal dos muitos indivíduos quer de Lisboa, quer de outras cidades com uma casa, um emprego, uma família… desenrolam – se paralelamente outras formas de viver, onde pelas mais diversas razoes estas preocupações com a casa, família, e o emprego não existem. Contudo, em muitos dos casos os indivíduos que habitam nas ruas e que vivem delas, já tiveram uma vida dita normal, mas por diversas razoes como o desemprego, problemas financeiros, problemas com álcool e drogas, o divórcio, uma desavença com familiares, acabaram por vir parar à rua acabando assim por serem excluídos da sociedade e por terem formas de vida diferentes dos indivíduos que têm uma vida normal. <br /> Um pouco por todo o lado há mendigos, mendigos esses que pernoitam pelos passeios, por uma qualquer esquina, pelos bancos dos jardins ou ainda pelo chão das arcadas dos prédios da cidade das “sete colinas”, apenas enrolados em cartão com um ou dois cobertores, que supostamente tapam o frio que por vezes não é o mais agradável na capital, estão expostos no inverno ao frio e à chuva e no verão ás altas temperaturas. São mendigos que talvez um dia já tenham tido uma casa, uma família, um emprego e as consequentes preocupações e responsabilidades próprias do resto da sociedade, mas que hoje em dia, por alguma razão vieram parar à rua, sobrevivendo como conseguem e com as preocupações próprias de mendigos que não são em chegar a horas ao emprego, ou preparar o jantar a horas, mas sim preocupações por exemplo, com o que comer e onde dormir para escapar o máximo ao frio. Vivem dos restos e das ajudas dos outros, sem tecto, nem chão, passam os seus dias encostados a qualquer esquina a verem os outros passar ou ainda a tentarem encontrar alguma coisa nos caixotes do lixo que dê para comer, contudo as vezes também recebem ajudas de instituições para poderem se alimentar um pouco melhor. Andam mal vestidos, com a barba por fazer, com um saco as costas com as poucas coisas que têm, e por vezes com a sua casa “ambulante” (com poucas condições) debaixo do braço de um lado para o outro. Mesmo que queiram, dificilmente passam despercebidos, uma vez que pela sua forma própria de vestir e o seu aspecto descuidado naturalmente ao deambularem pela rua despertam a atenção de qualquer um. <br />A par dos mendigos, outra “vida paralela” que se desenrola a par da vida em sociedade dita normal é a prostituição. São como os “morcegos” só andam à noite, ou pelo menos só vestem os seus fatos de “meninas da noite” e tratam da maquilhagem a rigor quando é de noite. São na sua maioria do sexo feminino e em alguns casos ate têm um emprego diurno, uma casa e uma família, contudo têm de trabalhar à noite para em muitos dos casos fazerem face a problemas financeiros, ou para terem uma vida melhor, mais desafogada economicamente “ existem aquelas que buscam a sobrevivência, mas também as que estão mais preocupadas em satisfazer as suas fantasias” (Sousa, 2000: 148). Assim têm uma vida paralela á sua e aos demais indivíduos da sociedade. Trabalham de noite, ficam na beira das estradas ou em alguns casos em sítios estratégicos à espera dos seus clientes. A idade dos clientes é variada e alguns dos seus clientes procuram apenas o prazer sexual, mas também há aqueles clientes que apenas procuram companhia de alguém, segundo Sousa (2000: 84) “ Talvez se possa entender essa estabilidade na frequência dos clientes, dentro desses intervalos de idades (…) um deles pode estar vinculado à solidão”. <br />Contudo, não são bem vistas na sociedade portuguesa uma vez que têm má – fama, e são olhadas de lado pelas mais diversas razoes. <br /> Por exemplo, em Lisboa à volta dos muros do Instituto Superior Técnico, há umas quantas meninas que lá estão todas as noites à espera dos seus clientes, e ali estão à noite ou paradas, ou sentadas ou então acompanhadas por outras meninas à espera que venham os seus clientes. Mas segundo Sousa e pelo que eu observei, a vida paralela da prostituição não parece que esteja para terminar uma vez que se elas lá estão é porque têm clientes, senão já teriam tentado uma outra vida, mais dignificante e mais aceite socialmente “ as prostitutas continuam a ser procuradas pelos clientes que esperam satisfazer necessidades e fantasias. Portanto, a prostituição não esta com “os seus dias contados”, mas adaptando – se as exigências sociais. (Sousa, 2000: 148).<br /> Alem dos mendigos, e das prostitutas, também existem um pouco por toda a parte os tocadores que andam um pouco por todas as ruas de todas as cidades e tocam os mais diversos instrumentos. Alguns tocam flauta, outros violinos ou guitarra, ou ate mesmo acordeão, e à semelhança dos outros casos referidos anteriormente e pelas mais diversas situações de vida, vêm para a rua tocar, de caixa aberta à espera que alguém lhe dê uma moeda. Tocam vários tipo de musica e ninguém pode negar que apesar de alguma desafinação que possa existir dão uma vida nova as ruas a onde param e tocam a tarde toda para poderem conseguir juntar algum dinheiro. São esses sons que vêem da rua que enchem o dia de quem por lá passa apressadamente pela rua sem em muitos casos se darem conta de uma “vida paralela à sua” que ali esta, a tentar ganhar alguma coisa numa sociedade que mal tem tempo para olhar para o lado e apreciar as coisas que a vida dá. <br />Bibliografia<br />GIDDENS, Anthony (2007), Sociologia, Fundação Calouste Gulbenkian, 6ºedição.<br />SOUSA, Francisca IInar de, (2000), O cliente: o outro lado da prostituição, AnnaBlume editora, São Paulo, 2ª edição. <br />SILVA, Manuel Carlos, s.d, “ Sociologia Rural e Urbana” – caderno de apontamentos da Unidade curricular de Sócio - Antropologia Urbana e Rural, Departamento de Sociologia, Universidade do Minho.<br /> <br />VELHO, Gilberto, 1999, Antropologia Urbana – cultura e sociedade no Brasil e em Portugal, Jorge Zahar Editor, Rio de Janeiro. <br />

×