Quinhentismo e barroco

841 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
841
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
26
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Quinhentismo e barroco

  1. 1. LITERATURA Professora: Valeria Nunes Quinhentismo Barroco
  2. 2. QUINHENTISMO (séc. XVI) Representa a fase inicial da literatura brasileira, pois ocorreu no começo da colonização. ►LITERATURA JESUÍTICA OU DE CATEQUESE. Seu representante: Padre José de Anchieta, com seus poemas, autos, sermões, cartas e hinos. O principal objetivo do padre, com sua produção literária, era catequizar os índios brasileiros. ►LITERATURA DE INFORMAÇÃO -Padrões estéticos medievais, principalmente nas crônicas de viagem (textos produzidos neste momento histórico e encaminhados a Portugal e Espanha). -Registro do impacto da nova terra sobre o europeu (descobridor- observador) Principal representante: Pero Vaz de Caminha (1450-1500) com sua carta a El-Rei Dom Manuel sobre o descobrimento do Brasil.
  3. 3. 1. As primeiras manifestações literárias que se  registram na Literatura Brasileira referem-se a:   a) Literatura informativa sobre o Brasil (crônica) e  literatura didática, catequética (obra dos jesuítas). b) Romances e contos dos primeiros colonizadores. c) Poesia épica e prosa de ficção. d) Obras de estilo clássico, renascentista. e) Poemas românticos indianistas. 2. Sobre a literatura produzida no primeiro século da  vida colonial brasileira, é correto afirmar que:   a) É formada principalmente de poemas narrativos e  textos dramáticos que visavam à catequese. b) Inicia com Prosopopéia, de Bento Teixeira. c) É constituída por documentos que informam  acerca da terra brasileira e pela literatura jesuítica. d) Os textos que a constituem apresentam evidente  preocupação artística e pedagógica. e) Descreve com fidelidade e sem idealizações a  terra e o homem, ao relatar as condições  encontradas no Novo Mundo.   3. A “literatura jesuíta”, nos primórdios de nossa  história:   a) tem grande valor informativo; b) marca nossa maturação clássica; c) visa à catequese do índio, à instrução do colono  e sua assistência religiosa e moral; d) está a serviço do poder real; e) tem fortes doses nacionalistas.  4. Anchieta só não escreveu:   a) um dicionário ou gramática da língua tupi; b) sonetos clássicos, à maneira de Camões, seu  contemporâneo; c) poesias em latim, portugueses, espanhol e tupi; d) autos religiosos, à maneira do teatro medieval; e) cartas, sermões, fragmentos históricos e  informações.
  4. 4. BARROCO (séc. XVII) Momento histórico: O barroco se desenvolve após o processo de Reformas Religiosas ocorrido no  século XVI na Europa.  Principais características: * Linguagem dramática: exagero no uso de figuras de linguagem, hipérboles  (exagero numa idéia expressa. Ex: Rios te correrão dos olhos, se chorares!);  metáforas (substituição de um termo por outro, criando uma dualidade de  significado. Ex: Amor é um fogo.); e antíteses (exposição de idéias opostas. Ex:  “Já estou cheio de me sentir vazio”. Renato Russo). * Dualismo de idéias. * Culto do contraste (bem-mal, Deus-Diabo...). * A busca da novidade e da surpresa, o gosto da dificuldade. Marco inicial no Brasil: poema épico Prosopopéia, de Bento Teixeira (1601). Principais autores: Gregório de Matos (1636-1696), Bento Teixeira (1561-1618),  Manuel Botelho de Oliveira (1636-1711), Padre Antonio Vieira (1608-1697), frei  Manuel de Santa Maria Itaparica (1704-1768)
  5. 5. À INSTABILIDADE DAS COUSAS DO MUNDO Nasce o Sol, e não dura mais que um dia, Depois da Luz se segue a noite escura, Em tristes sombras morre a formosura, Em continuas tristezas a alegrias, Porém, se acaba o Sol, por que nascia? Se é tão formosa a Luz, por que não dura? Como a beleza assim se transfigura? Como o gosto, da pena assim se fia? Mas no Sol, e na Luz falte a firmeza, Na formosura não se dê constância, E na alegria, sinta-se triste. Começa o mundo enfim pela ignorância A firmeza somente na inconstância. Gregório de Matos 1. No texto predominaram as imagens: a) olfativas; b) gustativas; c) auditivas; d) táteis; e) visuais. 2. A idéia central do texto é: a) a duração efêmera de todas as realidades do mundo; b) a grandeza de Deus e a pequenez humana; c) os contrastes da vida; d) a falsidade das aparências; e) a duração prolongada do sofrimento. 3. Qual é o elemento barroco mais característico da 1ª estrofe? a) disposição antitética da frase; b) cultismo; c) estrutura bimembre; d) concepção teocênctrica; e) estrutura correlativa, disseminativa e recoletiva. 4. Retire exemplos de antíteses da poesia. 5. Cite versos que comprove o título da poesia “À INSTABILIDADE DAS COUSAS DO MUNDO”.
  6. 6. Referências • http://literatusbrasilis.blogspot.com.br/2009/ 05/1-quinhentismo-barroco-arcadismo.html • http://www.coladaweb.com/exercicios- resolvidos/exercicios-resolvidos-de- portugues/quinhentismo
  7. 7. Referências • http://literatusbrasilis.blogspot.com.br/2009/ 05/1-quinhentismo-barroco-arcadismo.html • http://www.coladaweb.com/exercicios- resolvidos/exercicios-resolvidos-de- portugues/quinhentismo

×