Aula globalização ii pós carnaval

513 visualizações

Publicada em

educação

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
513
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
146
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • O mundo está cada vez mais integrado e interdependente, sendo que o controle econômico e político fica cada vez mais nas mãos das grandes corporações transnacionais que realizam entre si uma verdadeira “guerra” na disputa do poder global. Essa guerra é travada nas bolsas de valores do mundo inteiro e as armas utilizadas são os instrumentos de telecomunicações, a informática e a Internet, que fazem com que o capital circulem de um país para outro, numa velocidade instantânea, aumentando o poder de quem já detém o capital e domina a alta tecnologia.
  • Aldeia global: uma comunidade mundial interligada pela grande possibilidade de comunicação e informação estabelecida através da internet.
  • A globalização está presente na economia, na informação, na cultura, na ciência, na política e no espaço. A influência da Globalização na cultura é facilmente assimilada pelos jovens. Entretanto, ao passo que diversas pessoas globalizam-se, outros tantos são excluídos do processo, tendo a concentração de riquezas como uma das conseqüências negativas da globalização.
  • A notícia é impressa e temos acesso a ela nos cafés da manhã. Esta notícia não é o fato, porque no jornal temos o parecer, o ângulo de visão de quem escreve a notícia. Os fatos nos dão todas as informações a cerca do acontecido. A seleção filtra o que não deve ser informado para a população. Tem-se a possibilidade de saber o que está acontecendo em várias partes do mundo, o que é noticiado são fragmentos e ela não é de toda informada para o público.
  • Temos nas grandes cidades, uma crise urbana caracterizada pela deficiência em vários serviços. Não há como criar tantas escolas, hospitais públicos se por trás destas iniciativas tem-se a preocupação com o lucro, o que neste caso é inviável.
  • Conseqüência necessária da lógica de desenvolvimento capitalista, a menos que essa lógica seja contraditada historicamente pelos efeitos produzidos na luta de classes.
    Os serviços coletivos requeridos pelo modo de vida suscitado pelo desenvolvimento capitalista não são suficientemente rentáveis para serem produzidos pelo capital com vistas à obtenção de lucro. Não podendo atender ao conjunto das demandas sociais, o Estado concentra seus investimentos naquelas funções urbanas necessárias ao funcionamento do pólo dominante, do capital.
  • Todas as funções urbanas passam a estar submetidas a uma atuação que não é neutra, é mediada pelo capital.
  • Então, os lugares, tornam-se um dado essencial do processo produtivo, em todas as suas instâncias, e passam a ter um papel que não tinham antes. A globalização revaloriza os lugares e os lugares – de acordo com o que podem oferecer às empresas – potencializam a globalização privilegiando a competitividade.
  • A violência urbana e suas variadas facetas a qual não se restringe às periferias, mas na cidade como um todo. A violência com certeza é uma forma de discurso, mas pode-se dizer de outras formas. Apenas na violência perde-se a razão. Prestar atenção às violências que acontecem e refletir.
  • O tema da segurança pública passa a ser abordado de forma a intensificar a indústria do medo. Lembrar as diversas empresas especializadas em artigos de segurança.
  • O homem faz parte dos agravos que ocorrem na natureza. O lixo urbano sem destino. Quem produz o lixo? Qual o destino do lixo? Esta imagem é um alerta para uma situação que ainda ocorre, de pessoas que ainda usam o lixo como alimento, porque não tem outros meios de adquiri-lo (Citar Filme: Ilha das Flores).
  • Aula globalização ii pós carnaval

    1. 1. GEOGRAFIA Suely Takahashi
    2. 2. 2 GLOBALIZAÇÃO • Descentralização do processo de produção de um objeto qualquer. Reestruturação da relação tempo- espaço.
    3. 3. 3 GLOBALIZAÇÃO • Homogeneização do padrão de consumo da população, que permite a produção em larga escala. • Mobilidade de capitais que podem ser investidos em qualquer lugar do mundo, sem que o investidor tenha que viajar.
    4. 4. 4 “A globalização é fábula porque quando nos falam sobre a “aldeia global” querem dizer que todos sabem o que se passa no mundo”. (SANTOS, 2000: 13)
    5. 5. 5 CONTRASTES
    6. 6. 6 O PODER DAS MÍDIAS “O mundo tornado conhecido é, por si só, um momento revolucionário na história do mundo. (...) A mídia não nos dá os fatos, apenas notícias, que não são fatos”. SANTOS (2000:28)
    7. 7. 7 A crise urbana surge da impossibilidade do sistema produzir os serviços cuja necessidade ele suscitou. Transformar a lógica de produção e gestão dos bens coletivos e não utilizar como critério a obtenção de um lucro privado.
    8. 8. 8 “ O Estado é um agente decisivo na produção, distribuição e gestão dos meios de consumo coletivos e na organização desses serviços. A intervenção do Estado não é neutra, resulta de um processo político, amplamente determinado pelas lutas de classe”. CASTELLS (1980:23)
    9. 9. 9 “Não podendo atender ao conjunto das demandas sociais, o Estado concentra seus investimentos naquelas funções urbanas necessárias ao funcionamento do pólo dominante, isto é, do capital”. CASTELLS (1980:25)
    10. 10. 10 EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO
    11. 11. 11 “Graças aos progressos fulminantes da informação, o mundo fica mais perto de cada um, não importa onde esteja. O outro, isto é, o resto da humanidade, parece estar próximo... ... criam-se, para todos, a certeza e, logo depois, a consciência de ser mundo e de estar no mundo, mesmo se ainda não o alcançamos em plenitude material ou intelectual”. (Milton Santos)
    12. 12. 12 GUERRAS CIVIS
    13. 13. 13 VIOLÊNCIA URBANA “A violência é uma forma de discurso (...) ela aponta para uma vontade de entendimento e de superação” SANTOS (2000: 60).
    14. 14. 14 Há que se considerar uma influência significativa na percepção da população sobre criminalidade, decorrente, em grande parte, da ênfase dada pela mídia a certos tipos de crimes de interesse jornalístico (...)
    15. 15. 15 VIOLÊNCIA URBANA (...) E ainda a fatores como o preconceito social, contato da população com filmes e livros de ficção sobre o tema ou pela exploração política do tema da segurança pública.
    16. 16. 16 DESEMPREGO
    17. 17. 17 DESEMPREGO
    18. 18. 18 EXPLORAÇÃO INFANTO-JUVENIL
    19. 19. 19 PROPAGAÇÃO DE DOENÇAS
    20. 20. 20 DEGRADAÇÃO AMBIENTAL “Os agravos à natureza são sobretudo originários do modelo de civilização que adotamos (...) ”. SANTOS (2000: 20)
    21. 21. 21 REDUÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA
    22. 22. 22 REDUÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA
    23. 23. 23 Referências ANDRADE, Manuel Correia de. Geografia Econômica. 8ª ed. São Paulo, Atlas, 1985. CASTELLS, Manuel. Cidade, democracia e socialismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.
    24. 24. 24 Referências SANTOS, Milton. Território e Sociedade. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000. FÉRREZ. Manual prático do ódio. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003.
    25. 25. 25 “Existe um tempo certo para cada coisa, momento oportuno para cada propósito debaixo do Sol: tempo de nascer, tempo de morrer; tempo de plantar, tempo de colher”. (Eclesiastes 3:1-2)

    ×