Revisão <ul><li>Cronobiologia – ganha força a partir de 1950. </li></ul><ul><li>Àreas: </li></ul><ul><li>Cronofisiologia <...
<ul><li>Ritmo ultradiano – menor que 20 h ou mais de um ciclo em 24 h  </li></ul><ul><li>Ritmo infradiano – maior que 28 h...
Natureza rítmica dos processos biológicos
Ritmos Biológicos Vias eferentes Vias aferentes Temporizador externo Claro-escuro Duração do fotoperíodo Temporizador inte...
Melatonina pré-ganglionar N. paraventricular Gl. pineal SNA simpático NSQ RETINA HIPOTÁLAMO pós-ganglionar EPITÁLAMO - - +...
Por que dormimos? - Não sabemos direito mas a sua privação causa muitos transtornos. O que é sono? - Perda reversível do e...
<ul><li>O sono tem dois estados: </li></ul><ul><li>SONO NÃO-REM </li></ul><ul><li>SONO REM </li></ul><ul><li>O sono Não-RE...
Numa noite de sono (8horas), passamos por ciclos de sono que se repetem umas 5 vezes. Entre a fase IV e a I ocorre o sono ...
ESTÁGIO 1 (5 min)  Predomina as ondas   ; Responde a perguntas mas não se lembra do que disse ou ouviu; quando estimulado...
<ul><li>Além das alterações cíclicas do EEG ocorrem oscilações viscerais e somáticas, particularmente durante os episódios...
A arquitetura do sono varia entre as pessoas e com a idade
RITMOS BIOLÓGICOS
Implicações Psiquiátricas <ul><li>Arranjos sindrômicos de interesse psiquiátrico </li></ul><ul><li>Distúrbios do Sono </li...
<ul><li>A privação do sono parodoxal (REM) torna o indivíduo facilmente irritável e com limitação de suas funções intelect...
<ul><li>2. Distúrbios do Humor  </li></ul><ul><li>Pelas manhãs ficam agravadas a tristeza, as idéias pessimistas, a culpa,...
<ul><li>3. Esquizofrenias  </li></ul><ul><li>Insônia costuma ser o sintoma da atividade delirante e dos sintomas psicótico...
<ul><li>A escuridão da noite facilita o aparecimento das ilusões, alucinações e percepções delirantes.  </li></ul><ul><li>...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula 3 Cronobiologia e Depressão

2.566 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.566
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
108
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
74
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 3 Cronobiologia e Depressão

  1. 1. Revisão <ul><li>Cronobiologia – ganha força a partir de 1950. </li></ul><ul><li>Àreas: </li></ul><ul><li>Cronofisiologia </li></ul><ul><li>Cronopatologia – “Cronopsiquiatria” </li></ul><ul><li>Cronofarmacologia </li></ul><ul><li>Relógios biológicos: </li></ul><ul><li>Circadiano: em torno de um dia – 24 h (4 horas) </li></ul>
  2. 2. <ul><li>Ritmo ultradiano – menor que 20 h ou mais de um ciclo em 24 h </li></ul><ul><li>Ritmo infradiano – maior que 28 h ou menos de um ciclo a cada 24 horas. </li></ul>
  3. 3. Natureza rítmica dos processos biológicos
  4. 4. Ritmos Biológicos Vias eferentes Vias aferentes Temporizador externo Claro-escuro Duração do fotoperíodo Temporizador interno Relógio biológico SNC ZEITGEBERS Relógio Biológico Trato retino-hipotalâmico Núcleo-supraquiasmático (HIPOTÁLAMO) Outras áreas do SNC Órgãos efetuadores Ritmos circadianos Órgão fotossensível Glândula Pineal Ritmos infradianos
  5. 5. Melatonina pré-ganglionar N. paraventricular Gl. pineal SNA simpático NSQ RETINA HIPOTÁLAMO pós-ganglionar EPITÁLAMO - - + + + + parada de postura Primavera/Verão Outono/Inverno Regressão Gonadal Indução do sono Diminuição do efeito inibitório do NSQ Diminuição da luz Liberação do SNA simpático
  6. 6. Por que dormimos? - Não sabemos direito mas a sua privação causa muitos transtornos. O que é sono? - Perda reversível do estado de consciência - Estado de limiar reduzido aos estímulos ambientais, postura estenotipada (deitado e de olhos fechados) e período de reduzida atividade motora - Experiências oníricas = sonho Caracterização do sono 1) Comportamento 2) Atividade cerebral (Eletroencefalograma – EEG) 3) Atividade muscular (Eletromiograma – EMG) 4) Movimentos oculares (eletro-oculograma – EOG) 5) Atividades viscerais (FC, Pa, FR, etc) Ciclo vigília-sono Não dormir ou dormir mal: dificuldades para realizar atividades cognitivas Medicina do trabalho
  7. 7. <ul><li>O sono tem dois estados: </li></ul><ul><li>SONO NÃO-REM </li></ul><ul><li>SONO REM </li></ul><ul><li>O sono Não-REM apresenta 4 estágios , durante os quais as ondas se tornam cada vez mais lentas e aumentam a amplitude. O EEG se torna sincronizado e a profundidade do sono aumenta. </li></ul><ul><li>O sono REM é um tipo de sono onde EEG fica dessicronizado e ocorre movimentos rápidos dos olhos (rapid eyes movements). </li></ul>Tipos e estágios do Sono
  8. 8. Numa noite de sono (8horas), passamos por ciclos de sono que se repetem umas 5 vezes. Entre a fase IV e a I ocorre o sono REM. A medida que o sono chega ao fim, a profundidade diminui e a duração do sono REM aumenta. Total de Sono Estagio I : 4 a 5% Estagio II: 45 a 55% Estagio III: 4 a 6 % Estagio IV: 12 a 15%
  9. 9. ESTÁGIO 1 (5 min) Predomina as ondas  ; Responde a perguntas mas não se lembra do que disse ou ouviu; quando estimulado, desperta com sobressalto ESTÁGIO 2 (10 a 20min) Surgem os fusos e os complexos K ESTÁGIO 4: Sono profundo Predominam as ondas δ; redução do tônus cervical Ambos somam 20 a 40 min) ESTÁGIO 3: Fusos interrompidos por ondas  SONO REM (5 a 15 min) Sono com sonhos O EEG e o EOG se assemelham da vigília VIGILIA: Predominam as ondas 
  10. 10. <ul><li>Além das alterações cíclicas do EEG ocorrem oscilações viscerais e somáticas, particularmente durante os episódios de sono REM. </li></ul><ul><li>Aumento dos movimentos oculares </li></ul><ul><li>Atonia muscular </li></ul><ul><li>Aumento da freqüência cardíaca </li></ul><ul><li>Aumento na freqüência respiratória </li></ul><ul><li>Ereção peniana </li></ul>
  11. 11. A arquitetura do sono varia entre as pessoas e com a idade
  12. 12. RITMOS BIOLÓGICOS
  13. 13. Implicações Psiquiátricas <ul><li>Arranjos sindrômicos de interesse psiquiátrico </li></ul><ul><li>Distúrbios do Sono </li></ul><ul><li>A insônia: </li></ul><ul><li>Iniciais: na primeira fase do sono; </li></ul><ul><li>Intermitentes: correspondem ao despertar frequente; </li></ul><ul><li>Final – é o acordar no início da madrugada. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>A privação do sono parodoxal (REM) torna o indivíduo facilmente irritável e com limitação de suas funções intelectuais. </li></ul><ul><li>É sabido que o sonho é um protetor do sono. A atividade onírica é de grande interesse para a psicanálise para compreender e interpretar o inconsciente dinâmico. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>2. Distúrbios do Humor </li></ul><ul><li>Pelas manhãs ficam agravadas a tristeza, as idéias pessimistas, a culpa, a ansiedade – tentativas de suicídio... </li></ul><ul><li>A depressão aparece mais no outono e no inverno. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>3. Esquizofrenias </li></ul><ul><li>Insônia costuma ser o sintoma da atividade delirante e dos sintomas psicóticos em geral: vivências de perseguição, da estranheza da personalidade (despersonalização) ou do mundo (desrealização), o que chama a atenção dos familiares é a insônia. </li></ul>
  17. 17. <ul><li>A escuridão da noite facilita o aparecimento das ilusões, alucinações e percepções delirantes. </li></ul><ul><li>Ao se sentir ameaçado por supostos inimigos, à noite, torna-se muito mais difícil controla o mundo externo. </li></ul>

×