Entrevista VIDA ALVES                                                                    SUELLEN   GRANGEIR O             ...
Entrevista VIDA ALVES“onde é que eu vou?”, “quando eu                                                        Na época da i...
pode? As famílias não vão gostar”.                                                      comunicação de massa mais acessíve...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Vidas alves1

417 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
417
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
109
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vidas alves1

  1. 1. Entrevista VIDA ALVES SUELLEN GRANGEIR O GRANGEIRO E TAMIRIS TAMIRIS GOMES“A TV não me manipula”A atriz protagonista do primeiro beijo em novela fala sobre a influência da mídia nasociedade e diz que a televisão evoluiu tecnicamente, mas perdeu em qualidadeA história viva da televisão brasilei- ra tem nome: Vida Alves. Atriz nas- cida em Itanhandu - MinasGerais, filha do engenheiro e poetamodernista Heitor Alves, que com muitaousadia atribuiu nomes inusitados aosseus filhos: Helle, Homem, Poema, Ritmoe Vida, cuja veia artística herdou de seupai. Participou da inauguração da TVem 1950 e acompanhou de perto todasua evolução. Além de ser pioneira dobeijo televisivo, estudou Direito noLargo São Francisco, foi jornalista,cantora, apresentadora, escreveu eproduziu diversos programas, atuou noteatro e no cinema, e atualmente épresidente da Pró-TV (Associação dosPioneiros, Profissionais e Incenti-vadores da Televisão Brasileira). Aos 83anos, sonha com a realização de umprojeto para a criação do museu da TV.Em entrevista concedida à VEJA, nosconta a história do maior meio decomunicação de massa do país e falacom propriedade sobre as mudançasocorridas em 60 anos de televisão noBrasil.Atualmente, a senhora está empenhadaem um projeto para conservação damemória da TV no Brasil. Quem são osidealizadores desse projeto? Acho queo idealizador sou eu, mas eu chameicolegas antigos da Tupi, alguns até jáfaleceram. Foi há quinze anos atrás.Chamei Luiz Gallon, Walter Forster,que foi aquele que fez a novelacomigo e era meu diretor, chamei a Lia “Não sou umde Aguiar, Ana Maria Neumann eWalter Ribeiro dos Santos. Foi este público comum,grupo que começou, mas a ideiarealmente foi minha. sou diferenciada,Quais são as dificuldades na realização sou mais exigente,de um projeto cultural no Brasil? Não é TAMIRIS GOMESmuito fácil você organizar um ideal, um mais velha,sonho cultural no Brasil, porque aspessoas, mesmo os artistas, são maisimediatistas: “eu vou aparecer?” mais chata” veja/universidade cruzeiro do sul I 03 DE JUNHO, 2011 I 17
  2. 2. Entrevista VIDA ALVES“onde é que eu vou?”, “quando eu Na época da inauguração da TV, muitosmorrer não importa, não interessa”(risos). Somos um país jovem, dejovens e isso é bom, mas tem esse “O beijo não foi acreditavam que o rádio seria extinto. Passou pela sua cabeça que isso poderia acontecer? Ninguém pensoudefeito de “o passado passou”. É fotografado, isso. Pelo contrário, muitos preferiramclaro que o passado passou, mas a ficar trabalhando em rádio. Depois, éraiz ficou. A raiz das coisas, os nem filmado. claro, foram vendo a televisão cresceralicerces são necessários. Como é que muito e ficaram temerosos, porque novamos caminhar se não conhecermos O fotógrafo disse: começo trabalhávamos em televisão eos alicerces? rádio, depois foram separando os mais ‘não fotografei, pois bonitinhos dos mais feinhos. (risos) Eu fiquei um tempo nos dois e depoisQual é o objetivo da Pró-TV?Preparamos com certa ansiedade, mas quem vai fiquei só em televisão. Mas houve quem preferisse ficar só no rádio. Aoscom tranquilidade o acervo de cercade 180 gravações de biografias, entre publicar uma poucos o rádio tomou outras dimensões, ganhou uma estradaelas a de Dias Gomes, Mário Lago, diferente de jornal, tinha música e umDercy Gonçalves, Lima Duarte, LauraCardoso e muitos outros. Temos a coisa dessas?’ aspecto imediato, que a televisão não tinha.primeira câmera, o primeiro televisorcolorido que chegou ao Brasil e mais Haviade nove mil fotos. No ano passado, atelevisão fez 60 anos e fizemos dois preconceito ” O que mais marcou nestes 60 anos de TV no Brasil? Foi o dia da inauguração daeventos até agora em homenagem. Em cor. Eu fazia o programa “Vida em25 de janeiro - aniversário de São movimento”, no horário noturno, dePaulo - fizemos uma exposição na entrevista sem auditório, que foiPraça da Sé. Embora o espaço fosse escolhido para inaugurar a cor. É claroum pouco pequeno, procuramos oficial, convidou o governador Lucas que não eram muitos que tinhamcondensar o nosso acervo. Garcez e o Bispo de São Paulo. Depois aparelho colorido, mas muitas pessoas ele levou todos os amigos dele para viram. Foi em março de 1972 e comoComo foram os primeiros anos de TV? um coquetel festivo no Jockey Club. meu programa foi o primeiro, todosNo início não tinha vídeo-tape, era Eu não participei, pois estava grávida, disseram: “você é outra vez pioneira,tudo ao vivo até a década de 1960. então naquele tempo eu não aparecia. você é hoje a rainha”. NaqueleNas primeiras transmissões da TV as Logo depois foi feito um pequeno momento fiquei emocionada. Lembroimagens alcançavam um raio de 37 km. show “Festa na Taba”. Chateubriand que eu fiz uma frase que saiu noPara chegarem a Santos, funcionários era muito ligado aos índios, tanto que jornal: “Se o verde da mata é tãoda televisão, operários e técnicos as emissoras dele, todas têm nomes bonito, se a flor é cor-de-rosa, porqueforam plantar nas árvores ligados à cultura indígena: Tamoio no temos que ver todos em branco ereprodutores de imagens. Parece Rio, Tupi em São Paulo, Piratini no Rio preto?”mentira, mas hoje as imagens chegam Grande do Sul e assim vai.em segundos, graças ao satélite A senhora sofreu algum tipo dehouve uma evolução técnica total. Quem foi Assis Chateubriand? Ele foi preconceito perante a sociedade após ter um homem maior do que só isso que a dado o primeiro beijo da televisãoNão imaginavam que chegariam até gente fala. Foi ele quem fez 500 postos brasileira? Preconceito existe sempre,aqui? Não imaginávamos nada, nem o de puericultura no Brasil, conseguiu nós temos que saber como nosChateubriand, que era o mais esperto ajeitar o Correio Nacional e a ligação colocar diante dele. Eu nunca mee o que fazia todas as coisas. No com os índios através de aviões. Além importei muito. Venho de uma famíliaprimeiro dia da inauguração da TV disso, foi jornalista e embaixador culta, meu pai era engenheiro, ou seja,Tupi, no jornal saiu uma notinha de pé brasileiro junto à Inglaterra. Em São cabeça mais aberta. O beijo não foide página, que sequer colocou: “hoje Paulo possuía seis veículos de fotografado, nem filmado. O fotógrafoestá sendo inaugurada a televisão no comunicação e no Brasil inteiro ele disse: “não fotografei, porque quemBrasil”. Ele tinha medo de não dar tinha mais do que Roberto Marinho que vai publicar uma coisa dessas?”.certo, mas não podia pensar nisso conseguiu depois de tantos anos. Então havia preconceito, mas eu nãoporque havia feito empréstimos e sofri muito porque sempre fiz asdado carta de crédito para seus A senhora conviveu com ele? Pouco, coisas que eu achei certo.amigos, que eram pessoas poderosas. mas eu o conheci. É claro que o chefão dá pouca bola para as Como foi o processo para que a cena doComo foi o 18 de setembro de 1950? menininhas, não é? (risos) Mas o beijo se concretizasse? Primeiro WalterUm dia muito agitado. No fim da tarde, conheci, conversei algumas vezes Forster teve que falar com a direçãoChateubriand fez uma cerimônia com ele. geral. “Beijo? Mas nunca se viu, como18 I 03 DE JUNHO, 2011 I veja/universidade cruzeiro do sul
  3. 3. pode? As famílias não vão gostar”. comunicação de massa mais acessíveisEntão ele conseguiu convencer adireção geral e o diretor artísticoCassiano Gabus Mendes, que tinha 22 “O importante e agrega vários tipos de público. A senhora acredita no poder de manipulação da TV? Acredito sim. A TVanos e gostava muito de cinema e da televisão é não me manipula, mas será que nãosabia que nos filmes estavam manipula a minha empregada? Eu leioaparecendo os beijos na boca. Walter acrescentar jornal, assino revista, leio livros. ElaForster me chamou e disse: “Vida, só assiste televisão e quanto maisvocê vai ser a minha parceira e tem um alguma coisa popular, mais ela gosta. Ela e todos.beijo”, eu falei: “estou frita!” e ele:“fale lá com seu italiano”, pois meumarido era engenheiro italiano. útil para a cabeça. Como uma pessoa que já escreveu várias novelas, o que a senhora pensaHouve ensaios? Não houve ensaios de Não pode ser sobre a influência do público na definição do caráter dos personagens a até nobeijo, houve apenas marcação. “Comoeu faço?” – “Você entorta um pouco a inútil e encher desfecho da trama? É muito mercantilizada em prol do ibope.cabeça, abre os lábios, fecha umpouquinho os lábios, faz cara de besta o saco. Estamos em um mundo que se preocupa mais com a quantidade. Eue deixa que eu faço o resto”. (risos) Eufalei: “comporte-se”, ele disse: “claro” E, às vezes, estou há 60 anos vendo televisão e percebo que a qualidade vai sendoe se aproximou alguns segundinhos.Não foi selinho, não foi beijo, foi umbeijo técnico, marcado, abraçado, mão enche ” deixada um pouco de lado. O que a senhora assiste hoje na TV?acariciando e só. Passaram 60 anos e Assisto novelas e tento achar algumainda se fala nesse beijo. filme bom mais tarde nos canais inteligível para o mais culto e para o fechados. Às vezes tem alguma coisaRealmente se fala muito nesse beijo... que acrescenta. O importante daUma vez eu fui à igreja e me chamaram mais inculto? Então a televisão foi, por democratizar-se mais, perdendo um televisão é acrescentar alguma coisapra fazer uma homenagem. Era um útil para a cabeça, para o coração, parapadre moderninho, que disse: “vem pouco a sua qualidade cultural, sem dúvidas. Alguns bons programas são o sentimento. Não pode ser inútil eaqui”. Eu fui até o microfone onde encher o saco. E, às vezes, enche.estava o padre e ele: “eu quero uma colocados à noite, entre as 19 e as 21salva de palmas para a atriz que deu o horas eles põem coisas fáceis de A senhora trabalharia na televisãoprimeiro beijo”. Nesse dia eu quase assimilar. Mas eu acho que a novamente? Não. O diretor do filme “Amorri de vergonha. (risos) qualidade piorou. Nós tínhamos uma Pequena Órfã” me procurou e disse: preocupação intelectual grande, “Vida, eu vou escrever, e estouQual outro trabalho marcou tanto quanto discutíamos sempre não na base da preparando um filme e quero que vocêa cena do beijo a sua carreira artística? audiência, mas da qualidade. faça”, eu respondi: “eu estou com aUm programa que eu escrevia: cabeça em outra coisa” e além do fato“Tribunal do Coração”. Era um E quanto ao reality show, são reflexos da de estar sem treino. Eu sempre fizespetáculo teatral, no qual tinha uma vida real? Não. São pensados, papéis bons e fiz bem e agora eu voupessoa sendo julgada. Eu tinha feito “pinçados” os tipos que eles querem fazer papel ruim ou fazer mal? NãoDireito e assistido a alguns na época. Tem que ter bastante quero. Além disso, não tenho tempo,julgamentos. Fiz uma adaptação para a desenho no corpo e falar as mesmas tenho a minha vida preenchida.televisão e para o rádio. Ficou cinco coisas, são todos muito parecidos.anos no ar ou mais e fez um sucesso Acho que eles estão banalizando a A senhora atuou em diversas áreas:que até hoje se copia. mais do que deviam. Não sou um escreveu, produziu e apresentou público comum, sou diferenciada, sou programas e novelas, atuou e cantou noQuais foram as mudanças positivas que mais exigente, mais velha, mais chata. rário, TV e cinema, foi professora eocorreram na televisão desde o seu Eu acho chato, embora todo mundo empresária. Vida, ainda falta algo porinício até hoje? A evolução na parte queira saber qual vai sair, quem vai viver? Falta. O Museu! (risos) Ah,técnica é inegável. ganhar. O que eu percebo com os Jesus! E falta outra coisa, que isso Reality Shows é que chamam a meu pai e minha mãe não me deram:E as negativas? A televisão foi feita de atenção, chamam o que tem de pior aprender a ganhar dinheiro. Eu seiuma forma mais elitista. Quem tinham naqueles que estão lá dentro, é um muito mais dar, criar, muito maiseram os mais ricos, os mais exercício de burrice deles e da gente construir do que vender. Vender ointelectuais e os que viajavam. Depois que está vendo. E a gente cai, não é? próprio trabalho, a própria imagem éfoi ficando mais barato e hoje todo importante e eu sei muito pouco.mundo tem. Como fazer uma coisa que A TV se tornou um dos meios de veja/universidade cruzeiro do sul I 03 DE JUNHO, 2011 I 19

×