A teoria transcultural medeleine leininger

5.217 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.217
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
96
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A teoria transcultural medeleine leininger

  1. 1. A Teoria Transcultural Medeleine Leininger Componentes: Ana Célia Bruna Larissa Ilma Jéssica Ribeiro Maria Aparecida Mônica Santos Verônica Abreu
  2. 2. • Medeleine M. Leininger bacharelou-se em 1950 em Ciências do Benedictine College e concluiu mestrado em 1953 em Ciência da Enfermagem, sendo membro da academia americana de Enfermagem. • Fundadora do Sub Campo transcultural de Enfermagem. • Professora de enfermagem e antrologia e pesquisa no atendimento humano.
  3. 3. • Teoria é um conjunto de conceitos, definições, relacionamento e hipóteses que projetam a visão sistêmica do fenômeno (POTTER, PERRY, 2006) • As Teorias de Enfermagem servem para descrever, explicar, diagnosticar ou preescrever medidas referente aos cuidados de enfermagem. O trabalho científico envolvido no desenvolvimento da teoria é tal que, uma vez identificado que uma destas teorias é relevante para uma ciência tal como a enfermagem, ela ofereci justificativa ou razão bem fundamentada sobre como é por que os enfermeiros realizam determinadas intervenções.
  4. 4. • Em 1966, ministrou o primeiro curso sobre este sub campo. • 1978, e, 1979, ela definiu a etno-Enfermagem como o estudo de crenças, valores e praticas de cuidados de Enfermagem.Em 1985, Leininger apresentou seu trabalho como teoria e, participou do primeiro Simpósio Brasileiro de Teorias de Enfermagem, em Florianópolis. • Em 1988, ofereceu mais explicações sobre suas idéias, apresentando como pressupostos que culturas diferentes percebem, conhecem e praticam cuidados de diferentes maneiras, definindo alguns conceitos, • Nascia, então, a Teoria da Universalidade e Diversalidade do Cuidado Cultural, com a primeira apresentação em 1988. • Em 1991, apresentou definições orientadoras para os conceitos de cultura, cuidado cultural, diversidade e universalidade do cuidado cultural, enfermagem, visão do mundo, dimensões da estrutura cultural e social, contexto ambiental, etno-história, sistema de cuidados genéricos, saúde, cuidado, cuidar, etc...
  5. 5. • “Enfermagem é uma profissão e uma disciplina aprendida e humanizada enfocada no fenômeno e nas atividades do cuidado humano para assistir, apoiar, ou capacitar indivíduos ou grupos a manterem ou readquirirem seu bem-estar em forma culturalmente significativa e benéficas” – definição de Madeleine. • A enfermagem é a ciência do cuidado. • O enfermeiro sempre está adequadamente preparado para enfrentar essas diferenças culturas e suas respectivas influencias no cuidar.
  6. 6. • Preservar/ Manutenção do cuidado cultural; • Ajustamento/negociação do cuidado cultural; • Repadronização/reestruturação do cuidado cultural.
  7. 7. • Leininger construiu sua teoria com base na crença de que os povos de cada cultura são capazes de conhecer e definir as maneiras, através das quais eles experimentam e percebem seu cuidado de Enfermagem, sendo também capazes de relacionar essas experiências e percepções às suas crenças e praticas gerais de saúde. • Para ela, o cuidado é uma necessidade humana essencial para o total desenvolvimento e manutenção da saúde e sobrevivência dos seres humanos em todas as culturas do mundo. • A enfermagem é uma disciplina de cuidados transculturais humanísticos e uma profissão cujo propósito maior é servir o ser humano.
  8. 8. • A pratica de cuidado é a essência e a dimensão pragmática, intelectual e unificada da profissão de enfermagem; • A administração de cuidados é uma pratica de profundas raízes culturais e requer, portanto, um conhecimento de base cultural além de suficiente capacitação para sua eficaz aplicação; • Não se pode produzir cura sem cuidados, mas pode haver cuidado sem que se produza a cura.
  9. 9. • Para Leininger, a saúde é o estado de bem-estar que é culturalmente definido, valorizado e praticado, que reflete a habilidade dos indivíduos ou grupos em realizar suas atividades diárias de forma culturalmente satisfatória. • A enfermagem é uma profissão cientifica e humanística, que é apreendida e focalizada no fenômeno do cuidado humano e em atividades que propiciem assistência, suporte, facilitação e capacitação a indivíduos ou grupos, para manter ou reaver o seu bem-estar, de uma forma culturalmente significativa e satisfatória. • A cultura, por sua vez, abrange valores, crenças, normas e praticas de vida, aprendidas, compartilhadas e transmitidas em um grupo especifico que direcionam seus pensamentos, decisões e ações em formas padronizadas.
  10. 10. • Leininger não aponta uma metodologia para executar o processo de Enfermagem, porém o modelo do sol nascente serve de guia para o planejamento e a intervenção da enfermagem e oferece instrumentos teóricos para a adaptação do objeto de trabalho. Os três primeiro níveis do modelo envolvem o reconhecimento da situação cultural, podendo ajudar a prevenir o choque da imposição cultural. • O próximo passo será reconhecer o cliente nos sistemas de saúde, de modo que a enfermagem pode se constituir em ajuda para uma interrelação entre os sistemas populares e profissionais, identificando as características universais ou comuns culturas de identificação de dados, o enfermeiro vai planejando com o cliente os cuidados que precisam ser preservados, acomodados ou reestruturados. Para Leininger, não deve haver uma declaração diagnostica por parte do enfermeiro, mas o uso de valores e praticas de cuidado especifico da cultura que devem ser usados como uma poderosa direção para a prática de enfermagem.
  11. 11. O foco estrutura conceitual de Leininger é dirigido para além da tradicional interação ou transação enfermeiro-cliente.

×