O ser humano estressado

1.556 visualizações

Publicada em

http://simonehelendrumond.blogspot.com

Publicada em: Educação, Esportes, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.556
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
44
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O ser humano estressado

  1. 1. O SER HUMANO ESTRESSADO.Autora da Apostila: Simone Helen Drumond http://simonehelendrumond.blogspot.com simone_drumond@hotmail.com (92) 8808-2372 / 8813-9525
  2. 2. AS REAÇÕES FISIOLÓGICAS AO ESTRESSE O SER HUMANO ESTRESSADO. É comum ouvir-se a expressão "estou na fossa" ou "estou dow" (desanimado). Hoje é "out" isto é estar por fora, quem não está estressado. O conjunto de reações do organismo a agressões de ordem física, psíquica, infecciosa, e outras, capazes de perturbar- lhe a homeóstase faz parte do dia a dia do ser humano, não sendo considerada doença quando estiver em níveis adequados. Entretanto, as áreas de alarme tais como as reações emocionais, levando a pessoa da excitabilidade á depressão e vice-versa, surgem em conseqüência distúrbios de raciocínio e concentração com sérias dificuldades de memória e com alterações graves no plano físico (soma) e psíquico (mental).Autora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com
  3. 3. AS REAÇÕES FISIOLÓGICAS AO ESTRESSEAutora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com
  4. 4. AS REAÇÕES FISIOLÓGICAS AO ESTRESSE No gráfico se pode entender como funcionam as reações fisiológicas quando há um estímulo estressor. Exemplo: Um perigo eminente como, um assaltante vem na direção da vítima. Ela percebe a avalia o perigo. O sinal é ativado para o cérebro e o sistema límbico, que é a região cerebral formada pela circunvolução do corpo caloso e pela do hipocampo, e que atua sobre o funcionamento de vísceras, regulação metabólica e vida emocional, e o hipotálamo, que é a porção do diencéfalo, que forma o soalho e parte das paredes laterais do terceiro ventrículo, exercendo os núcleos hipotalâmicos de controle sobre atividades das mais importantes do organismo, tais como sono, metabolismo da água, temperatura corporal, etc., ativam a hipófise que estimula a secreção do ACTH, que por sua vez ativa o sistema nervoso simpático, que é a porção do sistema nervoso, tanto aferente quanto eferente, que inerva musculatura cardíaca e lisa, e controla secreções glandulares diversas.Autora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com
  5. 5. AS REAÇÕES FISIOLÓGICAS AO ESTRESSE Não se encontra sob o controle da vontade, e divide-se em dois grandes setores: o simpático e o parassimpático. Daí as duas glândulas endócrinas situadas na parte superior da face interna de cada rim, denominadas supra-renais compostas de duas porções distintas, o córtex e a medula supra-renal, e que segregam hormônios da maior importância para diversas funções do organismo (metabolismo, circulação, etc. supra renal, segregam a adrenalina e esteróides, e daí provocam as reações periféricas que foram descritas acima, quando se tratou das fases do estresse).Autora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com
  6. 6. FATORES QUE INFLUEM SOBRE O ESTRESSEAutora da Apostila: Simone Helen Drumond http://simonehelendrumond.blogspot.com simone_drumond@hotmail.com (92) 8808-2372 / 8813-9525
  7. 7. FATORES QUE INFLUEM SOBRE O ESTRESSE Dificuldade de previsão: acontece quando sabemos que um fator estressante vai acontecer porem não sabemos quando e como. Falta de controle: acontece quando não podemos fazer nada para modificar e escapar de uma situação, e passamos a nos desesperançar . Falta de meios para descarregar a frustração: nossa sociedade moderna não temos em muitos momentos como dissimular a frustração e não damos expansão aos nossos impulsos e emociones havendo a formação de toxinas prejudiciais ao organismo. Daí a fuga em drogas, calmantes, álcool, com os resultados catastróficos que advém.Autora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com
  8. 8. TÉCNICAS PARA DISSOLVER O ESTRESSEAutora da Apostila: Simone Helen Drumond http://simonehelendrumond.blogspot.com simone_drumond@hotmail.com (92) 8808-2372 / 8813-9525
  9. 9. TÉCNICAS PARA DISSOLVER O ESTRESSE Diante das ocorrências desastrosas, em vez de chorar "pelo leite derramado", se conscientizam como parte inevitável da vida, e aproveitam o acontecimento para tirarem proveito de crescimento, e não como ameaça a segurança, e não encaram os reveses, ou desastres como "o fim do mundo", ou como algo que não tem remédio e chegam a dizer "foram os anéis, mas ficaram os dedos", ou "águas passadas não movem moinhos" acreditam na capacidade de resolver os problemas usando o bom senso e a razão. Não entrando em desespero, como diz o ditado, "afogar-se num copo de água" adquirem com treinamento e exercícios adequados de relaxamento e treinamento autógeno. A confiança em sua capacidade para resolver os problemas que surjam e controlar o impacto dos mesmos possuem um amplo respaldo de apoio, como psicoterapia, família, amizades sinceras e sadias, cultivam um forte sentido de compromisso, dedicação e orientação de vida acreditam no valor e na importância do trabalho que efetuam e cultivam um forte sentido de auto-estima.Autora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com
  10. 10. MECANISMOS DE DEFESA PERANTE O ESTRESSEAutora da Apostila: Simone Helen Drumond http://simonehelendrumond.blogspot.com simone_drumond@hotmail.com (92) 8808-2372 / 8813-9525
  11. 11. MECANISMOS DE DEFESA PERANTE O ESTRESSEO mecanismo de defesa é uma operação cognitiva por extensão conhecimento, percepçãoque funciona como proteção para a pessoa diante os efeitos da ansiedade.Neste sentido, as defesas são adaptativas, pois permitem a pessoa continuar funcionandoem situações que geram ansiedade e as defesas utilizadas são ativadas para manter oequilíbrio psicológico.Está demonstrado que os mecanismos de defesa seguem uma seqüência previsível nodesenvolvimento da pessoa.Em outras palavras, desde a infância até a fase adulta, a pessoa utiliza diferentesdefesas diante as situações estressantes, de acordo com diferentes momentos emseu desenvolvimento.Como tais períodos de desenvolvimento envolvem um fator cognitivo, obviamente apessoa usa as defesas mais sofisticadas quando terá um amadurecimento maior.Isto leva a crer que existem mecanismos de defesa apropriados para uma idade nodesenvolvimento da criança.Cramer (1987), apresentou como se desenvolvem os mecanismos de defesasconsiderando principalmente três destas fases: negação, projeção e identificação. Autora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com
  12. 12. A negação defesa típica das crianças em idade pré-escolar diante as situações estressantesAutora da Apostila: Simone Helen Drumond http://simonehelendrumond.blogspot.com simone_drumond@hotmail.com (92) 8808-2372 / 8813-9525
  13. 13. A negação defesa típica das crianças em idade pré- escolar diante as situações estressantesA negação defesa típica das crianças em idade pré-escolar diante as situaçõesestressantes, afasta a atenção dos estímulos nocivos ou perigosos, pela negação de suaexistência.Durante as relações da criança com um ambiente estressante, as condutas que demonstramafirmações de negação do que está sucedendo, surge a percepção inesperada de otimismo,bondade ou gentileza numa situação onde claramente não existe otimismo, negandosentimentos, para "não ver" o estímulo ameaçador, etc., podem ser alusivas as utilizaçõesda negação.Este recurso se pode resumir em "não existe tal fato tão medonho".O que ocorre é uma pobre diferenciação entre os estímulos internos os externos (típico emidades infantis). Tanto as relações sociais como o crescente desenvolvimento cognitivocontribuem para reduzir o uso desta defesa, apesar do nível de fantasia, quando podeseguir, utilizando-se, sem distorcer, a realidade (por exemplo, quando os adultos se dispõema "sonhar de olhos abertos").Os adultos que utilizam tal mecanismo de defesa, como recurso principal para enfrentar oestresse, estariam utilizando uma defesa primitiva e portanto imatura. Autora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com
  14. 14. A projeção é utilizada, comumente pelas crianças em idade escolar e portanto mais madura para a negociaçãoAutora da Apostila: Simone Helen Drumond http://simonehelendrumond.blogspot.com simone_drumond@hotmail.com (92) 8808-2372 / 8813-9525
  15. 15. A projeção é utilizada, comumente pelas crianças em idade escolar e portanto mais madura para a negociaçãoA projeção é utilizada, comumente pelas crianças em idade escolar e portanto mais madurapara a negociação.A criança, nesta etapa, reconhece melhor o que acontece fora da realidade e no seu interior(suas fantasias); de forma similar, está aprendendo normas sociais que as interioriza econtrolam certos pensamentos e sentimentos que nestas idades são consideradosinaceitáveis.A projeção funciona atribuindo as características próprias que são desagradáveis ouinaceitáveis. "Não fui eu quem quebrou a vidraça foram eles" é uma afirmação que poderiaresumir o uso da projeção.As crianças (e adultos) que utilizam a projeção em situações de ansiedade, mostram umaséria distorção da realidade.A projeção é utilizada na infância e adolescência.Atribuir a própria agressividade ou sentimentos hostis a outros, a habilidade em afirmarconhecer e saber as necessidades e intenções de outros, a percepção de ser ameaçado sembases objetivas, etc.,são índices do uso da projeção. Autora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com
  16. 16. No mecanismo de identificação a ação recai sob a pessoaAutora da Apostila: Simone Helen Drumond http://simonehelendrumond.blogspot.com simone_drumond@hotmail.com (92) 8808-2372 / 8813-9525
  17. 17. No mecanismo de identificação a ação recai sob a pessoaNo mecanismo de identificação a ação recai sob a pessoa."Não são eles, sou eu" é uma afirmação que poderia ser identificado nesta defesa.Ocorre que quando chama para si certas qualidades ou características de outras pessoas.Durante a adolescência, esta engrenagem defensiva tem um papel importante. A imitação de atividades características de pessoas, a auto-estima conseguida através daidentificação com outras pessoas. Estas são expressões da identificação.As situações bipolares (êxito-fracaso) tendem a ser percebidas como ameaçadoraspara a própria auto-estima.Em tais situações, as crianças (assim como os adultos) utilizam geralmente a negação paraproteger-se da sensação de fracasso, enquanto que as crianças diante do êxito tendem autilizar mais defesas de identificação.A diferença de gênero influi como as crianças do sexo masculino e feminino utilizarão osmecanismos defensivos. Autora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com
  18. 18. No mecanismo de identificação a ação recai sob a pessoa Os meninos - tendem a orientar mais suas reações defensivas para o mundo exterior e são mais extrovertidos descarregando para fora suas emoções ou culpando aos demais pelo seu próprio fracasso. As meninas - pelo contrário, tendem a orientar suas respostas para o seu mundo interno. É mais esperado ver-se meninos expressarem suas queixas, agressão e reações a frustração às pessoas, objetos a situação externa em geral. As meninas são percebidas com comportamentos que refletem o voltar para si próprias as frustrações, agressividade ou emoções frustrantes; e é mais provável que também o fracasso seja atribuído para si próprias. Padrões de conduta frente ao estresse as crianças podem mostrar tais padrões diante dos agentes estressores. Esta reação é intenta adaptativa para ajustar as demandas do ambiente estressante.Autora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com
  19. 19. No mecanismo de identificação a ação recai sob a pessoaImaginemos, por um momento, uma linha reta em que num dosextremos estão as condutas adaptativas e efetivas, e no outroextremo os comportamentos desadaptativos diante os estressores.Então, as condutas que adota a criança para enfrentar o estressepodem ser vistas neste modo continuado.Se for traçada uma reta em torno da qual se supõe que gira una linhapara engendrar uma superfície, o uma superfície para engendrar umsólido se pode criar quatro quadrantes que correspondem aos modosem que as reações ao estresse das crianças podem tomar forma. Os quatro padrões de resposta ao estresse podem ser descritos daseguinte maneira: 1. DEPENDENTE; 2. REPRIMIDA; 3. PASSIVO-AGRESIVA; e 4. IMPULSIVA. Autora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com
  20. 20. No mecanismo de identificação a ação recai sob a pessoaRESPOSTA DEPENDENTE. SINTOMAS SIM NÃO Observações sobre este aspectoFalta de autoconfiançaDificuldade para aceitar as críticasPobre assertividadePouca participação em atividadesRESPOSTA REPRIMIDA SINTOMAS SIM NÃO Observações sobre este aspectoMuita sensibilidadefacilmente se irritam se ferem os seussentimentostemerosos diante de novas situaçõespouca confiança em si mesmospreocupados sem necessidade.RESPOSTAda Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com Autora PASSIVO-AGRESIVA.
  21. 21. No mecanismo de identificação a ação recai sob a pessoaRESPOSTA DEPENDENTE. SINTOMAS SIM NÃO Observações sobre este aspectoFalta de autoconfiançaDificuldade para aceitar as críticasPobre assertividadePouca participação em atividadesRESPOSTA REPRIMIDA SINTOMAS SIM NÃO Observações sobre este aspectoMuita sensibilidadeFacilmente se irritam se ferem os seussentimentosTemerosos diante de novas situaçõesPouca confiança em si mesmosPreocupados sem necessidade. Autora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com
  22. 22. No mecanismo de identificação a ação recai sob a pessoa Aceitação Resignada: SINTOMAS SIM NÃO Observações sobre este aspectoAceita a situação tal como ocorreHá um sentimento de submissão ao queacontece e que nada pode ser feito Descarga Emocional: SINTOMAS SIM NÃO Observações sobre este aspectoAs respostas deste tipo envolvem umacarência de controle nas emoçõesAs implicações destes conceitosanalisados devem alertar, tanto pais,como educadores, e os que convivemcom as crianças, para atuar comsensibilidade diante das necessidadesadaptativas das crianças. Autora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com
  23. 23. No mecanismo de identificação a ação recai sob a pessoa Desenvolvimento de Recompensas Alternativas: SINTOMAS SIM NÃO Observações sobre este aspectoPara compensar a frustração ou umsentimento de perdaA pessoa pode recorrer a procura demetas substitutasCriando fontes alternativas paraencontrar satisfação Fuga cognitiva : SINTOMAS SIM NÃO Observações sobre este aspectovive de fantasias, como que "sonhar deolhos abertos " para negar a situaçãoestressante Autora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com
  24. 24. No mecanismo de identificação a ação recai sob a pessoa Adicionado a isso que também grande parte dos estressores e recursos adaptativos provêm da relação que mantemos com as crianças quer no lar, na escola e na sociedade. Certos padrões de reação ao estresse podem ser previstos seja o que estão vinculados a etapas do desenvolvimento ou as classificações clínicas da conduta infantil; os pais e professores podem então estar melhor orientados em conhecer o resultado de possíveis reações de seus filhos diante os potenciais estressores previamente identificados no presente estudo.Autora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com
  25. 25. Agradeço as imagens públicas da internet e ao blog http://simonehelendrumond.blogspot.com Outras dicas para ajudar seus filhos em diversosaspectos do seu cotidiano social e escolar,você pode encontrar em...http://simonehelendrumond.blogspot.comAutora da Apostila: Simone Helen Drumond - simone_drumond@hotmail.com

×