Defesa de TCC | Fabiane Rodrigues Bessa

1.492 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.492
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Defesa de TCC | Fabiane Rodrigues Bessa

  1. 1. UNIVERSIDADE ABERTA DO SUS – UNASUSUNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTASESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIAMODALIDADE A DISTÂNCIATURMA 1 – JULHO DE 2011ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇANO MUNICÍPIO DE SANTOANTONIO DO IÇA/ AMOrientadora : Cleusa Marfiza Guimarães JaccottetAluna: Fabiane Rodrigues Bessa
  2. 2. IntroduçãoO Município de Santo Antônio do Içá possui emmédia 24.000 habitantes e esta localizado numadas regiões mais precárias do Estado doAmazonas, o acesso é somente fluvial e nãopossui nenhum tipo de serviço especializado.A UBS onde se deu a intervenção, abriga duasESF com uma media de 2.800 pessoas em cadaárea de abrangência. Os trabalhos realizadosestão fundamentalmente voltados paraprevenção de doenças e promoção da saúde.
  3. 3. IntroduçãoO acompanhamento das crianças de 0 a 6 anosde idade já era realizado, porém de forma poucasistematizada e sem nenhuma metodologia.Os Serviços de Atenção à Saúde da Criança node Município de Santo Antônio do Içá ainda estãopouco estruturados. No conjunto de ações faltaimplementação, atitude, conhecimento eprincipalmente comprometimento das Equipes.
  4. 4. OBJETIVO GERALMelhorar a atenção à saúde da criança noMunicípio de Santo Antonio do Iça/ AM
  5. 5. OBJETIVOS ESPECIFICOSAumentar a cobertura do acompanhamento docrescimento e desenvolvimento (puericultura) dascrianças residentes na área de abrangência da UBS.Melhorar a qualidade da atenção à saúde da criança.Promover educação em saúde destacando educaçãosanitária.Identificar precocemente as crianças em situação derisco.
  6. 6. Metas Acompanhar 100% das crianças de 0 a 6 anos de idade residentes naárea. Aumentar para 100% o aleitamento exclusivo no primeiro trimestre devida. Vacinar 100% das crianças que fazem puericultura. Capacitar 100% da equipe para realizar atividades de educação emsaúde. Envolver 80% das mães de crianças atendidas pelo programa depuericultura em atividades de educação em saúde. Realizar avaliação de risco em 80% das crianças atendidas peloprograma de puericultura.
  7. 7. Metodologia Levantamento das crianças de 0 a 6 anos de idaderesidentes na área de abrangência. Capacitação da equipe. Identificação das crianças na faixa etária que nãorealizavam a puericultura . Durante os quatro meses de intervenção acompanhamos eavaliamos todas as crianças que haviam sido identificadasno início.
  8. 8. Metodologia Atualização do calendário vacinal e do censo vacinal. Alcançada 99% de cobertura vacinal, o esperado para operíodo era imunizar 100% das crianças acompanhadas.
  9. 9.  Achados antropométricos : a partir do terceiro mês100% das crianças da área de abrangência foramacompanhadas.Implantação do programa de Suplementação de Ferro.Todas as crianças entre 6 e 18 meses de idade receberama suplementação de ferro, uma dose supervisionada na UBSe as demais doses no domicilio semanalmente.
  10. 10.  Realizada avaliação de risco em todas as criançasacompanhas desde o primeiro mês. Desafiosuperado, tendo em vista que, a meta prevista foialcançada. O médico nunca participou da avaliação dascrianças, e durante a intervenção a equipeconseguiu sensibilizá-lo da importância da suaparticipação, não só na puericultura como tambémem todas as atividades da UBS.
  11. 11. Resultados
  12. 12. Total de 309 crianças de 0 a 6 anos de idade naárea de abrangência.Aumento de 4.2% do primeiro para o segundomês, 2,9% do segundo para o terceiro e a partir doterceiro mês, 100% de acompanhamento.
  13. 13.  A medida que o número de criançasacompanhadas aumentou, o número de criançascom atraso no atendimento também cresceu emmédia 7%, contudo, estas crianças foramacompanhadas mesmo com atraso, o que sejustifica pela logística da região.
  14. 14.  Apesar de ter havido um aumento de 14,1%do primeiropara o segundo mês e de 1,3% do segundo para oterceiro, não conseguimos alcançar a meta de coberturavacinal, o esperado para o período era imunizar 100% dascrianças acompanhadas, porém algumas limitaçõesrelacionadas ao transporte dos imunobiológicos, devidoàs particularidades da região não possibilitaram oalcance total da meta.
  15. 15. Nenhuma das crianças de 0 a 6 anos de idadeacompanhadas foi identificada com baixo déficit depeso.
  16. 16. Nenhuma das crianças de 0 a 6 anos de idadeacompanhadas foi identificada com excesso depeso.
  17. 17. 0,6% crianças de 0 a 6 anos de idade acompanhadasforam identificadas com curva de peso estacionária eforam encaminhadas ao médico da Equipe paraavaliação.
  18. 18. 100% das crianças entre 6 e 18 meses de idadereceberam a suplementação de ferro em todos osmeses de acompanhamento, uma dosesupervisionada na UBS e as demais doses nodomicílio semanalmente, 45 crianças no primeiromês, 47 crianças no segundo mês, 47 no terceiro e 47crianças no quarto mês.
  19. 19. Foi realizada avaliação de risco em 90% dascrianças de 0 a 6 anos de idade, a meta esperadapara o período de intervenção era avaliar 80% dascrianças acompanhadas.
  20. 20. DiscussãoA intervenção realizada na minha UBS propicioua melhoria da atenção à saúde da criança na áreade abrangência.Aumentou a cobertura do acompanhamento docrescimento e desenvolvimento das crianças de 0a 6 anos de idade.Melhorou a qualidade do acolhimento e doatendimento tanto para as crianças, quanto paraas mães.Aumentou a cobertura vacinal.
  21. 21. Oportunizou o acompanhar mais de perto dascrianças em situação de risco por toda aEquipe.Propiciou a implantação do programa deSuplementação de FerroMelhorou a coleta de dados e os registros dasações realizadas, tornando o serviço maissistematizado.
  22. 22. A intervenção foi totalmente incorporada àrotina do serviço na UBS.Agora, cada membro da Equipe sabe da suafunção em relação ao acompanhamento, jáexiste uma agenda mensal estabelecida, alémda adesão das demais Equipes do Municípioao projeto.
  23. 23. Reflexão crítica sobre seu processopessoal de aprendizagem e naimplementação da intervençãoO Diagnóstico Situacional possibilitou oplanejamento e a implementação das ações deacordo com as nossas necessidades. Nunca se tinha trabalhado de forma tão metódica esistematizada.Confesso que no início não acreditei que aimplantação do programa fosse ter continuidade, hajavista que, a maioria dos profissionais estavam semmotivação.
  24. 24. Porém, à medida que a intervenção foifluindo, o interesse não só dos membros daEquipe, como também dos demais colegas edo Gestor aumentou.A sensibilização foi tamanha que ninguémficou alheio ao processo de implantação daPuericultura na UBS.
  25. 25. OBRIGADA PELAATENÇÃO

×