2M4 G3 - Fase D João VI

1.344 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.344
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
51
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2M4 G3 - Fase D João VI

  1. 1. Fase D. João VI<br />Valesca, Mariana Loureiro, Jéssica Ribeiro, Natália e Gabriela<br />2M4<br />
  2. 2. Pequena biografia de D João VI<br />O reinado de D. João VI<br />Fuga para o Brasil e a viagem<br />Formação do Reino Unido<br />Principios que nortearam os trabalhos do congresso<br />Por que elevar o Brasil a Reino Unido<br />Revolução do Porto<br />Retorno da Corte à Europa<br />Índice<br />
  3. 3. Pequena biografia de D. João VI<br />Filho de D. Maria I e de D. Pedro III. <br />Casou em 1785 com D. Carlota Joaquina, Infanta de Espanha, filha de Carlos IV e de Maria Luísa de Parma.<br /><ul><li>A partir de 1792, assegurou a direção dos negócios públicos, devido à doença mental da mãe. Em nome da rainha.
  4. 4. A partir de 1799 em nome próprio com o título de Príncipe Regente, sendo aclamado rei em 1816. </li></li></ul><li>O seu reinado decorre numa épocade profundas mutações à escala mundial e à escala nacional: <br />Revolução Francesa e a conseqüente guerra européia<br />Bloqueio Continental<br />Guerra com a Espanha e a perda de Olivença<br />Invasões francesas<br />Fuga da corte para o Brasil.<br />Revolução liberal<br />Independência do Brasil. <br />(onde permaneceu durante 14 anos)<br />
  5. 5. Fuga para o Brasil<br /><ul><li>Motivos</li></ul>Portugal havia desobedecido o Bloqueio Continental, pois dependia do comércio com a Inglaterra. <br />   <br /> Por esse motivo Napoleão enviou tropas para invadir Portugal.<br />
  6. 6. <ul><li>A viagem</li></ul>Os navios da esquadra portuguesa, escoltados pelos ingleses, se dispersaram devido a uma forte tempestade.<br />Em 5 Dezembro se reagruparam e em 11 de Dezembro, a frota avistou a ilha da Madeira.<br /><ul><li>Desembarcaram no Brasil sem escolta, maltrapilhos, com piolhos e assediados por negros escravos e índios.</li></li></ul><li>Formação do Reino Unido<br /><ul><li>Congresso de Viena</li></ul>Após a derrota de Napoleão em Waterloo, as monarquias européias se reuniram em Viena para discutir a redefinição do mapa político do Velho Continente - alterado em razão das Guerras Napoleônicas.<br />
  7. 7. Dois princípios nortearam os trabalhos do Congresso<br />Restauração e legitimidade:ficavam garantidas a restauração das monarquias destituídas pelas tropas francesas e a legitimidade dos governantes que estavam no poder antes do golpe do 18 de Brumário, em 1799.<br />Princípio do equilíbrio de poder e fronteiras geográficas:tentava-se manter o equilíbrio político-militar entre os países da Europa, de modo a evitar um novo movimento expansionista, como o de Napoleão. <br /><ul><li> Nessa perspectiva, era preciso garantir os limites geográficos de cada país por meio de exércitos permanentes, responsáveis por garantir a paz.</li></li></ul><li>Por que elevar o Brasil a Reino Unido?<br /><ul><li>Durante o Congresso de Viena, a família real portuguesa estava no Brasil, numa situação politicamente estranha:
  8. 8.  D. João VI governava o reino a partir de uma colônia(Brasil, Rio de Janeiro).
  9. 9.  Portanto, não estava, formalmente, dentro de seu reino, mas, sim, em uma possessão além-mar de Portugal.</li></li></ul><li><ul><li>A saída encontrada foi elevar o Brasil a Reino Unido de Portugal e Algarves, assim como o Reino Unido da Grã-Bretanha. Porém, houve uma grande contradição:
  10. 10. O Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves possuía dois centros políticos, Lisboa e Rio de Janeiro.
  11. 11. O governo do novo reino permaneceu nessa situação por mais alguns anos, quando aconteceria, em Portugal, a Revolução do Porto.</li></li></ul><li>Revolução do Porto<br />Foi um movimento liberal que acarretou conseqüências tanto na História de Portugal como na História do Brasil.<br /><ul><li> A burguesia mercantil se ressentia dos efeitos do Decreto de Abertura dos Portos às Nações Amigas (1808), que deslocara para o Brasil parte expressiva da vida econômica metropolitana.</li></li></ul><li>A guarnição do Porto, irritada com a falta de pagamento, junto com os comerciantes descontentes daquela cidade, conseguiram o apoio das camadas sociais: Clero, Nobreza e Exército português.<br />Entre as suas reivindicações, exigiram:<br /><ul><li> o imediato retorno da Corte para Portugal, visto como forma de restaurar a dignidade metropolitana; 
  12. 12.  o estabelecimento, em Portugal, de uma Monarquia constitucional;
  13. 13.  a restauração da exclusividade de comércio com o Brasil (reinstauração do Pacto Colonial). </li></li></ul><li>A junta governativa de Lord Beresford (encarregado de assuntos militares e políticos de Portugal no período de 1807-1820) foi substituída por uma junta provisória, que convocou as Cortes Gerais Extraordinárias e Constituintes da Nação Portuguesa para elaborar uma Constituição para Portugal.<br />Enquanto a carta magna estava sendo redigida, entrou em vigor uma Constituição provisória, que seguia o modelo espanhol.<br />
  14. 14. Revolução do Porto ou Revolução Liberal do Porto.<br />Como conseqüências, a Corte, à excepção de Dom Pedro I que permaneceu no Brasil na condição de Príncipe Regente, retornou a Portugal no ano de 1821 e, diante do progressivo aumento da pressão para a recolonização do Brasil, este proclamou a sua independência em 1822.<br />
  15. 15. Pressionado pelos portugueses, D. João VI resolveu voltar para Portugal, em abril de 1821. Deixou em seu lugar, no Brasil, o filho D. Pedro como príncipe regente.<br />Retorno da Corte a Portugal<br /><ul><li> A separação do Brasil foi informalmente realizada em janeiro de 1822, quando D. Pedro declarou que iria permanecer no Brasil ("Dia do Fico"), com as seguintes palavras: “Como é para o bem de todos e felicidade geral da nação, estou pronto: diga ao povo que fico. Agora só tenho a recomendar-vos união e tranquilidade.”</li>

×