Fisiologia Humana - Obstrução Intestinal

4.884 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.884
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fisiologia Humana - Obstrução Intestinal

  1. 1. OBSTRUÇÃO INTESTINAL TRABALHO DE FISIOLOGIA II DOCENTE: MS. IÁCARA SANTOS BARBOSA DISCENTES: VALDECI ALVES BARBOZA SUSANE MACIEL LIBERTAS FACULDADES INTEGRADAS 3º PERÍODO DO CURSO DE ENFERMAGEM
  2. 2. INTRODUÇÃO Sempre que o conteudo luminal do intestino é impedido de progredir distalmente de maneira habitual, é denominado como um quadro de obstrução intestinal. Pode-se dividir as causas principais desta desordem em dois grupos: OBSTRUÇÕES MECANICAS OBSTRUÇÕES FUNCIONAIS
  3. 3. INTRODUÇÃO  De acordo com o Departamento de Cirurgia e Ortopedia da Faculdade de Medicina de Botucatu, a população brasileira vem apresentando mudanças nos níveis de mortalidade e fecundidade, as quais vêm caindo a uma velocidade nunca vista anteriormente.  Essa mudança de comportamento populacional à qual dá-se o nome de transição demográfica é a responsável pelo envelhecimento da população.  A medida que o número de pessoas que atingem idade avançada continua a crescer, existe necessidade associada de prover cuidados médicos eletivos e de emergência a um número cada vez maior de pacientes idosos.
  4. 4. CAUSAS  A obstrução intestinal pode acontecer por:  Causa mecânica, quando há simplesmente algo preso no meio do caminho  Íleo, uma condição em que o intestino não funciona corretamente, mas não há problemas estruturais  O íleo paralítico, também chamado de pseudo-obstrução, é uma das principais causas de obstrução intestinal em bebês e crianças.
  5. 5. CAUSAS  As causas do íleo paralítico podem incluir:  Distúrbios químicos, de eletrólitos ou de minerais (como diminuição dos níveis de potássio)  Complicações de cirurgia intra-abdominal  Redução do fornecimento de sangue à área abdominal (isquemia arterial mesentérica)  O fornecimento de sangue ao abdome é afetado  Infecção intra-abdominal  Problemas nos rins ou pulmões  Uso de certos medicamentos, especialmente narcóticos
  6. 6. CAUSAS  Causas mecânicas de obstrução intestinal podem incluir:  Crescimento anormal de tecidos  Aderências ou cicatrizes que se formam após a cirurgia  Corpos estranhos (materiais ingeridos que obstruem os intestinos)  Cálculos biliares  Hérnias  Fezes compactas (massa fecal)  Intussuscepção  Tumores bloqueando os intestinos  Volvo (intestino torcido)
  7. 7. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  DOR ABDOMINAL: Em cólica, e de forte intensidade. Obstruções mais proximais são associadas com cólicas mais freqüentes ao contrário das obstruções mais distais em que a dor ocorre em intervalos maiores
  8. 8. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  VÔMITOS: Desde o início do quadro nos casos de obstrução mais alta, e mais tardio nos casos de obstrução baixa (íleo distal ou colon).O conteúdo pode variar de bilioso ( obstruções altas) á fecalóide ( obstruções mais baixas).
  9. 9. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  DISTENSÃO ABDOMINAL: Quanto mais baixa e maior tempo decorrido da obstrução maior será a distensão abdominal
  10. 10. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  PARADA DE ELIMINAÇÃO DE GASES E FEZES: No início do processo pode haver diarréia ou poli evacuações por mecanismo reflexo. Nas obstruções mais distais haverá parada de eliminação de gases e fezes mais precocemente ( se a obstrução for completa).
  11. 11. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS SITÊMICAS: São relacionadas ao grau de obstrução ( parcial ou total), á intensidade dos vômitos e conseqüente desidratação e ainda á doença de base que causou a obstrução.
  12. 12. EXAMES COMPLEMENTARES  Hemograma  Prova de função renal  Eletrólitos  Raio x simples de abdome ( ortostatismo)  TC de abdome  Raio x contrastado do intestino delgado  Colonoscopia ou retosigmoidoscopia
  13. 13. FISIOPATOLOGIA DA OBSTRUÇÃO INTESTINAL  Gás intestinal ( nitrogênio, oxigênio, dióxido de carbono, hidrogênio, metano e sulfitos)  Líquido entérico ( 8 a 10 litros de líquido entérico)  Flora intestinal
  14. 14. ETIOLOGIA DAS OBSTRUÇÕES INTESTINAIS  INTESTINO DELGADO -Aderências congênitas ou adquiridas -Hérnias de parede abdominal -Doença de Crohn -Infecções abdominais - Outras ( intussucepção, corpo estranho,bolo de ascaris, divertículo de Meckel)
  15. 15. ETIOLOGIA DAS OBSTRUÇÕES INTESTINAIS  INTESTINO GROSSO -Carcinoma de cólon -Tumores pélvicos -Volvos -Complicações de doença diverticular
  16. 16. ETIOLOGIA DA OBSTRUÇÃO INTESTINAL
  17. 17. OBSTRUÇÃO INTESTINAL POR BRIDA  A brida pós operatória é a principal causa de obstrução intestinal. Pode ocorrer em qualquer fase do pós operatório, sendo mais freqüente a ocorrência tardia.
  18. 18. OBSTRUÇÃO INTESTINAL POR BRIDAS
  19. 19. OBSTRUÇÃO INTESTINAL POR HÉRNIAS  É a segunda causa de obstrução intestinal mecânica. Ocorre quando um segmento intestinal fica preso em um orifício herniário.
  20. 20. OBSTRUÇÃO INTESTINAL POR HÉRNIAS
  21. 21. HÉRNIA INGUINAL ENCARCERADA
  22. 22. PROCESSO INFLAMATÓRIO ABDOMINAL  APENDICITE  DIVERTÍCULITE  PERITONITE  DOENÇA DE CROHN
  23. 23. APENDICITE
  24. 24. APENDICITE
  25. 25. DIVERTÍCULO DE MECKEL MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS -Obstrução intestinal podendo vir acompanhado de hemorragia -Diverticulite -Perfuração -Tumores
  26. 26. DIVERTÍCULITE AGUDA
  27. 27. INVAGINAÇÃO INTESTINAL  A invaginação intestinal ocorre quando um segmento proximal de alça intestinal (intussusceptum) penetra num segmento distal(intussuscipiens), causando compressão vascular do mesentério, com conseqüentes edema , isquemia, necrose e, por fim, perfuração com peritonite.
  28. 28. INVAGINAÇÃO INTESTINAL  QUADRO CLÍNICO -Dor abdominal -Vômitos -Distensão abdominal -Eliminação de muco com sangue (geléia de framboesa) pelo ânus -Apatia, torpor ou coma
  29. 29. INVAGINAÇÃO INTESTINAL  EXAMES COMPLEMENTARES -Raio x de abdomen -Ultra-sonografia -Enema opaco
  30. 30. ABDOME AGUDO NA CRIANÇA -Má rotação intestinal Engloba as múltiplas alterações da rotação e da fixação do intestino. Causam diferentes graus de obstrução, podendo ser assintomáticos ou manifestar com a forma mais grave de volvo intestinal.
  31. 31. ABDOME AGUDO NA CRIANÇA  Rotação intestinal normal
  32. 32. ABDOME AGUDO NA CRIANÇA  ROTAÇÃO INTESTINAL NORMAL
  33. 33. ABDOME AGUDO NA CRIANÇA Rotação intestinal incompleta
  34. 34. ABDOME AGUDO NA CRIANÇA
  35. 35. OBSTRUÇÃO INTESTINAL POR VOLVO
  36. 36. ETIOLOGIA DAS OBSTRUÇÕES INTESTINAIS  INTESTINO GROSSO -Carcinoma de cólon -Tumores pélvicos -Volvos -Complicações de doença diverticular -Outros
  37. 37. EXAMES COMPLEMENTARES  Hemograma  Prova de função renal  Eletrólitos  Raio x simples de abdome ( ortostatismo)  TC de abdome  Raio x contrastado do intestino delgado  Colonoscopia ou retosigmoidoscopia
  38. 38. EXAMES COMPLEMENTARES  RAIO X SIMPLES DE ABDOME
  39. 39. TRATAMENTO DA OBSTRUÇÃO INTESTINAL  CLINICO  SNG descompressiva  Infusão venosa de água e eletrólitos  Antibióticos  Outros
  40. 40. TRATAMENTO CIRURGICO  Cuidados pré operatório  Cirurgia direcionada para a causa da obstrução
  41. 41. CONCLUSÃO  Diante disso tudo concluímos que as obstruções intestinais, são dadas devido ao impedimento do funcionamento normal do trato intestinal e se mostram de grande importância clínica, sejam mecânicas ou funcionais.  Sobretudo no que se diz respeito a pacientes idosos, devido à maior incidência e a maior dificuldade de recuperação, haja vista que a imunidade nos idosos se encontra debilitada, e ainda há muitas vezes complicações devido a morbidades pré existentes.  Por isso torna-se de grande importância que o diagnóstico seja feito o quanto antes, para que se possa assim evitar maiores consequências.

×