Seminário final de patrimônio II

506 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
506
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminário final de patrimônio II

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II João Guimarães Vieira: representação da imagem feminina no modernismo . Alunos: Fabricio Teixeira Viana Steves Peixoto Rocha Prof: Maraliz de Castro Vieira ChristoNov/2011
  2. 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II Nu, s.d. Óleo sobre tela 73x60
  3. 3. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II PANORAMA: 1. A pintura em Juiz de Fora; 2. João Guimarães Vieira : Guima; 3. Obra Nu; 4. Conclusão; 5. Referências.
  4. 4. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II 1. A pintura em Juiz de Fora:
  5. 5. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II 2. João Guimarães Vieira (Guima): João Guimarães Vieira, o Guima, nasceu em São Sebastião do Rio Bonito, hoje Pentagna (RJ), aos 17 de outubro de 1920, e morreu em 1996. Estudou pintura com Édson Motta, aprendendo a desenhar a partir de modelos vivos, além de paisagens e pintura afresco. Também estudou filosofia da arte, orientado pelo professor Henrique Guima: “sempre fui marcado pelo descaso de Juiz de Fora, Hargreaves. com as atividades culturais” – (Tribuna de Minas, 1982)
  6. 6. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II Guima é autor de diversos trabalhos de pintura, mural, de ilustrações e capas de livros, inclusive desenhou duas para Carlos Drummond de Andrade. Destacamos algumas algumas obras: painel a Ceia; Painel no salão de leitura da biblioteca Central UFJF, tela Duas Figuras, ilustrações femininas diversas e a obra Nu.
  7. 7. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II Painel “Ceia”, 1958, instalado na Sala de Convivência dos Professores do Campus I do CEFT-MG (Site CEFET/MG)
  8. 8. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II Painel, instalado no Salão de Leituras da biblioteca Central da Universidade Federal de Juiz de Fora: Detalhe central do painel – (Arquivo Pessoal, 2011.) (Arquivo pessoal, 2011)
  9. 9. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II Tela Duas Figuras, 1947 Ilustrações diversas: (Amaral, 2004.) (Tribuna de minas, 1982)
  10. 10. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II Quadro Nu, óleo sobre tela, 73x60 – Museu Mariano Procópio Catálago Banco Safra, 2011
  11. 11. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II Comparação das representações femininas de Guima:
  12. 12. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II 3. ‘Nu’ : A obra retrata uma mulher jovem, de cabelos longos e escuros. O rosto é representado em perfil, seu olho fechado trás o tom nostálgico do quadro. A cabeça se apóia no ombro direito, cujo braço escorado num objeto cúbico do cenário se estende deixando a mão pendente. Ela está nua, sentada no chão, e possui um tecido branco que junto com seu braço esquerdo lhe escondem o sexo. Um de seus seios, está a mostra, marcando a sutileza da obra.
  13. 13. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II 3. Nu: “Serenidade cromática”; Uso de cores complementares básicas ; Os tons avermelhados e alaranjados direcionam o olhar do espectador para a mulher; Já o fundo em tons azuláceos, passa certa tranqüilidade, estado de estagnação, reflexão que compõem a imagem de “mulher melancólica”.
  14. 14. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II Jayme Soares Costa – Minha Esposa (1963) João Guimarães Vieira – NU (s.d.)) Paisagens, natureza morta e retratos eram a produção mais comum dos artistas locais vinculados ao núcleo Antonio Parreiras, havendo pouca pintura de modelo vivo, que só veio acontecer com mais frequencia com a presença de Edson Motta.
  15. 15. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II Nivia Bracher – Auto Retrato (1961) João Guimarães Vieira – NU (s.d.)) As imagens femininas no núcleo Antonio Parreiras, são encontradas em retratos, diferenciando da obra de modelo vivo pintada por Guima.
  16. 16. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II Cézar Turatti – Retrato de Wanda Turatti João Guimarães Vieira – NU (s.d.)) A obra “Nu” se destaca ainda por não se tratar de nenhuma personalidade específica, não havendo a caracterização de sua face.
  17. 17. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II João Guimarães Vieira – NU (s.d.)) Angelo Bigi – Figura (1921) Mas, dentro do acervo do Núcleo de Belas Artes Antonio Parreras, é identificado a obra de Biggi, feito a partir de um modelo vivo, sem abordar a arte do retrato, até então tão comumente produzida.
  18. 18. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II Tarsila do Amaral – A Negra (1923) João Guimarães Vieira – NU (s.d.)) Outra relação iconográfica que pode ser bem interessante seria confrontando a obra analisada “Nu”com o quadro “A Negra”. Apesar da enorme discrepância de formas do corpo feminino, já que a obra do Guima apresenta a mulher de maneira extremamente delicada e sutil e o quadro da Tarsila mostra a mulher mais brutalizada, ambos revelam a nudez feminina
  19. 19. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II 4. Conclusão: A obra Duas Figuras, bem como as ilustrações publicadas no Jornal Tribuna de Minas (1982) trazem grande semelhança física entre as personagens com a obra Nu, contrastando com A Negra, de Tarsila do Amaral, que se excluirmos o seu sentido de quadro-manifesto, nos resta uma representação monstruosa e brutalista da mulher. Analisar Nu de João Guimarães Vieira é, portanto verificar a sutileza da representação feminina na arte moderna.
  20. 20. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II 5.Referências: AMARAL, Lucas do. A Parreira e seus artistas: crônica da Sociedade Belas Artes Antonio Parreiras e dicionário Biográfico de alguns de seus artistas – Juiz de Fora, MG: Funalfa edições, 2004. Catálago Exposição Artistas de Juiz de Fora: Sociedade de Belas Artes Antonio Parreiras – 07 a 22 de novembro de 1978. O Museu Mariano Procópio: São Paulo: Banco Safra: 2006 Tribuna de Minas, Caderno Dois, 02 de novembro de 1982. Pesquisa na internet, acessado em 20/11/11, disponível em: http://www.cefetmg.br/noticias/2010/12/noticia0006.html http://www.revue-silene.com/images/30/extrait_111.pdf http://www.ufjf.br/mamm/bibliotecas-do-mamm/guima/ http://www.graudez.com.br/literatura/modernismo.html
  21. 21. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORAPAT R IMÔN IO H ISTÓ R ICO II fabricio_viana69@hotmail.com stevesrocha@hotmail.com

×