Unidade 2 concepções atuais dos temas transversais.

3.154 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.154
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Unidade 2 concepções atuais dos temas transversais.

  1. 1. SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO EDUCACIONAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO EDUCACIONAL Centro Municipal de Ensino Infantil MADRE ELISIA Ato de criação – Lei nº 338/96 – Manaus - AmazonasGestora: Wanderluci Almeida de SouzaPedagoga: Samuelly AguiarProfessoras do turno matutino:MaternalMaielly dos Santos CoelhoMárcia Cristina Costa de A. SampaioSimone Helen Drumond Ischkanian1º PeríodoAlcinéia da Silva CostaElen Cristina Cavalcante B. dos SantosMarciléia Briglia Alves2º PeríodoAna Mary dos Santos MartinsFrancisca Ângela Cavalcante AraújoLeusimar Macedo da SilvaEducação Especial (Sala de Recursos)Keila Gleicy Rocha de Assis http://simonehelendrumond.blogspot.com
  2. 2. UNIDADE 2: CONCEPÇÕES ATUAIS DOS TEMAS TRANSVERSAISAtividade 1 – Quais são as principais características dos temas transversais? Qual delas é a maismarcante? Comente sua resposta.A educação para a cidadania requer, portanto, que questões sociais sejam apresentadas para a aprendizageme a reflexão dos alunos. A inclusão de questões sociais no currículo escolar não é uma preocupação inédita.Essas temáticas já têm sido discutidas e incorporadas às áreas ligadas às Ciências Sociais e CiênciasNaturais, chegando mesmo, em algumas propostas, a constituir novas áreas, como no caso dos temas MeioAmbiente e Saúde.Os Parâmetros Curriculares Nacionais incorporam essa tendência e a incluem no currículo de forma acompor um conjunto articulado e aberto a novos temas, buscando um tratamento didático que contemple suacomplexidade e sua dinâmica, dando-lhes a mesma importância das áreas convencionais. O currículo ganhaem flexibilidade e abertura, uma vez que os temas podem ser priorizados e contextualizados de acordo comas diferentes realidades locais e regionais e outros temas podem ser incluídos.O conjunto de temas aqui proposto (Ética, Meio Ambiente, Pluralidade Cultural, Saúde e Orientação Sexual)recebeu o título geral de Temas Transversais, indicando a metodologia proposta para sua inclusão nocurrículo e seu tratamento didático.Esse trabalho requer uma reflexão ética como eixo norteador, por envolver posicionamentos e concepções arespeito de suas causas e efeitos, de sua dimensão histórica e política.A ética é um dos temas mais trabalhados do pensamento filosófico contemporâneo, mas é também um temapresente no cotidiano de cada um, que faz parte do vocabulário conhecido por quase todos.A reflexão ética traz à luz a discussão sobre a liberdade de escolha. A ética interroga sobre a legitimidade depráticas e valores consagrados pela tradição e pelo costume. Abrange tanto a crítica das relações entre osgrupos, dos grupos nas instituições e perante elas, quanto a dimensão das ações pessoais. Trata-se portantode discutir o sentido ético da convivência humana nas suas relações com várias dimensões da vida social: oambiente, a cultura, a sexualidade e a saúde.
  3. 3. a) Principais características dos temas Transversais:1. Os temas transversais abarcam conteúdos de várias áreas curriculares que devem ser abordadoscomplementarmente;2. Requerem presença nos conteúdos escolares e serem assumidos pelos professores.3. Transversais, porque transcendem as áreas curriculares e impregnam todas as atividades das escolas.4. De caráter aberto e dinâmico, incorporam novos conhecimentos e necessitam de revisão constante.5. ―Exigem a inter-relação das matérias transversais entre si‖.6. Partem do projeto educativo de escola para o projeto curricular de turma, passando pelas programaçõesdas distintas áreas curriculares.b) Qual delas é a mais marcante? Comente sua resposta.3. Transversais, porque transcendem as áreas curriculares e impregnam todas as atividades dasescolas. Este argumento aponta que a escola deve propor aos seus alunos não só conhecimentosespecificados, mas também criar cidadãos ativos na vida social. Por isso busca também educar o individuopara que ele seja capaz de eleger critérios de ação, assim adaptando-se a qualquer situação. A importânciados Temas Transversais nesse contexto é essencial, já que estes possibilitam discussões sobre assuntos queembora sejam tidos como rotineiros, fundamentam toda a sociedade. Por outro lado, a instituição de ensinonão pode impor valores, estabelecer posturas, o que torna a avaliação uma tarefa árdua e complexa, maspossibilitar aos discentes uma discussão que proponha a criação de critérios para sua própria escolha. Deacordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (YUS 1998, 39), ―As atitudes das crianças não dependemunicamente da ação da escola, mas têm intricadas implicações de natureza tanto psicológica quanto social,nas relações de vida familiar e comunitária‖.O professor nesse momento atua como facilitador do processo de ensino-aprendizagem, sujeito ativo quedireciona a ação pedagógica juntamente com os temas sociais e transversais propostos. Para a efetivaçãodesses estudos a transversalidade é fundamentada na realidade escolar, problematizando situações queenvolvam atividades, como por exemplo, seminários, exposições, palestras entre outros recursos quefavoreçam a aprendizagem.
  4. 4. Atividade 2 – Qual é a relação dos temas transversais com a educação integral do aluno?A relação dos temas transversais com a educação integral do aluno é que muitas questões sociaispoderiam ser eleitas como temas transversais para o trabalho escolar, uma vez que o que os norteia, aconstrução da cidadania e a democracia, são questões que envolvem múltiplos aspectos e diferentesdimensões da vida social. Foram então estabelecidos os seguintes critérios para defini-los e escolhê-los:• Urgência socialEsse critério indica a preocupação de eleger como Temas Transversais questões graves, que se apresentamcomo obstáculos para a concretização da plenitude da cidadania, afrontando a dignidade das pessoas edeteriorando sua qualidade de vida.• Abrangência nacionalPor ser um parâmetro nacional, a eleição dos temas buscou contemplar questões que, em maior ou menormedida e mesmo de formas diversas, fossem pertinentes a todo o País. Isso não exclui a possibilidade e anecessidade de que as redes estaduais e municipais, e mesmo as escolas, acrescentem outros temasrelevantes à sua realidade.• Possibilidade de ensino e aprendizagem no ensino fundamentalEsse critério norteou a escolha de temas ao alcance da aprendizagem nessa etapa da escolaridade. Aexperiência pedagógica brasileira, ainda que de modo não uniforme, indica essa possibilidade, em especialno que se refere à Educação para a Saúde, Educação Ambiental e Orientação Sexual, já desenvolvidas emmuitas escolas.• Favorecer a compreensão da realidade e a participação socialA finalidade última dos Temas Transversais se expressa neste critério: que os alunos possam desenvolver acapacidade de posicionar-se diante das questões que interferem na vida coletiva, superar a indiferença,intervir de forma responsável. Assim, os temas eleitos, em seu conjunto, devem possibilitar uma visão amplae consistente da realidade brasileira e sua inserção no mundo, além de desenvolver um trabalho educativoque possibilite uma participação social dos alunos.
  5. 5. Atividade 3 – O conceito de tema transversal é diferente do de transversalização. Relacione osprincípios que diferenciam um conceito do outro.TEMA TRANSVERSAL – os temas transversais são um conjunto de conteúdos educativos e eixoscondutores da atividade escolar que, não estando ligados a nenhuma matéria em particular, pode-seconsiderar que são comuns a todas, de forma que, mais do que criar disciplinas novas, acha-se convenienteque seu tratamento seja transversal num currículo global da escola.Sendo assim, a presença desses temas se torna essencial, pois abrange conteúdos de caráter moral e ético,não menos importantes que a formação escolar. Vale lembrar que a aplicação desses temas é episódica, oumelhor, acontece em momentos diversificados e podem servir como um aliado ao professor, que poderá usá-los para diferenciar a aula e quebrar a rotina de seu trabalho. os temas são importantes, pois, nessaperspectiva, pretende-se a criação de uma nova escola que busca, na verdade, uma educação para a vida(mesmo que laica no ensino público), voltada para valores humanos. É por isso que considera os temastransversais um leque de disciplinas possíveis de trabalho para que o docente realize temáticas fora do corpodas disciplinas atuais presentes em sala de aula. Ele afirma que esses temas estão ligados ao cotidiano doindivíduo e objetivam sua qualificação, preparando-o para atuarem ou viverem como verdadeiros―cidadãos‖. A grosso modo, a reforma educativa busca a formação de um cidadão crítico, solidário eautônomo.TRANSVERSALISAÇÃO – não constituem novas áreas, mas antes um conjunto de temas que aparecemtransversalizados nas áreas definidas, isto é, permeando a concepção, os objetivos, os conteúdos e asorientações didáticas de cada área, no decorrer de toda a escolaridade obrigatóriaAtividade 4 – Quais são os temas transversais que os Parâmetros Curriculares indicam para seremtrabalhados no currículo?A seguir, serão descritos em linhas gerais os temas escolhidos. Para cada um deles existe um documentoespecífico no qual são aprofundados e apresentados seus objetivos, conteúdos e orientações didáticas.ÉTICAA Ética diz respeito às reflexões sobre as condutas humanas. A pergunta ética por excelência é: ―Como agirperante os outros?‖. Verifica-se que tal pergunta é ampla, complexa e sua resposta implica tomadas deposição valorativas. A questão central das preocupações éticas é a da justiça entendida como inspirada pelosvalores de igualdade e eqüidade. Na escola, o tema Ética encontrasse, em primeiro lugar, nas próprias
  6. 6. relações entre os agentes que constituem essa instituição: alunos, professores, funcionários e pais. Emsegundo lugar, o tema Ética encontra-se nas disciplinas do currículo, uma vez que, sabe-se, o conhecimentonão é neutro, nem impermeável a valores de todo tipo. Finalmente, encontra-se nos demais TemasTransversais, já que, de uma forma ou de outra, tratam de valores e normas. Em suma, a reflexão sobre asdiversas faces das condutas humanas deve fazer parte dos objetivos maiores da escola comprometida com aformação para a cidadania. Partindo dessa perspectiva, o tema Ética traz a proposta de que a escola realizeum trabalho que possibilite o desenvolvimento da autonomia moral, condição para a reflexão ética. Para issoforam eleitos como eixos do trabalho quatro blocos de conteúdo: Respeito Mútuo, Justiça, Diálogo eSolidariedade, valores referenciados no princípio da dignidade do ser humano, um dos fundamentos daConstituição brasileira.PLURALIDADECULTURALPara viver democraticamente em uma sociedade plural é preciso respeitar os diferentes grupos e culturas quea constituem. A sociedade brasileira é formada não só por diferentes etnias, como por imigrantes dediferentes países. Além disso, as migrações colocam em contato grupos diferenciados. Sabe-se que asregiões brasileiras têm características culturais bastante diversas e a convivência entre grupos diferenciadosnos planos social e cultural muitas vezes é marcada pelo preconceito e pela discriminação. O grande desafioda escola é investir na superação da discriminação e dar a conhecer a riqueza representada pela diversidadeetnocultural que compõe o patrimônio sociocultural brasileiro, valorizando a trajetória particular dos gruposque compõem a sociedade. Nesse sentido, a escola deve ser local de diálogo, de aprender a conviver,vivenciando a própria cultura e respeitando as diferentes formas de expressão cultural.MEIOAMBIENTEA vida cresceu e se desenvolveu na Terra como uma trama, uma grande rede de seres interligados,interdependentes. Essa rede entrelaça de modo intenso e envolve conjuntos de seres vivos e elementosfísicos. Para cada ser vivo que habita o planeta existe um espaço ao seu redor com todos os outros elementose seres vivos que com ele interagem, por meio de relações de troca de energia: esse conjunto de elementos,seres e relações constitui o seu meio ambiente. Explicado dessa forma, pode parecer que, ao se tratar de meioambiente, se está falando somente de aspectos físicos e biológicos. Ao contrário, o ser humano faz parte domeio ambiente e as relações que são estabelecidas — relações sociais, econômicas e culturais — tambémfazem parte desse meio e, portanto, são objetos da área ambiental. Ao longo da história, o homemtransformou-se pela modificação do meio ambiente, criou cultura, estabeleceu relações econômicas, modosde comunicação com a natureza e com os outros. Mas é preciso refletir sobre como devem ser essas relaçõessocioeconômicas e ambientais, para se tomar decisões adequadas a cada passo, na direção das metasdesejadas por todos: o crescimento cultural, a qualidade de vida e o equilíbrio ambiental.
  7. 7. SAÚDEO nível de saúde das pessoas reflete a maneira como vivem, numa interação dinâmica entre potencialidadesindividuais e condições de vida. Não se pode compreender ou transformar a situação de um indivíduo ou deuma comunidade sem levar em conta que ela é produzida nas relações com o meio físico, social e cultural.Falar de saúde implica levar em conta, por exemplo, a qualidade do ar que se respira, o consumismodesenfreado e a miséria, a degradação social e a desnutrição, formas de inserção das diferentes parcelas dapopulação no mundo do trabalho, estilos de vida pessoal.Atitudes favoráveis ou desfavoráveis à saúde são construídas desde a infância pela identificação com valoresobservados em modelos externos ou grupos de referência. A escola cumpre papel destacado na formação doscidadãos para uma vida saudável, na medida em que o grau de escolaridade em si tem associaçãocomprovada com o nível de saúde dos indivíduos e grupos populacionais. Mas a explicitação da educaçãopara a Saúde como tema do currículo eleva a escola ao papel de formadora de protagonistas — e nãopacientes — capazes de valorizar a saúde, discernir e participar de decisões relativas à saúde individual ecoletiva. Portanto, a formação do aluno para o exercício da cidadania compreende a motivação e acapacitação para o autocuidado, assim como a compreensão da saúde como direito e responsabilidadepessoal e social.ORIENTAÇÃO SEXUALA Orientação Sexual na escola deve ser entendida como um processo de intervenção pedagógica que temcomo objetivo transmitir informações e problematizar questões relacionadas à sexualidade, incluindoposturas, crenças, tabus e valores a ela associados. Tal intervenção ocorre em âmbito coletivo,diferenciando-se de um trabalho individual, de cunho psicoterapêutico e enfocando as dimensõessociológica, psicológica e fisiológica da sexualidade. Diferencia-se também da educação realizada pelafamília, pois possibilita a discussão de diferentes pontos de vista associados à sexualidade, sem a imposiçãode determinados valores sobre outros.O trabalho de Orientação Sexual visa propiciar aos jovens a possibilidade do exercício de sua sexualidade deforma responsável e prazerosa. Seu desenvolvimento deve oferecer critérios para o discernimento decomportamentos ligados à sexualidade que demandam privacidade e intimidade, assim comoreconhecimento das manifestações de sexualidade passíveis de serem expressas na escola. Propõem-se trêseixos fundamentais para nortear a intervenção do professor: Corpo Humano, Relações de Gênero ePrevenção às Doenças Sexualmente Transmissíveis/AIDS.A abordagem do corpo como matriz da sexualidade tem como objetivo propiciar aos alunos conhecimento erespeito ao próprio corpo e noções sobre os cuidados que necessitam dos serviços de saúde. A discussão
  8. 8. sobre gênero propicia o questionamento de papéis rigidamente estabelecidos a homens e mulheres nasociedade, a valorização de cada um e a flexibilização desses papéis. O trabalho de prevenção às doençassexualmente transmissíveis/AIDS possibilita oferecer informações científicas e atualizadas sobre as formasde prevenção das doenças. Deve também combater a discriminação que atinge portadores do HIV e doentesde AIDS de forma a contribuir para a adoção de condutas preventivas por parte dos jovens.TEMAS LOCAISO trabalho com temas sociais na escola, por tratar de conhecimentos diretamente vinculados à realidade,deve estar aberto à assimilação de mudanças apresentadas por essa realidade. As mudanças sociais e osproblemas que surgem pedem uma atenção especial para se estar sempre interagindo com eles, sem ocultá-los. Assim, embora os temas tenham sido escolhidos em função das urgências que a sociedade brasileiraapresenta, dadas as grandes dimensões do Brasil e as diversas realidades que o compõem, é inevitável quedeterminadas questões ganhem importância maior em uma região. Sob a denominação de Temas Locais, osParâmetros Curriculares Nacionais pretendem contemplar os temas de interesse específico de umadeterminada realidade a serem definidos no âmbito do Estado, da cidade e/ou da escola. Uma vezreconhecida a urgência social de um problema local, este poderá receber o mesmo tratamento dado aosoutros Temas Transversais.Tomando-se como exemplo o caso do trânsito, vê-se que, embora esse seja um problema que atinge umaparcela significativa da população, é um tema que ganha significação principalmente nos grandes centrosurbanos, onde o trânsito tem sido fonte de intrincadas questões de natureza extremamente diversa. Pense-se,por exemplo, no direito ao transporte associado à qualidade de vida e à qualidade do meio ambiente; ou odesrespeito às regras de trânsito e a segurança de motoristas e pedestres (o trânsito brasileiro é um dos que,no mundo, causa maior número de mortes). Assim, visto de forma ampla, o tema trânsito remete à reflexãosobre as características de modos de vida e relações sociais.Referências:BUSQUETS, Maria Dolores. Temas transversais em educação: bases para uma formação integral. SãoPaulo: Ática, 1999.Curso de programa de educação de trânsito. Manaustrans. Manaus. 2011DRUMOND, Simone Helen Ischkanian, Educação para o Trânsito, blog(http://simonehelendrumond.blogspot.com)

×