21.0 INTRODUÇÃOO trabalho apresentado a seguir visa demonstrar a utilização de materiaisnaturais para o revestimento e aca...
32.PEDRAS NATURAISAs pedras naturais fazem parte do grande leque de materiais e recursosdisponíveis para a construção civi...
4Imagens 1 e 2: Muros de pedra rústicaFonte: www.globomidia.com.br3.1.1. EXECUÇÃOPara que a execução ocorra de forma corre...
53.2 REVESTIMENTO E EXECUÇÃO EM TIJOLINHOSEste tipo de revestimento ao contrario do rústico possui alto custo e maiortempo...
64. MÁRMORE E GRANITO4.1 MÁRMORERocha carbonática de origem sedimentar ou metamórfica, composta decalcita ou dolomita, com...
74.2.GRANITOO granito é uma rocha magmática formada de quartzo, feldspato e mica, comdureza acima de 6 na escala Mohs. Pos...
8Imagens 11 e 12: GranitoFonte: www.pisodegranito.com e arquitetogratis.blogspot.com4.3 COLOCAÇÃO EM PISOS E PAREDES (SEM ...
9formas de tiras e sulcos com o auxilio da desempenadeira dentada para que aaderência na parte inferior da peça seja a máx...
10é necessário informações como cotas horizontais e verticais, assim comodetalhamento das juntas de placas. Devem ser resp...
114.4.2 APLICAÇÃO DOS INSERTSA forma de aplicação desta ferramenta é muito simples: o operárioprimeiramente realiza um fur...
12com o dedo mesmo para que o produto espalha-se por entre as juntas, retira-se afita crepe e está finalizado o processo.I...
13Imagens 19 e 20: granito trincado e granito manchadoFonte: www.blogdotarso.com4.6 DIFERENÇAS ENTRE MÁRMORE E GRANITOMárm...
14especializada para uma limpeza mais profunda com ácido muriático, pois manchacom facilidade.5.1 REVESTIMENTO, ESPESSURA ...
15ocorrer fragmentos em depósitos piroclásticos. É de salientar que em certasocorrências de basaltos é possível observar u...
16• Determinados locais poderão necessitar de ações mecânicas como apicoamento,jateamento, fresamento ou aplicação de prod...
17Image 22: Piso em basaltoFonte: www.pt.made-in-china.com6.3 ASSENTAMENTO DE LAJES (PASSEIOS)Traço de 1:3 sobre a camada ...
18Imagens 24 e 25: ardósiaFonte: www.construdeia.com e www.brasil.acambiode.com7.1 LOCAIS DE UTILIZAÇÃOPor se tratar de um...
19Em áreas internas o piso deve estar nivelado e com uma argamassa deregularização com traço de 1:3, cimento e areia, espe...
20Substrato HDF-H é a parte principal composta geralmente por compensadode alta resistência, é responsável por resistir ao...
21havia sido instalada e abaixando a peça até que haja perfeição entre as peças. Nosentido transversal é necessário usar u...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02

2.093 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.093
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
170
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02

  1. 1. 21.0 INTRODUÇÃOO trabalho apresentado a seguir visa demonstrar a utilização de materiaisnaturais para o revestimento e acabamento de todo tipo de construção, seja elacomercial ou residencial. É importante sabermos e conhecermos novas técnicas deaplicações para que seus efeitos sejam alcançados tanto esteticamente quantoconfortavelmente. Buscando demonstrar métodos de execução, cuidados na horade aplicação e manuseio dos materiais, temos o objetivo de disseminar oconhecimento adquirido durante as pesquisas e leituras realizadas para a confecçãodeste material.
  2. 2. 32.PEDRAS NATURAISAs pedras naturais fazem parte do grande leque de materiais e recursosdisponíveis para a construção civil. Seu emprego é utilizado tanto por engenheiroscomo por arquitetos, sendo estudados devidamente os seus locais de aplicação eobjetivos a suprirem. Tal material pode ter seu caráter de execução de alvenaria(vedação de um murro) trazendo um aspecto mais diferenciado que os mesmos dealvenaria de blocos ou tijolos cerâmicos. Pode ser de caráter decorativo (fachadasde edificações, soleiras, peitoris) deixando um toque diferenciado das fachadas comsimples pinturas, e ainda de caráter funcional (pisos e bancadas), visando sempreas propriedades que atendam a necessidade de abrasão do local, analisandopreviamente o fluxo ocorrente no ponto aplicado, e proporcionando uma facilidadede limpeza e praticidade de sua utilização. Quando empregadas as pedras naturais,algumas propriedades precisam ser levadas em conta na hora da aquisição econferencia do material. Elas devem ser homogêneas, não devem estar fissuradasem hipótese alguma - um teste fácil de ser feito é utilizando um martelo simples eaplicando um golpe no material - e seu som obrigatoriamente precisa ser claro.Fendas nas pedras torna-se inviável a sua aplicação, dadas as propriedades deresistência estando completamente comprometidas causando até mesmo umaspecto visual não agradável. A sua resistência e porosidade precisam atender ascargas e locais de aplicação, problemas com rachaduras e umidade precisam serpensados antes do inicio dos problemas.3. REVESTIMENTOS3.1 REVESTIMENTO RÚSTICOSegundo Alberto de Campos Borges (1981), a aplicação de pedras naturaistem o objetivo de causar um efeito de revestimento rústico e é a modalidade maiseconômica possível. Neste tipo de aplicação os blocos são cortados em lajes comcerca de 6cm de espessura mas com tamanhos variados, eliminando a uniformidadee lascando as extremidades visando causar um efeito bisotê (cantos chanfrados eangulados), dado que essas extremidades terão a espessura menor que a partecentral da peça.
  3. 3. 4Imagens 1 e 2: Muros de pedra rústicaFonte: www.globomidia.com.br3.1.1. EXECUÇÃOPara que a execução ocorra de forma correta, o canteiro (executor destatécnica) procura mesclar os tamanhos de peças assentadas para que o produto finalpossua o aspecto visual desejado.Outra técnica é executar de maneira que o os blocos possuam dimensõesmaiores e os poros que ficaram entre as peças sejam preenchidas com recortesmenores de peças. Nestes casos, a técnica utilizada varia mais conforme o gosto docliente e não a questão de dificuldade de execução.Ainda segundo Alberto de Campos Borges (1981), o assentamento ocorreexatamente sobre os tijolos da alvenaria, com argamassa de cimento e areia (1:3),ou argamassa mista, cal e areia (1:3) dosada de 100kg de cimento por metro cúbico.É importante ressaltar que após a colocação da argamassa uma espessura de 8cmé acrescida à parede, tendo que ser levada em consideração na hora dodimensionamento de vãos ( entrada de carros). Para que a execução seja dequalidade, o controle sobre o espaçamento entre as peças deve ser levado emconsideração, quanto menor forem estes vazios melhor será a execução da parede.Ressaltando que o rejuntamento é executado ao mesmo tempo em que a colocaçãodos blocos, sendo assim qualquer rebarba deve ser removida ainda antes da cura,pois quando seca jamais será removida, dada a alta aderência da pedra.Um detalhe importante para se tomar cuidado é como será finalizado a partesuperior do muro. Podem ser utilizadas duas técnicas: capeamento e canjiquinha. Aprimeira consiste em colocar um bloco na parte superior de modo que duaspingadeiras sejam criadas, em uma espécie de laje em balanço. Se bem executado,esteticamente o muro fica com um acabamento de qualidade.
  4. 4. 53.2 REVESTIMENTO E EXECUÇÃO EM TIJOLINHOSEste tipo de revestimento ao contrario do rústico possui alto custo e maiortempo de execução. Isto ocorre devido ao fato de que as peças são colocadas deforma uniforme. Para que isto ocorra elas são recortadas pelo responsável dacantaria em duas dimensões constantes, a largura e a altura, tornando apenas ocomprimento inconstante. A altura do bloco pode variar de 2 a 4cm , o ideal erecomendado é o uso com 2cm , que apresenta um aspecto mais agradável, maspor outro lado justifica o maior tempo de corte e mão de obra.A execução ocorre com levantamento das fiadas no sentido horizontal,utilizando a mesma argamassa citada no item 3.1.1, a diferença, entretanto, é queneste modo de assentamento a argamassa que faz o papel também de rejunte nãoprecisa ficar exposta, denominado junta a seco.Imagens 03 e 04: TijolinhosFonte: www.benedita.olx.pt e www.pedrasrusticas.com3.3 MOSAICO DE PEDRAOutra utilização para as pedras naturais são os mosaicos de pedras,geralmente encontrado em calçadas publicas ou ate mesmo em paredes. Utilizandoo quartzito que possui alta resistência contra intempéries e associada a sua variaçãode cores, preta e branca (usualmente), é possível montar imagens do tamanho eformato desejado. A pedra São Tomé também pode ser utilizada neste tipo deacabamento.Imagens 05 e 06: Mosaicos de PedraFonte: www.ama2345decopacabana.wordpress.com e www.wdicas.com
  5. 5. 64. MÁRMORE E GRANITO4.1 MÁRMORERocha carbonática de origem sedimentar ou metamórfica, composta decalcita ou dolomita, com dureza 3. São rochas mais macias devido a pouca ouinexistência do quartzo, possuem pouca abrasão, sofrendo desgaste maisfacilmente. Possuem baixa resistência a agentes intempéricos, é durável e resiste aimpacto. O mármore aceita todo tipo de tratamento (polimento e restauração), podeser limpo com água e sabão neutro. Seu acabamento pode ser liso ou ásperodependendo do tipo de utilização.4.1.1 LOCAIS DE APLICAÇÃOCozinha: Por ser um material composto de carbonatos seu uso em bancadas emcozinhas torna-se completamente inviável, visto o fato de que quando o mesmo estáem contato com ácidos provoca manchas na pedra, destruindo esteticamente abancada.Banheiro: Não existe nenhuma restrição quanto ao seu uso em paredes e pisos,com exceção do piso do boxe que deve ser evitado a sua utilização.Piso interior: No interior da casa se não houver muito fluxo de pessoas, não existerestrição nenhuma, apenas deve se tomar o cuidado de que a base tenha uma boaimpermeabilização.Piso e parede externa: seu uso é completamente não recomendado, devido a suafraqueza perante a chuva e por ser um material com pouca abrasividade.Parede Interna: Seu uso é recomendado, pois possui um peso mais leve que asdemais pedras do mercado.Imagens 7 e 8: MármoresFonte: www.belyeventos.wordpress.com e www.magmastone.com.br
  6. 6. 74.2.GRANITOO granito é uma rocha magmática formada de quartzo, feldspato e mica, comdureza acima de 6 na escala Mohs. Possui alta resistência e boa abrasão. Pode serpolido, lustrado, apicoado, levigado e flameado, variando conforme a sua utilização.São encontrados em vários tipos de cores (cinza, azul , preto , amarelo , verde evermelho) dependo a predominância dos minerais compostos. Para sua limpeza éutilizado água e sabão neutro. Qualquer substancia derramada sob a pedra deve serremovida com pano úmido imediatamente.4.2.1 LOCAIS DE APLICAÇÃOCozinha: Indicado principalmente para bancadas. Os vermelhos e pretos são maisresistentes que os cinzas.Banheiro: Indicado principalmente para bancadas. Os vermelhos e pretos são maisresistentes que os cinzas.Piso interno: Não há contra indicações, apenas que tenha uma baseimpermeabilizada, alguns autores recomendam não utiliza-lo no andar térreo.Piso Externo: Pode ser utilizado porem seu acabamento precisa ser antiderrapantepor motivos de segurança.Parede Interna: Não é recomendada devido ao seu peso ser muito elevado.Parede externa: É aconselhado , porem se em peças muito grandes o uso de insertsé necessário, tornando uma parede ventilada com ótima aparecencia. Utilizadamuito em fechadas de edificações.È utilizado em soleiras, peitoris de esquadrias e acabamentos de escadarias.Imagens 9 e 10: GranitoFonte: e www.housepreview.wordpress.com
  7. 7. 8Imagens 11 e 12: GranitoFonte: www.pisodegranito.com e arquitetogratis.blogspot.com4.3 COLOCAÇÃO EM PISOS E PAREDES (SEM USO DE ANCORAGEM)A colocação deve ser feita apenas por profissionais qualificados, por isso,caso o fornecedor não execute a instalação, peça a indicação de colocadoresespecializados. Irão precisar de areia, cimento, argamassa colante e todo o materialnecessário para reajuste e proteção do piso. Para revestir pisos de cozinhas,banheiros e lavabos, é importante certificar-se de que o contra piso foiimpermeabilizado e nunca assentar o material úmido, pois dificultará a colocaçãodas peças e a eliminação de umidades das mesmas.Antes de assentar as placas, faça uma pré-montagem espalhando as peçaspelo chão, a fim de escolher o posicionamento mais adequado de cada umadevendo-se seguir o sentido dos veios. Assim, as peças que destoam do conjuntodevem ser colocadas em locais de difícil visualização atrás da porta ou em recortes,por exemplo. Ao contrário do cimento-cola, produto industrializado comprado pronto,a argamassa é feita na obra. Antes de fazer a mistura é importante peneirar a areiapara evitar que fragmentos de ferro oxidem as pedras. O cálculo aproximado demassa por m² é de 12 Kg. Durante o assentamento os dedos da mão são usadospara pressionar a peça e o martelo de borracha é utilizado para realizar as batidasna peça evitando que a mesma seja danificada com pancadas.Para que seja seguido um alinhamento perfeito a utilização de linha marcandoa primeira e ultima peça é indispensável, assim como no assentamento de parede asua utilização também é de suma importância.Cuidados com o nível das peças é deextrema importância, podem ocorrer variações milimétricas na mesma peça e estadiferença precisa ser compensada na argamassa. A mesma deve ser espalhada em
  8. 8. 9formas de tiras e sulcos com o auxilio da desempenadeira dentada para que aaderência na parte inferior da peça seja a máxima possível, evitando deixar pontosocos da peça, por falta de material colante.Para que o acabamento seja de qualidade, deve-se tomar cuidado com asrebarbas de argamassa, evitando que a mesma suje a parede deixando um aspectodesagradável, vista a dificuldade de remoção após a sua cura.Para o assentamento de mármores ou granitos claros é indispensável o usode cimento-cola branco. Sua utilização evita alterações na cor do material colocadoe dá um visual mais bonito. Espere mais um dia para a secagem e efetue a limpezacom um pano úmido e estopa, em caso de mármores, e palha de aço seca em pisosde granito. Recomenda-se proteger o piso com lona plástica, plástico bolha ou natafeita de gesso e estopa.Nunca rejuntar o material antes de sete dias após o assentamento, pois casoa pedra tenha absorvido água, esta irá evaporar mais rápido através das arestas daspeças.Imagens 13 e 14: assentamento de mármore e granitoFonte: www.construacoes.com4.4 APLICAÇÃO EM FACHADASPara a aplicação em fachadas visando uma maior segurança e qualidade foicriado na Europa o método de suporte metálico de assentamento, dado o nome deInserts Metálicos. As vantagens deste método são a rapidez de execução, qualidadeno prumo, e evita que ocorram manchas oriundas de produtos de assentamento emaior segurança em termos de fixação e aderência a estrutura a ser revestida.A aplicação das placas inicia-se com a paginação das peças. A partir destapaginação são definidos os tipos de inserts metálicos que serão usados na estrutura,
  9. 9. 10é necessário informações como cotas horizontais e verticais, assim comodetalhamento das juntas de placas. Devem ser respeitados distancias deespaçamentos entre os suportes metálicos (7cm), espessura de ventilação, tamanhodas juntas de dilatação (5mm) e formato de encontro de peças.Antes de se iniciar a colocação é realizado um levantamento in loco por umaequipe técnica com as responsabilidades de passar com exatidão as medidas queservirão de referencia para a colocação dos inserts. Segundo Henrique Hirschfeld(2000), a utilização de granitos nas fachadas e locais nobres de edifício começou ater peso no Brasil a partir de 1990, quando surgiram as fabricas de inserts metálicospara a fixação das peças. Neste tipo de ferramenta as pedras são apoiadas emsistema metálico que permite a ventilação atrás da pedra impedindo a concentraçãode umidade e ainda atua como isolante acústico e térmico. A utilização destesinserts elimina a existência da argamassa do processo, tornando o desperdício doprocesso praticamente nulo.Imagem 15: medição antes da colocaçãoFonte: www.benedita.olx.pt4.4.1 INSERTS METALICOSOs inserts metálicos são peças fabricadas em aço inoxidável AISI-304 quepossuem formas variadas para atender a cada necessidade ou situação deaplicação de placas de rochas ornamentais. Sendo que a espessura das peçasvariam de 2 mm, 3 mm e 4 mm e o diâmetro dos pinos são de 4 mm.Imagens 16: Inserts MetálicosFonte: www.fiec.org.br
  10. 10. 114.4.2 APLICAÇÃO DOS INSERTSA forma de aplicação desta ferramenta é muito simples: o operárioprimeiramente realiza um furo na estrutura no local já previamente estabelecido queestará o insert, com uma furadeira manual. O furo possui uma abertura de 10mmpara que os chumbadores possam ser introduzidos. O ideal é que seja respeitadoum afastamento de 8cm, podendo ser corrigido um desprumo de até no máximo3cm, ou seja, o não cuidado com o prumo na execução da fachada pode tornar esterevestimento com um acabamento muito mal feito. Dependendo se a parede for deconcreto ou alvenaria o chumbador é diferente, sendo para paredes de concreto usodo parabolt 3/8 e para parede de tijolo maciço usa-se o parabolt 3/8 com camisa.Esses chumbadores de expansão servem para ancoramento dos inserts metálicosque serão engastados às placas de granito ou mármore através de furos ou rasgos.Imagens 17: ChumbadorFonte: www.fiec.org.br4.4.3 REJUNTAMENTOApós o termino de aplicação das placas é necessário realizar o rejuntamentodas mesmas, mais por motivos estéticos, acústicos e térmicos do que técnicos. Porisso aconselha-se o uso até o segundo pavimento da estrutura, podendo tambémser empregada juntas das viradas e pingadeiras das sacadas. Já nos peitoris orejunte normal pode ser usado.Para se realizar o rejuntamento inicialmente é realizada a limpeza comescova de aço na parte a ser aplicado o produto, após isso se introduz um cordão depolietileno (8mm) de contenção, não necessariamente em toda a junta apenas noencontro de 4 placas ou conforme desejado pelo cliente ou projeto. Em seguida écolocado uma fita crepe, com boa aderência a placa, ao redor das partes areceberem o rejunte. Por fim é introduzido o silicone neutro e dado o acabamento
  11. 11. 12com o dedo mesmo para que o produto espalha-se por entre as juntas, retira-se afita crepe e está finalizado o processo.Imagens 18: RejunteFonte: www.blogdotarso.com4.5 DEFEITOS ENCONTRADOS EM PLACAS DE MÁRMORE E GRANITO- Superficie rugosa com sulco e variações de espessura de até 5 mm na placacausadas pela falta de tensionamento nas lâminas ocasionando a flambagem dasmesmas. Para ser prevenido é aconselhado o uso de tensionamento hidráulico e asolução caso o problema já tenha ocorrido é usar abrasivo grosso por maior tempoaté a superfície ficar lisa.-No caso de trincas, provavelmente por a rocha ser frágil, blocos fraturados,transporte ou embalagem inadequados ocasionando fraturas que atingem parte ouatravessam toda a placa, deve-se usar telas de proteção e ter um controle notransporte e movimentação para que problemas assim não ocorram.- Cantos quebrados causado por transporte ou embalagem inadequados deixandoas extremidades das placas quebradas, para se prevenir deve haver um cuidado noseu manuseio, realizando o mesmo sempre na vertical e apoiando nas arestas dapeça, utilizando sempre que possível, materiais de apoio como papelão ou similares.- Ferrugem e Manchas avermelhadas causadas por placas com restos de granalhaou em contato com substâncias contendo ferro e água , ocasionando a oxidação doferro ou da granalha e absorção pela rocha, para se prevenir deve ser realizado umalimpeza profunda em cada placa e impermeabilização das placas no contato com oferro e caso o fato já tenha ocorrido o ideal é o uso de produtos especiais pararemoção.
  12. 12. 13Imagens 19 e 20: granito trincado e granito manchadoFonte: www.blogdotarso.com4.6 DIFERENÇAS ENTRE MÁRMORE E GRANITOMármores são mais leves que os granitos , sua aplicação é de caráter interno, enquanto o granito pode ser aplicado externamente sem problemas. Aplicação nascozinhas é aconselhado apenas para os granitos, pois os mármores mancham commais facilidade. O mármore possui uma resistência muito mais baixa e um desgastemuito mais elevado enquanto o granito por sua vez é mais resistente à absorção daagua, viabilizando sua utilização em lavanderias. O preço do mármore é de maiselevado custo, sendo que no meio comercial o granito é mais utilizado.Para se distinguir um mármore de um granito, dois procedimentos simplessão recomendados: os granitos não são riscados por canivetes, chaves ou pregos, aexemplo dos mármores, isto deve-se devido a dureza dos materiais em questão.Outro teste que pode ser realizado utiliza-se reagentes químicos, sendo que osmármores reagem ao ataque do ácido clorídrico ou muriático, efervescendo tantomais intensamente quanto maior o seu teor em calcita.5.0 PEDRA SÃO TOMÉSão rochas flexíveis, antiderrapantes, muito absorvente e que não propagamcalor. Indicadas para o revestimento de beiras de piscinas e áreas de lazer, guias decalçadas, paralelepípedos em ruas, podendo ser usada também em construçõesparticulares revestindo piso de varandas, pátios e churrasqueiras. A limpeza se fazcom água e sabão, sendo por vezes necessária a contratação de uma empresa
  13. 13. 14especializada para uma limpeza mais profunda com ácido muriático, pois manchacom facilidade.5.1 REVESTIMENTO, ESPESSURA E DIMENSÕESO revestimento com as Pedras São Tomé está em alta na decoração eavança com força total em ambientes comerciais e residenciais. São usadas emfachadas, calçamentos e na criação de ambientes internos que acabam ganhandoum toque de harmonia, e possui uma coloração mesclada que vai desde o branco,passando pelo bege, cinza, rosa e amarelo. Até mesmo alguns tons esverdeadospodem ser observados em algumas peças.A espessura também é um detalhe a ser observado antes da compra. A pedrafina tem espessuras de 5mm a 7mm (revestimento de parede) e a pedra normal de8mm a 20mm (revestimento de piso), e tem as dimensões de: 37 x 37, 18 x 37, 15x 30 47 x 47 e rodapés.5.2 EXECUÇÃO DE PISOPara assentamento do piso em pedra São Tomé deverá ser executadocontrapiso na espessura mínima de 5 cm, no traço 1:5 (1 parte de cimento para 5partes de areia grossa). Este contrapiso será executado diretamente sobre o soloonde foi demolido o piso. Após a cura de 1 dia, deverá ser assentado o piso nasdimensões 20 x 40 cm (a licitante deverá conferir as dimensões “in loco”), nospadrões do piso remanescente. Após o assentamento do piso a área deverá ficarinterditada por 24 horas e posteriormente o piso deverá ser rejuntado com massa deareia fina e cimento traço 1:3 (1 parte de cimento para 3 partes de areia).6.0 BASALTOOs basaltos são as rochas mais abundantes na crosta terrestre, maisespecificamente na crosta oceânica. Macroscopicamente apresentam cor negra, sãomelanocratas, densos, compactos ou ligeiramente vesiculares. Possui texturaafanítica, com frequência porfirítica. Podem ser regulares ou irregulares. Os basaltosformam estruturas associadas a vulcanismo: escoadas, filões, chaminés, podendo
  14. 14. 15ocorrer fragmentos em depósitos piroclásticos. É de salientar que em certasocorrências de basaltos é possível observar um tipo particular de estruturaconhecida por disjunção prismática ou colunar, caracterizada pela separação damassa rochosa em ‘prismas’, geralmente pentagonais a hexagonais eperpendiculares à escoada.6.1 UTILIZAÇÃO No enquadramento de portas e janelas; Pavimentações de ruas; Na construção de casas; Na construção de diques (represas de águas correntes ou reservatórios de águacom comportas); Britas para a construção civil; Na construção de Mosaico Português: o basalto é quebrado manualmente noformato de cubos em torno e 4,0cm no mínimo, serão assentados sobre colchão decimento e areia no traço 1:6 seco, na espessura de 3,0cm e deverão ser molhados eapiloados;Imagem 21: mosaico portuguêsFonte: www.estanciaimoveis.com.br6.2 EXECUÇÃO EM PISOPreparo da base para perfeita aderência da argamassa de assentamento dopiso com o contra piso, faz se necessário as seguintes providências:• Sobre a base de concreto existente, com idade superior a sete dias, proceder auma rigorosa limpeza da superfície, que deve se apresentar áspera isenta de pó,partículas soltas, graxas, óleo, etc.
  15. 15. 16• Determinados locais poderão necessitar de ações mecânicas como apicoamento,jateamento, fresamento ou aplicação de produtos especiais a fim de melhorar aaderência.• Saturação da base de concreto com água em abundância.• Ter no mínimo cinco centímetros livre entre a base e o nível do piso acabado.Traço da argamassa de assentamento - "farofa".• 01 (uma) parte de cimento.• 04 (quatro) partes de areia média lavada.• A adição de água deve ser o mínimo possível.• Rendimento médio: 17 kg/m²/cm de altura da argamassa de assentamento.• Consumo médio de materiais considerando argamassa de assentamento com 3,5cm de altura (altura média praticada):• Areia média lavada = 47,6 kg/m²• Cimento cinza CPII E32 = 17 kg/m²• Nota minha: O consumo de cimento para o assentamento é de 6 sacos de cimentopor m³ de areia.• Além dos procedimentos básicos para assentamento de piso em geral, destacamoso seguinte:• Espalhar a argamassa tipo "farofa" com altura mínima e máxima entre 2,5cm e4,5cm.• Sobre a argamassa já espalhada, polvilhar cimento puro para criar uma ponte deaderência.• Com auxílio de um regador, espalhar água sobre a argamassa já polvilhada comcimento e colocar a placa sobre a argamassa.• As placas devem ser forçadas uma a uma contra a argamassa de assentamentocom auxílio de um martelo de borracha. Certificar-se de que todas as placas forambatidas o maior número possível de vezes, a fim de garantir perfeita aderência enivelamento entre as placas.• Efetuar a limpeza das juntas para não impedir a penetração do rejunte.• As juntas devem ter entre 1,5 e 2,0 mm no máximo;
  16. 16. 17Image 22: Piso em basaltoFonte: www.pt.made-in-china.com6.3 ASSENTAMENTO DE LAJES (PASSEIOS)Traço de 1:3 sobre a camada de pó de brita, deverão ser assentadasuniformemente de forma que fiquem firmes, niveladas e compactadas. O passeiopúblico deverá ser levemente inclinado (2%) para a direção da rua. Apósassentadas, as lajes deverão ser rejuntadas com argamassa de areia fina de traço1:3, com alisamento.Imagem 23: laje de basalto para calçadasFonte: www.solostocks.com.br7.0 ARDÓSIATrata-se de uma rocha sílica-argilosa, a qual foi constituída através detransformação da argila que sofreu sobre forte pressão e temperatura, que seendureceram em finas camadas. É constituída por mica branca, feldspato, clorita,quartzo, carbonato e óxido de ferro. Possui algumas propriedades físicas como altaresistência mecânica, dureza considerada média, resistente a intemperismos, baixaporosidade, possibilita que a ardósia seja utilizada em diversas áreas da construçãocivil. É encontrada em diferentes formas, entre elas: natural(Bruta), polida,escovada.
  17. 17. 18Imagens 24 e 25: ardósiaFonte: www.construdeia.com e www.brasil.acambiode.com7.1 LOCAIS DE UTILIZAÇÃOPor se tratar de um material resistente e ser um material econômico é bastanteusado na construção civil nas mais diferentes formas. As mais comuns são: Revestir paredes (Internas e Externas) Pisos (Internos e Externos) Tampões de mesas, balcões e pias Bancadas para cozinha Rodapés Telhas Móveis em geral Divisórias em chiqueiros7.2 EXECUÇÃOEm áreas externas, as peças de ardósia devem ser molhadas, devem serfeitas algumas ranhuras na face da peça para que haja uma melhor aderência enivelamento. Na face a ser assentada deve se aplicar argamassa a base de cimentoe adesivo com uso de uma desempenadeira dentada e deixar secar por cerca de24horas. Onde será colocada a pedra, deve-se executar uma massa mista, cujotraço é de 1:0,5:5 (cimento, cal hidratada e areia) com espessura de 5cm. Deve sermolhada a peça e a área em que ela ocupará na massa, assentando peça por peça.A argamassa de rejuntamento deve ser preparada conforme especificado pelofabricante e aplicada com desempenadeira emborrachada. Limpar com esponjaapós a argamassa estar completamente seca.
  18. 18. 19Em áreas internas o piso deve estar nivelado e com uma argamassa deregularização com traço de 1:3, cimento e areia, espessura 2,5cm. Com umadesempenadeira dentada aplicar argamassa de assentamento feita a base decimento e adesivo especial, neste caso não é necessário uso da massa mista.Considerar uma declividade mínima de 0,5% em direção a ralos ou saídas. Aargamassa de rejuntamento deve ser preparada conforme especificado pelofabricante e aplicada com desempenadeira emborrachada. Limpar om esponja apósa argamassa estar completamente seca.8.0. LÂMINAS DE MADEIRAAs lâminas de madeira usadas em pisos apresentam uma semelhança muitogrande com o carpete de madeira, elas são resistentes à abrasão, porém, seu maiordestaque é a facilidade para realizar a limpeza do mesmo. Sua popularidade estaem crescimento pelo fato de ser um revestimento com preço mais em conta do queos pisos de madeira.A lâmina é constituída de 4 (quatro) camadas, mas composição acabavariando conforme seu fabricante, segue abaixo a composição comum de umalâmina de madeira usada em pisos.Overlay é uma película que protege o laminado contra arranhões e riscos.Possui uma alta resistência a abrasão.Laminado Decorativo da o aspecto de piso de madeira varia entre os modelosde pisos e pode se impressa ou um filme de madeira.
  19. 19. 20Substrato HDF-H é a parte principal composta geralmente por compensadode alta resistência, é responsável por resistir aos impactos. É nesta parte dolaminado que ficam os encaixes macho e fêmea que servem para encaixar o piso.Balanço parte que é responsável por estabilizar o piso e pela resistência dalâmina à umidade.8.1. USO E EXECUÇÃOO primeiro passo para aplicação das lâminas de madeira é conferir se existemirregularidades no contrapiso, caso existam saliências maiores que 3mm em umaextensão de 1,5 ou o contrapiso esteja com soltando areia ou quebradiço, deve serfeita a correção. Deve-se tomar cuidado também com a umidade do local onde seráinstalado o laminado, pois não se recomenda instalar as lâminas de madeira emlocais com umidade. Após estas verificações deve ser limpo evitando que tenhaareia, poeira, etc.Deve ser feito um planejamento verificando as metragens do local de ondeserá aplicado o piso, garantindo uma melhor qualidade de instalação, além de tempoe de material. Antes de iniciar a colocação das lâminas deve ser instalada umamanta que tem a função de reter umidade e de absorver irregularidades. A manta éposta no sentido contrário da colocação das lâminas, diretamente no contrapiso semdeixar espaços vazios e junto as paredes deixar cerca de 1 cm de manta sobrando.Após a colocação da manta já pode se iniciar a instalação das lâminas,usando espaçadores no sentido do comprimento da lâmina, entre ela e a parede,para garantir o espaço de dilatação da madeira, depois instalados os espaçadoresele é utilizado com travamento do piso. Em pisos colados o espaçador deve serretirado após de 12horas e deverá assegurar uma distância de 15 mm entre paredee piso. Existem pisos laminados com instalação com sistema “click” os quaispossuem encaixes e não utilizasse cola e outros tipo de instalação com colagem dosencaixes.O sistema com encaixe click deve encaixar a régua a ser instalada em umângulo entre 20º e 30º, introduzindo o encaixe macho na parte fêmea da peça que já
  20. 20. 21havia sido instalada e abaixando a peça até que haja perfeição entre as peças. Nosentido transversal é necessário usar um bloco batente e um martelo para encaixaras lâminas, com suaves marteladas com o bloco no topo das réguas, fechando osencaixes do topo das lâminas. Deve ser evitado o desalinhamento e movimentaçõesdas lâminas durante o processo de instalação. Na instalação com colagem dosencaixes deve se verificar o esquadro e alinhamento e só depois devem ser coladas,deve-se aplicar cola sempre no encaixe macho da peça em toda extensão deencaixe. Todas as lâminas devem ser coladas, uma a uma, importante não deixarpontos sem cola para evitar aberturas, inchamentos e ruídos. A cola que fica nasuperfície do piso deve ser limpa em no máximo 10 minutos.Para finalizar a instalação, muitas vezes é necessário cortar as lâminas daúltima fileira, deve se posicionar as lâminas e fazer a marcação do lado dobalanceador e realizar o corte com uma serra. Lembrando sempre de colocar osespaçadores, a última régua instalada recomenda-se fazer sua colagemindependente do sistema de encaixe. Após todo piso instalado é recomendado usode cintas e usar os espaçadores, deixando secar por 12 horas.Depois de retirar os espaçadores e as lâminas de madeira instaladas pode-sefazer a instalação dos rodapés e cantoneiras.9.0 CONSIDERAÇÕES FINAISA utilização de pedras naturais assim como pisos laminados, para aconstrução civil vem ganhando espaço no mercado a cada dia que passa. Asrevoluções tecnológicas vêm propiciando o seu uso, tornando-as cada vez maisúteis e praticas em todo tipo de obra existente.Quando conhecido suas características, especificidades e maneiras demanuseio, as pedras tornam-se ferramentas poderosas nas mãos de arquitetos eengenheiros que podem utilizá-las para suprir deficiências de determinado projetoque esta sendo executado.Vale a pena aumentar o nível de pesquisas neste ramo, o desenvolvimento demelhores técnicas e prováveis argamassas a serem desenvolvidos podem simaumentar a sua eficiência, diminuindo o numero de resíduos deixados em obra.

×