One week girlfriend monica murphy - drew + fable 1 - 110

222 visualizações

Publicada em

livro

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
222
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

One week girlfriend monica murphy - drew + fable 1 - 110

  1. 1. One Week Girlfriend Drew+Fable #1 Monica Murphy Sinopse: Temporária. É a única palavra que melhor descreve a minha vida nos últimos anos. Eu trabalho em um emprego temporário até que eu possa finalmente me libertar. Eu sou a mãe temporária do meu irmãozinho, porque a nossa mãe não dá a mínima para nenhum de nós. E eu sou aquela garota temporária com quem todos os caras querem ficar porque eu dou-lhes o que querem facilmente. De acordo com os rumores, pelo menos. Mas agora eu sou a namorada temporária de Drew Callahan, lenda do futebol do Colégio, e tudo ao seu redor é dourado. Ele é bonito, doce e esconde mais segredos que eu. Ele me trouxe para esta vida falsa onde todos parecem odiar-me. E todo mundo parece querer algo dele. A única coisa que ele parece querer é... A mim. Eu não sei mais em que acreditar. Tudo que eu sei é que eu acho que Drew precisa de mim. E eu quero estar lá para ele. Para sempre.
  2. 2. A tradução em tela foi efetivada pelo grupo CEL de forma a propiciar ao leitor acesso parcial à obra, incentivando-o à aquisição da obra literária física ou em formato ebook. O grupo CEL tem como meta a seleção, tradução e disponibilização parcial apenas de livros sem previsão de publicação no Brasil, ausente de qualquer forma de obtenção de lucro, direto ou indireto. No intuito de preservar os direitos autorais contratuais de autores e editoras, o grupo, sem aviso prévio e quando julgar necessário, poderá cancelar o acesso e retirar o link de download dos livros cuja publicação for veiculada por editoras brasileiras. O leitor e usuário fica ciente de que o download da presente obra destina-se tão somente ao uso pessoal e privado e que deverá abster-se da postagem ou hospedagem em qualquer rede social (Orkut, Facebook, grupos), blogs ou qualquer outro site de domínio público, bem como abster-se de tornar público ou noticiar o trabalho de tradução do grupo, sem a prévia e expressa autorização do mesmo. O leitor e usuário, ao disponibilizar a obra, também responderá pela correta e lícita utilização da mesma, eximindo o grupo CEL de qualquer parceria, coautoria, ou coparticipação em eventual delito cometido por aquele que, por ato ou omissão, tentar ou concretamente utilizar da presente obra literária para obtenção de lucro direto ou indireto, nos termos do art. 184 do Código Penal Brasileiro e Lei nº 9610/1998. Julho/2013
  3. 3. Proibido todo e qualquer uso comercial Se você pagou por esta obra, VOCÊ FOI ROUBADO.
  4. 4. Cantinho Escuro dos Livros
  5. 5. Quando eu te vi me apaixonei e você sorriu porque sabia. William Shakespeare
  6. 6. Dia 6, 23:00 Muito presa. Essas três pequenas palavras repercutem pela minha cabeça mais e mais. A descrição perfeita de como estou me sentindo neste momento. E também apanhada em suas palavras doces, de partir o coração, em seus braços fortes, capazes e em seus lábios quentes e macios. Eu estou muito presa nesta... vida mentirosa, eu estou tão completamente submersa nisso. E você sabe o que mais? Eu gosto. Eu amo isso. Mesmo sabendo que no fundo, é falso. A forma como você fala comigo, me olha, me toca. Beija-me... é tudo para demonstração. Eu sou algum tipo de proteção para você, mas eu não me importo. Eu quero. Eu quero você. O que eu não entendo é porque estamos aqui. Agora. Estou na sua cama e nós estamos no meio dela, nus, nossos braços e pernas entrelaçados, em volta um do outro, a colcha caída, fora de nossos corpos, porque a nossa pele é tão quente, parece que estamos queimando vivos. Você continua me beijando e sussurrando no meu ouvido o quanto você me quer e oh, meu Deus, eu quero você também, mas aquela voz irritante dentro da minha cabeça me diz que só temos mais uns poucos dias juntos e depois voltamos para o mundo real. Onde você me ignora. E eu ignoro-o. Você vai conseguir o que deseja - chocando o inferno fora de seus pais e todos os outros em casa, então eles não vão chateá-lo nunca mais. E eu vou conseguir o que quero, o dinheiro que você me prometeu para aturar sua merda por sete dias – sua expressão direta- para que eu possa cuidar de meu irmãozinho por pelo menos mais um pouco de tempo. Nós vamos nos acertar voltando para nossos papéis habituais. Onde você me odeia e eu o odeio. Vai ser uma mentira. Eu poderia ter te odiado antes de tudo isso, mas agora... Eu acho que estou apaixonada por você.
  7. 7. ~ * Capítulo Um * ~ Tempo: Menos 4 dias e contando... Drew [verbo]: trazer para si mesmo, pela força inerente ou influência; atrair. Drew Eu espero por ela do lado de fora do bar, inclinando-me contra o prédio de tijolos com as mãos empurradas profundamente dentro dos bolsos do agasalho, meus ombros curvados contra o vento. Está frio e escuro com a merda das nuvens penduradas baixas no céu. Sem estrelas, sem lua. Assustador, especialmente porque eu estou aqui sozinho. Se começar a chover e ela não fizer o trabalho, esqueça. Eu estou saindo. Eu não preciso dessa merda. O pânico varre através de mim e eu tomo uma respiração profunda. Eu não posso sair e eu sei disso. Eu preciso dela. Eu nem a conheço e ela com certeza não me conhece, mas eu preciso dela para sobreviver. Eu não me importo se isso soa como se eu fosse uma boneca completa ou o que seja, é a verdade. De jeito nenhum eu posso enfrentar a próxima semana, sozinho. A música de dentro do minúsculo bar bate alto e eu posso ouvir todo mundo dentro, rindo e gritando. Eu juro que reconheço mais do que algumas vozes. Eles estão tendo um bom momento. Os exames estão chegando e a maioria de nós deveria estar estudando, certo? Na refrigeração da biblioteca ou curvados sobre nossas mesas, as nossas cabeças em um livro ou debruçados sobre nossos laptops, relendo notas, escrevendo artigos, quaisquer que sejam. A maioria dos meus amigos estão bêbados naquele bar com suas bundas instaladas. Ninguém parece se importar que só é terça-feira ainda e há mais três dias para voltar aos testes e entregar material. É fazer ou quebrar o ano, mas todo mundo está focado no fato de que nós estaremos fora na próxima semana. A
  8. 8. maioria de nós tem pressa de dar o fora desta merda de cidade universitária para ir à cidade. Como eu. Eu estarei aqui até a tarde de sábado. Apesar de eu não querer sair. Eu prefiro ficar aqui. Eu não posso. Ela sai do trabalho à meia-noite. Perguntei a uma das garçonetes que trabalha no La Salle, quando eu escapuli lá mais cedo, antes que alguém tivesse realmente chegado. Ela estava dentro da cozinha, trabalhando,o que foi excelente para que ela não me visse. Eu não queria que ela me notasse. Ainda não. E os meus supostos amigos não precisam saber onde eu estou também. Ninguém sabe sobre o meu plano. Eu tenho medo que alguém vá tentar me convencer a não fazer se o descobrirem. Como se eu tivesse alguém para contar. Pode parecer que eu estou cercado por muitas pessoas que eu chamo meus amigos, mas eu não estou perto de qualquer um deles. Eu não quero estar. Ficar muito perto de alguém só traz problemas. As oscilações da antiga porta de madeira abrindo, rangendo nas dobradiças, o barulho vindo de dentro de mim como uma explosão física como a sinto contra meu peito. Ela surge na escuridão, a porta batendo atrás de si, o som ecoando no ar da noite de uma forma tranquila. Ela está com um casaco vermelho inflado que quase a engole toda, tornando as pernas cobertas de meias pretas mais longas ao olhar. Me empurrando para longe da parede, me aproximo dela. — Hei. O olhar cauteloso dela chicoteia em minha direção e diz tudo. — Eu não estou interessada. Hein? — Mas eu não pedi nada. — Eu sei o que você quer. — Ela começa a andar e eu saio atrás dela. Persigo-a realmente. Eu não planejei isso. — Vocês são todos os mesmos. Pensar que você pode ficar por aqui, esperando para me pegar. Me prender. Minha reputação é muito mais escandalosa do que o que eu realmente faço com qualquer um dos seus amigos. — ela joga por cima do ombro enquanto ela pega velocidade. Para uma coisa tão pequena, ela com certeza é rápida. Espere um minuto. O que ela disse, o que ela quer dizer com isso? — Eu não estou procurando por um alvo fácil. Ela ri, mas o som é frágil.
  9. 9. — Você não precisa mentir, Drew Callahan. Eu sei o que você quer de mim. Pelo menos ela sabe quem eu sou. Eu prendo o braço dela quando ela está prestes a atravessar a rua, parando-a em sua trilha e ela se vira para olhar para mim. Meus dedos formigam, apesar de que tudo o que estou agarrando é o tecido do casaco. — O que você acha que eu quero de você? — Sexo. — Ela cospe fora a palavra, seus olhos verdes se estreitaram, seu cabelo loiro pálido brilhando sob a iluminação da rua onde estamos de pé. — Olha, os meus pés estão me matando e eu estou exausta. Você escolheu a noite errada para pensar que pode ficar comigo. Estou totalmente confuso. Ela está falando como se ela fosse uma espécie de prostituta paga e eu estou esperando para conseguir um boquete rapidinho em um beco ou algo assim. Bebo em suas feições, meu olhar se instala em sua boca. Ela tem uma grande. Lábios cheios, sensuais, ela provavelmente poderia fazer um boquete excelente, se eu estivesse sendo honesto comigo mesmo, mas não é por isso que estou aqui. Me faz pensar exatamente o que muitos de meus companheiros de time tem com ela. Quer dizer, a única razão que eu estou falando com ela por causa da reputação que ela mencionou. Mas eu não estou tentando comprá-la para o sexo. Estou tentando comprá- la para proteção.
  10. 10. Fable-Fábula [substantivo]: a história não baseada nos fatos; uma inverdade; falsidade. Fable O menino de ouro do campus Drew Callahan está segurando-me como se ele nunca fosse me deixar e ele está me deixando nervosa. Ele é enorme, bem mais de 1.80m e com ombros tão amplos quanto uma montanha. Considerando que ele joga futebol, não é nenhuma surpresa, certo? E eu saí com alguns dos caras da sua equipe. Todos eles são bastante grandes e musculosos. Mas nenhum deles fez meu coração disparar apenas agarrando o meu braço. Eu não gosto de como eu reajo a ele. Eu não costumo reagir a ninguém. Com toda a força que posso reunir, eu puxo para fora de seu controle e passo para longe dele ganhando alguma distância muito necessária. Uma espécie de luz de súplica pisca em seus olhos e eu abro meus lábios, pronta para dizer- lhe para se foder quando ele me bate com um soco. — Eu preciso de sua ajuda. Franzindo a testa, eu descanso minhas mãos em meus quadris. Que é uma coisa difícil considerando o casaco volumoso e estúpido que estou usando. Está frio lá fora e a saia que é permitida para o trabalho é um projeto frágil de proteção às minhas pernas. Graças a Deus por minhas meias de lã, embora eu saiba que meu chefe odeia. Ele diz que elas não são muito sexy. Eu poderia dar a mínima para o que ele diz, quando se trata do que é sexy. Minhas dicas ainda são boas. Eu tenho mais de cem dólares na bolsa só de hoje à noite. Ele já está comprometido, embora. Meu dinheiro é sempre gasto antes de eu realmente tê-lo em minhas mãos. — Por que você precisa da minha ajuda? — Eu pergunto. Ele olha ao redor, como se tivesse medo de que alguém pudesse nos ver. Nenhuma surpresa. A maioria dos caras não querem ser visto comigo em público. Às vezes, realmente é uma porcaria, ser a vadia do campus. Especialmente porque eu sequer vou à estúpida universidade. — Talvez pudéssemos ir a algum lugar e falar. — ele sugere, com um leve sorriso.
  11. 11. Tenho certeza que a maioria das meninas iriam derreter à primeira vista do sorriso, o olhar sedutor em seu rosto. É um belo rosto e ele sabe disso, com aquelas sobrancelhas escuras que correspondem ao seu cabelo castanho e aos olhos azuis impressionantes. Mas eu não sou como a maioria das meninas. Eu não caio para um monte de porcaria. — Eu não vou a lugar nenhum com você para falar. Se você tem algo a dizer, você pode fazê-lo aqui. Seja rápido com isso também, porque eu preciso ir para casa. — Tenho certeza de que minha mãe não está lá e meu irmão mais novo está sozinho. Não é bom. Ele sopra uma respiração dura, parecendo todo irritado. Eu não me importo. Tudo o que ele tem a dizer não pode ser algo que eu considere. Eu estou muito curiosa, então eu preciso saber. Só assim eu posso saborear mais tarde. Drew Callahan não fala com as meninas como eu. Sou uma local. A townie1. Ele é o quarterback2 do nosso time vencedor de futebol universitário. Ele é como um superstar, maior que a vida, com fãs e tudo o mais. Ele tem aspirações à NFL3 pelo amor de Deus. Eu trabalho num emprego de merda que mal consegue pagar as contas. Minha mãe é uma alcoólatra que dorme por aí e meu irmão mais novo está começando a ter problemas na escola. Nossos mundos são opostos totais Eu não tenho a menor ideia porque ele gostaria de falar comigo. — O feriado de Ação de Graças é na próxima semana. — ele começa e eu reviro meus olhos. Dãn. Eu estou extremamente grata por essa data também. Significa que todos irão desocupar a cidade e o bar ficará praticamente vazio, fazendo do trabalho uma brisa. — Vá em frente. — Eu tenho que voltar para casa. — Ele faz uma pausa, seu olhar corta longe das minhas inquietações e desliza pela minha espinha. Eu não tenho ideia do que isso tem a ver comigo. — Eu quero que você vá comigo. Ok. Isso eu não esperava. — O quê? Porquê? 1 Definição informal e depreciativa para caipira;geralmente residente permanente de uma cidade universitária,mas sem vínculo,não a frequentando. 2 Posição de quarto zagueiro no futebol americano e capitão do time. 3 Liga Nacional de Futebol Americano.
  12. 12. Seu olhar encontra o meu mais uma vez. — Eu quero que você finja ser minha namorada por uma semana. Eu fico embasbacada com ele. Eu me sinto como um peixe morrendo. Fechando os lábios, abrindo-os. Como se eu estivesse com falta de meu último suspiro, que é meio o que eu sinto que estou fazendo. — Você está brincando. Ele balança a cabeça lentamente. — Eu não estou. — Por que eu? — Eu... — Ele balança a cabeça e os lábios fecham em grampos, como se ele não quisesse me dizer. — Eu vou pagar. Cruzo os braços na frente do peito. Eles estão elevados na estúpida jaqueta inflada. Eu a odeio tanto, mas é o casaco mais quente que eu tenho. Eu aposto que parece um dirigível. — Eu não estou à venda. — Escute, eu não quero pagar por qualquer coisa sexual. — Sua voz diminui uma oitava e espalha calafrios por toda a minha pele. A maneira como ele disse era sexy, mas ele não quis ser. — Eu só preciso de você para fingir ser minha namorada. Nós não teremos que dividir um quarto ou qualquer coisa assim. Eu não vou tentar entrar em suas calças, mas vamos ter que nos olhar como se estivéssemos juntos, você sabe o que quero dizer? Nenhuma resposta. Eu quero que ele continue presente para que eu possa lembrar mais tarde como eu tive Drew Callahan, em pânico pedindo-me para ser sua namorada de mentira. O momento não poderia ficar mais surreal do que já é. — Eu sei que você tem uma vida e um trabalho e tudo o mais que você faz. E provavelmente vai ser difícil para você largar tudo e ir embora comigo por uma semana, mas eu juro, eu vou fazer valer o seu tempo. Ele me faz sentir mais barata com o último comentário. Como se eu fosse a prostituta e cada indivíduo se gabasse do que eu sou. Os exageros estão lá fora. As histórias tão escandalosas, eu não me incomodo em negá-las. Não há nenhum ponto. — De quanto você está falando? Seu olhar trava com o meu e eu estou presa. Antecipação enrola através de mim enquanto eu espero por sua resposta. — Três mil dólares.
  13. 13. ~ * Capítulo Dois * ~ Tempo - Menos 2 dias e contando... Por uma vez, eu quero saber o que se sente ao ser a primeira escolha de alguém. - Fable Maguire Fable Eu ainda não posso acreditar que concordei em fazer isso. Três mil dólares é dinheiro demais para deixar passar. E Drew sabe. Ele tinha-me no momento em que o número impressionante caiu de seus lábios perfeitos. Apesar da minha desconfiança e preocupação sobre como diabos eu vou deixar a cidade por uma semana e não ter o meu mundo desmoronando completamente, enquanto eu estou fora, eu disse que sim, sem qualquer hesitação. Acho que eu sou muito gananciosa. Eu não posso deixar esse tipo de oportunidade passar, o que me faz sentir um lixo. Apesar do quanto eu digo a mim mesma que eu estou fazendo isso pela minha família. Para o meu irmão, Owen. Ele tem apenas 13 anos e eu odeio ver o quanto de um encrenqueiro, ele está se transformando. Ele é doce, ele tem um bom coração, mas ele caiu com um grupo de meninos de merda na escola e ele está fazendo coisas ruins como praticar furtos na classe, ele é menor e eu sei que ele fuma maconha algumas vezes. Eu senti o cheiro em suas roupas. Nossa mãe não se importa. Eu sou a única que o faz. E agora eu estou saindo por uma semana. Ele vai ficar fora da escola por apenas metade do tempo que é tempo mais que suficiente para ele entrar em apuros. O cabo de guerra acontecendo em meu coração está perto de ser esmagador. — Por que você tem que sair? Eu puxo o saco de lona velho que não é usado por ninguém, entretanto é grande e está na prateleira de cima do armário e eu o jogo na cama da minha mãe. Uma nuvem de poeira sai quando ele cai. — Eu não vou demorar. — Uma semana, Fable. Você está me deixando aqui com a mãe por sete dias de merda.
  14. 14. Owen cai de volta em sua cama ao lado da mochila e começa a tossir da poeira pairando no ar. — Não xingue. — Eu beijo seu joelho e ele rola com um grito exagerado. — É um trabalho especial que vai me pagar um monte de dinheiro. Nós vamos ter um bom Natal. — Eu não dou a mínima para a merda do Natal. Eu atiro-lhe um olhar duro e ele murmura um pedido de desculpa indiferente. Desde quando ele se sentiu tão confortável para amaldiçoar na minha frente? O que aconteceu com o irmão chorão que me seguia por toda parte, como se ele me adorasse? — E que tipo de trabalho especial lhe paga tanto dinheiro por um espaço de tempo tão curto? — O sarcasmo na sua voz é claro. Ele é muito jovem, não, não realmente, eu só estou me enganando, mas eu espero que ele não ache que eu estou saindo para prostituir-me. Eu com certeza me sinto assim. Meu cérebro embaralha quando eu tento vir para cima com uma desculpa. Eu não posso dizer a Owen o que eu realmente estou fazendo. Eu não disse a ele o quanto de dinheiro que eu estava fazendo. Ele só sabe que é muito. Não disse à minha mãe também, não que ela se importe. Eu não a vejo em mais de 24 horas, mas ela tem um namorado novo, então eu tenho certeza que ela está com ele. — Eu vou ser uma babá para uma família, enquanto eles vão descansar para as férias de Ação de Graças. Eles têm três filhos. A mentira cai facilmente dos meus lábios o que me assusta. Owen começa a rir, o idiota. — Você vai ser uma babá? Você odeia crianças! — Eu não sei. — Assim eu faço. — A família é muito legal. — Eu não tenho ideia se os Callahans são bons. — E eu tenho que ficar numa mansão enorme. Drew me disse que sua família vive em Carmel. Eu nunca estive lá, mas ouvi falar. Eu fiz um pouco de pesquisa no Google na biblioteca e vi fotos. O lugar parece incrível. Caro. Assustador. — Você não vai querer sair, eu acho. Owen se senta, corre o dedo na parte superior da mochila, deixando um traço no pó. — Você vai ser vista como uma puta sem dinheiro, mostrando-se com este saco de merda.
  15. 15. — Você acabou de me chamar de puta sem dinheiro? — Eu não posso ficar ofendida, porque o que ele diz é a verdade. Vou parecer ridícula com o meu guarda-roupa escasso e minha mochila rasgada e empoeirada. Sua família vai rir de mim. Drew provavelmente vai rir de mim. Então ele vai colocar 50 dólares na palma da minha mão e me deixar na estação de ônibus, porque ele vai perceber rápido que eu nunca posso fazer a merda de uma namorada falsa. — Talvez. — Owen sorri. — Eu espero que você sair valha à pena. Dread me consome mais rápido no momento, mas eu o empurro para longe. — Vai ser, eu prometo. — O que faço se a mãe desaparecer? — Por um segundo, eu tenho um vislumbre de Owen. O velho. O menino que depende de mim, que me trata como sua mãe desde que a nossa não é confiável. — Ela não vai. — Eu já conversei com ela e eu vou falar com ela novamente antes de eu sair. Ela precisa de perseguição constante, como se eu fosse a mãe e ela a criança. — Eu vou fazê-la jurar voltar para casa todas as noites. — É melhor. Ou eu vou chamar você implorando para voltar para casa. — O sorriso está de volta. — Eu poderia chamá-la de puta sem dinheiro de novo e você vai ficar tão louca, que terá que vir aqui só para chutar a minha bunda. É isso aí. Chego perto dele, eu começo a fazer cócegas nos seus lados, meus dedos cavando em suas costelas, o som de sua risada me enchendo de felicidade. — Pare — ele fala entre ataques de riso. — Saia de mim! Eu quase posso esquecer de como a nossa vida é uma porcaria neste momento único e bobo. Quase.
  16. 16. Drew — Você está trazendo alguém para casa? Meu pai coloca a mão sobre o receptor, mas eu ainda posso ouvi-lo. — Adele, Drew está trazendo alguém para casa para a Ação de Graças. Eu estremeço. De jeito nenhum que eu queria que o meu pai fofocasse com a minha madrasta, especialmente quando ainda estou no telefone com ele. Ela descobriria mais cedo ou mais tarde, mas eu esperava que fosse mais tarde. — Qual é seu nome? — Eu ouço sua voz. Ela não parece satisfeita. Isso faz com que tudo dentro de mim aperte-se. — Fable. — digo a meu pai sem ser solicitado. Meu pai fica quieto por tanto tempo, que eu acho que ele desligou, mas então eu ouço Adele sussurrando no fundo. — Bem, Andy? Qual é seu nome? Ela soa como uma megera com ciúmes. Ela provavelmente é. — É um apelido ou o que? — Meu pai me pergunta. — É o seu verdadeiro nome. — Eu não tenho explicação para isso também. Inferno, eu mal sei Fable Maguire. Ela é uma townie. Ela tem 20 anos de idade, ela tem um irmão mais novo e ela trabalha em um bar. Fable também tem o cabelo loiro muito claro, olhos verdes e seios bonitos. Mas eu não vou dizer isso a meu pai. Tenho certeza que ele vai descobrir isso por conta própria. Tons abafados se juntam novamente e eu sei que ele está dizendo o nome Fables para Adele. Eu ouço sua risada. Ela é uma vadia. Eu odeio Adele. Minha mãe morreu quando eu tinha dois anos. Eu não me lembro dela e eu queria lembrar. Meu pai começou a namorar Adele quando eu tinha oito anos e se casou com ela quando eu tinha onze anos. Adele é realmente a única mãe que eu já tive, e eu não a quero. Ela sabe disso também. — Bem, traga sua pequena Fable para ficar com a gente, ela é mais do que bem-vinda. — Papai faz uma pausa, e eu tenso, com medo do que ele poderia perguntar em seguida. — Você não é de ter uma namorada firme. — Esta é diferente. — Mais como o contrário de qualquer garota que eles esperam que eu fique. Em meus olhos, isso faz Fable quase tão perfeita quanto pode ser. — Você está apaixonado por ela? — Meu pai abaixa a voz. — Adele quer saber. —
  17. 17. Fervo de raiva dentro de mim. Como se fosse qualquer um de seus negócios. — Eu não sei. Que é o amor, afinal? — Você soa como um cínico completo. Aprender com os melhores faz isso com uma pessoa. Meu pai é muito reservado. Não me lembro a última vez que eu o vi beijar ou abraçar Adele. Certamente não me beija ou abraça, não que eu o deixasse. — Sim, bem, nós estamos namorando há um tempo, mas eu não sei. — Eu dou de ombros, lembro-me que ele não pode me ver e eu me sinto como um idiota. — Você nunca falou dela antes. — O que é isso, o terceiro grau? — Estou começando a suar só porque eu estou mentindo. Eu não falei com Fable todos os dias e é noite de quinta-feira. Sairemos sábado à tarde. Precisamos nos reunir e começar nossas histórias na linha do tempo, embora eu suponha que nós vamos ter muito tempo durante a viagem de quatro horas para obter os detalhes. Minha garganta fica seca com a ideia de estar com Fable na minha picape sozinho por quatro horas. O que vamos falar? Eu não a conheço e vou levá-la para casa do meu pai e fingir que estamos juntos. Temos que agir como se nós fossemos um casal verdadeiro. O que diabos eu estabeleci para isso? — Eu sou apenas um curioso. Nós vamos descobrir todos os detalhes quando os dois chegarem aqui, eu tenho certeza. Sábado à noite, certo? — É. — Eu engulo em seco. — Sábado à noite. — Devemos estar fora numa festa no Country Club. Você ainda tem a chave? — Eu não. — Droga, eu realmente não quero voltar. A merda ruim aconteceu lá. Eu tenho evitado esse lugar como uma praga por um tempo agora. Nós fomos para fora da cidade para as festas no último par de anos, passando a Ação de Graças ou o Natal no Havaí, na propriedade do meu pai. Ou eu fico na escola por causa da prática de futebol ou qualquer mentira que possa me manter longe deles por um pouco mais. Vida difícil, eu sei. Do lado de fora, minha família parece perfeita. Bem, tão perfeita como uma família pode ser com uma mãe e uma irmã mortas. A madrasta fodida e um pai frio como o inferno. Sim. Perfeitamente real.
  18. 18. O meu pai insistiu para que eu viesse para casa nesta Ação de Graças, é uma merda. Da última vez que conversamos, ele me disse que está cansado de todos nós evitarmos a casa durante as férias. Nós precisamos fazer novas memórias. Eu não quero fazer nenhuma memória. Não há. Não com Adele. — Vamos ver, então. — Eu posso ouvir os passos do meu pai, seus pés ecoando contra o piso de cerâmica, como se ele estivesse ficando fora do alcance da voz de Adele. — Esta Ação de Graças será boa, filho. Você vai ver. O clima deve estar agradável e sua mãe parece muito mais saudável. — Ela não é minha mãe. — eu digo com os dentes cerrados. — O que? — Adele não é a minha mãe. — Ela é a única mãe que você já teve realmente. — Ótimo. Agora ele está ofendido. — Por que você não pode simplesmente aceitá-la? Meu Deus, ela tem sido parte de sua vida por tanto tempo. A parte mais fodida da minha vida, não que eu possa revelar isso ao meu pai. Se ele não entendeu tudo, então, ele com certeza não poderia concebê-lo agora. — Eu não gosto de como é fácil esquecer a minha verdadeira mãe. Eu não quero nunca mais esquecê-la. — eu digo com veemência. Ele permanece em silêncio por um tempo e eu olho pela janela, mas não vejo nada. Está escuro, chovendo levemente, o vento está de volta, chicoteando os ramos nus das árvores que pontilham o pátio do complexo de apartamentos onde moro, para frente e para trás. Eu posso vê-los balançando na escuridão. As pessoas pensam que minha vida é tão incrível. Não é foda não. Eu estudo muito e jogo mais, porque isso me ajuda a esquecer. Eu tenho amigos, mas não realmente. Na maioria das vezes, estou sozinho. Como agora. Eu estou sentado no meu quarto, no escuro. Conversando com meu pai e desejando como o inferno poder dizer-lhe a verdade. Mas eu não posso. Eu estou preso. Eu preciso de um amortecedor para atravessar o que poderia acabar sendo uma das piores semanas da minha vida. Graças a Deus por Fable. Ela não tem ideia de quanto ela está me ajudando. Ela nunca pode saber também.
  19. 19. ~ * Capítulo Três * ~ Dia da viagem (não conta) Apenas um tolo viaja sobre o que está por trás dele. - Desconhecido Fable Sua picape é boa. Como o veículo mais novo que eu já tive o privilégio de andar. Ele parece ficar bem nisso também, tanto quanto eu odeio admitir, mesmo que para mim. Mas o Toyota Tacoma4 azul escuro lhe cai perfeitamente. Tudo sobre Drew é perfeito. A maneira como ele se veste, a bunda parece grande naqueles jeans e eu não vou nem mencionar como que a camiseta preta que ele está usando se apega em todos os músculos do peito. Como ele se comporta, sempre educado, sempre me olha no olho e não faz comentários rudes sobre meus seios ou minha bunda. E o som de sua voz é profunda e sensual, o tipo de voz que eu não me importaria de ficar apenas sentada ouvindo enquanto ele fala durante todo o dia. Ela é perfeita para carícias. Ele me ligou ontem antes de eu ir para o trabalho para passar algumas informações e coisas menores. A hora que ele iria me pegar, como precisávamos elaborar um plano em unidade para a casa de seus pais. Então eu botei para fora. O dinheiro. Como é que eu ia receber meu pagamento? Senti-me meio indecente, pedindo para ele apontar em branco assim, mas eu tinha que fazer. Eu queria verificar antes de eu sair da cidade para que eu pudesse deixar algum dinheiro para Owen em caso de uma emergência. Então eu me encontrei com Drew, no meu banco, faltando 15 minutos para o fechamento e antes eu fui ao bar. Nós conversamos por alguns minutos, nada 4 Picape fabricada nos EUA, pela indústria automobilística japonesa Toyota,desde 1995.
  20. 20. de importante, e então ele entregou o cheque. Ele estava todo indiferente e outras coisas, como um cara que dá a uma menina um cheque de três mil dólares cada maldito dia de sua vida. O cheque foi escrito fora de sua conta bancária pessoal. Assinado por ele e tudo. Ele tem caligrafia desleixada. Eu realmente não podia ler sua assinatura. E seu nome é Andrew D. Callahan. Enquanto eu caminhava sozinha para o banco e me aproximava do caixa, eu me perguntava o que o D representava. Agora aqui estou sentada na picape de Andrew D. Callahan, o motor ronronando suavemente e não fazendo barulho de descarga e asfixiando como se pudesse morrer a qualquer momento, como a porcaria do Honda 91 da minha mãe. Eu disse à minha mãe a mesma história da babá que eu contei a Owen. Disse ao meu chefe no La Salle a mesma coisa também. Considerando que minha partida é durante um tempo lento para os negócios, meu chefe estava bem com ela. Ele sabe que a nossa situação financeira está no banheiro e ele estava feliz que eu encontrei um trabalho, pagando alto. Minha mãe quase não me reconheceu quando eu disse que estava indo embora. Eu realmente não sei o que fiz para que ela me odiasse tanto. Bem. Ódio é uma palavra forte. Isso significa que ela realmente sente algo por mim. Ela é tão indiferente, é como se eu não importasse para ela. De todo. — Quatro horas, hein? — Minha voz quebra o silêncio e o assusta. Eu vi no caminho em que saltou em seu assento. O mau e grande jogador de futebol com medo de mim? Estranho. — Sim, quatro horas. — Ele tamborila os dedos contra o volante, chamando a minha atenção para eles. Eles são longos, as unhas são limpas com nenhuma sujeira debaixo delas. Mãos fortes, limpas com as palmas largas. Elas parecem... tipo. Fazendo uma careta, eu balanço minha cabeça. Estou pensando de forma estúpida quando eu preciso pensar claro. — Eu nunca fui a Carmel antes. Eu estou tentando começar uma conversa, porque o pensamento de dirigir toda essa distância e não falar me assusta.
  21. 21. — É bonito. Caro. — Ele dá de ombros, voltando minha atenção para os ombros. Ele está vestindo uma camisa de flanela azul e cinza escuro sobre uma camiseta preta e é bom olhar para ele. Deus. Eu me afasto, fico de olhos grudados na janela com o cenário que passa. Eu preciso parar de olhar para ele. Ele está me confundindo como o inferno. — Então, provavelmente precisamos chegar a algum tipo de história, certo? — Eu roubo um olhar para ele como se eu não pudesse me ajudar. Com a minha sorte, este passeio de carro de quatro horas vai voar e, em seguida, a próxima coisa que eu sei,é que eu estarei cara a cara com seus educados pais e eu não sei o que dizer. Em outras palavras, eu preciso de tempo, tanto quanto eu consiga chegar a um plano completo com Drew para que soemos como um casal de verdade. — É. A história seria bom. Ele acena com a cabeça, sem tirar os olhos da estrada. Que é uma coisa boa, eu digo a mim mesmo. Ele é um condutor seguro, consciente de tudo o que acontece ao seu redor. Mas realmente eu gostaria que ele me olhasse. Oferecesse um sorriso de confiança. O inferno, mesmo uma farsa “Vai dar tudo certo.” me faria feliz agora mesmo. Eu não recebo nada disso. Não, obrigada também. Bastardo. — Bem. — Limpo minha garganta, porque eu estou mergulhando na água fria, apesar de sua vontade de permanecer com segurança na praia. — Há quanto tempo estamos namorando? — Iniciando a escola parece bom, eu acho. Sua indiferença me faz querer sufocá-lo. — Seis meses depois? — Eu estou testando jogá-lo para fora. E isso funciona. Ele desliza-me um olhar incrédulo. — Três. — Ah. — Eu aceno. — Certo. Bem, como eu saberia já que eu não vou mais para a escola.
  22. 22. Resposta cada vez mais estúpida. Todo mundo sabe quando começa a escola. — Por que não? Eu não esperava que ele me perguntasse isso. Imaginei que ele realmente não se importaria. — Eu não posso pagar por isso e eu não sou inteligente o suficiente para conseguir uma bolsa. — Como se eu pudesse perder meu tempo com a escola no momento de qualquer maneira. Eu trabalho tanto quanto eu possa conseguir. Eu costumava ter um trabalho em tempo integral, mas perdi há pouco menos de um ano atrás. Eu me encaixei em tantas horas quanto eu possa como garçonete tanto no La Salle como em outro restaurante mexicano pequeno, não muito longe do nosso apartamento, mas isso é mais uma coisa temporária. Eles só me chamam quando estão sem pessoal. O dinheiro depositado em minha conta corrente por Drew vai aliviar um pouco desse peso, pelo menos por um tempo. Eu não coloquei isso na conta que eu compartilho com minha mãe, porque eu sei que no segundo que ela perceber a quantia de dinheiro que está lá, ela vai estragar tudo. Eu não posso correr esse risco. — Como nós nos encontramos, então? — A voz profunda de Drew quebra através dos meus pensamentos. Eu gostaria que ele tomasse a iniciativa e chegasse com um pouco dessa história. — O bar? — sugiro porque soa tão inútil e eu acho que a única razão pela qual ele está me trazendo é porque ele quer se parecer com um pobretão para a sua família arrogante. — Você veio com um grupo de amigos e foi amor à primeira vista, no momento em que nossos olhos se encontraram. Ele envia-me um olhar que significa besteira e eu sorrio de volta. Se eu estou no controle para inventar essa história, eu vou fazer isso piegas a coisa mais romântica lá fora. Não há espaço para o romance na minha vida. É tão estúpido, mas eu deixo vocês me usarem porque para esse momento uma passageira, quando ele está focando toda sua atenção em mim e mais ninguém, é bom. Isso me ajuda a esquecer que ninguém realmente se importa. O momento acabou, é como se eu fosse tirada da minha névoa mental e eu me sinto mais barata. Suja. Todos esses clichês que você lê nos livros e vê na TV ou filmes, isto sou eu. Eu sou um clichê ambulante.
  23. 23. Eu também sou a puta da cidade, que não faz sacanagem como todo mundo pensa que ela faz e, de novo, outro clichê. E eu definitivamente não sou a garota que você quer levar para casa para impressionar sua mãe. Não há nada de especial sobre mim. No entanto, Drew está aqui me levando para casa para impressionar sua mãe. Ou, mais precisamente, enlouquecer sua mãe. Eu tenho certeza que eu sou uma puta rica (agora eu soo como Owen, no momento que mudei de cadela para cadela rica) cada pesadelo vem à tona. O momento em que ela colocar os olhos em mim, ela vai virar. — Eu estou supondo que você está me trazendo para casa de sua mãe assim ela vai ter um colapso, né? — Eu preciso de confirmação. É uma coisa a pensar e ficar bem com ela. Eu preciso enfrentar os fatos em minha cabeça e lidar com as repercussões mais tarde. Gosto de como isso pode mexer com a minha cabeça apesar do quanto eu preciso desse dinheiro. Seus maxilares se firmam e os lábios finos formam uma linha reta e sombria. — Minha mãe está morta. Oh. — Sinto muito. — Eu me sinto como um idiota. — Você não sabia. Ela morreu quando eu tinha dois anos. — Ele dá de ombros. — Eu sei que meu pai vai te amar. A maneira como ele diz tipo, meio que me assusta. Seu pai é, provavelmente,tal como uma trepadeira, e é por isso que ele vai me amar. — É apenas o seu pai e você, então? — Não. Há Adele. — Seus lábios praticamente desaparecem quando ele diz o nome. E ele realmente tem lábios cheios, agradáveis, então eu estou querendo saber onde exatamente eles foram. — Ela é minha madrasta. — Então você quer enlouquecer sua madrasta. — Eu poderia dar a mínima para o que ela pensa. A tensão irradia dele em ondas visíveis. Há algo acontecendo entre ele e sua madrasta, que definitivamente não é bom. Ignorando sua observação sobre a bruxa malvada chamada Adele, eu forjo diante. — Tem irmãos ou irmãs? Ele balança a cabeça. — Não.
  24. 24. — Ah. — Sua falta de habilidade para se comunicar pode ser um problema real desde que eu sou totalmente dependente desse cara para essa semana estranha. — Eu tenho um irmão. — Quantos anos? — Treze. — Suspiro. — Owen está na oitava série. Ele entra em muito apuros. — É uma idade difícil. O estudo secundário é uma merda. — Será que você teve muitos problemas quando tinha 13 anos? — Eu não poderia imaginar que fosse assim. Ele ri, reafirmando minhas suspeitas em uma batida. — Não me permitiram. — O que você quer dizer? — Eu franzo a testa. Sua resposta não faz sentido. — Meu pai me batia se eu saísse da linha. — Ele dá de ombros novamente. Ele faz muito isso, mas eu gosto, porque me lembra que ele tem os deliciosos ombros largos. Se eu tiver sorte o suficiente, eu vou começar a tocá-lo durante nosso relacionamento falso durante os próximos sete dias. Eu vou inclinar minha cabeça em seu ombro também. Pressiono o meu rosto contra o tecido macio de sua camisa e, secretamente, respirar o cheiro dele. Ele cheira bem, mas eu quero sentir de perto e realmente inalar o perfume dele. O sentimentalismo está pronto para pegar-me por uma vez na minha cínica vida,onde não há espaço para contos de fadas,mas eu estou pronta para deixar isso acontecer. Afinal, eu preciso ser a melhor atriz do planeta, certo? — Não é o que todos os pais dizem que vão fazer quando seus filhos saírem da linha? — Eu pergunto. — Sim, mas o meu era sincero. Além disso, era mais fácil de fazer o que eu devo e não me distrair. Eu me perco nas coisas sem sentido, você entende? — E o que você deveria fazer? — Eu adiciono aspas no ar, como as meninas irritantes do grêmio que entram em La Salle. Eu realmente odeio essas meninas e como viram o cabelo e riem muito alto e dizem as coisas mais estúpidas. Elas literalmente batem seus cílios postiços para os caras e tudo mais. É patético, que putas chamando atenção que elas são. Caramba, eu sou amarga, mesmo em minha própria cabeça.
  25. 25. — Ir para a aula, estudar e tirar boas notas. Ir para a prática de futebol, ficar em forma, jogar com o melhor de minha capacidade e esperar como um louco. Estou impressionando os olheiros que estão lá fora me observando. — Ele sacode tudo fora como uma espécie de lista, sua voz num tom monótono, maçante. — E o que são as distrações que você precisa evitar? — Festas, bebidas, garotas. — Ele desliza-me um outro olhar, seus traços mais suaves, a raiva de antes se foi. — Eu não gosto de perder o controle. — Nem eu. — eu sussurro. Ele sorri para mim e eu sinto isso como um punhal no meu coração amolecido. — Parece que podemos fazer um bom par depois de tudo.
  26. 26. Drew No segundo em que as palavras saem da minha boca, eu quero arrebatá-las de volta. Nós definitivamente não somos um bom par. Ela é o pior tipo de garota para mim e eu sei disso. É por isso que eu estou trazendo para casa. Então, meu pai vai pensar que eu já saí com uma groupie5 do futebol um pouco quente que dá para mim sempre que eu quiser e Adele vai finalmente deixar-me sozinho. Fable é realmente uma groupie da equipe. Ela supostamente bateu metade dos caras nesta temporada sozinha, embora eu não saiba o quanto os boatos são precisos. Assim é como eu descobri sua existência. Um bando de caras da equipe estavam falando dela quando estávamos de noite no La Salle, um dia depois que o semestre começou. Depois que ela levou os pedidos para a nossa mesa, eles compararam as notas e se gabavam como ótima na cama ela é. Um deles até beliscou sua bunda quando ela passou, ganhando um olhar sujo que fez todo mundo rir. Sua reputação e sua reação agressiva foram as minhas primeiras pistas de que ela pudesse fazer a namorada falsa perfeita. Eu não brinco com qualquer uma dessas meninas que ficam ao redor do vestiário após o treino ou após um jogo. Eu realmente não brinco com ninguém. É mais fácil assim. Você dá às meninas um pouco de si mesmo e elas querem sempre mais, mais, mais. Coisas que eu não posso dar. Eu me desligo para fazer a minha vida suportável. Eu sou como uma maldita máquina às vezes. Insensível. Indiferente. Sem emoção. Meu pai se preocupa comigo. Eu sei que ele pensa que eu sou algum tipo de gatinho que não pode fazer sexo, isso que sopra sua mente. Ele confrontou-me sobre isso antes, perguntando-me à queima-roupa, se eu era gay. A questão veio do nada e eu estava tão chocado, eu comecei a rir. Isso o irritou mais, e embora eu negasse a acusação, eu sei que ele realmente não acredita em mim. Esperemos que, mostrando-me com Fable pendurada em cima de mim, vá acabar essa preocupação. Droga. Eu sei que eu sou um idiota para fazer isso, pensando assim. Utilizar Fable de tal forma ruim, mas não é a única razão que ela vai comigo. Não que eu possa dizer-lhe a verdade, mas se eu fizesse? Ela pode entender. Ela se 5 Fã exagerada, tiete.
  27. 27. parece com o tipo de garota que iria buscá-la. Que poderia ter passado por algumas das mesmas besteiras que eu tenho. O que realmente precisamos fazer é falar mais sobre a nossa supostamente relação. Eu tenho que parar de estar tão envolvido em minha preocupação sobre ir para casa e fazer-lhe mais perguntas. — Você só tem o seu irmão mais novo, então, hein? — Sim, só eu e Owen. E a minha mãe. — Sua voz aperta. Eu acho que ela não gosta muito de sua mãe. Eu posso identificar. — Você não se dá bem com sua mãe? — Ela nunca está por perto para se conviver. Estou sempre trabalhando e ela está sempre a brincar com seu último namorado. — A amargura é óbvia. Nenhum amor perdido entre as duas. — E o seu pai? — Eu não o conheço. Ele nunca foi uma parte da minha vida. — Mas, se Owen tem apenas 13 anos... — Eu estou confuso. — Cara diferente. Que não quis ficar por aqui também. — Fable balança a cabeça. — Minha mãe sabe como escolhê-los. Eu não sei o que dizer. Não me sinto confortável com o material pessoal. Eu tenho amigos, mas nenhum deles é realmente muito próximo. Os caras com que eu saio são da minha equipe e falamos de futebol e de esportes e esse tipo de besteira. Às vezes falamos de meninas, embora eu apenas sente e ria de tudo o que eles dizem. Eu realmente nunca juntei-me de fato. Eu não tenho muito a acrescentar. Aqui está o negócio. Eu poderia ter qualquer garota que eu quisese. Eu sei que é isto. Sim, eu sou um idiota arrogante por pensar assim, mas é verdade. Estou bem, eu sou inteligente e eu jogo futebol decente. As meninas querem-me ainda mais porque eu não lhes dou qualquer atenção. Todas elas querem alguma coisa. Algo que eu não posso dar. Pelo menos com Fable, eu estava aberto com o que eu precisava dela desde o início, e eu a compensei imediatamente. Ela não vai querer mais nada de mim. É mais fácil assim. Mais seguro.
  28. 28. — Posso fazer uma pergunta? — Ela interrompe meus pensamentos com sua voz doce. Ela parece dura, com a maquiagem dos olhos pesada e as roupas escuras, e com o cabelo loiro platinado. Mas ela tem a voz mais lírica que eu já ouvi. — Claro. — Estou abrindo esta discussão para um possível desastre. Eu posso sentir isso. — Por que eu? — Hein? — Eu jogo mudo. Eu sei o que ela significa. — Por que você me escolheu para ser sua namorada de mentira? Eu sei que não sou a escolha ideal. Vamos ser reais aqui. Ela deve ser uma leitora de mente. — Eu sabia que você não ia me dar um monte de problemas. — O que você quer dizer? Eu vou foder isto, eu posso sentir isso em meus ossos. — Qualquer outra garota não gostaria de fingir ser minha namorada. Ela realmente iria querer estar em um relacionamento comigo, sabe? E eu sabia que você não faria isso. — Como? Você não me conhece. — Eu vi você no La Salle. — Raciocínio fraco. — Grande coisa. Muitos caras entram em La Salle. Muitos caras que jogam futebol e saem vão lá o tempo todo. Eu saí com alguns deles. — Ela cruza os braços na frente, seus peitos roliços para eu pegar um vislumbre de pele cremosa pronto para derramar sobre seu corte superior baixo. Eu não costumo babar sobre as meninas, mas há algo sobre esta que me faz querer vê-la nua. — Eu não vou fazer sexo com você. Ela está sendo desafiadora, e eu até gosto. O que há de errado comigo? — Eu não quero ter sexo com você. Não é por isso que eu te contratei. — Me contratou. — Ela bufa, como se ela não se importasse como soa ou com o que parece quando ela o faz, e eu não posso negar, admiro isso. — Você faz soar como um trabalho adequado, quando na verdade eu sou sua namorada de pago-golpe-prostituta. Onde você conseguiu esse tipo de dinheiro? — É meu, não se preocupe. — Tenho dinheiro guardado. Meu pai é bem de finanças e fez um monte de dinheiro ao longo de sua carreira. Ele é generoso com o dinheiro, especialmente agora que eu sou seu único filho. — E não se chame de prostituta. Você não é. — Eu não quero que ela se sinta como uma. Apesar de tudo o que faz com os outros caras e pode qualificá-la
  29. 29. como uma prostituta, o sexo é a coisa mais distante da minha mente quando se trata dela. Ou, pelo menos, foi. Agora, porém foda... Eu não sei. Ela me confunde. O que eu penso, o que sinto quando ela está por perto, me confunde. E eu nem sei dela. Estou totalmente ficando fora de mim e eu não sei como parar isso. — Não vai ter nada de sexo. — diz ela novamente. Quase como se ela estivesse tentando convencer a si mesma, assim como eu. — Nem boquete também. — Eu não quero nada disso. — É a verdade, pelo menos, é isso que eu digo a mim mesmo. Ela é quente, não há como negar isso, mas o sexo não traz nada além de problemas. Eu não vou brincar com uma garota que tem uma reputação fácil e que, literalmente, na minha volta na próxima semana será chamada por outro. É inútil. Certo? — Mas nós vamos ter que fingir que gostamos um do outro. — eu a lembro. — Isso que é o esperado de se ter... no amor. — A última palavra foi difícil para eu dizer. Eu realmente não a uso. Meu pai nunca me diz que me ama. Adele sim. Mas seu amor está contaminado, em condições de merda e outras coisas que eu não quero pensar. Eu, merda, não posso pensar sobre ela, ou eu vou explodir. — Eu posso fazer isso. — diz Fable facilmente. A realidade acorda. Eu sou um idiota. — Vou ter que segurar sua mão e colocar meu braço em torno de você. Abraçá-la. — Eu não considerei isso. — Não é grande coisa. — Ela encolhe os ombros. — Vou ter que beijar você, também. — Sim, não considerei isso também. Ela me olha descaradamente, seu olhar caindo para a minha boca. Será que ela está pensando em me beijar? — Eu não acho que vai ser uma dificuldade. Você pode lidar com isso? — Claro que sim, eu posso. — Eu pareço muito mais confiante do que eu me sinto. — Se você diz que sim. — ela pronuncia lentamente enquanto se instala mais fundo em seu assento.
  30. 30. E droga, eu sei que ela vê através de mim. Isso deveria me assustar. Ela me assusta mais que parece e não me incomodou em nada.
  31. 31. ~ * Capítulo Quatro * ~ A Noite Anterior (não conta) Eu quero acreditar no conto de fadas. - Fable Maguire Drew Quando dirijo minha picape pelo longo caminho sinuoso, a casa aparece na vista, cada janela brilhando com uma única luz. Há zilhões de janelas, a casa é tão malditamente grande, e está causando uma grande impressão. A preocupação bate em mim e eu me pergunto se eles estão em casa depois de tudo. Eu esperava evitá-los até de manhã. A tensão que vem de Fable é óbvia. Realidade está batendo, eu acho. Está acontecendo comigo também. Que eu tenho que ir para a casa e enfrentar meus demônios. Totalmente dramático e eu pareço mais um fracote, merda. É a verdade. — Sua casa é enorme. — murmura. — É. — Eu odeio isso. Perder minha irmã... a coisa mais horrível em todo o mundo que já me aconteceu na vida, foi aqui. Mesmo que ela tenha morrido quase dois anos atrás, ainda sinto como se fosse ontem. No fundo do meu coração, eu sei que sua morte foi em parte culpa minha. E Adele. Esta é uma das muitas razões pelas quais eu não quero estar aqui. — E é bem perto do mar. — Fable soa melancólica. — Eu amo o oceano. Eu raramente vou. — Há escadas à direita no nosso convés que vai levá-la direto para a praia. — digo, tentando dar-lhe algo para olhar para frente. O sorriso que ela abre me facilita um pouco, mas não muito. Esta não vai ser uma visita confortável. Eu estava enganando a mim mesmo, pensando que Fable a tornaria mais fácil. Sua presença vai torná-la um pouco menos estressante, mas ainda há tensão e raiva e tristeza, muitas emoções
  32. 32. embrulhadas neste lugar, nesta época do ano. No momento em que sair, ela provavelmente vai pensar que eu sou completamente louco. Será que ela vai contar a alguém sobre mim? Eu nem sequer pensei nisso. Provando mais uma vez que eu não acho que este plano seja completamente suficiente. Tudo vai acabar me mordendo na bunda no final. Eu posso sentir isso. Eu não posso confiar em ninguém. Ninguém. Definitivamente não é esta menina sentada perto de mim, mordendo o dedo indicador como se ela fosse roer o osso. Ela está nervosa, mas ela não sabe nada de mim. Minhas mãos estão suando e eu sinto que vou vomitar. Uma coisa é ver meus pais quando vamos de férias, em vez de enfrentar as realidades do que aconteceu dentro da nossa casa. É outra coisa inteiramente diferente quando eu estou voltando para casa e a última vez que eu estive aqui foi há quase dois anos exatamente. — Você está bem? — Fables quebra o silêncio e sua voz é cheia de preocupação. — Você está respirando engraçado. Grande. — Eu estou bem. — eu digo em um suspiro, desesperado para manter a minha merda guardada. Eu paro minha picape em frente à garagem fechada e desligo o motor, deixo o silêncio envolver-me por um segundo. Eu posso ouvir a suave respiração de Fable, o aroma de seu perfume, seu xampu, qualquer que seja, paira no ar. É leve, um pouco doce, como baunilha ou chocolate, eu não posso dizer, e não cabe na persona da garota durona que ela projeta. Ela é uma contradição e eu quero entendê-la. — Ouça. Eu não sei o que está acontecendo, mas tenho a sensação de que isso vai ser difícil para você. Estou certa? — Ela instala sua mão sobre a minha no volante, as pontas de seus dedos minúsculos suaves ao longo de meus dedos. Eu vacilo ao seu toque, mas ela não se move. Estou chocado que ela esteja realmente se aproximando e tentando me tranquilizar. Balançando a cabeça, eu engulo em seco, tento reunir algumas palavras, mas não sai nada. — Eu tenho uma família fodida também. — Sua voz calma chega dentro de mim e, instantaneamente, acalma os nervos. Sua fácil aceitação é inesperada. — Não são todas? — Eu estou tentando fazer piada, mas a maior parte do tempo eu acredito que eu estou sozinho com a loucura. A família de ninguém é tão fodida quanto a minha.
  33. 33. — Eu não penso assim. Merda, eu não sei. — Ela sorri e alivia o meu coração quando eu olho para ela. — Só... lembre-se de respirar, ok? Eu sei que você não vai me dizer o que há de errado com você, ou porque você odeia tanto a sua família, mas eu entendo. Eu entendo totalmente e se você precisa ficar longe deles, mesmo que por cinco minutos, eu vou te ajudar. Nós deveríamos ter uma palavra de código ou algo assim. Eu franzo a testa. — Uma palavra de código? — É. — Ela acena com a cabeça e seus olhos se iluminam. Como ela realmente está entrando nisso. — Por exemplo, o seu pai está sendo um idiota, perguntando o que você quer fazer com sua vida, e você não pode aguentá-lo por mais tempo. Basta dizer, marshmallow e vou interrompê-lo e retirá-lo de lá. Um sorriso relutante é puxado dos meus lábios. — Marshmallow? — Totalmente aleatório, certo? Não faz sentido. Isso é o que o torna melhor. — Seu sorriso cresce assim como o meu. — E se você não estiver por perto? — Eu tenho um sentimento que eu nunca vou deixá-la fora da minha vista, mas eu sei que é impossível. — Mande mensagem de texto escrito marshmallow para mim. Onde quer que eu esteja, eu vou correndo. — Você realmente faria isso por mim? Seus olhos encontram os meus, e eles estão brilhando, eles são tão brilhantes. E muito. Foda-se, ela é muito bonita. Por que eu não percebi isso antes? Eu estou atraído por ela e eu não me sinto atraído por ninguém. — Eu estou totalmente disposta a fazer o trabalho que você me pagou. Os recadinhos carinhosos são molhados com um balde de água gelada com suas palavras. Um lembrete brutal do que estamos fazendo, esta relação falsa de que estamos participando, nada mais é que um emprego para ela. — Você está certa. Estúpido eu. Eu estava esperando que ela me salvasse porque ela queria.
  34. 34. Fable Esta casa é tão grande e fria quanto um museu. É linda, tranquila e limpa, com uma qualidade silenciosa que verdadeiramente me assusta até a morte. Os cliques da porta fechando atrás de nós como uma mensagem que envia um arrepio que percorre minha espinha e eu sigo Drew, por um corredor largo, coberto com várias fotos de família e eu planejo estudar mais tarde. Eu ouço vozes vindas da sala no final do corredor e então nós estamos lá. Em uma sala gigante com uma parede inteira de janelas com vista para o oceano. Eu posso ver as ondas brancas trancadas do lado de fora do vidro, e é a coisa mais linda que eu já vi. Drew nem parece notar. Ele está muito focado nas duas pessoas sentadas no sofá, a elaboração de ambos os corpos longos, finos no veludo marrom escuro e aproximamo-nos com passos rápidos. Os nervos comem meu estômago e, de repente ao meu lado, Drew aperta nossos dedos entrelaçados. A demonstração de carinho me assusta um pouco, mas depois eu me lembro. Eu sou sua namorada. Estou exercendo um papel e é por isso que nós estamos assim para essas pessoas que estão agora em pé na nossa frente com olhares expectantes em seus rostos. — Andrew. É tão bom ver você. Você parece positivamente delicioso. — A madrasta diz isso e acho o elogio estranho. Quem chama seu enteado de delicioso? Drew não gosta disso, eu posso dizer. Ele solta da minha mão e desliza o braço em volta dos meus ombros, puxando-me para perto dele. Eu bato contra um corpo quente e sólido e formigamentos me lavam. Ele é tão duro como uma pedra e eu não tenho escolha, só deslizo o meu braço em volta da sua cintura e me agarro a ele para salvar sua vida. Não é que eu esteja protestando. Isto é tudo um desvio para evitar o abraço de sua madrasta. Ela tem seus braços caídos, mas ela os deixa ao seu lado, a decepção em seu lindo rosto claro. E quando eu digo lindo, digo incrivelmente lindo. Seu cabelo preto é longo e reto, quase até a cintura. Maçãs do rosto são nítidas, sua pele de uma cor quente de oliva e seus olhos escuros e expressivos. Ela paira sobre mim com uma constituição esguia, eu não posso afirmar, mas me pergunto se ela já foi uma modelo. — É esta a sua pequena Fable? — Sua voz condescendente coloca-me na borda e eu endureço minha espinha. Drew espalha sua mão por toda a largura da
  35. 35. parte baixa de minhas costas, os dedos pressionados em mim, e seu toque é reconfortante. — Sim, eu sou Fable. É bom conhecer você. — Ela segura minha mão e sacode-a com um desdém que é palpável, soltando minha mão rápido como se estivesse coberta de merda. Qual é o problema desta cadela? — Fable, esta é Adele. — Drew apresenta-nos severamente. — Adele, esta é a minha namorada. Ele coloca mais ênfase sobre a palavra namorada, e um lampejo de desgosto brilha nos olhos de Adele. Assim que ele está lá, ela se vai. — Drew. — O homem de pé ao lado de Adele é como uma versão mais antiga do meu chamado namorado e estou impressionado. Drew vai ser um matador bonito quando ele estiver na casa dos quarenta ou cinquenta anos, se ele acabar parecendo com o seu pai. Algo que é perto de afeto atravessa o rosto de Drew e ele deixa-me para ir brevemente abraçar seu pai. Mas tão rápido como ele me deixa para ir, ele tem- me mais uma vez, o seu forte braço em volta da minha cintura e seus dedos descansando no meu quadril. É um aperto muito possessivo, um que eu não posso ajudar, mas sinto todos os tipos de calor, e eu preciso me lembrar que isto é falso. Drew não quer uma namorada. Ele não parece gostar de meninas. Me faz pensar se ele joga para a outra equipe. Eu atiro um olhar em sua direção, bebendo em todo o seu cabelo escuro e aqueles olhos azuis intensos sob franjas com cílios grossos. Uma vergonha, se é verdade. Que perda para nós, meninas. — Pai, essa é Fable. Minha namorada. — Drew diz novamente e desta vez minha mão é balançada calorosamente, embora o olhar avaliador do seu pai em cima de mim me deixe um pouco desconfortável. Eu estou sendo julgada e eu sei disso. Estou acostumada a esse tipo de coisa porque quando estou no trabalho, é esse tipo de pessoa que me avalia. Ele vem com o emprego de garçonete. Mas este homem mais velho está contemplando-me de uma forma que é desconfortável. Isso me faz querer me contorcer e dar o fora daqui. — Como foi a viagem? — O pai de Drew pergunta, uma vez que ele finalmente desgruda os olhos de mim. Eu quase caio com o alívio. — Viagem fácil. — Drew faz uma pausa por um momento. — Eu pensei que vocês dois estariam fora esta noite.
  36. 36. — Adele decidiu que ela não estava sentindo-se bem para outra reunião no clube. — explica o pai. — Eles têm reuniões o tempo todo. Na verdade, haverá uma outra ainda esta semana, e nós queremos que você venha com a gente. — Ela acena uma mão elegante e abre um sorriso, seus dentes brancos e retos, tão repugnantemente perfeitos, que eu quero dar um soco e vê-los cair para fora de sua boca. Por alguma razão, ela traz um traço violento em mim. — Eu queria estar aqui para recebê-lo. — Totalmente desnecessário. — Drew murmura, seus dedos cavando em minha carne. Isso é tão estranho. Ninguém parece gostar um do outro e há essa corrente de eletricidade que flui entre nós quatro o que é francamente doloroso. Eu vi um pouco de carinho entre Drew e seu pai, mas fora isso, parece que todo mundo está desconfiado e cheio de cuidados. É como se todos dissessem uma coisa, mas significando algo completamente diferente. Assustador e diferente. Por um breve momento, eu estou tentada a pegar a mão de Drew e arrastá- lo para fora daqui. A vibração neste lugar é muito ruim. Mas eu não o faço. — Você vai ficar na casa de hóspedes durante a semana. Eu tenho dois quartos limpos e arrumados para o dois. — seu pai está dizendo, chamando minha atenção, até que Adele tenta interrompê-lo. — Eu não acho que é apropriado. Adele fala, apertando os lábios fechados. Sua desaprovação é clara. O pai de Drew revira os olhos. — Ele tem vinte e um malditos anos de idade, Adele. Vamos dar-lhes um pouco de privacidade. Huh. Assim, a madrasta não quer fornicação com medo de sermos fulminados por um Deus onisciente, e o pai está incentivando-nos a fazê-lo, permitindo um santuário privado para nós escaparmos. Isso é tudo estranho e só assusta. — Obrigado, pai. A casa de hóspedes vai servir muito bem. — O alívio na voz de Drew é clara e devo confessar, estou aliviada também. Eu não quero ficar nessa casa com essas pessoas. Eles não parecem gostar muito de mim. Bem, um age como se ele pudesse gostar muito de mim, e a outra mal quer me olhar em tudo.
  37. 37. — Tenho certeza do tanto que você precisa descansar. Seu pai pisca o olho para ele e, em seguida, dá tapas em Drew, na parte de trás, jogando-lhe um passo à frente com sua força, me levando junto também. — Encontre-nos para o café da manhã às oito horas, Maria estará fazendo seus famosos omeletes. Eles têm uma cozinheira. Estou totalmente surpresa. Há muito dinheiro fluindo por aqui e cada um deles parece miserável ou frágil ou tão malditamente falso, como eles podem ser felizes? Eu sempre acreditei que o dinheiro poderia comprar-me felicidade. Estou contando com isso com o dinheiro guardado em minha conta- corrente, para fazer a mim e a Owen felizes por, pelo menos, uns sólidos três meses, embora eu saiba o que isto esteja custando. Eu estou começando a perceber que o dinheiro não compra a felicidade em tudo. E lá vou eu de novo. Estou em outro caminho, falando clichês.
  38. 38. Drew No segundo em que entramos na casa de hóspedes, eu exalo um enorme suspiro de alívio, agradecido por estar fora da casa sufocante, onde eu cresci. Eu ainda não consigo acreditar como Adele agiu em relação a mim, como uma namorada ciumenta pronta para afundar suas garras em Fable. Chamando-a de minha pequena Fable, que diabos? E meu pai descaradamente olhando-a. Ele me fez sentir o caralho da minha pele se esfolar e eu não fui o único a sentir o mesmo. Isto foi muito pior do que eu pensei que seria e eu estou envergonhado. Talvez devêssemos sair. Talvez eu deveria colocar Fable em um ônibus e mandá-la de volta para casa, então eu não tenho que submetê-la a mais nada disso. É horrível e eu não quero colocá-la nisso. E eu vou deixá-la ficar com o dinheiro. — Seus pais são loucos. Sua voz doce insultando as pessoas que me criaram me choca tanto que eu começo a rir. E uma vez que eu começo, eu não consigo parar. É uma sensação boa. Quando eu ri assim no meu passado? Eu não me lembro. — Você está rindo porque eu estou dizendo a verdade, ou porque é melhor rir do que gritar comigo por ofender seus pais? — Fable soa um pouco nervosa, mas eu detecto diversão também em seu tom de voz. — Você é brutalmente honesta e eu aprecio isso. — eu finalmente digo uma vez que eu consigo falar de novo. — E eu concordo. Eles são loucos. — Foi muito tenso lá. Eu não entendo. — Ela olha ao redor da casa de hóspedes. Com seu piso plano e a parede aberta como janelas de frente para o oceano, idênticas à sala de estar da casa principal, ainda é impressionante, mas em uma escala menos grandiosa. Muito mais confortável aqui, não há uma vibração tipo “olhe, mas não toque”. — Oh, você tem um deck. Eu quero dar uma olhada. Eu a observo deslizar através da sala de estar, indo em direção a porta, que ela destranca e abre sem hesitação. Eu a sigo, curioso para ouvir mais de suas observações da minha família louca e eu deslizo fora, para o convés. Ela já está inclinando-se contra a grade de frente para o mar, o vento soprando no seu longo cabelo pálido. Ela chega no bolso de seu casaco preto fino e tira um único cigarro e um isqueiro, sua expressão cheia de vergonha. — Eu praticamente já perdi o hábito eu juro, mas eu gosto de levar um cigarro comigo para o caso de uma emergência.
  39. 39. — E o que aconteceu lá é considerado uma emergência? Fable pisca-me um sorriso rápido antes que ela dê forma de xícara em sua mão ao redor do cigarro e movimente o isqueiro uma vez, duas vezes. Três vezes antes de finalmente conseguir acender. O cigarro oscila entre seus lábios e ela traz o isqueiro para a ponta, dando uma tragada e fazendo com que apareça uma luz. — Oh meu Deus, totalmente. — Ela sopra uma baforada de fumaça sobre os cílios e a pequena nuvem cinza paira na escuridão antes que desapareça lentamente. — Seu pai... Eu acho que ele estava me olhando. — Ele estava. — Eu concordo, minha voz baixa. — Eu sinto muito. — Não é culpa sua. — Ela acena a mão, como se afastando o que meu pai fez. — Eu a trouxe aqui. Tecnicamente é minha culpa. Outra onda sai de sua mão quando ela rejeita as minhas palavras. — Eu não vejo isso dessa forma. Eu só vou dizer isto. Da próxima vez que você trouxer uma namorada falsa, talvez você deva prepará-la um pouco melhor. Eu rio. Não há nenhuma maneira de eu trazer outra namorada de mentira aqui novamente. Se eu tivesse meu caminho, eu nunca mais voltaria. Eu não me importo o quão bonito é esse lugar. Eu odeio isso. Esta casa é como uma prisão para mim. — Posso lhe fazer uma pergunta super-pessoal? A respiração irregular me escapa. Meninas como Fable e suas super questões pessoais vão ser a minha morte. — Vá em frente. — Eu não tenho nada a esconder. Mentira. Eu tenho muito que esconder e isso me assusta. — Drew... você é gay? Santo inferno. Por que todo mundo acha isso?
  40. 40. Fable Espero sem fôlego pela sua resposta. O ar é frio, o vento girando em torno de nós congela-me os ossos. Eu estou culpando a inalação súbita de nicotina pelo meu comportamento, essa pergunta é muito impetuosa. Eu poderia ter esperado pelo menos um dia ou dois, certo? Sair um pouco com ele, ter um tempo pessoal com ele primeiro. Minha boca grande e gorda e meu cérebro extra curioso não podiam esperar mais um segundo. Eu tinha que saber. Isso faria passar todo o tempo com ele, durante esses sete longos dias muito mais fácil. Eu não teria que me preocupar com ele tentando fazer qualquer movimento em mim. Ou pior, desejando secretamente que ele faça um movimento em mim. Querendo saber qual o meu problema e por que ele não está atraído por mim. Caramba, ele ainda não me deu uma resposta. — Por que você pergunta? — Ele finalmente fala, respondendo a uma pergunta com outra pergunta, o que eu odeio. Owen faz esse tipo de coisa para mim o tempo todo. Além disso, ao fazer assim, Drew vai me fazer recitar uma lista de todas as suspeitas gays que eu tenho sobre ele. Não que eu tenha muitas. Eu só vim para fazer o papel de namorada, como unidade, no inferno da casa de seus pais. — Bem, você disse que nunca teve uma namorada antes. Seu pai se preocupa com você e sua falta de companhia feminina. Eu nunca vi você com uma garota no bar, muito menos vejo você flertar com qualquer uma, não que eu tenha prestado atenção. — tenho o cuidado de acrescentar. Estou sendo honesta. Eu não prestei muita atenção nele, mas se minha memória não falha, ele não é muito mais do que um jogador. — Talvez eu não tenha encontrado a garota certa ainda. Meu coração se inflama com esperança, o que é tão incrivelmente estúpido que eu desejo que eu pudesse bater-me no peito. Sim, eu sou uma completa idiota de pensar que tenho a chance de ser um par para Drew. A contratada? Isso é tudo que eu sempre serei. — Você está hum... conservando-se? — Eu forço minha voz para parecer casual, enquanto tudo dentro de mim se transformou em caos. Eu tenho 20. Ele tem, no mínimo, 21. Existe realmente uma possibilidade de que ele seja virgem? Eu sei que eles estão lá fora, mas eu nunca imaginei que Drew Callahan fosse um.
  41. 41. Sua risada misteriosa me diz que eu estou fora da base e o alívio que me varre está perto de ser esmagador. — Eu não sou um virgem, definitivamente. Mas é... já faz um tempo. Eu dou uma tragada no meu cigarro. — Por quê? — Ops, lá vou eu de novo. Investigando sua vida pessoal quando eu não tenho nada que fazê-lo. Ele dá de ombros, sua camisa de flanela se estende através de seus ombros. Drew tem um conjunto muito bom de ombros. — Eu não tenho relacionamentos. Sexo é muito complicado. Interessante. Acho que é muito fácil. — Talvez você esteja tendo o tipo errado de sexo. — Talvez o tipo errado de sexo é tudo que você pode ter. — Sua mandíbula forte se firma e seus olhos escurecem. Ele está com raiva. Eu sei que tudo isto é errado, mas ele parece incrivelmente sexy. Sua expressão feroz só faz meu coração tamborilar. Sua resposta é demasiadamente misteriosa para mim. — Parece que você está definitivamente tendo o tipo errado de sexo. — Eu tento rir, sacudindo a cinza do meu cigarro sobre a grade, notando seu olhar dissimulado de desgosto. Drew não está rindo também. Pergunto-me se eu o ofendi. O cigarro é porque eu estou nervosa e é uma merda que ele não aprove, mas não posso ajudá-lo. Eu fumava de vez em quando até o ensino médio, porque eu pensei que era legal e por qualquer motivo, no verão, depois que me formei eu parei abruptamente. A maior parte. Mas eu mantenho um pacote secreto comigo para todos os momentos, como um cobertor de segurança, apenas tirando um para fora quando eu estou extremamente nervosa ou agitada e eu preciso me acalmar. Como esta noite. Em que a apresentação aos seus pais foi intensa. Normalmente eu passo seis meses com um maço de cigarros. No ritmo em que eu estou, eu vou fumar um maço por dia, até o terceiro dia dessas chamadas férias. — Se o meu pai te visse, agora, ele te viraria. — Drew diz, puxando-me dos meus pensamentos. Aproveito mais uma tragada do cigarro antes de jogar fora sacudindo-o o mais longe que posso. Não que ele vá bater até o oceano, mas eu gosto da imagem dele, o chiado e a insinuação de fumaça que o cigarro deixa ao bater na água. Na realidade, eu sou uma caipira comum e eu me sinto um lixo, mas Drew não está me castigando. — Vai ser nosso segredo, certo?
  42. 42. — Nós vamos ter uma tonelada de segredos entre nós até o final da semana, hein. — Ele não está fazendo uma pergunta, é mais como uma declaração e ele está certo. — Sim, nós vamos. — Eu sorrio para ele, mas ele não devolve. Em vez disso, ele vira as costas e deixa o deck, voltando para a casa, fechando a porta atrás de si com um clique tranquilo. Deixando-me sozinha na noite escura e fria com meus frios pensamentos sombrios.
  43. 43. ~ * Capítulo Cinco * ~ Dia 2, 02:00 O amor é uma fumaça feita com a fumaça de suspiros. - William Shakespeare Fable As pessoas ricas sugam. Elas são rudes, elas agem como se tivessem direito a tudo e Deus nos livre de você olhar sendo uma pessoa pobre. Estou usando jeans e um suéter, nada extravagante, e todos eles zombam de mim como se eu fosse algum tipo de vagabunda. Eles olham como se eu estivesse suja, parecendo que me arrastei para fora de uma calha e então eles têm a coragem de olhar assustados quando me aproximo delas. Como se eu fosse puxar uma faca sobre eles ou algo assim, e exigir todo o seu dinheiro. Isso está acontecendo comigo, enquanto eu ando pelas lojas bonitas que circundam a Ocean Avenue, no centro de Carmel. Drew me deixou no topo da colina, explicando que há uma quantidade infinita de lojas e galerias de arte alinhadas na rua principal, bem como nas ruas laterais. Ele disse que eu poderia explorar a área por horas, se eu queria e eu ansiosamente concordei com o arranjo já que eu sabia que o seu pai queria falar com ele em particular. Isso é o que eles estão fazendo agora. Sentados em algum restaurante fingindo almoçar enquanto seu pai o exercita com o “o que você está fazendo com a sua vida” e outras perguntas, eu tenho certeza. Por sorte, Adele tinha um compromisso no salão e ela não poderia ir, mas ela estava pronta para cancelar. O pai de Drew não deixou, dizendo que queria falar com o filho sozinho. Sua decepção era mais que óbvia para qualquer um. Um calafrio desceu pela minha espinha. Essa mulher me causa um nervoso excessivo. Eu não gosto dela e ela não gosta de mim. Absolutamente. Ela tenta o seu melhor para passar o tempo com Drew e ele tenta evitá-la a todo custo. Eu não entendo.
  44. 44. É claro, quem sou eu para julgar quando se trata dos erros de uma família? A minha é uma confusão absoluta. Eu paro em frente a uma vitrine e olho através do vidro. Os sapatos em exposição são provavelmente tão caros, que eu acho que não posso me dar ao luxo de olhar, muito menos andar no local. Felizmente o meu telefone toca salvando-me de fazer algo tão ousado. — Diga-me que está tudo bem? — eu pergunto. — Tudo bem. — responde Owen. Porra, até mesmo a sua voz soa como se ele estivesse sorrindo. — Você não deveria estar na escola? — São apenas duas horas. Ele não deveria estar fora até às três. — Hoje é até meio-dia. Ele está mentindo. O horário até meio-dia não é quarta-feira, mas não há nada que eu possa fazer com ele sobre isso. Eu estou fora da cidade. — A mãe está em casa? — Sim, ontem à noite, ela esteve lá, mas ela estava bêbada. — Ele amaldiçoa em voz baixa. — Ela levou seu novo namorado com ela. Yuck. Ainda bem que eu não estava lá. Embora se estivesse, a minha mãe não teria levado. Ela teria ficado no seu lugar em vez disso. — Ele é bom? — Não, ele é um idiota mandão. A mãe em volta constantemente e ele lhe dizendo para levar uma cerveja. Eu finalmente disse a ele para pegar a sua própria cerveja de maldição. Eu caio contra a parede com um gemido, ganhando alguns olhares estranhos de transeuntes. — Você não fez isso. — Tenha certeza que sim. Ele é rude como o inferno e ele é um bêbado. A mãe merece coisa melhor. Eu não poderia concordar com ele, porque eu não acho que a nossa mãe mereça o melhor. Ela fez suas escolhas durante todos estes anos e elas são sempre as mesmas. Eu já perdi a conta de quantos bêbados idiotas e rudes minha mãe já esteve ligada. Owen não os via porque eu já o protegia do fluxo interminável de namorados, tanto quanto possível. — Será que mamãe ficou brava com você? — Ela não disse uma palavra, mas o cara ameaçou me bater se eu voltasse a respondê-lo de novo.
  45. 45. — Caramba. — murmuro, fechando os olhos brevemente. É por isso que eu não deveria sair. Eu saí não havia nem três dias e tudo já está caindo aos pedaços. — Espero em Deus que ele não tenha encostado a mão em você, ou eu vou chamar a polícia. — Pfft. — Treze anos e eles acham que são invencíveis e meu irmão não é exceção. — Como se ele pudesse me tocar. Eu chutaria a bunda dele primeiro. — Eu deveria voltar para casa. — O pânico cresce dentro de mim. Eu sei que tudo pode sair de controle muito rápido, quando eu não estou por perto. O que Owen está me dizendo apenas comprova isso. — Eu vou pegar o ônibus ou um trem ou o que quer que seja e vou para casa hoje, se você precisar de mim. — E essas crianças endiabradas que você está cuidando? Você simplesmente não pode abandonar o seu trabalho. — Eu posso, se você estiver em apuros. Nenhum trabalho é mais importante do que a família. — Eu olho em volta, vendo as pessoas bonitas passando por mim. Estava frio, a neblina ainda persistia embora fosse alta, mais como nuvens, e a calçada estivesse lotada com os moradores e turistas. Não é preciso ser um gênio para distingui-los. — Fique aí e ganhe todo o dinheiro extra que eu tenho certeza que nós vamos precisar. — Ele abaixa a voz e eu ouço um grito ao longe, provavelmente de um de seus amigos punks. Deus, eles provavelmente estavam todos saindo do nosso apartamento e comendo todos os alimentos. — Mamãe perdeu o emprego. Meu coração afunda até a boca do meu estômago. Ela trabalhava meio período em uma loja de peças numa concessionária local por um salário mínimo. Nada grave, mas precisamos de cada centavo que ela faz. Este dinheiro de Drew só vai durar por um tempo, especialmente agora que ela está desempregada. — Ótimo. Quando isso aconteceu? — Esta manhã. Ela me mandou uma mensagem avisando-me. Disse que vai passar a noite com Larry. — Então você vai passar a noite sozinho. Claro que não. A última coisa que eu quero que aconteça. — Eu estou indo para a casa de Wade, então não se preocupe. Eu vou passar a noite lá. As palavras saem tão despreocupadamente que os cabelos na parte de trás do meu pescoço se levantam.
  46. 46. Ele está mentindo, eu posso saber. Eu sou tão boa em ler esse garoto que eu deveria ser sua mãe. — É melhor. Vou ligar para a casa de Wade logo à noite para verificar se você está. — Dá um tempo, Fable. O que, você não pode confiar em mim? — Ele está se lamentando, soando como o irmão mais novo que eu me lembro novamente. Outro sinal de que ele está mentindo. — Não, não quando estou fora da cidade. Meu celular bipa, indicando que tenho uma mensagem de texto e eu puxo o telefone para longe do meu ouvido para verificá-lo bem rápido. É de Drew. E é só uma palavra. Marshmallow. Porcaria. — Ei, eu tenho que ir, mas eu estou chamando você hoje à noite e eu vou falar com a mãe de Wade. Certifique-se de que você estará bem e fazendo a lição de casa e tudo o que você precisa fazer. — Fable, isso é segurar o touro pelos chifres. — Tchau. — Eu desligo antes de Owen me irritar mais e eu imediatamente respondo a mensagem. Eu não posso ir salvá-lo se eu não sei onde você está. Meu coração está batendo muito forte depois de eu enviar o texto. Esta é a primeira vez que Drew, usou a palavra código de marshmallow e eu estou preocupada com ele. Ontem foi tudo sobre sair de casa. Passei a tarde inteira na praia enquanto Drew e seu pai foram jogar golfe em um clube não muito longe da casa. Há uma tonelada de campos de golfe incríveis lá, Drew explicou-me, não que eu realmente me importasse. Acho golfe chato, mas eu acho que Adele foi com eles apesar dela não jogar. Ela provavelmente perseguiu-os no carrinho de golfe durante todo o tempo. O jantar de domingo à noite tinha sido um estudo sobre a esquisitice. Adele tentou falar com ele, constantemente fazendo perguntas realmente pessoais, enquanto praticamente me ignorava. Seu pai alheio à vibração estranha, manteve
  47. 47. o ritmo constante com um copo cheio de vinho e balbuciou algumas palavras indistintamente até o final da noite. Foi de bom grado que escapei logo após a refeição, dizendo que eu estava cansada dos exames e todos os trabalhos que eu tinha para escrever, o que era uma mentira completa, já que eu não frequento a faculdade. Drew alegou o mesmo caso. Nós dois fomos de volta para a casa de hóspedes e para nossos respectivos quartos. Eu estava tão cansada que eu pensei que iria adormecer instantaneamente, mas não o fiz. Eu fiquei acordada por mais de uma hora, pensando em Drew e na louca dinâmica familiar que está acontecendo aqui. Meu telefone apita e eu olho para a tela. Em um restaurante na Sixth com a Ocean. Eu preciso sair daqui. Vou esperar por você do lado de fora. Parece que eu preciso ir resgatar meu falso namorado de seu pai autoritário.
  48. 48. Drew No momento em que eu a vejo, eu deixo o bolo de ansiedade rolar do meu peito saindo com uma profunda respiração purificadora. Espero fora do restaurante, dizendo a meu pai que eu preciso usar o telefone, quando na verdade eu só queria esperar pela Fable. E ficar longe dele. Ela está sorrindo para mim quando se aproxima, seu cabelo loiro puxado para trás em um rabo de cavalo alto, revelando suas bochechas arredondadas, o nariz arrebitado e os lábios rosados. Quanto mais eu a olho, mais bonita eu acho que ela é. Apesar de não ser apenas bonita... Fable é quente. Sexy como o inferno, com um corpo que eu já vi em vários estágios de nudez, já que estamos na casa de hóspedes. Eu a peguei enrolada numa toalha, esta manhã, quando ela saiu do banheiro e correu pelo corredor para seu quarto. Ela sequer me viu. Mas eu a vi. Toda aquela pele nua cremosa, a pele úmida em exposição que me fez querer ir atrás dela. Pegá-la, abraçar e sentir seus braços em torno de mim. Emaranhar meus dedos em seu cabelo molhado e puxá-los, trazendo sua boca para a minha... Puta merda. Só de lembrar a minha pele fica em chamas. Eu tento o meu melhor para manter todos à distância de um braço, especialmente as meninas, mas Fable já está ficando sob a minha pele, me fazendo desejá-la. Ela. Vestindo jeans apertados e um suéter preto de grandes dimensões, ela parece ser gostosa o suficiente para comer. E eu nunca penso assim. Nunca. Ela está me fazendo pensar e sentir coisas que são de alguma forma, tanto desconfortáveis quanto libertadoras. Em outras palavras, Fable me deixa em um estado constante de confusão. — Aqui estou. — Ela para em frente de mim, sua cabeça encostando em meu peito, ela é tão pequena. Eu poderia pegá-la, jogá-la por cima do meu ombro e levá-la para fora daqui, não haveria problema. — Pronta para salvá-lo. Marshmallow, a palavra código não tinha sido usada ainda, por isso estou satisfeito com o quão rápido ela veio até a mim. Não que o meu pai esteja sendo particularmente ruim ou esteja gritando. Ele só não vai parar de me fazer perguntas sobre o meu futuro.
  49. 49. Coisas que eu não posso responder por que eu não tenho ideia do que vai acontecer. Por fim, eu não aguentava mais e mandei uma mensagem marshmallow quando fiz uma fuga ao banheiro. Agora, aqui estava ela. Pronta para levar-me para longe. — Obrigada por aparecer. — Ele está sendo duro com você? — Não, eu só... não quero responder a todas suas perguntas. — Oh. — Aquela única palavra não está carregada com todos os tipos de perguntas em si. Nem poderia responder a qualquer uma. — Você gostou de olhar todas as lojas? — Isso é o que as meninas fazem. Lojas, gastar dinheiro, embora eu não ache que Fable realmente tenha muito para gastar. Bem, ao menos que ela quisesse explodir aquele dinheiro que eu lhe dei, mas eu sei que ela está guardando-o para cuidar de seu irmão. A nobre garçonete chamada Fable. Soa como uma história de conto de fadas moderno. — As lojas aqui são muito caras para o meu gosto. — Ela enruga seu nariz, o que é bonito como o inferno. — Eu não posso me dar ao luxo de olhar por dentro, muito menos pensar em comprar qualquer coisa. Eu não sou realmente uma cliente de qualquer maneira. Então, o que ela gostaria de fazer além de ir à praia? Eu não sei nada sobre essa garota. O que eu sei, eu não entendo muito. Somos completa e totalmente opostos em praticamente todos os sentidos. — O que você gostaria de fazer, então? Durante seu tempo livre? — Ela me olha estranho e eu me sinto como um idiota. — Você sabe, como hobby ou algo assim. Ela começa a rir. — Eu não tenho tempo para hobbys. Eu costumava ler. — Costumava? — Sou muito ocupada. — Ela encolhe os ombros. — Trabalhar, cuidar do meu irmão, limpar a casa, eu sempre acabo totalmente exausta e quando eu caio na cama, já estou dormindo. — Seu olhar cruza o meu. — O mesmo acontece comigo. — Eu me mantenho ocupado de propósito. Minha carga horária é pesada, mas eu não tenho ideia do que eu quero fazer da
  50. 50. minha vida além do futebol. Inferno, eu sei que meu treinador fica louco se eu não permanecer em torno do campus para que eu possa treinar o que me faz sentir mais culpado ainda. Há um grande jogo chegando e eu preciso estar com meu desempenho máximo. — Sério? — Ela parece chocada. Concordo com a cabeça. — É mais fácil assim, você não acha? Não ficar tão ocupado pode incomodá-lo. Ela me estuda por um tempo, seu olhar perceptivo se estreitando. Como se aqueles olhos verdes escuros pudessem penetrar diretamente dentro de mim e examinar todos os meus segredos escondidos. Eu não gosto disso. — Aí está você. — Dirijo-me ao ver o meu pai saindo do restaurante, sua irritação é óbvia. Ele olha para Fable e sua mandíbula endurece. — Eu pensei que não tivéssemos terminado com a nossa conversa. — ele diz enfaticamente. — Oh, eu sinto muito, eu pensei que vocês dois tinham terminado. — Fable caminha um pouco e, como uma boa namorada atira o braço entre os meus, seu corpo quente perto do meu. Pressionando os seios contra o meu lado e ela olha para mim com adoração. — Eu preciso da ajuda de Drew. Eu não consigo fazer a minha mente escolher qual par de sapatos eu quero comprar. Ela é boa. Nem dois minutos atrás, ela estava reclamando sobre como ela odeia fazer compras e agora ela é a namorada afetada que não pode tomar uma decisão de comprar sem a minha ajuda. — Eu suponho que eles são para hoje à noite, então? Pergunta meu pai. — O que terá hoje à noite? — Grande. Eu não quero me expor para ninguém. Se não fosse ruim o suficiente termos de fingir para o meu pai e Adele. Ela vai se sentir realizada se sairmos em público. — Um jantar especial de Ação de Graças antecipado no Country Club. Eu falei com você sobre isso na noite que você chegou. De jeito nenhum que eu quero ir. Isso soa como um tipo especial de inferno. — Eu não sei... — Eu insisto. — interrompe meu paizinho, usando aquela expressão que diz que não há permissão para argumentos.
  51. 51. — Parece divertido. — Fable aperta seu braço ao redor do meu, mas eu percebo a tensão em sua voz. Hoje à noite soa como um tipo especial de inferno para ela também. — O que eu devo vestir? — Algo semi-formal. Cocktail casual. O meu pai está brilhando, ele sabe que está fazendo Fable se sentir desconfortável e confusa, o que é muito foda. — Tenho certeza de que você tem um vestido bonito em algum lugar no seu saco de truques. — Pai. — Estou chateado com a maneira como ele fala com ela, mas como faço para enfrentá-lo? Eu realmente nunca fiz isso antes, merda. Ele é meu pai. Ele é tudo o que tenho neste mundo. Ele me ignora, nenhuma surpresa. — Adele vai querer vocês dois em casa às cinco, para garantir que tudo estará pronto e com tempo de sobra antes que tenhamos que sair. — Meu pai olha no seu relógio. — Eu tenho uma reunião com um cliente em 30 minutos. Eu vejo vocês dois mais tarde. Nós o vemos ir embora em silêncio, Fable ainda firme ao meu lado. Ela lentamente se afasta e eu imediatamente sinto a falta dela. Estúpido. — Não tenho qualquer coisa para vestir para um jantar com coquetel dentro dessa fantasia. — Ela parece estressada. — Você não me disse que eu ia colocar qualquer coisa assim. Eu deveria ter dito. Eu sou um idiota pelo esquecimento. Meu plano foi tão de última hora, que esqueci todo esse tipo de merda. — Eu vou comprar alguma coisa. — eu ofereço. — Vamos olhar ao redor. Nós temos tempo. Ela balança a cabeça. — De jeito nenhum. Você já gastou muito dinheiro comigo. Eu não estou disposta a comprar um vestido de cocktail caro para ser usado uma única vez. Eu não estou aqui brincando de Pretty Woman. O engraçado é que nós meio que estamos. Eu vi o maldito filme, quem não viu? Tenho certeza de que o personagem de Richard Gere, pagou Julia Roberts AKA6 a prostituta de três mil dólares para ela fingir ser sua namorada. Comprou- lhe um monte de roupas também. As semelhanças são inegáveis. — Eu não me importo. — Eu pego sua mão e dou-lhe um aperto. Ela está olhando para mim com um olhar divertido no rosto, como se ela não pudesse 6 Sigla de “also known” ou “também conhecido como”; apelido, vulgo.
  52. 52. acreditar que eu, voluntariamente, a toquei sem ninguém por perto para nos ver, mas foda-se. Eu preciso que ela saiba que não é só ela que está me ajudando, mas que quero ajudá-la também. Eu não quero que ela se sinta desconfortável. Eu não quero que os meus pais a coloquem para baixo ou a faça se preocupar que não esteja de acordo. É ruim o suficiente que nós dois saibamos que ela definitivamente não se encaixa dentro disso tudo. Mas eu não me sinto encaixado aqui também. Do lado de fora eu posso fingir, mas e no interior? Nem um pouco. Ninguém sabe as merdas pelas quais eu já passei por causa disso. Eu planejo mantê-la protegida desse mundo. ~*~*~ Encontramos uma dessas cadeias de lojas de moda cara não muito atrás do centro comercial exclusivo, ao ar livre onde eu originalmente a deixei. Fable se sente pouco confortável lá, ela conhece a loja e diz que é cara, mas não tanto quanto a maioria das outras lojas que ficam na Ocean Avenue, então eu concordo. O lugar é enorme, cheio não só com roupas, mas também com coisas para casa como roupa de cama, toalhas, bugigangas e um punhado de outras besteiras sem sentido. Fable vai direto para a sessão de vestidos e ela se movimenta freneticamente, agarrando um após o outro atirando-lhes sobre seu braço, os cabides de madeira batendo uns contra os outros quando ela anda. — Hey. — Eu mantenho a minha voz baixa quando eu me aproximo dela e ela vira a cabeça, os olhos arregalados. — Não tem nada pegando fogo. Temos tempo de sobra. Ela exala alto e balança a cabeça. — Eu não tenho ideia do que estou fazendo. Eu vou precisar de sua opinião sobre isso. O que eu sei sobre vestidos de cocktail? — Eu vou ajudar você. — eu ofereço, porque eu sei que deveria. — Você vai ter que me olhar em todas as trocas e realmente ver cada vestido e pode me dizer como eu estou. Eu não posso fazer isso sozinho. — Ela parece francamente assustada. — Graças a Deus eles têm um monte de coisas por causa das férias. Esperemos que um deles vá funcionar.
  53. 53. — Oi! Posso ajudá-la no provador de roupas? — A voz estridente vem de trás e nós dois viramos para ver quem é. — Drew Callahan, aimeuDeus, é você? Ah, inferno. Meu pior pesadelo veio à vida. Eu fui para a escola com essa garota. Kaylie, eu acho que é o nome dela. Sim, no seu crachá está escrito Kaylie. — Como vai? — Eu pergunto fracamente. Seu sorriso é tão grande e brilhante que ela quase me cega. Alguém está branqueando demais os dentes. — É tão bom ver você! — Ela se joga em mim e eu não tenho escolha, que não abraçá-la de volta. Eu posso sentir a curiosidade e a irritação irradiando de Fable ao meu lado. Eu ofereço-lhe um olhar de desculpas, mas ela revira os olhos. Por alguma razão, este encontro está irritando-a. — É bom ver você também. — eu digo a Kaylie, dando-lhe um abraço desajeitado. Ela me solta, o sorriso gigante ainda em seu rosto, seus olhos escuros brilhando. — O que você tem feito? Bem, além do futebol. Você nunca mais veio por aqui. — E faz um beicinho falso. — Todo mundo sente falta de você. — Estive muito ocupado. — Eu dou de ombros. — Uau, eu acho que nós não estamos no mesmo ritmo então. Não poder sequer estar de volta para sua cidade natal. — É como se ela tivesse esquecido totalmente Fable, a cliente que ela deveria estar ajudando. Em vez disso, Kaylie está concentrando toda a sua atenção em mim. — Você acredita que eu tenho que trabalhar aqui? Meu pai me fez começar um trabalho para que eu possa aprender o que é viver no mundo real. Disse que meus 10 mil dólares do cartão de crédito ficariam meses totalmente longe de minhas mãos. — Ela ri. Fables está boquiaberta para ela. Eu apenas dei-lhe três mil dólares que vai apoiar toda a sua família por meses e esta menina está agindo como se gastar 10 mil dólares por mês em diversas besteiras não fosse grande coisa. — Hum, você me perguntou se eu queria que você me ajudasse? — Fable pergunta do nada. Kaylie olha para ela, seu comportamento mudando instantaneamente. Agora a pouco, ela era a boa trabalhadora, e agora está avaliando Fable já que é óbvio que estamos juntos. Espero como o inferno que pareça que estamos juntos.
  54. 54. — Aqui. — Fable coloca as roupas sobre seus braços enquanto Kaylie ainda não respondeu. — Eu realmente adoraria se você achasse uma cabine para eu me vestir. O sarcasmo é evidente na voz de Fable e eu tento o meu melhor para esconder o sorriso. Kaylie leva as roupas, seu lábio superior enrolado. — Espero que estes estejam no tamanho certo para você. Eles parecem estar um pouco pequenos. Kaylie cadela. Fable oferece-lhe um sorriso fugaz. — Oh, o tamanho é perfeito. Eu só tenho peitos grandes por isso sempre parece que eu preciso de um tamanho maior, mas eu sei fazer funcionar. Drew gosta quando ela sai e ele pode vê-la. Tudo fica mais fácil assim. Mel, certo? — Ela bate os cílios para mim e desta vez eu não posso segurar a risada que escapa. Esta menina, a minha menina-falsa, é muito boazinha. — Certo. — murmuro, apreciando a dança de humor nos olhos de Fables. Kaylie murmura algo sob sua respiração e vai em direção aos provadores. — Bem. Ela foi rude. — Fable diz no momento em que Kaylie está fora do alcance da voz. — Desculpe por isso. — Eu sinto que estou constantemente pedindo desculpas por causa deste mundo ao qual eu pertenço e no qual Fable é tratada tão terrivelmente. É uma merda. Ela encolhe os ombros. — Esses tipos de meninas sempre trabalham neste tipo de lojas. — O que você quiser, eu estou comprando. — Eu quero que Fable saia desta loja estúpida com tantas bolsas que ela não possa levá-las todas. Sério. Eu vejo a maneira como ela olha tudo aqui. Ela gosta. Ela está tentando bancar a despreocupada, mas este seria o seu tipo de loja, caso ela pudesse pagar. Eu posso senti-lo. — Eu só quero um vestido — diz ela, com a voz curta. — E sapatos. — eu lembro à ela. — Certo. Sapatos. — Joias se você precisar delas. Talvez uma coisa para o cabelo ou algo assim? Porra, eu não sei. Eu não presto atenção ao que as meninas usam para ficar toda arrumada.
  55. 55. — Eu vou pensar em alguma coisa. Encontre-me no provador em 15 minutos. Ela me oferece um sorriso doce e me atinge como um golpe no peito, roubando o ar dos meus pulmões. Eu quero fazê-la sorrir assim para mim novamente. Foi um sorriso sincero. Sem forçar um sorriso extravagante para as pessoas observarem ou um falso, tipo sorriso quente porque você é meu namorado, como ela deu-me mais cedo, quando eu estava com o meu pai. Este sorriso era genuíno. Genuinamente bonito. Fable continua em perseguição do vestido perfeito. Ando pela loja, olhando ao redor. Começando a me sentir desconfortável no geral. Eu nunca fiz este papel antes, namorado atento pronto para ajudar sua namorada a escolher sua roupa nova. Eu estou ansioso para vê-la em algo além das coisas casuais que ela normalmente usa. — Então, Drew. Sua namorada é um pouco... diferente. — Diz Kaylie de volta. Grande. — Como assim? — Dirijo o olhar para ela, seriamente interessado em sua opinião. Por que diabos Fable é tão diferente? Para o inferno, porque de qualquer forma eu não penso assim, mas eu não consigo entender o porquê. Kaylie encolhe os ombros. — Ela não se parece com o seu tipo costumeiro. Eu nunca tive um tipo. Eu nunca tive uma namorada fixa na escola. Eu estava muito ocupado jogando futebol e beisebol. Eu tive que escolher um deles, e depois eu joguei tanto no meu ano de calouro na faculdade também. Quer falar sobre eu não ter tempo para namorar? — Há quanto tempo vocês dois estão namorando? — Kaylie pergunta quando eu não digo nada. — Desde agosto, quando a escola começou. — Oh. — Kaylie acena, mordendo o lábio inferior. É um gesto gracioso mas que não diz absolutamente nada para mim. — Você sabe, Drew, eu sempre tive uma queda por você na escola. Inferno, eu quero gemer bem alto, mas eu seguro. Isso não vai ser como eu planejei. Eu não quero lidar com esta merda. — Uh...
  56. 56. — Você nunca reparou em mim, não importa o quanto eu tentei. E o senhor sabe, eu tentei. Kaylie dá um passo mais perto e corre o dedo indicador para baixo do meu peito, demorando-se nos botões da minha camisa Henley7. — Uau, você é musculoso. — Kaylie. — Eu dou um passo para trás. — Eu tenho uma namorada. — Oh, assim que vergonha, também. — Ela está fazendo beicinho de novo e é uma porcaria. Se ela acha que é bonito ela está totalmente errada. — Eu sempre fui do tipo que quero o que não posso ter. O que ela admitiu só mostra como ela é louca. — Eu preciso ir ajudar a minha namorada. Falo com você mais tarde. — Avise-me se ela precisar de alguma coisa! — Grita Kaylie para mim enquanto eu me afasto. Sim, certo. Vou manter esta menina tão longe de mim quanto possível. Eu tenho medo que Fable pudesse ter chutado o seu rabo se ela visse o que Kaylie fez comigo. Como ela me tocou. Ter uma namorada falsa me joga num inferno de um monte de atenções indesejadas. 7 feita geralmente de algodão, com botões se assemelhando a uma camisa polo.Fizeram muito sucesso na década de 1970 e,recentemente fizeram um retorno à moda.
  57. 57. Fable Depois de tentar um monte de vestidos por quase trinta minutos, eu finalmente encontrei o perfeito. É como se eu soubesse que seria ele, pois eu o experimentei por último. Drew está pacientemente esperando por mim do lado de fora, o atendente do provador teve de oferecer-lhe uma cadeira e tudo. Eu adorei sair do provador mostrando-lhe o que eu usava a seguir. Ele estava lá curvado em sua cadeira, seu grande corpo esparramado por todo o lugar, com as pernas abertas e um olhar entediado em seu rosto bonito demais. Estou torturando-o, eu sei disso, mas as luzes em seu olhar surgem a cada vez que ele me vê, mesmo o vestido sendo horrível. E ele é honesto também. Eu posso apreciar isso. Os poucos que realmente eram terríveis, ele disse sem rodeios que eram ruins. Até agora, ele gostou do primeiro que eu provei, e eu sei que é uma boa escolha, mas este... o que eu tenho neste momento, é tão bonito que quase me faz querer chorar. É também, quase 400 dólares, o mais caro de todos eles. A culpa me corrói. Eu não deveria querer isso. É muito dinheiro. Mas, oh meu Deus, olha só bem para mim e eu não gosto de me gabar, mas... sim. Como eu disse à garota estúpida que conhece Drew, meus peitos grandes não estão saindo, é óbvio. Tudo sobre este vestido é discreto, elegante... No entanto, é sexy. Respirando fundo, eu abro a porta e saio para a área de espera dos provadores. Drew está lá sentado de modo desleixado, o olhar parado em mim. Ele pisca lentamente e senta-se ereto, seus olhos vão abrindo-se como se ele quisesse bebe-me. — Porra. — ele respira e limpa a garganta. O sorriso que ele provoca nos cantos da minha boca não podem ser contidos. Eu dou uma volta, imaginando os saltos super altos que eu gostaria de comprar para ir com este vestido. Eu realmente não quero gastar muito dinheiro em sapatos, no entanto. Talvez haja uma Payless Shoes8 por perto, ou algo assim. Sim, certo. 8 Maior varejista de sapatos dos EUA, vendendo todos os estilos, por menores preços.

×