Jovens amazônidas

325 visualizações

Publicada em

Aspectos para a identidade cultural do jovem da Amazônia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
325
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jovens amazônidas

  1. 1. Jovens amazônidas: expressão de amor e vida Eu + cultura – a terra amazônica, os povos da Amazônia, a cultura globalizada e economizada. Amor e vida para uma Amazônia viva. RICARDO CASTRO - ITEPES E FSDB - MANAUS
  2. 2. A geografia amazônica Amazônia tem sido saqueada pelos grandes grupos financeiros durante séculos e seu povo vive em situações de miséria e exploração. Ela representa 47% do território brasileiro e corresponde a 5% da superfície da terra. Além disso, possui 20% da água doce do mundo e, apesar de ter uma importância incalculável para a humanidade, é marcada pelo sofrimento e pela degradação RICARDO CASTRO - ITEPES E FSDB - MANAUS
  3. 3. Os povos resistentes da Amazônia Na Amazônia vivem quase 20 milhões de pessoas, entre a população ribeirinha, posseiros, seringueiros, colonos e migrantes. Na Amazônia existem 270 mil indígenas além de quase mil comunidades quilombolas. Povos que lutam diariamente para sobreviver e para preservar o seu território da devastação. Os povos da Amazônia são símbolos de luta e de resistência e têm preservado um patrimônio que não é só deles, é todos nós. Esses povos são exemplos de compromisso e engajamento ambiental. RICARDO CASTRO - ITEPES E FSDB - MANAUS
  4. 4. Amazônia fonte de vida • Todos os recursos naturais estão para que o ser humano viva com dignidade. Deus assim quis e nos tornou cuidadores, administradores de sua obra. No entanto a ganância de alguns gera a desigualdade, a exploração e o sofrimento. Jesus quer vida, vida plena para todos. • Para refletir sobre a Amazônia precisamos ser realistas a respeito da situação de seus povos; precisamos pensar como usar seus recursos, sem destruí-la e sem pensar nas futuras gerações. RICARDO CASTRO - ITEPES E FSDB - MANAUS
  5. 5. Questões para refletir • O que aprendemos do povo da Amazônia e sua resistência frente a devastação ambiental? • Como podemos como jovens nos organizar e movimentar as nossas comunidades para resistir frente a exploração e degradação das riquezas naturais? • Qual a visão que temos da natureza amazônica? Como nos relacionamos com ela? • Como podemos denunciar a exploração da Amazônia lá onde nós vivemos? RICARDO CASTRO - ITEPES E FSDB - MANAUS
  6. 6. O que é a Amazônia para nós amazônidas? “Águas de todas as cores, ár­vores de todos os tamanhos, peixes de todas as formas, e um mundo sem fim oculto aos nossos olhos... Parece monótona a região para os menos atentos, mas não: ela é dinâmica­ não apresenta nenhum dia igual ao outro. O sobe e desce das águas, o silêncio ensurdecedor que em algumas áreas recria sons esquecidos, o cair das árvores, o pôr do sol, o vento, a friagem, a chuva, a ilha que se move, as migrações dos homens e dos bichos, o abraço­da­morte, o peixe que “anda” de um lago para outro, o peixe que morre afogado, o tubarão que confunde o tipo de água, mas não sua imensidão, criam, a cada dia, um desenho novo para este Eldorado que urge conhecer e está a demandar todo o cuidado da ciência.RICARDO CASTRO ­ ITEPES E FSDB ­ MANAUS
  7. 7. Amazônia como paradigma de vida A Amazônia é um paradigma com toda sua habilidade de tecer vida – biodiversidade – vida diversa que gera vida. A Amazônia não é somente uma geografia, um bioma ou um espaço de interesses geopolíticos e econômicos. Amazônia é um paradigma de vida, uma cosmovisão, um modo de se relacionar com a natureza, com Deus e o mundo. O poeta do Boi­Bumbá fala de “abrir os olhos e ver a festa da natureza que os deuses pintaram para nós – Água, terra, fauna e cultura, obra prima emoldurada de flores”. RICARDO CASTRO ­ ITEPES E FSDB ­ MANAUS
  8. 8. Mitos e Símbolos da Amazônia Nos mitos e símbolos da Amazônia, rios e águas, florestas e matas são fontes de vida e morte, devem ser reverenciados, temidos e com estes se deve tecer uma relação amorosa e afetiva. Todavia, a falta de políticas apropriadas para a Amazônia, onde ainda subsiste a força do coronelismo e do apadrinhamento, combinada com a força do capital estrangeiro madeireiro, ganadeiro, sojeiro e minerador, gera as grandes migrações ribeirinhas e indígenas para as cidades, trazendo uma série de problemáticas sociais e ambientais. A constante poluição dos grandes rios causa a morte não somente rios e peixes, mas a alma dos e das amazônidas. RICARDO CASTRO ­ ITEPES E FSDB ­ MANAUS
  9. 9. Interdependência: nós e Amazônia • É verdade que a Amazônia precisa de todos nós. Também é verdade que todos nós precisamos, e muito, da Amazônia, não só por ser ela um dos maiores filtros purificadores de ar necessários para a sobrevivência do planeta, mas, sobretudo, porque seus povos podem nos ensinar os segredos da vida para as futuras gerações. A Amazônia em sua complexa biodiversidade, em sua pluralidade étnico­cultural, em sua fascinante história, com seus desafios e possibilidades, eleva­se como um grande poema de louvor ao Deus que tudo criou. RICARDO CASTRO ­ ITEPES E FSDB ­ MANAUS
  10. 10. Contemplando a manifestação de Deus Pensar na Amazônia à luz da fraternidade requer começar pelos povos da Amazônia, que há séculos vivem e convivem nesse mundo de águas, florestas, cerrados, lagos e campos inundáveis. Pôr a Amazônia no centro de nossas atenções fraternas significa aceitar o desafio de nos deixar questionar, surpreender e envolver numa outra maneira de enxergar a natureza, a vida e nossas relações com elas e entre nós. RICARDO CASTRO ­ ITEPES E FSDB ­ MANAUS
  11. 11. Religiosidade do homem/mulher amazônicos Os povos indígenas . Um missionário católico, ao falar dessa qualidade deles, destacou que os indígenas espiritualizam a natureza e naturalizam a vida humana. Todas as formas de vida, a floresta, a água, os lagos, o solo, os rios e as cachoeiras, os animais, os pássaros, assim como o sol, a lua, o dia e a noite, as chuvas, os trovões e os raios, tudo conta com a presença de espíritos. As pessoas devem reconhecer estes espíritos e relacionar-se bem com eles, para garantir a vida de seu povo e de seu mundo. A vida das pessoas se desenvolve em convivência permanente com esta realidade espiritualizada. RICARDO CASTRO - ITEPES E FSDB - MANAUS
  12. 12. Equilibrio Na grande maioria dos mitos amazônicos existe um fundo comum que trata do desequilíbrio das relações de poder, e da necessidade de compensação. Como a natureza, tudo precisa conviver com seu oposto, em equilíbrio. Luz demais acarreta problemas e necessidade da noite e da sombra. O dia precisa da noite e vice-versa. A sombra ou a noite não contém somente o que é mau, o incontrolável e desconhecido, mas saindo do fundo do rio a noite pode conter elementos preciosos que compensa aquilo que está desequilibrado. RICARDO CASTRO - ITEPES E FSDB - MANAUS
  13. 13. Resgatar nossa alma amazônica Precisamos resgatar a parte aguerrida de nossos ancestrais índios, que além de dividirem terras brasileiras com brancos e negros, moram também em nós, no fundo de nossa estrutura antropológica. O resgate mitológico deve nos levar à luta pelos direitos em todos os âmbitos da realidade amazônica. É necessário começarmos a aprender e vivenciar a força, a vitalidade e a agressividade sadia das culturas indígenas e afro-brasileiras, que estão em todos nós. RICARDO CASTRO - ITEPES E FSDB - MANAUS
  14. 14. Desafio para juventude Aceitar quem somos. Várias culturas fazem parte dos povos que aqui habitam por milênios e outros que vieram morar aqui ao longo da colonização que fazem nascer a mestiçagem. A Teologia Amazônica será intercultural devido as três grandes bases culturais que se entrelaçam para exprimir a identidade amazônica: a cultura indígena, a cultura cabocla mestiça (ribeirinha) e cultura branca (européia). Na sua força dinâmica hoje também é preciso levar em conta o processo de urbanização, que nasce dos fluxos migratórios contemporâneos, nas cidades do interior e nas capitais da Amazônia. RICARDO CASTRO - ITEPES E FSDB - MANAUS
  15. 15. Conhecer modo adequado de como usar os recursos naturais • Sustentabilidade É a capacidade que a ação humana ou uma sociedade tem de satisfazer suas necessidades básicas por tempo indeterminado, sem colocar em risco o esgotamento, a qualidade e o uso abusivo de seus recursos naturais. Sustentabilidade Social - melhoria da qualidade de vida da população, eqüidade na distribuição de renda e de diminuição das diferenças sociais, com participação e organização popular; Sustentabilidade Cultural - respeito aos diferentes valores entre os povos e incentivo a processos de mudança que acolham as especificidades locais; RICARDO CASTRO - ITEPES E FSDB - MANAUS
  16. 16. Sustentabilidade Sustentabilidade Espacial - equilíbrio entre o rural e o urbano, equilíbrio de migrações, desconcentração das metrópoles, adoção de práticas agrícolas mais inteligentes e não agressivas à saúde e ao ambiente, manejo sustentado das florestas e industrialização descentralizada; Sustentabilidade Política - no caso do Brasil, a evolução da democracia representativa para sistemas descentralizados e participativos, construção de espaços públicos comunitários, maior autonomia dos governos locais e descentralização da gestão de recursos; Sustentabilidade Ambiental - conservação geográfica, equilíbrio de ecossistemas, erradicação da pobreza e da exclusão, respeito aos direitos humanos e integração social. Abarca todas as dimensões anteriores através de processos complexos. RICARDO CASTRO - ITEPES E FSDB - MANAUS
  17. 17. Cidadão e florestanos da Amazônia • Somos chamados a elaborar juntos um projeto popular de sociedade para a Amazônia. Isso supõe educação ambiental, consciência de nossos direitos e deveres de povos da floresta. • Valorizando a cultura milenar de nossos povos no modo de cuidar e preservar a natureza; • Adquirindo hábitos de consumo que sejam menos predadores e sejam obstáculos a mentalidade capitalista. • Estudar, ler, se informar com os mais velhos sobre a cultura amazônica (mitologia, costumes, alimentação, etc) • Elaborar campanhas de conscientização que ajude as pessoas a preservar melhor seu meio ambiente. RICARDO CASTRO - ITEPES E FSDB - MANAUS
  18. 18. Benção • Deus de infinita ternura ilumine nosso caminhar, fortaleça nossa resistência contra as forças da ganância e da destruição da vida. Derrame sobre nós sua bênção de paz, alegria e amor. Amém. RICARDO CASTRO - ITEPES E FSDB - MANAUS

×