Prefeitura Municipal de Campo Grande
Secretaria Municipal de Campo Grande
Superintendência de Gestão e Políticas Educacion...
PESQUISA
PRINCÍPIO CIENTÍFICO E EDUCATIVO
TÓPICOS FRASAIS
 É possível desenhar o alcance alternativo da pesquisa, que
a torne como base não somente das lides cient...
 Nos espaços onde aparece, de modo geral, por
exemplo, mas sobretudo existe a tendência a reservá- la
para entes especiai...
PESQUISAR – O QUE É?
 O processo de pesquisa está quase sempre cercado
de ritos especiais, cujo acesso é reservado a pouc...
Tomada como marca definitiva da nossa realidade educativa
e científica, muitos estão dispostos a aceitar universidades
qu...
 Quem ensina carece pesquisar;
quem pesquisa carece ensinar.
Imagem: http://salamultiespecialdaandrea.blogspot.com.br/201...
 Pesquisa é o processo que deve aparecer em todo
trajeto educativo, como princípio educativo que é, na
base de qualquer p...
 O que conta aí é criar. Um dos instrumentos
essenciais da criação é a pesquisa. Nisto está o seu
valor também educativo,...
 Mesmo quando colocamos o desafio correto de que a
pesquisa é descoberta da realidade, trata-se de um
conceito estreito d...
 Domínio teórico significa a construção, via pesquisa, da
capacidade de relacionar alternativas explicativas, de conhecer...
 nesse sentido, pesquisa metodológica é um dos horizontes
estratégicos da pesquisa como tal, que não se restringe a
“deco...
 A PESQUISA COMO DESCOBERTA E CRIAÇÃO
 Em metodologia científica, descobrir e criar não são a mesma
coisa.
 Na descober...
 Pesquisa deve ser vista como processo social que perpassa toda
vida acadêmica e penetra na medula do professor e do alun...
 Dialogar com a realidade talvez seja a definição mais apropriada
de pesquisa, porque a apanha como princípio científico ...
 Nesta parte aplicamos ao processo de formação acadêmica na
universidade a visão de pesquisa, ressaltando sua face de
pri...
 Essas marcas expressam a impropriedade flagrante
da função de professor, banalizada na condição de
repassador barato de ...
A PESQUISA COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO
 Nesta parte buscamos questionar o espaço educativo da
pesquisa, que vamos restringir...
 É patente a relevância da educação e da pesquisa para o processo
emancipatório.
 Este tipo de educação é das poucas ofe...
 Desafio concreto será que o professor passe a elaborar suas
aulas, com mão própria, acrescentando, sempre que possível e...
 Espera-se um “profissional recriado”, muito diferente dos
vigentes, capaz de construir um projeto próprio educativo e
as...
REFERÊNCIAS:
DEMO, Pedro, 1941.
Pesquisa: Princípio científico e Educativo/ Pedro
Demo- 12 ed. – São Paulo: Cortez, 2006.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pesquisa

267 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
267
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pesquisa

  1. 1. Prefeitura Municipal de Campo Grande Secretaria Municipal de Campo Grande Superintendência de Gestão e Políticas Educacionais Divisão de Tecnologia Educacional MÓDULO III – Pesquisa, Princípio Científico e Educativo Mediador- Neiva Valadares Cursista – Vanessa Janaína Viana de Oliveira
  2. 2. PESQUISA PRINCÍPIO CIENTÍFICO E EDUCATIVO
  3. 3. TÓPICOS FRASAIS  É possível desenhar o alcance alternativo da pesquisa, que a torne como base não somente das lides científicas, mas também do processo de formação educativa, o que permitiria introduzir a pesquisa já na escola Básica, a partir do pré- escolar e considerar atividade humana processual pela vida afora. Imagem:http://maternalmente.blogspot.com.br/2009_03_01_archive.html
  4. 4.  Nos espaços onde aparece, de modo geral, por exemplo, mas sobretudo existe a tendência a reservá- la para entes especiais. A formação científica torna-se também formação educativa, quando se funda no esforço sistemático e inventivo de elaboração própria, através da qual se constrói um projeto de emancipação social e se dialoga criticamente com a realidade. A curiosidade criativa, por exemplo, encontra espaço insistente de cultivo na academia, mas é possível na escola básica e como posicionamento normal da vida.
  5. 5. PESQUISAR – O QUE É?  O processo de pesquisa está quase sempre cercado de ritos especiais, cujo acesso é reservado a poucos iluminados.  Para tanto, estuda-se metodologia, em particular técnicas de pesquisa, que ensinam como gerar, manusear e consumir dados, em contato com a realidade.
  6. 6. Tomada como marca definitiva da nossa realidade educativa e científica, muitos estão dispostos a aceitar universidades que apenas ensinam, como é o caso típico de instituições noturnas, nas quais os alunos comparecem somente para aprender e passar, e os professores, quase todos biscateiros de tempo parcial, somente dão aulas.
  7. 7.  Quem ensina carece pesquisar; quem pesquisa carece ensinar. Imagem: http://salamultiespecialdaandrea.blogspot.com.br/2012/08/professor- precisa-se-apropriar-das.html
  8. 8.  Pesquisa é o processo que deve aparecer em todo trajeto educativo, como princípio educativo que é, na base de qualquer proposta emancipatória. Se educar é sobretudo motivar a criatividade do próprio educando, para que surja o novo mestre, jamais o discípulo, a atitude de pesquisa é parte intrínseca. Desmitificar a pesquisa há de significar, então a superação de condições atuais da reprodução do discípulo, comandadas por um professor que nunca ultrapassou a condição de aluno. Precisamos reconhecer,no realismo do dia-a-dia que marca e limita pessoas e sociedades, que criar já é o processo de digestão própria, pelo menos a impressão de colorido pessoal em algo retirado de outrem.
  9. 9.  O que conta aí é criar. Um dos instrumentos essenciais da criação é a pesquisa. Nisto está o seu valor também educativo,para além da descoberta científica.  HORIZONTES MÚLTIPLOS DA PESQUISA Compreendida como capacidade de elaboração própria, a pesquisa condensa-se numa multiplicidade de horizontes no contexto científico.
  10. 10.  Mesmo quando colocamos o desafio correto de que a pesquisa é descoberta da realidade, trata-se de um conceito estreito de realidade, se a restringimos à sua manifestação empírica. O pesquisador não somente é quem sabe acumular dados mensurados, mas sobretudo quem nunca desiste de questionar a realidade, sabendo que qualquer conhecimento é apenas recorte.  “Pesquisa teórica” pode parecer algo estranho, mas olhando bem as coisas, é indispensável, como formulação de quadros explicativos de referência, burilamento conceitual, domínio de alternativas explicativas na história da ciência, capacidade de criação discursiva e analítica.
  11. 11.  Domínio teórico significa a construção, via pesquisa, da capacidade de relacionar alternativas explicativas, de conhecer seus vazios e virtudes, sua história, sua consistência, sua potencialidade, de cultivar a polêmica dialogal construtiva, de espetacular chances possíveis de caminhos outros ainda não devassados.  O bom teórico é sobretudo aquele que sabe perguntar, colocando a teoria no devido lugar: instrumentação criativa diante de realidade sempre furtiva.  Pesquisa metodológica pode parecer algo ainda mais estranho, porque predomina a expectativa de que método de aprende, não se cria.  Todo projeto sério de pesquisa contém em algum momento discussão do método, pelo menos no sentido barato de fases a serem seguidas, possíveis resultados colimados, autores que se pretende ler, interpretar, rebater, superar.
  12. 12.  nesse sentido, pesquisa metodológica é um dos horizontes estratégicos da pesquisa como tal, que não se restringe a “decorar” estatística com seus testes áridos, mas alcança a capacidade de discutir criativamente caminhos alternativos para a ciência e mesmo de criá-los.  Alguns tópicos da pesquisa metodológica poderiam ser:  Discussão crítica;  Metodologias alternativas;  Capacidade de aferir;  Capacidade de detectar;  Por fim, outro horizonte da pesquisa é a prática, por mais que as ciências sociais, contraditoriamente, possam estranhar tal postura.  Teoria e prática detêm a mesma relevância científica e constituem no fundo um todo só. Uma não substitui a outra e cada qual tem a sua lógica própria.
  13. 13.  A PESQUISA COMO DESCOBERTA E CRIAÇÃO  Em metodologia científica, descobrir e criar não são a mesma coisa.  Na descoberta criou- se conhecimento novo, não realidade nova, embora a partir daí se possa inventar usos novos do conhecimento.  O termo construção pode ser exagerado, quando indica que o cientista passa a “inventar” a realidade, sobrepondo a ela rigidez teórica ou o interesse ideológico.  Essa discussão pode mostrar o quanto a pesquisa é fundamental para descobrir e criar.  Pesquisa se define aqui sobretudo pela capacidade de questionamento, que não admite resultados definitivos, estabelecendo a provisoriedade metódica como fonte principal da renovação científica.
  14. 14.  Pesquisa deve ser vista como processo social que perpassa toda vida acadêmica e penetra na medula do professor e do aluno. A PESQUISA COMO DIÁLOGO  Uma definição pertinente de pesquisa poderia se: diálogo inteligente com a realidade, tomando-o como processo e atitude, e como integrante do cotidiano.  De outro lado, é mister fazer a aproximação devida entre pesquisar e dialogar. Pesquisar, assim, é sempre também dialogar, no sentido específico de produzir conhecimento do outro para si, e de si para o outro, dentro de um contexto comunicativo nunca de todo devassável e que sempre pode ir a pique. Uma coisa é aprender pela imitação, outra pela pesquisa. Pesquisar não somente produzir conhecimento, é sobretudo aprender a ser criativo.
  15. 15.  Dialogar com a realidade talvez seja a definição mais apropriada de pesquisa, porque a apanha como princípio científico e educativo. Imagem: http://www.usp.br/aun/imagens/Professora-com-alunos-lendo-livro.jpg DIÁLOGOS CRIATIVOS
  16. 16.  Nesta parte aplicamos ao processo de formação acadêmica na universidade a visão de pesquisa, ressaltando sua face de princípio científico.  Nossa atenção estará voltada para a pesquisa como princípio científico, sem unilateralizar a visão formal da pesquisa. A pesquisa como princípio educativo estará sempre presente, mesmo que seja contra –luz. A QUESTÃO CURRICULAR  Na grade curricular aparecem as matérias ordenadas dentro de algum princípio didático e de certa concatenação entre elas. Cumprindo esse trajeto, chega-se ao diploma e considera-se a aluno detentor de nível superior.  Fruto do mero aprender, naturalmente decaem no mero ensinar.
  17. 17.  Essas marcas expressam a impropriedade flagrante da função de professor, banalizada na condição de repassador barato de conhecimento.  A noção de professor precisa ser totalmente revista, sem recair em preciosismos importados de fora.  Assim vale perguntar: o que é professor?  pesquisador  Socializador  Motivador  Em vez do pacote didático e curricular como medida do ensino e da aprendizagem, é preciso criar condições de criatividade, via pesquisa para construir soluções, principalmente diante de problemas novos.
  18. 18. A PESQUISA COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO  Nesta parte buscamos questionar o espaço educativo da pesquisa, que vamos restringir ao ambiente da escola e da atuação do professor da educação básica.  No ambiente lúdico da criança é possível visualizar atitude de pesquisa e fomentá-la via processo educativo, como postura de questionamento criativo, desafio de inventar soluções próprias, descoberta e criação de relacionamentos alternativos, sobretudo motivação emancipatória partir de um sujeito que se recusa ser tratado como objeto. Emancipação é o processo histórico de conquista e exercício da qualidade de ator consciente e produtivo. Emancipação quer dizer recuperar o espaço próprio que outros usurparam, já que poder não é bem abundante disponível, mas apropriado no contexto do conflito social.
  19. 19.  É patente a relevância da educação e da pesquisa para o processo emancipatório.  Este tipo de educação é das poucas ofertas públicas capazes de atingir o universo social na respectiva idade e nisso guarda potencialidade central.  Pré- escolar se destina a isso, se compreendermos como lugar estratégico da conquista da autodeterminação, através de cuidados assistenciais, da estimulação psicossocial, do jogo e da educação como tal. Aí já temos, em pleno sentido, educação política, processo emancipatório, dos quais faz parte a pesquisa.  Para além da crítica, é fundamental perguntar por pistas de atuação alternativa. A primeira preocupação é repensar o “professor” e na verdade recria- lo. De mero “ensinador”- instrutor no sentido mais barato- deve passar a “mestre” Para tanto, é essencial recuperar a atitude de pesquisa, assumindo-a como conduta estrutural, a começar pelo reconhecimento de que sem ela não há como ser professor em sentido amplo.
  20. 20.  Desafio concreto será que o professor passe a elaborar suas aulas, com mão própria, acrescentando, sempre que possível e couber, pelo menos sínteses pessoais.  A aula apenas conduz a reprodução, chegando ao extremo de coibir a criação, quando o instrutor descarta o questionamento por parte do aluno.  O professor precisa investir na ideia de chegar a motivar o aluno a fazer elaboração própria, colocando isso como meta da formação.  Professor autoritário é aquele que se vale da posição de força porque lhe faltam argumentos.  Professor com autoridade, por outra, é aquele que a peso do bom exemplo impõe respeito.  Somente esse último tipo de professor pode exercer papel motivador da emancipação do aluno, pois é mestre em sentido legítimo, podendo, pois apoiar o surgimento de novos mestres.
  21. 21.  Espera-se um “profissional recriado”, muito diferente dos vigentes, capaz de construir um projeto próprio educativo e assistencial, ao mesmo tempo competente cientificamente e participativo politicamente. Educação
  22. 22. REFERÊNCIAS: DEMO, Pedro, 1941. Pesquisa: Princípio científico e Educativo/ Pedro Demo- 12 ed. – São Paulo: Cortez, 2006.

×