áCidos nucléicos

616 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
616
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

áCidos nucléicos

  1. 1. ÁCIDOS NUCLÉICOS Na natureza há doistipos de ácidos nucleicos: DNAou ácidodesoxirribonucleico e RNA ouácido ribonucleico. Analogamente aum sistema de comunicação, essasinformações são mantidas dentro dacélula em forma de código, que nocaso denomina-se código genético. Em sua estrutura primária, osácidos nucleicos (DNA e RNA) podemser vistos como uma cadeia linearcomposta de unidades químicassimples chamadas nucleotídeos. Umnucleotídeo é um composto químico epossui três partes: um grupo fosfato,uma pentose (molécula de açúcar comcinco carbonos) e uma base orgânica(Figura 3). Nas moléculas de DNA apentose éuma desoxirribose enquanto que nasmoléculas de RNA a pentose é umaribose. A base orgânica, também
  2. 2. conhecida como base nitrogenada, équem caracteriza cada um dosnucleotídeos, sendo comum o usotanto do termo sequência denucleotídeos quanto o termosequência de bases. As bases sãoadenina (A), guanina (G), citosina (C),timina (T) e uracila (U), sendo as duasprimeiras chamadas de purinas e astrês últimas chamadas de pirimidinas.No DNA são encontradas as bases A,G, C e T. No RNA encontra-se a base Uao invés da base T. Figura 1. Exemplo da estrutura de um nucleotídeo
  3. 3. A ligação entre os nucleotídeos(ligações fosfodiéster) de uma cadeialinear é feita entre o grupo químicochamado hidroxil (OH) ligado aoterceiro carbono da pentose de umnucleotídeo, e o fosfato donucleotídeo seguinte ligado aocarbono 5 da pentose do mesmo(Figura 2). Por convenção, asseqüências são representadas naorientação 5 3.
  4. 4. Figura 2. Representação das ligações entre os nucleotídeos da mesma fita. Moléculas de DNA compõem-se deduas fitas, que se ligam entre siformando uma estrutura helicoidal,conhecida como hélice dupla. As duasfitas unem-se pela ligação regular dasbases de seus nucleotídeos. A base Asempre liga-se a base T (por 2 pontesde hidrogênio) e a base G sempreliga-se a base C (por 3 pontes de
  5. 5. hidrogênio)(Figura 5). As duas fitassão antiparalelas, ou seja, as fitaspossuem orientação 5 3 opostas umaem relação a outra.Figura 3: Ligações entre as cadeias de DNA O RNA é uma moléculaintermediária na síntese de proteínas,ela faz a intermediação entre o DNA eas proteínas. Ele é formado por uma cadeiade ribonucleotídeos, que, por sua vez,são formados por um grupo fosfato,um açúcar (ribose), e uma basenitrogenada (veja abaixo). Figura 4: Formato do RNA
  6. 6. Esses ribonucleotídeos são ligadosentre si através de umaligação fosfodiéster entre o carbono 3do nucleotídeo de "cima" e o carbono5 do nucleotídeo de "baixo" (vejafigura).Figura 5: Ligação fosfodiéster da cadeia do RNA As principais diferenças entre oRNA e o DNA são sutis, mas fazemcom que o último seja mais estável doque o primeiro. O RNA é formado poruma fita simples, o açúcar de seuesqueleto é a ribose e uma de suasbases pirimídicas (de anel simples) édiferente da do DNA. Ele possuiUracila ao invés de Timina. Veja aestrutura química das bases do RNA:
  7. 7. Figura 6: Bases Nitrogenadas do RNA Os principais tipos de RNA sãoos RNAs mensageiros (mRNAs), ostransportadores (tRNAs) eos ribossomais (rRNA).Os RNAs mensageiros são aqueles quecodificam as proteínas e que devemter seuscódons lidos durante oprocesso de tradução.Os RNAs ribossomais fazem parte daestrutura do ribossomo, junto comdiversas outras proteínas e são elesque catalisam a ligação entre doisaminoácidos na síntese de proteínas.Os RNAs transportadores são aquelesque fazem a conexão códon-aminoácido, pois carregam umaminoácido específico de acordo comseu anticódon (complementar aocódon do mRNA).
  8. 8. É interessante notar que, por seruma fita simples, o RNA pode formarpontes intracadeia, o que faz com queele possa ter uma infinidade dearranjos tridimensionais, importantesem sua função. Figura 7: Fita simples do RNA.

×