PSICOPATIA
Formadora: Susana Evangelista
05 de Agosto, 2014
06-08-2014
1
OBJETIVOS
Objetivo geral:
No final da sessão, os formandos devem ser capazes de identificar a presença ou
ausência de psi...
Como definir um psicopata?
06-08-2014
3
ROBERT HARE
Considera a psicopatia o grau máximo das perturbação da personalidade;
Todos os psicopatas devem ser conside...
A MENTE DE UM PSICOPATA
Manipuladores, calculistas, mentirosos e narcisistas eles agridem, matam, não se
importam com o so...
TIPOLOGIAS
A PSICOPATIA COMO UM CONSTRUCTO DIMENSIONAL (HARE, 1991)
Fator 1
(características interpessoais e afetivas)
Ite...
Temibilidade Adaptação Social Baixa Adaptação Social Alta
Capacidade Criminal
Elevada
Criminosos de carreira
psicopatas: h...
Como detetar um?
06-08-2014
8
A apresentação é superficial e pouco credível
A emoção não parece genuína
Esforça-se por parecer uma pessoa brilhante
Usa ...
Mostra segurança e tem uma boa opinião própria.
Exagera o seu status social e reputação.
Atribui à má sorte os seus insuce...
Necessidade crónica e excessiva para novas e excitantes estimulações.
É frequente o uso de vários tipos de drogas;
A escol...
Mentir e enganar constitui uma característica típica do seu padrão
Histórias elaboradas acerca do seu passado;
Perplexos o...
Utilização de esquemas, embustes, fraudes e outras estratégias
manipulativas com o intuito de obter ganhos pessoais
Compor...
Aparenta não ter capacidade para assumir a culpa, não tem consciência.
Não aparenta sinceridade quando mostra remorsos.
De...
Incapacidade de experienciar emoções e afetos a um certo nível de profundidade.
Inconsistência entre expressões emocionais...
Frio e insensível.
Indiferente com os sentimentos dos outros.
Incapaz de avaliar as consequências emocionais das suas açõe...
Adoção de estilo de vida em que “viver à custa dos outros” é normal
Evitam empregos certos
Não têm meios de suporte ou ren...
Frustra-se e zanga-se com facilidade, especialmente quando embriagado.
É muitas vezes abusivo física e verbalmente.
Os abu...
Relacionamentos casuais, impessoais e triviais.
Existência frequente de casos de uma noite, numa seleção indiscriminada de...
Comportamento
Delinquente Precoce
Abuso de substâncias;
Pequenos delitos (pela “pica”);
Destruição de propriedade.
06-08-2...
Vivem em função do dia-a-dia e a mudar com frequência os seus planos
Não se preocupam ou pensam acerca do futuro
Ausência ...
Têm comportamentos que causam sofrimento ou colocam os outros
em risco.
Incapazes ou nunca dispostos a aceitar a responsab...
Falta de cumprimento nos compromissos com as relações.
Deficiente relação com as crianças.
Comportamento inadequado no emp...
Versatilidade
Criminal
Cadastro Criminal de acusações e condenações em numerosos e
diferentes tipos de ofensas;
06-08-2014...
PREVALÊNCIA
1% na população geral;
População prisional:
• Sem psicopatia :47%;
• Leve psicopatia: 37%;
• Com psicopatia: 1...
QUAIS SÃO OS MAIS BEM
SUCEDIDOS?
Primário
Secundário
06-08-2014
26
CONCLUINDO…
• Nem todos os psicopatas se tornam assassinos em série, alguns nunca chegam a matar.
06-08-2014
27
Obrigada pela atenção!!!
Formadora: Susana Evangelista
Email: susana.evangelista@gmail.com
06-08-2014
28
Referências:
Blackburn, R. (1978). Psychopathy, arousal and the need for stimulation. In R. D. Hare & D. Schaling (Eds.), ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Psicopatia. CCP. Apresentação

270 visualizações

Publicada em

Apresentação para formação.

Publicada em: Ciências
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
270
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Psicopatia. CCP. Apresentação

  1. 1. PSICOPATIA Formadora: Susana Evangelista 05 de Agosto, 2014 06-08-2014 1
  2. 2. OBJETIVOS Objetivo geral: No final da sessão, os formandos devem ser capazes de identificar a presença ou ausência de psicopatia, após uma entrevista ao avaliado. Objetivos específicos: O formando deve conseguir detetar sinais da presença da patologia, durante uma conversa com outros indivíduos; O formando deve distinguir psicopatas primários e secundários, baseando-se no discurso do avaliado. 06-08-2014 2
  3. 3. Como definir um psicopata? 06-08-2014 3
  4. 4. ROBERT HARE Considera a psicopatia o grau máximo das perturbação da personalidade; Todos os psicopatas devem ser considerados antissociais e sociopatas, mas destes nem todos podem ser considerados psicopatas; A psicopatia apresenta, segundo Hare (1991), características que não estão presentes nos antissociais e sociopatas; Interação social desviada dos padrões éticos e morais vigentes (não necessariamente somente atividade criminal); Afetivamente são irritáveis, sem capacidade de criar vínculos emocionais com o outro, não têm capacidade de empatia, culpa ou remorsos; 06-08-2014 4
  5. 5. A MENTE DE UM PSICOPATA Manipuladores, calculistas, mentirosos e narcisistas eles agridem, matam, não se importam com o sofrimento das suas vítimas e ainda sentem prazer com isso. 06-08-2014 5
  6. 6. TIPOLOGIAS A PSICOPATIA COMO UM CONSTRUCTO DIMENSIONAL (HARE, 1991) Fator 1 (características interpessoais e afetivas) Itens: - Superficialidade - Sentido grandioso de si próprio - Falsidade - Ausência de remorsos - Ausência de empatia - Não aceita responsabilidades Fator 2 (Comportamento desviante e anti-social) Itens: - Impulsividade; - Baixo controlo comportamental; - Falta de objetivos; - Irresponsabilidade; - Comportamento adolescente anti-social; - Comportamento Adulto anti-social 06-08-2014 6
  7. 7. Temibilidade Adaptação Social Baixa Adaptação Social Alta Capacidade Criminal Elevada Criminosos de carreira psicopatas: história de reincidência. Perigosidade elevada. Criminosos de colarinho branco. Burlas: reincidentes: perigosidade elevada Capacidade Criminal Baixa Pequenos delinquentes história de reincidência. Perigosidade baixa. Todos os indivíduos (crimes de disputa) perigosidade baixa. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PERIGOSIDADE CARACTERIZAÇÃO GLOBAL DO FUNCIONAMENTO PSICOLÓGICO E SOCIAL DO INDIVÍDUO 06-08-2014 7
  8. 8. Como detetar um? 06-08-2014 8
  9. 9. A apresentação é superficial e pouco credível A emoção não parece genuína Esforça-se por parecer uma pessoa brilhante Usa linguagem técnica de modo inadequado. A conversação e o comportamento interpessoal não estão interligados. Loquacidade/Encanto Superficial 06-08-2014 9
  10. 10. Mostra segurança e tem uma boa opinião própria. Exagera o seu status social e reputação. Atribui à má sorte os seus insucessos/ Vítima do sistema. Mostra pouca preocupação com o futuro. Sentimento Grandioso de Si Próprio 06-08-2014 10
  11. 11. Necessidade crónica e excessiva para novas e excitantes estimulações. É frequente o uso de vários tipos de drogas; A escola, o trabalho e as relações de longa duração são aborrecidas; Percurso de vida em que são constantes as interrupções e o absentismo; Necessidade de Estimulação/Tendência para o Tédio 06-08-2014 11
  12. 12. Mentir e enganar constitui uma característica típica do seu padrão Histórias elaboradas acerca do seu passado; Perplexos ou embaraçados quando confrontados com a verdade; Identidades falsas ou falsos cúmplices; Mentir Patológico 06-08-2014 12
  13. 13. Utilização de esquemas, embustes, fraudes e outras estratégias manipulativas com o intuito de obter ganhos pessoais Comportamentos de desprezo e sem preocupação pelos seus efeitos nas vítimas Estilo Manipulativo 06-08-2014 13
  14. 14. Aparenta não ter capacidade para assumir a culpa, não tem consciência. Não aparenta sinceridade quando mostra remorsos. Demonstra pouca emoção no que diz respeito a valores de ordem emocional. Preocupa-se mais com o próprio sofrimento, do que com o sofrimento dos outros Ausência de Remorsos 06-08-2014 14
  15. 15. Incapacidade de experienciar emoções e afetos a um certo nível de profundidade. Inconsistência entre expressões emocionais e respetivos comportamentos. Superficialidade Afetiva 06-08-2014 15
  16. 16. Frio e insensível. Indiferente com os sentimentos dos outros. Incapaz de avaliar as consequências emocionais das suas ações. As expressões de emoção são superficiais e inconstantes. As expressões verbais e não verbais são inconsistentes Insensibilidade/Ausência de Empatia 06-08-2014 16
  17. 17. Adoção de estilo de vida em que “viver à custa dos outros” é normal Evitam empregos certos Não têm meios de suporte ou rendimentos visíveis e sustentar-se meramente através da atividade criminosa Excessiva dependência de outros Estilo de Vida Parasita 06-08-2014 17
  18. 18. Frustra-se e zanga-se com facilidade, especialmente quando embriagado. É muitas vezes abusivo física e verbalmente. Os abusos podem ser repentinos e sem provocação. Tem explosões de raiva de curta duração. Deficiente Controlo Comportamental 06-08-2014 18
  19. 19. Relacionamentos casuais, impessoais e triviais. Existência frequente de casos de uma noite, numa seleção indiscriminada de parceiros sexuais. Infidelidades constantes/Recurso à prostituição. Facilidade em participar em vários tipos de atividade sexual Comportamento Sexual Promíscuo 06-08-2014 19
  20. 20. Comportamento Delinquente Precoce Abuso de substâncias; Pequenos delitos (pela “pica”); Destruição de propriedade. 06-08-2014 20
  21. 21. Vivem em função do dia-a-dia e a mudar com frequência os seus planos Não se preocupam ou pensam acerca do futuro Ausência de Objetivos a Longo Prazo Incapacidade ou falta de vontade para formular planos ou objetivos realistas a longo prazo Têm objetivos irrealistas 06-08-2014 21
  22. 22. Têm comportamentos que causam sofrimento ou colocam os outros em risco. Incapazes ou nunca dispostos a aceitar a responsabilidade pessoal pelas suas próprias ações e as consequências. Apresentam desculpas para o seu comportamento que incluem a atribuição de culpas a outros. Negam as acusações que lhe são feitas Não Acatamento de Responsabilidades pelas suas Ações 06-08-2014 22
  23. 23. Falta de cumprimento nos compromissos com as relações. Deficiente relação com as crianças. Comportamento inadequado no emprego: absentismo, etc. Irresponsabilidade na gestão do dinheiro; Irresponsabilidade 06-08-2014 23 Incumprimento nos empréstimos, cartões de crédito, etc.
  24. 24. Versatilidade Criminal Cadastro Criminal de acusações e condenações em numerosos e diferentes tipos de ofensas; 06-08-2014 24
  25. 25. PREVALÊNCIA 1% na população geral; População prisional: • Sem psicopatia :47%; • Leve psicopatia: 37%; • Com psicopatia: 16%. (Portugal : n=150), (Gonçalves, 1999). 06-08-2014 25
  26. 26. QUAIS SÃO OS MAIS BEM SUCEDIDOS? Primário Secundário 06-08-2014 26
  27. 27. CONCLUINDO… • Nem todos os psicopatas se tornam assassinos em série, alguns nunca chegam a matar. 06-08-2014 27
  28. 28. Obrigada pela atenção!!! Formadora: Susana Evangelista Email: susana.evangelista@gmail.com 06-08-2014 28
  29. 29. Referências: Blackburn, R. (1978). Psychopathy, arousal and the need for stimulation. In R. D. Hare & D. Schaling (Eds.), Psychopathic Behavior: Approaches to Research (pp. 157-164). New York: Wiley. Cleckley, H. The mask oh sanity. St. Louis, MO: Mosby, 1988. Gonçalves, R. A. (1999b). Personalidade: O lado anti-social. Psychologica, 22, 83-101. Hare, R. D. (1991). The Hare Psychopathy Checklist-Revised. Toronto: Multi Health Systems. Hare, R. D. Psychopathy and Antisocial Personality Disorder: a case of diagnostic confusion. Psychiatric Times, v. 13, n. 2, p. 39- 40, 1996. 06-08-2014 29

×