36
MUTA
NOVOS CAMINHOS
POR ANDERSON PENHA
E ANDRÉ COUTINHO
DESIGN PATI BIANCO
DESIGN EM
MUTA
37TRINTA E SETE
Estamos em 2014 e o design tem
se manifestado mais como verbo
do que como ofício. Projetar tornou-
se uma ...
38TRINTA E OITO
A virada do atual milênio pode
ter provocado nos indivíduos
esse tipo de impulso. Algo similar
ao que acon...
39TRINTA E NOVE
Anderson Penha é o pai da Nina, designer pela Symnetics, professor de
Criatividade e Inovação nos MBAs da ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Artigo: Design em Mutação

298 visualizações

Publicada em

Artigo escrito por André Coutinho e Anderson Penha para a Revista ABC Design

Publicada em: Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
298
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo: Design em Mutação

  1. 1. 36 MUTA NOVOS CAMINHOS POR ANDERSON PENHA E ANDRÉ COUTINHO DESIGN PATI BIANCO DESIGN EM MUTA
  2. 2. 37TRINTA E SETE Estamos em 2014 e o design tem se manifestado mais como verbo do que como ofício. Projetar tornou- se uma inquietação, possibilitando intervir nos desafios e dilemas complexos gerados pela sociedade contemporânea, afetando o estilo de vida, os problemas crônicos das cidades, ou no aquecimento global. Cidadãos - não necessariamente formados em design - estão se lançando em verdadeiras jornadas em busca de algo maior do que eles mesmos, tentando mudar a vida das pessoas e o mundo, projetando intervenções que impactam as gerações atuais e futuras. O mitólogo Joseph Campbell, em sua Jornada do Herói, revela personagens que se arriscam em mudar o status quo e entram numa aventura com um fim incerto. Aceitam o desafio, com provações que poderão levá-los ao sucesso, ou ao fracasso. O herói de Campbell está presente em praticamente todos os mitos e sem a existência dessa pessoa, capaz de explorar e expandir seu próprio potencial de criação, não seria possível o continuum de transformação em nossa sociedade. Intervenções em ambientes complexos criam um movimento sociodinâmico de homeostase, com capacidade para gerar um fluxo livre e ininterrupto de destruição criativa - no hinduísmo associado aos deuses Shiva e Brama -, onde a única verdade é que toda criação gerada no sistema se torne um potencial gatilho para a transformação. ÇÃOÇÃO
  3. 3. 38TRINTA E OITO A virada do atual milênio pode ter provocado nos indivíduos esse tipo de impulso. Algo similar ao que aconteceu em outros momentos da história, como no Renascimento, ou na virada do século XIX para o XX. Certa sincronicidade, potencializada pela conectividade e ubiquidade da atualidade, criando uma consciência global e autocrítica sobre os modelos (econômicos, sociais, tecnológicos, políticos e ambientais) dentro dos quais se vive. Embora todos sejam educados para resolver problemas dentro de especialidades, como engenharia, advocacia, economia. Em geral, a resposta como especialista traz simplismo e convencionalismo na solução de problemas complexos. Não à toa, na sociedade, observa-se um esgotamento dos modelos. Criar mais um processo, produto ou serviço de modo isolado e especializado já não atende o real problema. Projetar na complexidade faz, portanto, surgir modos de pensar mais holísticos, procurando integrar distintos campos do conhecimento na busca por novas respostas1 para novos (e antigos) problemas. Indivíduos atuando nesta trama se apoderam da liberdade de criar e recriar seus próprios códigos, crenças e valores, destruindo mitos, rituais e símbolos conservados pela cultura, gerando um desequilíbrio momentâneo no sistema. Indivíduos conscientes do seu livre pensar, criar e agir vivem uma relação paradoxal de liberdade condicional. Durante a revolução industrial presenciou-se o fenômeno da alienação2, o divórcio entre o pensar e o fazer. Quando o artesão de ofício - os designers e criativos daquele tempo - perde para as indústrias as ferramentas e os recursos que viabilizavam sua criação. Curiosamente, nos dias de hoje surge um movimento inverso, em que a criação se populariza por meio de ágoras físicas e digitais, onde qualquer criativo pode aprender individualmente ou coletivamente a libertar suas mentes para criar, projetar e desenvolver soluções de alta qualidade, que atendam suas próprias necessidades ou as de uma sociedade. Esses cidadãos preferem aprender com seus próprios erros e acertos. Às vezes, contam com o apoio de mentores incomuns, como um amigo ao lado. Após décadas de dogmatização do profissional criativo, reconhecido pela sua genialidade e importância na massificação, padronização e mecanização de novos conceitos, chega-se a homeostase social3. Práticas como a digitalização da produção ou a cocriação fazem emergir empreendedores criativos, prontos para atuarem muito além do design de ofício, produzindo e espalhando seus ideais pelo mundo de forma não ortodoxa. Aplicando modelos econômicos, quase irracionais, como o freemium e o crowdfuning, os novos criadores são os arautos desse novo tempo. Diversos estudos, um deles realizado pela IBM4 com 1500 lideranças e confirmado por outro da Adobe5, sugerem que sem essa liderança criativa (creative leadership) ou confiança criativa (creative confidence) não será possível solucionar os desafios capciosos desta geração. Fazendo com que esta jornada trilhada por indivíduos, pequenas equipes, organizações ou grupos sociais vejam ao final a criação como um ato de ativismo, quase invisível nesse emaranhado de transformação. Atualmente, vive-se o futuro do passado, onde algum desses ativistas antigos projetou os artefatos, as instituições, as regras e o ambiente de interação humana existentes hoje. O estilo de vida móvel, disperso, conectado, foi projetado há menos de 30 anos por pessoas decididas a criar o (nosso) futuro. Lugares como Califórnia (Vale do Silício), Londres (Inglaterra), Tel Aviv (Israel) e Berlim (Alemanha) já sentiram os efeitos, muitas vezes silenciosos, deste tipo de protagonismo social. 1 A convergência tecnológica NBIC (siglas para integração da Nano, Bio, Info e Cognição) tornou-se um mantra em escolas como o MIT e Singularity University nos EUA, onde problemas são analisados e tratados de maneira transdisciplinar. 2 Conceito apresentado por Karl Marx, no livro “O Capital”. 3 O professor italiano Massimo Canefacci chama o indivíduo contemporâneo de multivíduo, um indivíduos com múltiplos “eus” criativos. 4 Capitalizing on Complexity, IBM, 2010. 5 State of Create Study, Adobe, April 2012.
  4. 4. 39TRINTA E NOVE Anderson Penha é o pai da Nina, designer pela Symnetics, professor de Criatividade e Inovação nos MBAs da BI International, Sustentare e professor convidado nos cursos de Business Design da Business School São Paulo. André Coutinho é agente de inovação pela Symnetics e professor de Business Design dos MBAs e programas executivos da HSM Educação e Business School São Paulo. passa mais por uma única visão modeladora. Aos poucos se dá conta de que a sociedade sempre esteve em ebulição e, de tempos em tempos, regras e valores são colocados à prova, mantendo viva a tensão criativa, entre os adeptos (de novos modelos) e reacionários (fã de carteirinha dos modelos clássicos, que um dia também foram novos). Nesse contexto, o design se torna uma plataforma de diálogo aberta para modular as diversas tensões sociais e modelar soluções de arquitetura aberta, onde pessoas e coletivos possam adequar soluções às suas necessidades. O designer se torna um catalizador que estimula, articula, valoriza e potencializa qualquer criativo ou expert ao seu redor, bem como o intérprete social que usa a linguagem como sua principal ferramenta de criação e a mídia como adequação da linguagem. Esse movimento libertário e participativo tem se mostrado um caminho para a solução de problemas complexos, cujo escopo nunca está claro e as múltiplas soluções possíveis residem na junção de diversos campos do conhecimento. DESIGN EM UM MUNDO COMPLEXO O design neste mundo complexo - o mundo sempre foi complexo, o ser humano é que o simplifica, reduze-o por um tempo – volta a ser o verbo que catalisa e estimula a (re)conexão e interação entre agentes, sejam eles humanos ou não humanos (objetos, plantas, animais, rios, mares) e que permite, pelas interações, fazer emergir suas próprias perguntas e respostas. Neste contexto, o designer passa a ser aquele que trabalha constante a modulação: mediação, articulação, interpretação e adequação. Vivendo no meio, não no lugar, no in between entre polos opostos: do individual & coletivo, do fechado & aberto, do público & privado, do orgânico & inorgânico, do real & virtual. O modelar, projetar coisas concretas (ou abstratas), simples e memoráveis, com um rigor estético e funcional, acessível e intuitivo aos indivíduos, deixa de ser um mantra para o designer. O mundo contemporâneo requer um projetar que balanceie o modular e o modelar. Nestes últimos anos, é possível notar que temas como degradação do meio ambiente, consumo consciente, modos de aprendizagem não convencionais, entre outros, têm sido abordado por diversos campos do conhecimento, passando a ser temas transversais, onde a soluções dos problemas não “O designer se torna um catalizador que estimula, articula, valoriza e potencializa qualquer criativo ou expert ao seu redor, bem como o intérprete social que usa a linguagem como sua principal ferramenta de criação e a mídia como adequação da linguagem” #

×