20131113 tereos internacional_presentation_port_final

230 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
230
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
75
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

20131113 tereos internacional_presentation_port_final

  1. 1. Tereos Internacional Resultados do Segundo Trimestre de 2013/14 São Paulo – 14 de novembro de 2013
  2. 2. Destaques do 2T 2013/14 Operacional   Guarani:   Aumento significativo nas vendas de cogeração (+48,9% em base acumulada)   Melhoria na produtividade agrícola devido a investimentos passados e condições climáticas favoráveis (+14,4% em base acumulada), com ATR estável Plano de melhoria de eficiência Guarani 2016 ampliado Syral Europa:   Programa Performance 2015 criado para melhorar a eficiência e melhorar o desempenho financeiro Syral Brasil:  As vendas de amido de milho da unidade de Palmital estão progredindo e a comercialização de glicose deverá ter início no 1T de 2014 Estratégia   Syral China: Aprovações oficiais concedidas pelas autoridades chinesas para a joint venture de Tieling e aquisição de uma participação de 49% concluída em 8 de Novembro de 2013 Finanças    2 Guarani: Injeção de capital de R$225,1 milhões da Petrobras para atingir uma participação minoritária de 39,6% na Guarani concluída em outubro Guarani: Refinanciamento de US$190 milhões em notas de exportação da Guarani. Prazo estendido para 5 anos, com período de carência de 3 anos, à taxas reduzidas
  3. 3. Fundamentos de Mercado 600 US$/MT US$ Centavos/lb. 21 20 550 19 500 18 17 450 16 400 jan-13 abr-13 jul-13 LIFFE#5 out-13 15 NY#11 €/MT 250 230 210 170 Milho MATIF 1600 jul-13 out-13 Trigo MATIF R$/m³ 700 €/m³ 1400 650 1200 600 1000 550 800 jan-13 abr-13 Brasil ESALQ 3 Fonte: Bloomberg jul-13  Desvalorização do Real frente ao Dólar favoreceu a remuneração dos produtores brasileiros out-13 Europa Rotterdam  Os preços do trigo evoluíram em uma faixa de 182 a199 €/tonelada no trimestre para os contratos futuros com vencimento em novembro de 2013 e março de 2014  Expectativa de uma boa safra nos EUA devido a fortes rendimentos agrícolas. Os preços permaneceram na média de 188 € /tonelada no trimestre e o spread entre o trigo e o milho permanece em sua máxima histórica Etanol: 190 abr-13  Os preços do açúcar bruto chegaram a 17,5 centavos/lb no fim do 2T 13/14 (+4,7% desde 1 de julho) devido à forte demanda, condições climáticas no Centro-Sul do Brasil reversão da posição líquida dos fundos especulativos de vendida para comprada Amido: 270 150 jan-13 Açúcar: 500  Durante o trimestre, os preços do etanol no Brasil caíram gradualmente devido ao elevado nível de produção em comparação ao ano anterior (-2,9% e -4,0% para anidro e hidratado, respectivamente)  Os preços do FOB Rotterdam recuaram significativamente (-7,7% desde 1 de julho) para cerca de EUR 590/m3 no fim do trimestre, devido à recuperação na oferta dos EUA incentivada pela diminuição dos preços do milho
  4. 4. 2T 2013/14 – Receita Líquida Melhores Volumes Para a Divisão de Cana-de-Açúcar e Efeito Positivo de Câmbio Receita Líquida (R$ milhões) 1.873 525 +17,8% 2.207 591 258 +15 (19) África / Oc. Índico 215 851 +87 Brasil +253 1.112 Amido & Adoçantes 2207 1873 Álcool & Etanol 283 246 2T 2012/13 2T 2013/14 Crescimento da receita sustentado por:  2T 2012/13 Volume Preço & Mix Moeda Outros 2T 2013/14 Em moeda constante: +3,9%  Melhora geral nos volumes de açúcar e vendas de energia no Brasil  Maiores volumes, preços e efeito mix positivo nos segmentos de amido e adoçantes  Impacto cambial positivo devido ao enfraquecimento do Real em relação ao Euro (-13,7% média em relação ao ano anterior) Porém, parcialmente ajustado por:    4 Preços mundiais do açúcar mais baixos impactaram as vendas do Brasil e menores preços de etanol na Europa Volume de etanol menores (conversão da unidade, parada para manutenção em Lillebonne, menor atividade de trading de etanol de beterraba)
  5. 5. 2T 2013/14 – EBITDA Ajustado Melhores Níveis de Eficiência nas Operações de Cana-de-Açúcar EBITDA Ajustado (R$ MM) +18,4% 342 289 Brasil 189 69  49 21 27 2T 2012/13 2T 2013/14 Amido & Adoçantes 81 51 +6 +11 (2) (1) África / Oc. Índico 151 -3 +38 Álcool & Etanol 342 289 Holding -3 2T 2012/13 Brasil Margem 15,4% África / Oc. Amido & Índico Adoçantes Álcool & Etanol Holding 2T 2013/14 Margem 15,5% Melhora do EBITDA Ajustado em base anual, consequência de:   Maior lucro bruto no trimestre na África/Oceano Índico  Melhores margens para o segmento de Álcool & Etanol Europa, com custos mais baixos para os cereais  5 Diluição dos custos no Brasil devido a maiores volumes, juntamente com o efeito positivo do aumento dos volumes e preços de energia Entretanto, margens de amido & adoçantes permanecem pressionadas no ambiente atual apesar do início dos benefícios de menores custos dos cereais
  6. 6. Cana-de-Açúcar Brasil – Produção e Vendas Safra em Bom Ritmo para Atingir a Moagem de Aproximadamente 20 Milhões(1) de Toneladas Processamento Vendas Vendas Vendas de Cana-de-Açúcar (MM t) de Açúcar (‘000 t) De Energia (‘000 MWh) +3,9% YoY +21,2% YoY de Etanol (‘000 m³) -3,3% YoY +44,0 YoY  179 Vendas Próprias 255 2T 13/14 2T 12/13 57 2T 12/13 2T 13/14 89 2T 13/14 388 92 2T 12/13 7,7 470 2T 13/14 7,4 2T 12/13 84 Trading Moagem    Moagem maior no 1S: 13,4 milhões de toneladas (+15,1% vs. 1S 12/13) Melhores rendimentos agrícolas (melhoria dos rendimentos no ano-fiscal esperado para cerca de 90 toneladas/ha vs. 84 toneladas/ha em 2012/13) e níveis de ATR estáveis em 134,6 kg/tonelada Melhoria na produção   Mix: 65% açúcar, 35% etanol  Açúcar:   Produção total (expressa em ATR) maior em 17,0% para 1,8 milhões de toneladas Etanol: 377 mil m³ +17,8% em base anual +15,5% em base anual Progresso na cogeração  6 1,1 mil toneladas Venda acumulada de energia (incluindo trading) maior em 48,9% para 486 GWh, devido a melhores preços (+6,7% para R$144/MWh) (1) Considerado base consolidado e excluindo a contribuição da joint venture Vertente em cerca de 18,5 milhões de toneladas
  7. 7. Cana-de-Açúcar Brasil – Financeiro Aumento nos Volumes de Açúcar Contribuindo Para a Redução no Custo Unitário e Melhoria no EBITDA Receita Líquida (R$ Milhões) (30) 2013/14 2012/13 591 525 +13% Lucro Bruto (3) 2T Receita Líquida +16 +2 2T Em R$ Milhões +82 Números Chave 121 119 +2% 20,5% 22,7% 37 51 6,3% 9,7% 189 151 31,9% 28,7% Margem Bruta 591 525 Açúcar 2T 2012/13  Preço & Mix Volume Margem EBIT Etanol Preço & Mix Volume EBITDA Ajustado Outros 2T 2013/14 Açúcar: 70% do total da receita líquida  Aumento nos volumes em 21,2% para 470 mil toneladas Preço médio de venda: -6,5% em base anual a R$934/tonelada Etanol: 17% do total da receita líquida    EBIT Volume vendido menor em 3,3% para 89 mil m3 Aumento no preço médio de 2,1% em base anual para R$1,098/m3 Cogeração (ex-trading): R$38,3 milhões vs. R$8,7 milhões em 2T 12/13 Margem EBITDA Ajustado  Variação 7 Nota: Números para Brasil agora excluem JVs +25% EBITDA Ajustado: R$189 milhões  Maior lucro devido a maiores volumes de açúcar e energia  Margem EBITDA Ajustado1 para 2T 13/14 incluindo tratos culturais como depreciação: 37,9%   -27% (1) A Tereos Internacional aloca despesas com tratos culturais como custo. Se tratos culturais fossem alocados como investimento, o EBITDA Ajustado para 2T 13/14 seria de R$224 milhões.
  8. 8. Cana-de-Açúcar África/Oceano Índico – Produção e Financeiro Desempenho Estável no Trimestre Números Chave -0,4% YoY 258 215 +20% 66 39 +70% 25,6% 18,1% 30 24 11,8% 11,1% 81 69 31,3% 32,4% Variação de Açúcar (‘000 t) -1,4% YoY 2012/13 Lucro Bruto Cana-de-Açúcar (’000 t) 2013/14 Receita Líquida Vendas 2T Em R$ Milhões Processamento de 2T Margem Bruta EBIT 1.267 1.249 Margem EBIT 75 76 Margem EBITDA Ajustado 2T 13/14 2T 12/13 2T 13/14 2T 12/13 EBITDA Ajustado Abertura da Receita por Produto  +28% +17% Moagem de Cana-de-Açúcar  Oceano Índico: 960 mil toneladas (+1,7%), embora a recente seca deva diminuir a moagem anual para cerca de 1,7 milhões de toneladas para o ano  África: menor moagem (-10,2%) com menores rendimentos, porém volumes de produção apenas ligeiramente menores neste trimestre Trading e outros 25% Açúcar Oceano Índico 56% 8  Receita Líquida: +20% em base anual  Maiores volumes, principalmente trading no Oceano Índico e maiores preços em Moçambique, e efeito de câmbio positivo  Açúcar África 19% EBITDA Ajustado: +17% em base anual  Contribuição positiva de ambos os segmentos
  9. 9. Segmento de Cereais – Produção e Vendas Maiores Volumes em Amidos & Adoçantes, Enquanto Volumes Mais Baixos de Etanol Cereais (‘000 t) Vendas de Amido & Adoçantes (‘000 t) -2,4% YoY Vendas de Álcool & Etanol (‘000 m3) +2,5% YoY -0,3% YoY 115 310 309 2T 2013/14 139 2T 2012/13 455 2T 2012/13 444 2T 2013/14 -17,5% YoY 2T 2012/13 818 2T 2013/14 2T 2012/13 838 Vendas de coprodutos(‘000 t) 2T 2013/14 Processamento de  Moagem no 2T 13/14: Redução de 2,4% na moagem de cereais principalmente devido ao impacto da manutenção nas unidades Nesle e Lillebonne  Vendas de Amido & Adoçantes: +2,5%  Vendas de Álcool & Etanol: -17,5% complementares 9 Crescimento na maioria das categorias de produtos, porém menores volumes nos adoçantes comuns Diversificação da fábrica (impacto das linhas de glúten e dextrose) e manutenção anual realizada no 2T reduziram os volumes em Lillebonne, juntamente com menores vendas de trading de etanol da Tereos
  10. 10. Amido & Adoçantes – Financeiro Melhores Receitas Devido a Melhores Volumes e Preços e Efeito Cambial Positivo Receita Líquida (R$ Milhões) Números Chave +65 Em R$ Milhões +7 +26 2T 2013/14 2012/13 Receita Líquida +164 2T 1 112 851 +31% 174 141 +24% 15,7% 16,5% 6 22 0,5% 2,5% 49 51 4,4% 6,0% Lucro Bruto 1112 851 Margem Bruta EBIT Margem EBIT EBITDA Ajustado 2T 2012/13   10 Moeda Volume Preço & Mix Outros 2T 2013/14 Margem EBITDA Ajustado Variação -74% -4% Receita Líquida: R$1.112 milhões, alta de 31%  Melhora no volume total (+7,6% na Europa) particularmente para glúten, especialidades e adoçantes funcionais. Entretanto, o crescimento da receita foi prejudicado pelo fraco desempenho em alguns segmentos (principalmente adoçantes) devido a condições econômicas. Maiores preços em base anual.  Início do efeito perímetro positivo das vendas de dextrose na Europa, e aceleração das vendas da Syral Halotek no Brasil  Efeito cambial positivo devido à acentuada depreciação do Real frente ao Euro (-13,7% em base anual) EBITDA Ajustado: R$49 milhões, redução de 4% em base anual  Rentabilidade permaneceu pressionada no trimestre, apesar do início dos benefícios dos menores preços dos cereais, uma vez que a situação econômica prejudicou a nossa capacidade de gerar margens e nos beneficiarmos dos recentes investimentos (Saragoça, Lillebonne, Marckholsheim).
  11. 11. Álcool & Etanol Europa – Financeiros Melhoria do EBIDA Ajustado Devido a Menores Preços do Trigo Receita Líquida (R$ Milhões) (72) 283 2T 2013/14 2012/13 Receita Líquida 246 283 -13% Lucro Bruto +3 2T Em R$ Milhões +55 Números Chave 28 29 -3% 11,3% 10,1% 17 11 7,0% 3,7% 27 21 10,9% 7,3% Margem Bruta (23) EBIT 246 Margem EBIT EBITDA Ajustado 2T 2012/13 Volume Moeda Preço & Mix Outros Margem EBITDA Ajustado 2T 2013/14 Abertura da Receita por Produto  11 64% 29% Receita Líquida: R$246 milhões, redução de 13%  Nota: Números do segmento de Álcool e Etanol agora excluem as JVs  Menor atividade de trading do Grupo Tereos  Vendas próprias de etanol 56% Volumes próprios afetados pela diversificação na fábrica e manutenção plurianual realizada no 2T  Co-produtos e outros 8% Trading de Etanol 36% Variação Redução nos preços FOB Rotterdam (-14,7% em base anual média EBITDA Ajustado: R$27 milhões, alta em base anual e sequencialmente  Benefício no trimestre dos preços de insumos reduzidos, em particular na maior parte dos volumes de trigo comprados a preços convencionais neste trimestre
  12. 12. Reconciliação do Fluxo de Caixa Fluxo de Caixa Em R$ Milhões EBITDA Ajustado Capital de Giro 1S 13/14  Investimentos (-25,3% em base anual) (577) (72) Fluxo de Caixa Operacional (98) Juros (94) Dividendos pagos e recebidos (41) Outros Capital de Giro Principalmente devido aos estoques sazonais mais elevados e impacto cambial sobre estoques 551 Outros Investimentos  (431) 22 Fluxo de Caixa Livre (642) Impacto cambial (408) Brasil: 54% do total (+9% em base anual):  Programa de expansão de capacidade e cogeração  78% do programa de expansão concluído Outros Variação da Dívida Líquida 1 (1 051) Cereais: 34% do total (-52% em base anual):  Principalmente devido ao projeto de amido no Brasil  12 Efeito de Câmbio na Dívida Desvalorização do Real contra o Euro e US$, (-13,5% em base anual em 30 de setembro)
  13. 13. Dívida Aumento na Dívida Líquida Principalmente Devido a Maior Capital de Giro e Variação Cambial Dívida Pro Forma Em R$ Milhões 30/09/2013 31/03/2013 (Reapresentado) ∆ Circulantes 2 174 1 829 345 Não-circulante 2 574 2 399 175 (23) (26) 4 725 4 202 Em € 1 827 1 596 231 Em USD 1 657 1 688 (31) Em R$ 1 213 882 331 51 62 (11) Caixa e Equivalente de Caixa (702)1 (893) 191 Dívida Líquida Total 4 023 3 309 714 125 12 113 4 148 3 321 827 Custos amortizados Total da Dívida Bruta Outras moedas Partes Relacionadas Dívida Líquida Total + Partes Relacionadas 3 523   Guarani: Injeção de capital de R$225,1 milhões da Petrobras para atingir uma participação minoritária de 39,6% na Guarani concluída em outubro  13 Dívida Líquida/EBITDA Ajustado: 4,5x vs. 4,4x em 31 de março de 2013 Guarani: Refinanciamento de US$190 milhões em notas de exportação da Guarani. Prazo estendido para 5 anos, com período de carência de 2 anos, à taxas reduzidas (1) Caixa e Equivalente de Caixa de 30 de setembro de 2013 foi reapresentado para refletir o aumento de capital de R$225 milhões da Pbio na Guarani.
  14. 14. Perspectivas  Cana-de-Açúcar  Brasil  A Guarani mantém a meta de moagem de c. 18,5 milhões de toneladas de cana-de-açúcar (excluindo a contribuição da JV na Vertente e equivalente à 20 milhões de toneladas em base de consolidação integral)  Maior produção contribuindo para diluir custos fixos, apesar do ambiente desafiador para os preços de açúcar  Programa Guarani 2016 visando aumentar a eficiência e lucratividade  África/Oceano Índico  Clima excepcionalmente seco na Ilha da Reunião e menores rendimentos em Moçambique deverão levar à diminuição nos volumes de moagem de cana-de-açúcar no segmento para 1,7 milhão de toneladas  Cereais  Europa  Os preços dos cereais deverão permanecer abaixo do pico observados no 3T do ano passado Foco permanece no plano de melhoria de desempenho  Brasil  Produção de amido de milho em Palmital aumentando progressivamente. Vendas de glicose previstas para começar no final do 3T 13/14  China    14 Aquisição de máquinas e equipamentos realizados principalmente em Dongguan, enquanto obras civis estão em andamento Após a formação da joint venture em Tieling, a diversificação de produtos e plano de melhoria na produtividade serão concluídos e progressivamente implementados ao longo dos próximos 18 meses
  15. 15. Departamento de Relações com Investidores Marcus Thieme Diretor de Relações com Investidores Felipe Mendes Gerente de Relações com Investidores Fone: +55 (11) 3544 4900 Email: ri@tereosinternacional.com.br www.tereosinternacional.com.br

×