A Polegarzinha

12.164 visualizações

Publicada em

4 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.164
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
48
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
98
Comentários
4
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Polegarzinha

  1. 1. A POLEGARZINHA Hans Christian Andersen
  2. 2. <ul><li>Era uma vez uma mulher que queria muito ter um filho, mas que não conseguia realizar este seu desejo. Um dia foi procurar uma fada e pediu-lhe: </li></ul><ul><li>- Gostava tanto de ter um filho! Ajuda-me, por favor. </li></ul><ul><li>- Isso é fácil - respondeu-lhe a fada. - Aqui tens um grão de cevada especial. É muito diferente da que cresce na seara do lavrador e é comida pelas galinhas. Planta-a num vaso de flores e repara bem no que lhe vai acontecer. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>- Obrigada - disse a mulher, dando doze moedas à fada, que era o preço do grão de cevada. </li></ul><ul><li>Regressou a casa, plantou-o, brotando logo da terra uma grande e bela flor semelhante a um botão de túlipa. </li></ul><ul><li>«Que linda flor!», disse a mulher, dando um beijo nas pétalas vermelhas e douradas; nesse mesmo instante, a flor desabrochou com um grande ruído. Via-se agora que era uma autêntica túlipa; mas no seu interior, sobre um fundo verde, estava sentada uma minúscula menina, encantadora, que teria, quando muito, a altura de um polegar. Por isso, passaram a chamar-lhe Polegarzinha. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>O berço onde dormia era uma casca de noz bem envernizada; o colchão era formado por pétalas de violeta e o cobertor era uma pétala de rosa. Aí dormia durante a noite, mas de dia brincava em cima da mesa, onde a mulher colocara um prato cheio de água, com uma grinalda de flores à volta. Nesse prato flutuava uma grande folha de tulipa sobre a qual a Polegarzinha se podia sentar e vogar em todas as direções com a ajuda de duas crinas brancas de cavalo que usava como remos. Era um encanto vê-la; além disso, a menina cantava com a voz mais suave e melodiosa que jamais tinha sido ouvida. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Uma noite, enquanto dormia, entrou no quarto, passando pelo vidro quebrado de uma janela, um sapo muito feio. O pavoroso animal, enorme e viscoso, saltou para a mesa onde dormia a Polegarzinha coberta com a pétala de rosa. «Que linda esposa para o meu filho!», pensou ele. </li></ul><ul><li>Pegou na casca de noz e, saindo pelo vidro partido, levou a menina para o jardim por onde corria um grande regato que ia dar a um pântano </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Era nesse pântano que o sapo vivia com o seu filho que, se possível, era ainda mais feio do que o pai. «Croac! Croac!», exclamou ele ao ver a encantadora menina dentro da casca de noz. </li></ul><ul><li>-Não fales tão alto porque podes acordá-la - disse o velho sapo. - Poderia fugir-nos, pois é leve como as penas de um cisne. Vamos pô-la em cima de uma folha de nenúfar, no meio do regato. Ficará ali como numa ilha e não poderá fugir. Entretanto, vamos construir a vossa casa no fundo do pântano. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Dito isto, o sapo saltou para a água, escolheu uma grande folha de nenúfar presa à margem pelo caule, e nela colocou a casca de noz onde dormia a Polegarzinha. </li></ul><ul><li>Na manhã seguinte, ao acordar, a menina viu onde estava e começou a chorar; a água rodeava-a e, por isso, não podia voltar a terra. </li></ul><ul><li>O velho sapo, depois de ter enfeitado o quarto do fundo do pântano com canas e florinhas amarelas, nadou com o filho até à folha onde se encontrava a Polegarzinha, para levar a sua caminha para o quarto. Metido dentro de água, inclinou-se profundamente diante dela e disse: </li></ul>
  8. 8. <ul><li>- Apresento-te o meu filho, teu futuro esposo. Preparei-te uma casa magnífica no fundo do pântano. </li></ul><ul><li>- Croac! Croac! - acrescentou o filho. </li></ul><ul><li>Em seguida, pegaram na cama e afastaram-se, enquanto a Polegarzinha, sozinha sobre a folha verde, chorava de desgosto, pensando no feio sapo e no casamento com o seu horroroso filho. </li></ul><ul><li>Os peixinhos tinham ouvido o que o sapo dissera e, curiosos, foram à procura da menina. Quando a encontraram, acharam-na de tal modo graciosa que resolveram impedir o seu casamento com o feio sapo. Reuniram-se em volta do caule que segurava a folha e cortaram-no com os dentes. Então, a folha transportou a menina através do regato, para tão longe que os sapos nunca mais a viram. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>À sua passagem, os pássaros iam cantando: «Que menina tão encantadora!» A folha ia flutuando cada vez para mais longe. Uma linda borboleta branca começou a voar à sua volta, e pousou sobre a folha para a admirar melhor. A menina, muito feliz por ter escapado ao sapo, extasiava-se com toda a beleza da natureza. Polegarzinha prendeu então uma ponta do seu cinto à borboleta e outra à folha. Puxada pelo insecto, a folha deslizava rapidamente sobre a água. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>De súbito, aproximou-se um grande besouro. Pegou na menina e levou-a para cima de uma árvore. A Polegarzinha estava muito assustada, mas lamentava sobretudo a sorte da bela borboleta branca que ela atara à folha e que morreria de fome se não conseguisse libertar-se do cinto. O besouro ordenou que se sentasse sobre a maior folha da árvore, ofereceu-lhe suco de flores e, embora ela não se parecesse com um besouro, elogiou muito a sua beleza. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Pouco depois, os outros besouros que habitavam a mesma árvore vieram visitá-lo. As meninas besouros, ao vê-la, abanaram as antenas e disseram: </li></ul><ul><li>- Que miséria! Só tem duas pernas. </li></ul><ul><li>- E nem sequer tem antenas - acrescentou uma delas. - É magra e parecida com um homem. Como é feia! </li></ul><ul><li>E, no entanto, a Polegarzinha era encantadora; mas, embora o besouro que a trouxera a tivesse começado por achar bela, acabou por a considerar feia e não quis saber mais dela. Mandou-a descer da árvore e colocou-a em cima de uma margarida, restituindo-lhe a liberdade. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>A menina começou a chorar, porque os besouros a tinham achado feia; no entanto, ela era imensamente bela. </li></ul><ul><li>A Polegarzinha passou o Verão sozinha, na grande floresta. Alimentava-se do suco das flores e bebia o orvalho que, pela madrugada, caía sobre as folhas. </li></ul><ul><li>Passou assim o Verão e depois o Outono. Chegou, por fim, o Inverno. Os pássaros que a tinham deliciado com os seus cantos, partiram para outros lugares. As árvores ficaram nuas, as flores murcharam e a grande folha de nenúfar que lhe tinha servido de tecto, enrolou-se sobre si mesma, transformada num talo seco e amarelo. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>A pobre menina sofria com o frio, tanto mais que as suas roupas começavam a cair em farrapos. Em breve começou a nevar e, a cada floco que lhe caía em cima, a Polegarzinha gelava ainda mais. Embrulhou-se numa folha seca, mas não conseguiu aquecer-se: estava prestes a morrer de frio. </li></ul><ul><li>Para lá da floresta havia uma grande seara de trigo, que estava agora seca e gelada. A Polegarzinha atravessou-a com dificuldade e chegou a casa da rata do campo. Bateu-lhe à porta e pediu-lhe um grão de cevada, pois há dois dias que não comia. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>- Pobre menina! -respondeu a velha rata do campo que tinha bom coração. - Vem comer comigo lá para dentro que está mais quentinho. </li></ul><ul><li>Depois, como gostou da Polegarzinha, acrescentou: </li></ul><ul><li>- Vem passar o Inverno comigo. Em troca, limpar-me-ás o quarto e contar-me-ás histórias bonitas. </li></ul><ul><li>Encantada, a menina aceitou. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>- Vamos receber uma visita - disse um dia a velha ratinha. – Tenho um vizinho que me costuma visitar todas as semanas. Vive melhor que eu: tem grandes salões e usa uma bela capa de veludo. Saía-te a sorte grande se ele quisesse casar contigo. </li></ul><ul><li>Chegou o vizinho que era, afinal, uma toupeira. Falou da sua riqueza e sobre a sua instrução. Mas a toupeira não sabia falar sobre as flores e sobre o Sol, pois nunca os tinha visto. A Polegarzinha principiou a cantar e a toupeira, encantada com a sua bela voz, desejou logo casar com ela, mas não disse nada, pois era muito bem educada. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Para agradar às suas vizinhas, convidou-as para um passeio pelas galerias que ela própria abrira, recomendando que não se assustassem com uma ave morta que lá estava desde o princípio do Inverno. </li></ul><ul><li>Da primeira vez que Polegarzinha e a rata visitaram as galerias, a toupeira foi à frente para lhes indicar o caminho. Abriu um buraco mesmo por cima do local onde se encontrava a avezinha para que a luz entrasse. Polegarzinha viu que se tratava de uma andorinha que morrera de frio. A toupeira empurrou a andorinha com as suas patas, dizendo: </li></ul>
  17. 17. <ul><li>- Esta não cantará mais! Que infelicidade nascer-se pássaro! Uma criatura como esta tem por única riqueza o seu canto e no Inverno morre de fome. </li></ul><ul><li>A Polegarzinha não disse nada, mas quando a toupeira e a rata voltaram as costas, inclinou-se sobre o corpo da ave e beijou-lhe os olhos. </li></ul><ul><li>«Talvez seja a mesma que cantou para mim durante este Verão» - pensou ela - «pobre avezinha, como tenho pena de ti!» </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Nessa noite, a Polegarzinha não conseguiu dormir. Levantou-se e teceu um bonito tapete de feno, levou-o para o corredor e estendeu-o por cima da ave morta. Depois, aconchegou-a com algodão que encontrara em casa da ratinha e apoiou a cabeça no peito da andorinha. Ergueu-se imediatamente, muito assustada, pois ouvira o coração da ave a bater levemente. Afinal a andorinha estava somente entorpecida e o calor tinha-a reanimado. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>A Polegarzinha ainda tremia de susto. Comparada com ela, cuja altura não excedia a de um dedo, a andorinha parecia um gigante. No entanto, ganhou coragem, foi buscar a folha de hortelã que lhe servia de travesseiro e colocou-a por baixo da cabeça da avezinha. </li></ul><ul><li>Na noite seguinte, a menina voltou e encontrou-a viva, mas muito fraca. </li></ul><ul><li>- Agradeço-te muito, gentil menina - disse a ave - conseguiste reanimar-me. Dentro de pouco tempo recuperarei todas as minhas forças e, em breve, conseguirei voar na direcção dos raios do sol. </li></ul>
  20. 20. <ul><li>- Lá fora faz frio, neva e está tudo gelado. Fica na caminha que eu tomo conta de ti – prometeu a menina. </li></ul><ul><li>Durante todo o Inverno, às escondidas da rata e da toupeira, a Polegarzinha tratou da andorinha com todo o seu carinho. Quando a Primavera chegou, a ave despediu-se da rapariguinha e convidou-a a ir com ela. A menina recusou, pois sabia que, se aceitasse o convite, causaria um desgosto à velha ratinha do campo. </li></ul>
  21. 21. <ul><li>Viu partir a andorinha com lágrimas nos olhos. O seu desgosto era ainda maior porque não podia sair e aquecer-se ao Sol. O trigo tinha crescido por cima da casa da ratinha dos campos. Parecia uma autêntica floresta onde ela tinha medo de se aventurar. </li></ul><ul><li>A toupeira acabou por pedi-la em casamento e a Polegarzinha teve que fiar sem descanso o seu enxoval. A rata do campo contratou quatro aranhas que teceram noite e dia. </li></ul>
  22. 22. <ul><li>A toupeira visitava-as todas as noites e falava sobre os inconvenientes do Verão, que torna a terra ardente e insuportável. Deste modo, combinaram que a boda só se realizaria no final da estação. Enquanto esperava, Polegarzinha ia muitas vezes à porta e ficava a contemplar o azul do céu, através das espigas agitadas pelo vento. Pensava na andorinha que estava longe e que talvez nunca mais voltasse. </li></ul><ul><li>Chegou o Outono e, entretanto, o enxoval ficou pronto. </li></ul><ul><li>- Dentro de quatro semanas é a boda! - Disse-lhe a ratinha. </li></ul><ul><li>A menina chorou porque não queria casar com a toupeira </li></ul>
  23. 23. <ul><li>- Que disparate! - Exclamou a ratinha. - Não sejas teimosa. Olha que te mordo! Devias considerar-te muito feliz por casares com um homem tão belo e tão rico. </li></ul><ul><li>O dia da boda chegou. A toupeira apresentou-se para levar a noiva que, daí em diante, deveria viver debaixo do chão, sem voltar a ver o Sol, porque o seu marido não o podia suportar. </li></ul><ul><li>- Adeus, belo Sol! - Disse ela, com um ar muito triste, erguendo os braços. – Adeus! Estou condenada a viver longe dos teus raios. </li></ul>
  24. 24. <ul><li>Deu alguns passos no campo ceifado e beijou uma florinha vermelha. </li></ul><ul><li>«Piu, piu!», ouviu nesse mesmo instante. Ergueu a cabeça e viu a andorinha que passava. A ave desceu rapidamente, repetindo o seu alegre piar, e pousou junto da sua amiguinha que, chorando, lhe contou que a queriam casar com a toupeira. </li></ul><ul><li>- O Inverno está a chegar - disse a andorinha. - Vou partir para as regiões quentes. Vem comigo e deixa para trás a toupeira. Iremos para lá das montanhas, onde o Sol brilha ainda mais do que aqui, onde o Verão e as flores duram o ano inteiro. </li></ul>
  25. 25. <ul><li>- Sim, irei contigo! - Respondeu a Polegarzinha. </li></ul><ul><li>Sentou-se em cima da ave e prendeu-se às penas com o auxílio de um cinto. A andorinha levantou voo e atravessou a floresta, o mar e as altas montanhas cobertas de neve. A Polegarzinha teve frio, mas aconchegou-se debaixo das penas do pássaro, deixando só a cabeça de fora para admirar a bela paisagem que ia passando. </li></ul><ul><li>Foi assim que chegaram às regiões quentes onde abundam os vinhedos, os pomares de laranjas e de limões e onde milhares de plantas maravilhosas enchem o ar com os seus aromas. </li></ul>
  26. 26. <ul><li>A andorinha parou perto de um lago azul, à beira do qual se erguia um velho castelo de mármore, rodeado de colunas onde se apoiavam magníficas parreiras. Nos telhados havia muitos ninhos. Num desses ninhos morava a andorinha. </li></ul><ul><li>- Esta é a minha casa - disse a ave. – Quanto a ti, escolhe a flor mais bela para viveres. </li></ul><ul><li>- Que felicidade! - Respondeu a Polegarzinha, batendo palmas. </li></ul><ul><li>A andorinha colocou a menina em cima de uma enorme flor, branca e perfumada. </li></ul>
  27. 27. <ul><li>Qual não foi o espanto da criança quando viu um homenzinho tão transparente como o cristal, sentado sobre a flor. Trazia na cabeça uma coroa de ouro e um par de asas brilhantes. Não era maior do que um polegar. Era o rei das flores. </li></ul><ul><li>- Como ele é belo! – Comentou a menina, em voz baixa. </li></ul><ul><li>O principezinho ficou um pouco assustado quando viu o tamanho da andorinha, mas tranquilizou-se quando viu a Polegarzinha. Achou-a muito linda e pediu-lhe que casasse com ele. </li></ul>
  28. 28. <ul><li>Polegarzinha aceitou. Os súbditos do rei saíram das flores onde viviam e trouxeram-lhe presentes maravilhosos. O mais belo, porém, foi um par de asas transparentes que tinham pertencido a uma grande mosca branca. Com elas presas às costas, a Polegarzinha podia voar de flor em flor. </li></ul><ul><li>- Daqui em diante passas a chamar-te Maia - disse o rei das flores. </li></ul><ul><li>- Adeus, adeus! - Disse a andorinha, recomeçando o seu voo com destino à Dinamarca. </li></ul>
  29. 29. <ul><li>Quando chegou à Dinamarca, dirigiu-se imediatamente para o seu ninho construído por cima da janela onde o autor destes contos a esperava. </li></ul><ul><li>«Piu, piu!», disse-lhe ela. E foi assim que ele soube de toda esta aventura. </li></ul>
  30. 30. Fim

×