A Borboleta

3.922 visualizações

Publicada em

1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.922
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Borboleta

  1. 1. A BORBOLETA Hans Christian Andersen
  2. 2. <ul><li>A borboleta queria uma noiva e, naturalmente, pretendia a mais bonita das florzinhas. Olhou para cada uma delas. Estavam silenciosas e muito discretas no seu caule, conforme convém a jovens donzelas casadoiras. Mas, como eram muitas, era muito difícil escolher. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Então a borboleta voou para junto da menina malmequer. Os franceses descobriram que esta flor possui o dom da profecia. Os namorados arrancam-lhe as pétalas uma a uma, fazendo perguntas sobre o parceiro: «Gosta de mim?», «Pouco?», «Muito?», «Nada?». Cada pessoa faz as perguntas na sua própria língua. A borboleta também a interrogou, mas em vez de lhe arrancar as pétalas, beijou-as uma a uma, pois acreditava que a gentileza dá melhores resultados: - Doce malmequer! </li></ul>
  4. 4. <ul><li>És a mulher mais inteligente de todas as flores. Diz-me, devo escolher esta ou aquela flor? Qual delas devo escolher para noiva? Assim que me responderes, voarei na sua direção e pedi-la-ei em casamento. </li></ul><ul><li>Estava-se no começo da Primavera; as campainhas brancas e os açafrões floresciam por todo o lado. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>- São muito bonitas, – disse a borboleta – mas muito jovens. </li></ul><ul><li>Preferia meninas mais velhas, como acontece com a maioria dos rapazes mais novos. Voou para junto das anêmonas, mas achou-as um pouco secas demais. As violetas eram demasiado românticas e as tulipas demasiado alegres. Os lírios eram muito plebeus, as flores de tília eram muito pequenas e, além disso, tinham muitas irmãs. É certo que as flores de macieira pareciam rosas, mas floresciam num dia e caíam no seguinte, levadas pelo vento. Seria um casamento demasiado breve. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>A flor que mais lhe agradou foi a da ervilha de cheiro. Era vermelha e branca, fina e delicada; pertencia à categoria das raparigas caseiras que são bonitas e, ao mesmo tempo, sabem cozinhar. </li></ul><ul><li>Ia pedi-la em casamento quando viu a seu lado uma vagem de ervilha com uma flor murcha na ponta. </li></ul><ul><li>- Quem é esta? – perguntou. </li></ul><ul><li>- É minha irmã – respondeu a ervilha de cheiro. </li></ul><ul><li>- Oh! É nisso que te transformarás! </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Assustada com a idéia, a borboleta voou para longe. </li></ul><ul><li>A madressilva florescia pelas encostas. Havia muitas, com faces redondas e pele amarela. Não gostou da espécie. Sim, mas afinal de contas, de quem é que ela gostava? </li></ul><ul><li>Boa pergunta! </li></ul><ul><li>A Primavera passou e o Verão também. Chegou o Outono e a borboleta estava longe de se decidir. As flores estavam agora mais bonitas, usando roupagens coloridas, mas de que lhes serviam? Faltava-lhes a frescura e o aroma da juventude e é precisamente por essa fragrância que o coração anseia quando se envelhece. As dálias não possuem qualquer aroma em particular e, por isso, a borboleta foi ver a hortelã. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>- Na verdade não tem flores, mas toda ela é uma flor, perfumada dos pés à cabeça, com um doce aroma em cada folha. Sim, é ela que desejo. </li></ul><ul><li>E, finalmente a borboleta pediu-a em casamento. </li></ul><ul><li>Porém, a hortelã ficou rígida e calada. Por fim, respondeu: </li></ul><ul><li>- Seremos amigos, se quiseres, mas nada mais. Sou velha e tu também o és. Podemos viver um para o outro, mas casar, não. Não façamos figura de tolos na nossa idade. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>E foi assim que a borboleta ficou solteira. Tinha hesitado demais, o que não é sensato. A borboleta «ficou para tia», como se costuma dizer. </li></ul><ul><li>O Outono ia já avançado e o vento frio vergava os troncos trêmulos dos pobres salgueiros, fazendo-os estalar. Quando o tempo está assim, não é nada agradável voar em traje de passeio. Mas a borboleta não voava pelos campos. Por mero acaso tinha entrado numa sala que tinha a lareira acesa. O ar estava tão quente que parecia Verão. Por isso, conseguiu manter-se viva. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>- Manter-me viva apenas, não chega – pensava a borboleta. – Faz-me falta o brilho do Sol, a liberdade e uma florzinha para amar. </li></ul><ul><li>Então voou contra o vidro da janela. As pessoas viram-na, admiraram-na, espetaram-lhe uma agulha e juntaram-na à coleção de borboletas. Foi tudo o que puderam fazer por ela. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>- Agora estou assente num caule, tal como as flores – disse a borboleta. – Não é muito agradável. É tal e qual como o casamento: está-se firmemente agarrado. </li></ul><ul><li>A borboleta consolava-se com este pensamento. </li></ul><ul><li>- Pobre consolo o dela! – Murmuraram as flores dos vasos da sala. </li></ul><ul><li>- Não me posso fiar na opinião das flores dos vasos – pensou a borboleta. – Convivem demasiado com os seres humanos. </li></ul>
  12. 12. Fim

×