Coleção planejamento ensino infantil simone helen drumond1

15.221 visualizações

Publicada em

Artigos Ensino Infantil Simone Helen Drumond

1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.221
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
199
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Coleção planejamento ensino infantil simone helen drumond1

  1. 1. 1 PLANEJAMENTO A SEQUÊNCIA DIDÁTICA Simone Helen Drumond Ischkanian GENERO TEXTUAL NARRATIVAS CANTADAS CONCEITO LINGUAGEM ORAL O SAPO NÃO LAVA O PÉ SAPO-CURURU O sapo não lava o pé Sapo-cururu não lava porque não quer Da beira do rio, ele mora na lagoa, Quando o sapo canta, não lava o pé ô maninha, porque não quer. É que está com frio... Releia a música Sapo-cururu e responda: 1. Por que o sapo canta? 2. Onde vive este sapo? 3. Vamos reler e cantar a música “O sapo não lava o pé” e responda: Este sapo mora no mesmo lugar do outro? Onde ele mora? CIÊNCIAS NATURAIS Quando uma criança ou adulto não lava o pé, o que acontece? Será que esse sapo que não lava o pé tem chulé? Aqui na sala alguém tem chulé? Vamos aprender a cuidar do nosso chulé com talco. Obs. Pedir para as crianças tirarem os calçados, observarem seus pés, contarem os dedos, perceberem o odor (cheiro) de seus pés, compreenderem e expressarem se os odores de seus pés são agradáveis (cheirosos) ou LINGUAGEM ESCRITA: Desenho interpretativo da canção – O SAPO fedorentos. NÃO LAVA O PÉ. CIÊNCIAS SOCIAIS LINGUAGEM ARTISTICA: Construção de fantoche - O SAPO. Quem aqui da classe mora (vive) a beira ou próximo a um igarapé? Como é esse igarapé MATEMÁTICA (limpo ou sujo)? E o cheiro? É bom viver Quantos sapos aparecem na canção “O sapo não lava o pé”? E na canção Sapo assim? Será que a lagoa ou rio dos sapos das Cururu”? Quantos sapos podemos encontrar nas duas canções? Vamos contar? canções são poluídos? Por quê? Como você percebeu isso? Ao se cantar uma canção, remetemos ao que Piaget (1923) descreveu como linguagem egocêntrica, na qual as crianças conversam, com um pequeno interesse para um destinatário. Elas simplesmente apreciam ouvi-las repetir. Pode ser que a necessidade pela linguagem egocêntrica realmente nunca nos deixe e é preenchida particularmente pela música. Krashen (1985) sugere que esta repetição involuntária pode ser a manifestação do “processo de aquisição da língua de Chomsky”. Parece que nosso cérebro tem uma condição natural a repetir o que ouvimos em nosso ambiente para nos habilitar à compreensão. As canções podem fortemente ativar o mecanismo de repetição do processo de aquisição da língua. Certamente deve acontecer isso com as crianças, que aprendem canções quase sem esforço. As canções, em geral, também usam uma simples linguagem conversacional, com bastante repetição, que é justamente o que muitos professores de línguas procuram em textos simples. O fato de elas serem afetivas faz delas, muitas vezes, mais motivantes que outros textos. Embora geralmente simples, algumas canções podem ser bastante complexas sintática, lexical e poeticamente, e podem ser analisadas da mesma maneira que outros aspectos literários. http://simonehelendrumond.blogspot.com.br/2010/05/musica-cinco-patinhos-simone-helen.html
  2. 2. 2 LINGUAGEM MUSICAL (MUSICA E MOVIMENTOS DRAMATIZADOS) E LINGUAGEM ARTÍSTICA – 5 PATINHOS DA XUXA
  3. 3. 3 GENERO TEXTUAL CONCEITO Adivinhas ou adivinhações? E até mesmo, o que é? O que é? Esse contexto é compreendido como um conjunto de charadas desafiadoras que permitem as crianças refletirem sobre o contexto tratado. As adivinhas são elaboradas por pessoas e tais argumentações estão fincadas em nossa cultura popular brasileira, também conhecida como cultura folclórica. As crianças gostam muito das atividades de adivinhas, mas há adultos que adoram brincar de descobrir. Exemplos de adivinhas: ADIVINHAS LINGUAGEM ORAL: 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Todo mundo tem mas quando precisa vai buscar no armazém? Branco por fora e amarelo por dentro? Tem rabo, tem osso e voa por cima da casa? Que a galinha foi fazer na igreja? O que entra na água, mas não se molha? Corre no sujo e quando chega no limpo para? Que tem bico, mas não bica, tem asa mais não voa? “As adivinhas estão intimamente relacionadas a: trava-línguas, crendices ou supertições, provérbios, brincadeiras, canções, lendas, ditados populares, contos e parlendas”. (http://www.ensinar-aprender.com.br/2011/07/oque-sao-adivinhas.html)
  4. 4. 4 PROJETO MEU LIVRO DE ADIVINHAS Simone Helen Drmond Ischkanian Projeto adaptado de CORREA, Tezinha Konzen. Disponível em http://cmeicampoalto.blogspot.com.br/2011/10/meu-livro-de-adivinhas.html Objetivo: Compreender a importância de solucionar probleminhas relacionados ao contexto da matemática. Objetivos específicos:    Revelar hipóteses para distinguir meios e assim projetar soluções para desafios propostos; Resolver situações problemas por meio dos procedimentos metodológicos; Opinar e projetar perspectivas relacionadas ao contexto de trabalho; Justificativa As adivinhas são perguntas enigmáticas. Ao serem lançadas proporciona as crianças um desafio. Instigadas pelo professor/educador levantam hipóteses para resolver a situação desenvolvendo desta maneira pensamento, a elaboração e expressão de ideias. “A organização do pensamento estrutura-se e aprimora-se a partir da fala, o que possibilita às crianças o estabelecimento de relações mentais cada vez mais complexas.” (Diretrizes Curriculares para Educação Municipal de Curitiba; Educação Infantil, caderno objetivos de aprendizagem: uma discussão permanente apud http://cmeicampoalto.blogspot.com.br/2011/10/meu-livro-de-adivinhas.html). Adivinhas ou adivinhações? E até mesmo, o que é? O que é? Esse contexto é compreendido como um conjunto de charadas desafiadoras que permitem as crianças refletirem sobre o contexto tratado. As adivinhas são elaboradas por pessoas e tais argumentações estão fincadas em nossa cultura popular brasileira, também conhecida como cultura folclórica. As crianças gostam muito das atividades de adivinhas, mas há adultos que adoram brincar de descobrir. Exemplos de adivinhas: Estratégia   Confeccionar junto às crianças um livro intitulado: “meu livro de adivinhas”. Principiar com uma roda de conversa tendo como disparador “o livro”; nela será abordado os cuidados em relação ao objeto, o que está registrado dentro dele, averiguar preferências de algum livro que tenham ouvido... .
  5. 5. 5    Esclarecer sobre a confecção do livro e o que é uma adivinha. Num segundo momento faremos a confecção de cartaz na parte externa da sala contendo a adivinha a ser apresentada no dia com o intuito de envolver as famílias no projeto. As famílias irão tentar resolver o enigma, anotando em sulfite o seu palpite. Os palpites serão usados na apresentação dos enigmas para as crianças. Proporcionar das adivinhas as crianças, incitando – os a descobrirem o que é. Assim que, adivinharem ou a resposta for dado, à criança fará o registro da resposta em desenho. A decorrência de ambas as atividades irá compor o livro. Também será feito um livro para o portfólio da turma. Primeira adivinha “Tem barba e não tem queixo, tem dentes, mas não tem boca, tem cabeça e não tem pés?” Resposta: alho Para esta adivinha será levado para sala uma cabeça de alho, o qual será colocado num saquinho de TNT para que possam cheirar e manusear. O desenho será feito sobre o sulfite e giz de cera. Segunda adivinha “O que é que é, dois redondos e um cumprido, que entre as pernas anda metido?” Resposta: Bicicleta Para esta adivinha será usado um recorte de revista para explicar a adivinha além de gestos como andar de bicicleta. O desenho será feito sobre sulfite e giz de cera. Terceira adivinha “O que é uma coisa que tem pernas, tem costas e não é gente?” Resposta: Cadeira Para esta adivinha será usado as cadeiras da sala. O desenho será feito no sulfite e giz de cera. Quarta adivinha “É uma coisa de três bocas, tem pernas e não tem mãos; quem não a possuir dificilmente poderá sair?” Resposta: calças Para esta adivinha será usada uma calça. O desenho será feito com sulfite com lixa número 1 e giz de cera. Quinta adivinha “Não sou bonito por trás, mas sou bonito pela frente, pois estou sempre a mudar por que imito a muita gente. Quem sou?” Resposta: espelho Para esta adivinha utilizaremos um espelho dento de uma caixa. A técnica de desenho será o raspado (sulfite pintado de giz de cera diversas cores coberto com tinta guache preta; como riscante palito de churrasco) Sexta adivinha “O que é que nós podemos tirar antes de termos?” Resposta: Fotografia
  6. 6. 6 Levar fotografias. Para o desenho utilizaremos sulfite e lápis de cor. Sétima adivinha “O que é o que é que nasce grande e morre pequeno?” Resposta: Lápis Mostrar lápis novo e usado de diferentes tamanhos. O desenho será feito no paint. Oitava adivinha “Qual é a parte do corpo que mais coça?” Resposta: mão Efetuar gestos com as mãos. Para o desenho usaremos sulfite e caneta hidrocor. Nona adivinha O que é o que é dá pulos e se veste de noiva? Resposta: Pipoca Levar pipoca sem estourar e estourada. Papel cartão ou cartolina preta, tinta guache branca e canudos. (desenho soprado). Décima adivinha “O que é que é tem capa, mas não é super homem, tem folha, mas não é árvore, tem orelha, mas não é gente?” Resposta: livro Mostrar livros. Para o desenho usaremos sulfite e caneta hidrocor Saberes da criança   As crianças conseguiram resolver algum dos enigmas propostos? Levantaram hipóteses? Avaliação Proporcionar as crianças um desafio como as adivinhas, que as fazem tentar descobrir a resposta, falar o que pensam e justificar a sua resposta é recompensador, uma vez que a criança é capaz de revelar um pensamento estruturando e organizando.
  7. 7. 7 REFERENCIA BIBLIOGRÁFICA: TEXTO 1 – A LITERARTURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Polyana Fernandes Pereira dos Santos e Marco Aurélio Gomes de Oliveira TEXTO 2 - O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL-O APRENDER BRINCANDO – Vanda Maria C. Salmeron, Laís de Santana Araújo e Paula Tauana Santos. TEXTO 3 – Vídeo: A FLOR MAIS GRANDE DO MUNDO – José Saramago TEXTO 4 – PROJETOS PEDAGOGICOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL – Disponível em: http://cefort.ufam.edu.br/posinfantil/mod/folder/view.php?id=972 TEXTO 5 - DRUMOND, Simone Helen Ischkanian. O lúdico jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprendizagem na educação infantil. Disponível em http://www.slideshare.net/SimoneHelenDrumond/o-ldico-jogos-brinquedos-e-brincadeiras-na-construo-do-processode-aprendizagem-na-educao-infantil-simone-helen-drumond
  8. 8. FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL EIXOS DE TRABALHO Identidade e Autonomia  Conhecimento de sentimentos, valores, idéias, costumes e papéis sociais do universo infantil. HABILIDADES Os primeiros anos da criança são os mais importantes na construção de sua identidade, auto-estima, valores e conhecimentos. CONTEÚDOS Identidade – Quem sou eu? PROCEDIMENTO METODOLÓGICO 8 Experimentar e utilizar os recursos de que dispõem para a satisfação de suas necessidades essenciais, expressando seus desejos, sentimentos, vontades e desagrados, e agindo com progressiva autonomia. Bons valores – como formador de atitudes de ajuda, colaboração e compartilhando em suas vivências escolares e na comunidade que Os valores e normas também são pertence. Valer-se de cartazes em todos os contextos para trabalhados com as crianças, pois que os alunos possam fixar o contexto em são essenciais para o convívio Cooperação – como formador das estudo, como: social e respeito mútuo. habilidades para autonomia infantil 1. Identidade. 2. Valores. Solidariedade – como principio das 3. Cooperação. Valorizar ações relacionadas a: ações infantis. 4. Solidariedade. cooperação, solidariedade, 5. Amizade. amizade e Bons valores. Amizade – como principio dos bons valores e boa conduta social, pois no mundo, precisamos viver em grupo e saber conviver é um dom que aprimora-se desde o contexto infantil a até a fase adulta.
  9. 9. 9 CONHECIMENTO DE MUNDO EIXOS DE TRABALHO Movimento  Expressividade Equilíbrio e coordenação Música  O fazer musical  Apreciação musical HABILIDADES CONTEÚDOS Movimentar-se livremente Movimentos livres. demonstrando suas possibilidades com relação ao Jogos de correr, subir, descer corpo e ao espaço. escorregar, pendurar, rastejar, saltar, rolar e engatilhar. Proporcionar momentos que favoreçam a desinibirão através da dança e da música. Ampliar o repertório musical. Sessões de dança e brincadeiras musicais. Reprodução de músicas que envolvam os temas das datas comemorativas do mês de agosto. PROCEDIMENTO METODOLÓGICO Movimentos livres a partir de músicas; passeios pela escola. Participação em jogos: correr, subir, descer escorregar, pendurar, rastejar, saltar, rolar e engatilhar. Ouvir e dançar musicas relacionada as datas comemorativas do mês de agosto. CD datas comemorativas. Aprender coreografias de musicas envolvam o esquema corporal: rock pop. que Vivência o silêncio. Exploração do silêncio. Incentivar e desenvolver o hábito Artes visuais de desenho, estimulando assim a  O fazer artístico  Apreciação em artes fantasia da criança. visuais Estimulação de confecção de brinquedos e artes visuais, através da sucata. Estimular a coordenação motora fina da criança e a criatividade com o uso da massinha. Artes: desenho livre e pintura. Sucatas. Descobrir os sons que o corpo pode produzir: palmas, bater o pé, sons com a boca, e outros que a professora descobrir. Utilização de lápis, pincéis, cola com muito incentivo, estimulando a criança através da amabilidade. Criação de desenhos livre, pinturas, rasgaduras e colagens, modelagens (massa). Massinha. Valer-se de material de sucatas, para ampliar a criatividade. Promover momentos de modelagem livre e dirigida.
  10. 10. 10 Linguagem oral e escrita 4 a 5 anos:  Falar e escutar  Práticas de leitura Práticas de escrita Experimentar materiais variados, para produção de imagens livres, dirigidas e interpretativas. Desenhos livres, interpretativos. dirigidos Respeito à produção e escrita alheia. Reconhecimento do próprio nome (jogos com crachás). Verbalização do próprio nome, da professora e dos colegas. e Produção de desenhos e pinturas. Observação da escrita da professora para reconhecer e traçar o nome próprio de forma adequada. Jogos com crachás para reconhecimento da escrita do nome próprio e nomes a partir das letrinhas em estudo. Favorecer a observação da escrita livre no nome e das palavras chaves das letras em estudo silábicas Bb, Cc, Dd, Ff, Gg, Hh, Jj, Ll, Mm, Nn, Pp, Qq, Rr, Ss, Tt, Vv, Xx, Zz . Letras - encontro de vogais e Observação da escrita da professora de palavras famílias silábicas Bb, Cc, Dd, Ff, Gg, contextualizadas (nome próprio, dos objetos da Hh, Jj, Ll, Mm, Nn, Pp, Qq, Rr, Ss, sala; nome das pessoas). Tt, Vv, Xx, Zz. Aulas dialogadas, vivenciadas, com auxílio de materiais concretos, excursões, entrevistas, atividades orais e escritas, dramatização e Favorecer a expressão livre da Expressão dos desejos e músicas envolvendo o contexto em estudo. criança. necessidades, a partir de cada palavra chave das letras das silábicas Bb, Cc, Atividades gráficas que promovam o interesse Dd, Ff, Gg, Hh, Jj, Ll, Mm, Nn, Pp, da criança. Qq, Rr, Ss, Tt, Vv, Xx, Zz. Trabalhar as vogais, encontro de vogais e famílias silábicas com música e movimento. Executar exercícios Exercícios fonoarticulatórios: sopro, fonoarticulatórios para favorecer bochecha, lábio e língua. Trabalhar as noções do conteúdo no dia-a-dia da a expressão da fala. criança, explicando-a sempre que ocorrer dúvidas. Trabalhar também com jogos, brincadeira, histórias e músicas. O lúdico estará presente em todas as atividades.
  11. 11. 11 CONHECIMENTO DE MUNDO EIXOS DE TRABALHO Matemática 4 a 5 anos:  Números e sistema de numeração (contagem, notação e escrita numéricas e operações)  Grandezas e medidas  Espaço e forma Natureza e Sociedade 4 a 5 anos:  Organização dos grupos e seu modo de ser, viver e trabalhar  Os lugares e suas paisagens  Objetos e processos de transformação  Os seres vivos  Os fenômenos da natureza. HABILIDADES Estabelecendo relações entre os conceitos em estudo, ampliando assim o contexto cognitivo sobre as estruturas lógicas e os números em estudo. CONTEÚDOS PROCEDIMENTO METODOLÓGICO Estruturas lógicas da linguagem matemática: Através do uso de material concreto (brinquedos, sucatas, palitos de picolé, tampinhas e outros palpáveis) promover a discriminação dos 1.Discriminar semelhanças e elementos, por meio da contagem um a um até o diferenças. número 13. 2.Comparação e identificação de conjuntos envolvendo os números Contagem oral contextualizada (número de em estudo. colegas, salas, objetos de classe); 3.Correspondência um a um. Identificar por meio da contagem 4.Cores primárias e secundarias. Exercícios gráficos envolvendo os números de 1 e visualização os números de 1 a a 13 Número de 1 a 13. 13. Estimulação dos 5 sentidos, O corpo humano Exercícios lúdicos, práticos e gráficos e que desenvolvendo a capacidade de (os sentidos, hábitos de higiene e desenvolvam a visão, audição, tato, olfato e auto-higiene e a identificação e partes do corpo). gustação. nomeação das partes do corpo. Incentivar também o lavar as mãos, escovar os Incentivar a importância dentes sempre que necessário, através de ecológica, através da jardinagem músicas e histórias, que despertem o interesse da e horticultura em sala de aula. criança. Apresentar a diferença entre A natureza Plantar de mudas ou flores (se for mais viável, campo/cidade e praia, (dia/noite/tempo, água, campo, fazer a germinação do feijão). estabelecendo a noção de tempo. cidade, praia, seres vivos e não vivos, plantas e animais). Explorar o meio ambiente, por meio de livros e Identificar a importância da água revistas que auxiliam a explicação sobre a para os seres vivos mostrando a natureza. diferenciação entre seres vivos e não vivos. Por meio das atividades gráficas e lúdicas, nomear e reconhecer dia/noite/tempo, água, campo, cidade, praia, seres vivos e não vivos, plantas e animais. Avaliação: 1.Observação - 2. Participação - 3. Socialização de saberes (de acordo com a maturação de cada aluno) – 4. Cooperação – 5 Efetivação das atividades. Fonte: DRUMOND, Simone Helen Ischkanian. A arte de planejar na Educação Infantil. 2012
  12. 12. 12 LEIAM A COLEÇÃO DE PLANEJAMENTOS E ARTIGOS DE SIMONE HELEN DRUMOND ISCHKANIAN SOBRE A EDUCAÇÃO INFANTIL

×